Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Como é obtida a energia que faz nosso corpo funcionar?

A energia é obtida dos nutrientes dos alimentos, como a glicose, as proteínas e os carboidratos. Para começo de conversa, energia não é nenhuma molécula: é a capacidade que nosso corpo tem de realizar trabalho, ou seja, fazer força ou provocar deslocamentos. Mas, para que um pedacinho do pão nosso de cada dia vire energia, não basta que seja engolido, mastigado e digerido. Ele tem que ser quebrado em moléculas pequenas, que possam ser absorvidas pelas células.
A glicose é a principal dessas moléculas. Os seres humanos, durante o processo evolutivo, conseguiram usar melhor a glicose que vem dos alimentos, retirando dela o máximo de energia. As bactérias, por exemplo, obtêm só 4% do seu potencial, enquanto o corpo humano transforma em trabalho 30% da energia que consome, o mesmo que um automóvel.
O restante da glicose vai para a manutenção das atividades vitais do organismo, como batimentos cardíacos e sinapses cerebrais. Por isso, temos que abastecer nossa “máquina” várias vezes ao dia. Só não vale sair por aí assaltando a geladeira. Para funcionar bem, uma pessoa deve consumir, em média, 30 calorias por quilo de seu peso. Uma pessoa com 64 quilos, por exemplo, deve fazer uma dieta diária de cerca de 2 mil calorias.

GLICOSE NA VEIA
Molécula funciona como combustível e é quebrada até virar energia para o corpo

1- Como um pedaço de pão é milhões de vez maior que uma célula, o primeiro passo é quebrá-lo em porções cada vez menores, os carboidratos, através da mastigação e da digestão. Isso acontece até que o carboidrato seja reduzido à sua menor unidade: a glicose. No intestino delgado, ela é absorvida pelo sistema venoso, segue para o fígado, tecidos periféricos e finalmente à célula.

2- A glicose entra no citoplasma, a porção aquosa da célula, e sofre sua primeira divisão. Uma molécula de glicose dá origem a duas de ácido pirúvico. Em bactérias, a respiração termina aqui – por isso o aproveitamento energético delas é bem menor.

3- Os ácidos pirúvicos seguem para a mitocôndria, organela responsável pela respiração celular. Para obter mais energia, começa o ciclo de Krebs, uma seqüência de reações. Nessa fase, o ácido perde hidrogênios, que vão para outras moléculas, e carbonos. Estes se ligam ao oxigênio disponível na célula, gerando CO2,que sai na respiração. No fim do ciclo, todos os carbonos da glicose viram CO2.

4- Os hidrogênios que saíram da 5 molécula de ácido pirúvico tendem a se ligar ao oxigênio da respiração. Ao se unirem na crista da mitocôndria, hidrogênio e oxigênio formam a famosa molécula de H2O. Parte dessa água é eliminada, e outra parte fica dentro da célula atuando nas reações químicas e ajudando a formar o citoplasma.

5- Mas sobram alguns íons H+, que são atraídos para o lado interno da membrana, que está carregado de íons negativos. Para isso, eles passam por um caminho específico, uma espécie de “turbina” em forma de guarda-chuva, a ATP-sintase, que gira e liga um fosfato, que já está na célula, a um ADP, que também está por ali, formando o ATP, que fica livre para participar de outras reações nas nossas células.

6- Uma das reações que usa energia é a contração muscular. Duas das proteínas do músculo fazem as contrações: a actina e a miosina. A miosina liga-se ao ATP vindo da mitocôndria, e curva-se sobre a actina. O ATP então se quebra, liberando um fosfato e um ADP, que ficam livres para ser recarregados novamente. Assim, a actina e a miosina deslizam uma sobre a outra, realizando o movimento. Para que as duas se soltem e o músculo relaxe, é preciso que outro ATP se ligue à miosina, desligando as duas proteínas.

CONTA ENERGÉTICA
Para onde vai a energia que o corpo produz*

CÉREBR0 – 19%
As sinapses (comunicação entre os neurônios) consomem a maior parte da energia. Como tem pouco glicogênio de reserva, o cérebro pode sofrer danos graves quando falta glicose, mesmo que por um breve intervalo de tempo.

MÚSCULOS ESQUELÉTICOS – 18%
As contrações musculares demandam muita energia. Em atividades físicas intensas, os músculos utilizam o glicogênio, que armazenam em grande quantidade.

CORAÇÃO – 7%
O coração depende muito da energia imediata da glicose. Por isso, as mitocôndrias são mais abundantes no músculo cardíaco do que no esquelético.

BAÇO E FÍGADO – 27%
É principalmente no fígado que nosso estoque energético – o glicogênio – está armazenado. É dele que retiramos a energia enquanto dormimos, por exemplo.

RINS – 10%
A maior parte dessa energia é usada para a produção de urina. O restante é utilizado para fabricar hormônios ou eliminar toxinas.

RESTO DO CORPO – 19%


BATERIA CARREGADA
O ATP, ou adenosina trifosfato, é como uma bateria: carrega e descarrega a cada vez que os H+ movem a “turbina”. Mas o que o ATP tem a ver com o pãozinho? Cada vez que 1g de glicose é queimado, 4 calorias são liberadas, recarregando milhares de ATPs. Para assistir uma hora de aula, por exemplo, seu corpo consome cerca de 126 calorias, ou seja, pelo menos 30g de carboidratos são necessários, o que corresponde a um pão.

CONSULTORIA: MARITSA BORTOLI, NUTRICIONISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA USP; CLÁUDIO FURUKAWA, FÍSICO DA USP; MARISA FERNANDES E VILMAR BALDISSERA, DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS *DADOS DO DEPARTAMENTO DE FÍSICA MÉDICA DA UNIVERSIDADE DE NOTRE DAME, EM INDIANA, EUA
http://mundoestranho.abril.uol.com.br/ciencia/pergunta_292392.shtml

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Telescópio Hubble fotografa nebