Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

COMO FUNCIONAM OS ATAQUES DE TUBARÃO

Os tubarões são, talvez, as criaturas que mais aterrorizam as pessoas em todo o mundo. Sua temível aparência, tamanho grande e seu ambiente hostil se combinam para fazê-los parecer como os protagonistas de um pesadelo. A violência súbita de um ataque de tubarão é realmente uma experiência aterrorizante para a vítima. Mas os tubarões são, de fato, monstros assustadores que têm preferência por carne humana?


Foto cedida Carl Roessler
Um grande tubarão-branco

Neste artigo, descobriremos por que os tubarões atacam, como atacam e que tipos de tubarão atacam pessoas com mais freqüência. Também veremos algumas maneiras de evitar ataques de tubarão.

Por que os tubarões atacam
Em 90% dos incidentes com tubarões, o que ocorre é um erro. Os tubarões acham que somos alguma coisa que não somos. - Gary Adkison, mergulhador ("Sharkbite! - "Mordida de tubarão! Sobrevivendo ao grande branco")

Ainda que os ataques de tubarão possam parecer cruéis e brutais, é importante lembrar que eles não são criaturas do mal que caçam humanos constantemente. Eles são animais que obedecem seus instintos, como todos os outros. Como predadores no topo da cadeira alimentar do oceano, os tubarões são projetados para caçar e comer grandes quantidades de carne. A dieta de um tubarão consiste em outras criaturas do mar, principalmente peixes, tartarugas marinhas, baleias, leões-marinhos e focas. Os seres humanos não estão no cardápio dos tubarões. De fato, os humanos não fornecem carne com gordura suficiente para os tubarões, que precisam de muita energia para movimentar seus corpos grandes e musculosos.

Se os tubarões não têm interesse em comer os humanos, por que eles nos atacam? A primeira dica vem de um padrão que a maioria dos tubarões segue. Na maioria dos ataques registrados, o tubarão morde a vítima, pára por alguns segundos (possivelmente arrastando a vítima pela água e sob a superfície), e depois a solta. É muito raro um tubarão fazer repetidos ataques e realmente comer uma vítima humana. O que acontece é que o tubarão confunde um ser humano com alguma coisa que ele geralmente come. Depois que ele sente o gosto, percebe que aquela não é a comida com a qual está acostumado e solta a pessoa.


Para um tubarão, um surfista batendo os braços sobre uma prancha de surfe
pode parecer muito com uma presa usual

A confusão do tubarão é mais fácil de compreender se enxergarmos as coisas sob o ponto de vista do animal. Muitas vítimas de ataque são surfistas ou pessoas andando de boogie boards. Um tubarão nadando embaixo d`água vê grosseiramente um formato oval com braços e pernas pendentes remando ao longo da superfície. Isto cria uma grande semelhança com um leão-marinho (a principal presa dos grandes tubarões-brancos) ou uma tartaruga marinha (uma comida comum para os tubarões-tigres).

Os ataques também ocorreram com freqüência quando humanos pescavam com arpões em águas oceânicas. Os tubarões são atraídos por sinais enviados por peixes mortos: o cheiro do sangue na água e os impulsos elétricos emitidos à medida que o peixe luta. Os tubarões detectam estes sinais com suas ampolas de Lorenzini, um conjunto de "detectores" sob a pele no nariz do tubarão. As ampolas são células eletricamente sensíveis que se conectam à superfície da pele por meio de pequenos tubos. Assim que o tubarão chega ao local, ele pode se tornar agitado e agressivo na presença de tanta comida. Um tubarão faminto e excitado pode facilmente confundir um ser humano com sua presa usual.

Mito número 1 sobre os tubarões:
eles são assassinos

Filmes como "Tubarão" e relatos históricos sobre ataques (como aqueles em Nova Jersey em 1916) deram vazão ao mito do tubarão assassino. Este é aquele que decide se realmente gosta de comer seres humanos. Ele exibe um comportamento atípico, aparece fora de sua região habitual e faz ataques adicionais na mesma área durante vários dias.

É impossível afirmar que não existe absolutamente nenhum tubarão assassino: tubarões individuais podem exibir comportamentos estranhos, possivelmente porque estão doentes ou machucados. Diferentes condições do oceano podem enviar tubarões para além de seu alcance enquanto eles perseguem espécies que são suas presas.

Porém, não há nenhuma evidência que indique que os tubarões jamais "desenvolveram um gosto por carne humana". Mesmo se uma série de ataques ocorre em uma área, provavelmente diferentes tubarões são responsáveis por isso, porque eles tendem a viajar grandes distâncias em um único dia. Isto significa que o tubarão que fez o primeiro ataque provavelmente está a centenas de quilômetros de distância do local onde o segundo ataque ocorreu. Varrendo a área com barcos de pesca e matando tubarões horas depois de um ataque, é pouco provável conseguir capturar o tubarão específico responsável pelo ataque.

Existem casos nos quais os tubarões parecem atacar motivados pela agressão e não pela fome. Sabe-se muito pouco sobre o comportamento dos tubarões, mas acredita-se que algumas espécies, incluindo os grandes tubarões-brancos, exibem comportamento dominante sobre outros tubarões. Este comportamento pode assumir a forma de "socos" com o nariz, ou mordidas que não ferem muito a resistente pele de um tubarão.

Às vezes, o tubarão ataca porque está respondendo a uma agressão humana. Os tubarões-dormedores, por exemplo, geralmente são peixes calmos que permanecem parados no fundo do oceano. Por alguma razão, isto faz com que alguns mergulhadores achem uma boa idéia puxar suas caudas. Tubarões-dormedores irritados ensinaram muitos mergulhadores a não tocá-los. Por esta razão, as estatísticas de ataques de tubarão são divididas entre ataques provocados e não-provocados.

Anatomia de um ataque de tubarão
Uma característica dos tubarões é que eles têm olhos sem vida, olhos negros como os de uma boneca. Quando ele se aproxima de você, nem parece estar vivo, até ele te morder e aqueles olhos negros se revirarem e ficarem brancos... - Quint, "Jaws" ("Mandíbulas")

Raramente há algum aviso. O surfista ou nadador movimenta os braços sem ter idéia do que está prestes a acontecer. O primeiro sinal é um impacto enorme e súbito, quando o tubarão se lança em direção à vítima. Os grandes tubarões-brancos são conhecidos por atacar leões-marinhos ao ponto de saltarem completamente para fora d`água com a presa em suas mandíbulas. No livro "Shark Attacks" ("Ataques de tubarão"), a salva-vidas grávida Dawn Schaumann relembra quando foi atacada, a cerca de 100 metros da costa da Flórida, em 1993: "Um tubarão me mordeu com tanta força que pareceu um enorme caminhão", disse ela. "Meu primeiro pensamento foi: minha hora chegou".

O surfista Kenny Doudt foi atacado por um tubarão branco na costa de Oregon, em 1979. Ele descreve o ataque em seu livro, "Surfing With the Great White Shark" ("Surfando com o grande tubarão-branco"): "Eu ouvi um ronco abafado quando as imensas mandíbulas do tubarão se cravaram em minhas costas, pressionando a prancha contra o meu peito. O tubarão me puxou um metro sob a água, mas não conseguiu me manter lá embaixo devido à flutuação da prancha de surfe. Senti uma enorme pressão no meu peito e ouvi as costelas se quebrando e a parte interna da prancha sendo mastigada".



Foto cedida Carl Roessler
Um grande tubarão-branco tentou fazer uma refeição com
Kenny Doudt e sua prancha de surfe

O ataque aconteceu como se o tubarão estivesse se alimentando normalmente. Os tubarões brancos atacam os leões-marinhos por baixo, com uma única mordida potente, arrastando a presa para dentro da água. Depois, eles permitem que a presa debilitada flutue na água e sangre até morrer para depois de alguns minutos retornarem para terminar sua refeição. No caso de Doudt, o tubarão não conseguiu realizar sua mordida inicial por causa da prancha, mas continuou tentando por cerca de 20 segundos. "Eu me senti completamente indefeso, quando o meu corpo inteiro foi erguido bem acima da água, depois jogado de volta para baixo da superfície", ele recorda.

Posteriormente, o tubarão soltou Doudt. Apesar de ter temido um ataque subseqüente enquanto nadava na costa, o tubarão se afastou e não atacou novamente. O tubarão deve ter percebido que um surfista e uma prancha não seriam uma boa refeição. Os tubarões-brancos são muito exigentes com o que comem: se recusam a comer coisas que não sejam suas presas usuais depois de uma mordida inicial.

Porém, existem muitas espécies de tubarão e cada uma tem suas características específicas. Os ataques de tubarão em águas marinhas profundas geralmente não são ataques do tipo atacar-e-correr. Nos casos em que as as vítimas freqüentemente são sobreviventes de navios afundados ou quedas de avião, os tubarões circulam o cenário. Eles então golpeiam as vítimas das extremidades do grupo ou aqueles que já estão feridos, antes de atacarem com mordidas.

Um dos mais famosos ataques de tubarão foi o ocorrido com o USS Indianapolis, afundado por torpedos japoneses no Oceano Pacífico, em 1945. Foram necessários muitos dias para que as equipes de resgate chegassem até o navio. Quando a equipe de resgate da Marinha chegou, somente 317, dos mais de quase mil sobreviventes do naufrágio inicial, ainda estavam vivos. Os tubarões-tigres foram responsáveis pela maioria das mortes.


Foto cedida Carl Roessler
Um tubarão-tigre

O tubarão-touro também é conhecido por seu atípico comportamento de ataque. Ele tem esse nome em parte devido à persistência de seu ataque circulando-o, atacando-o novamente e repetindo o padrão. Uma garota de 14 anos que recentemente foi atacada por um tubarão na costa da Flórida foi vítima de um tubarão-touro que não soltou sua perna mesmo quando alguém chegou para ajudá-la. Ele continuou circulando e atacando, e até avançou na pessoa do resgate.

Mito número 2 sobre os tubarões:
eles são violentas máquinas comedoras
Os filmes de Hollywood e as notícias de jornal deram aos tubarões uma reputação de criaturas violentas, sem cérebro, que agem como mísseis aquáticos: eles simplesmente nadam até atacar um alvo e depois comê-lo. Existem duas razões para este mito:

1. os tubarões-tigres parecem comer de tudo e há várias histórias sobre objetos estranhos encontrados em seus estômagos;

2. na verdade, não sabemos muito sobre os tubarões. Eles são extremamente difíceis de serem estudados e freqüentemente os únicos comportamentos que testemunhamos são suas refeições na superfície.

Simplesmente porque não conhecemos os complexos comportamentos dos tubarões, não significa que eles não existam. Por exemplo, sabemos que algumas espécies têm hierarquias sociais complexas, que eles diferenciam presas de não presas e também usam diferentes estratégias de ataque para cada tipo de presa.

Um ataque de tubarão pode ter conseqüências trágicas em uma pessoa. Em alguns casos, a mordida inicial é poderosa o suficiente para arrancar um membro completamente. O cirurgião que operou um surfista adolescente na Austrália descreveu a perda da perna do rapaz como se tivesse sido "cortada com guilhotina". Os tubarões podem gerar mais de 40 toneladas de pressão por centímetro quadrado, medida na ponta de um dente. As espécies grandes podem ter mandíbulas muito mais potentes.

A mordida de um grande tubarão-branco fez um corte que vai do ombro até o quadril no pescador Rodney Fox que, na oportunidade, estava com um arpão. O ataque ocorreu em 1963, perto de Adelaide, Austrália. Fox sobreviveu, apesar de ter levado 462 pontos e ter sido submetido a uma cirurgia reparadora com duração de quatro horas.

Porém, as vítimas de ataque de tubarão não morrem do súbito ferimento traumático. Elas geralmente sangram até morrer. Até a vítima ser levada à praia, passam-se alguns minutos e até a equipe de emergência chegar, perde-se mais tempo. A diferença entre a vida e a morte geralmente é ter alguém no local que saiba como deter a perda de sangue, e nessa hora, cada segundo é importante. No caso de um garoto que foi atacado, em 2005, na costa de Cape San Blas, Flórida, um médico e uma enfermeira em férias pressionaram uma artéria em sua perna, o que o ajudou a sobreviver.

Estranhamente, um dos perigos potenciais de se nadar no oceano também pode ajudar as vítimas de ataque de tubarão a sobreviver. Quando alguém é atacado em águas frias, a temperatura de seu corpo pode baixar muito. Essa queda na temperatura diminui as funções do corpo, incluindo a perda de sangue. Isto pode ajudar a vítima a sobreviver por períodos mais longos.

Depois que a vítima recebe o atendimento de emergência, há um outro perigo: a infecção. As bocas dos tubarões e a água do oceano não são limpas. Uma mordida de tubarão inevitavelmente deixa bactérias nocivas na ferida, o que pode ser tão mortal quanto a própria mordida. Felizmente, os antibióticos modernos ajudam a proteger as vítimas dessas infecções.

Águas perigosas
Considera-se que o maior perigo quanto aos tubarões sejam os mares tropicais quentes, [porém] existem registros de ataques de tubarão a pessoas em mares de águas frias, em altas altitudes, como o do pescador em Wick, ao norte da Escócia, que foi mordido no braço. - Rodney Steel, "Sharks of the World" ("Tubarões do mundo")

Já mencionamos as três espécies de tubarão mais perigosas e agressivas: os grandes tubarões-brancos, os tubarões-tigres e os tubarões-touros. Estas espécies são as mais mortais por várias razões:

* são grandes o suficiente para que os serem humanos lhes pareçam presas;
* são tão poderosos que a sua mordida inicial pode causar um ferimento fatal;
* estão no topo da cadeia alimentar, o que significa que eles instintivamente não têm medo de nada.

Porém, outras espécies de tubarão não são completamente inocentes. Os tubarões-areias, os tubarões-martelos, e os tubarões-makos também são responsáveis por alguns ataques, enquanto 1/3 dos ataques de tubarão ocorre com espécies menos conhecidas, como os tubarões-de-pontas-negras, os tubarões-dormentes e vários tubarões de recife. No geral, o tubarão-touro pode ser a espécie mais perigosa devido aos seus padrões agressivos de ataque e ao seu hábitat preferido: águas costeiras rasas.

Estatisticamente, existem entre 30 e 50 ataques de tubarão não provocados relatados no mundo todo anualmente, dos quais 5 a 10 são fatais. A Flórida é a região dos Estados Unidos onde acontecem mais ataques. Desde 1990, os números variam de 10 a 37 por ano. Os Estados Unidos lideram a lista de ataques no mundo inteiro [ref - em inglês].


Fonte: International Shark Attack File
(Arquivo internacional de ataques de tubarão) Museu de História Natural da Flórida

A grande maioria dos ataques ocorre a poucos metros da costa porque é aí que a maioria das pessoas fica no oceano. O número de ataques no mundo inteiro tem crescido nos últimos anos por um motivo similar: mais pessoas estão passando suas férias em praias e participando de atividades no mar. Não há indicação de que os tubarões estejam se tornando mais agressivos.

A proteção governamental de mamíferos aquáticos promoveu o aumento das populações de focas, leões-marinhos e lontras-marinhas na costa oeste dos Estados Unidos. Todos esses animais são presas para os grandes tubarões-brancos. Como resultado, as áreas costeiras próximas a São Francisco têm maior número de grandes tubarões-brancos. Não houve um aumento em ataques destes tubarões nessas áreas porque geralmente as pessoas não nadam quando sabem que eles estão por perto.

Os ataques de 1916, em Nova Jersey
Em 1916, uma série de cinco ataques de tubarão começou na costa de Nova Jersey. O primeiro ataque foi subestimado pelos locais e pela mídia como um acidente. Alguns dias depois, um segundo ataque chamou a atenção do país inteiro e acabou com a indústria de turismo local. Mas os ataques mais chocantes ainda estavam por vir.

Pouco depois do segundo ataque, um enorme tubarão foi visto nadando contra a correnteza no canal Matawan, seguindo em direção ao oceano através da água escura da maré. O relato foi recebido com ceticismo até que um grupo de garotos que estava nadando no riacho, a 18 km do oceano, foi atacado. Um dos garotos foi parcialmente comido e um adulto que mergulhou para tentar resgatá-lo também foi morto, outro garoto perdeu a perna em um ataque quando o tubarão retornou correnteza abaixo.

Na subseqüente onda antitubarão, centenas de tubarões foram caçados e mortos. Posteriormente, um tubarão declarado como um grande tubarão-branco foi pego com restos humanos em seu estômago. Porém, este relato foi contestado. Os ataques no canal de Matawan têm mais probabilidade de terem sido cometidos por um tubarão-touro. Este foi um caso verdadeiro de tubarão assassino? Possivelmente. Porém, é igualmente possível que os ataques no oceano tenham sido cometidos por um tubarão diferente do tubarão do canal de Matawan e que a cronologia dos cinco ataques tenha sido uma coincidência.

Ainda que os ataques de tubarão geralmente se concentrem em determinadas áreas, os tubarões viajam grandes distâncias e freqüentemente extrapolam seus alcances habituais. Particularmente, os grandes tubarões-brancos não têm problemas com água fria, mas os tubarões são reconhecidos por sua habilidade de tolerar água doce e já foram encontrados nadando em rios a centenas de quilômetros do oceano. Porém, eles geralmente preferem um clima tropical.

Como evitar ataques de tubarão
Não é comum um tubarão entrar em uma área costeira repleta de pessoas para selecionar uma vítima. Por outro lado, com freqüência a vítima é a pessoa que foi subitamente deixada sozinha e mais afastada da praia que os outros.
- David H. Baldridge, "Shark Attack" ("Ataque de tubarão")

Todo verão, a cobertura da mídia norte-americana chama muita atenção para os ataques de tubarão. Um resultado de toda esta atenção é que tendemos a perceber a ameaça maior do que ela realmente é. A mesma coisa acontece com os acidentes de avião. Estatisticamente, dirigir um carro é muito mais fatal do que voar. Entretanto, os acidentes de avião são relativamente pouco freqüentes e terrivelmente catastróficos. Eles acabam em todos os noticiários e as imagens permanecem em nossas mentes por um longo tempo. Como resultado, tendemos a superestimar os perigos de voar.

Quando os noticiários e os cientistas oferecem estatísticas reais, elas às vezes podem estar equiivocadas. Por exemplo, freqüentemente ouvimos a notícia de que você tem muito mais chances de ser atingido por um raio do que de ser atacado por um tubarão. Esta estatística se baseia no número de incidentes por ano. Porém, qualquer pessoa pode ser atingida por um raio quando uma tempestade se aproxima. Suas chances de ser atacado por um tubarão são zero se você mora no Kansas e não passa as férias na praia. Se você surfa todos os dias na costa da Flórida, a probabilidade de um tubarão atacar você é muito maior.

Isto não quer dizer que qualquer um que entre na água deva ficar aterrorizado com os tubarões, mas as pessoas que nadam e surfam no oceano precisam conhecer os perigos que os animais selvagens podem representar. Conhecer os fatores de risco para ataques de tubarões pode ajudá-lo a reduzir bastante as suas chances de se tornar uma vítima.

Aqui estão algumas diretrizes gerais:

* não nade ao amanhecer ou ao anoitecer: os tubarões estão se alimentando ativamente nestes períodos. A visibilidade na água é menor, o que pode levar a mordidas equivocadas;

* não nade em água turva: novamente, a pouca visibilidade aumenta as chances de um tubarão confundir você com uma presa;

* não nade com cortes abertos: mesmo uma pequena quantidade de sangue na água pode atrair tubarões a quilômetros de distância. Alguns especialistas recomendam que mulheres menstruadas também evitem nadar no oceano;

* evite bancos de areia, montes marinhos e declives: a vida selvagem marinha tende a se reunir nestas áreas, incluindo muitos peixes que são presas naturais do tubarão. Geralmente os tubarões não estão muito longe;

* não vista cores contrastantes: trajes de banho com cores contrastantes ou brilhantes podem confundir os tubarões. Mesmo marcas de bronzeado contrastantes são consideradas estimulantes para mordidas equivocadas;

* não use jóias brilhantes: o sol refletido em um relógio ou colar pode chamar a atenção de um tubarão;

* não nade quando uma presa natural do tubarão estiver presente em grande número: se você estiver nadando perto de mamíferos marinhos ou outras espécies que são presas de tubarão;

* não se debata na água: faça movimentos suaves e calmos. Bater braços e pernas de maneira agitada lembra um peixe ferido para um tubarão. O nado "cachorrinho" também pode atrair tubarões;

* não pense que você está seguro simplesmente porque a água é rasa: os ataques de tubarão podem ocorrer em águas com menos de 1 metro. Apesar de normalmente a atividade dos tubarões ser maior a algumas centenas de metros da costa, fique alerta se você estiver em águas rasas;

* não deixe iscas de tubarão na água: grandes quantidades de peixe ou sangue de animal atrairão tubarões famintos. Se você estiver pescando enquanto permanece no oceano, mantenha sua isca fora da água até usá-la e não pare em um local por muito tempo;

* não nade se houver tubarões na água: esta é a maneira mais óbvia de evitar tubarões. Se souber que eles estão por perto, fique fora da água.

Estas dicas não são infalíveis. Existem inúmeras circunstâncias nas quais os tubarões atacaram desafiando todos os padrões de ataque. A melhor dica é estar alerta e sempre nadar, mergulhar ou surfar com um parceiro. Alguns ataques não podem ser evitados, mas ter alguém por perto para pedir ajuda pode salvar a sua vida.

Se o pior acontecer e você se vir sendo atacado por um tubarão, o que deve fazer? Se possível, lute. Apesar de sua ferocidade, os tubarões tendem a ser covardes. Eles não gostam de presas que possam machucá-los. Esmurrar, chutar, esfaquiar e até mesmo dar cabeçadas são todas maneiras pelas quais vítimas de ataque conseguiram se livrar dos tubarões. Os olhos são particularmente sensíveis. Este tipo de resposta parece ajudar o tubarão a perceber que o que ele acabou de morder não é sua presa habitual. Fonte:www.howstuffworks.com

Nenhum comentário: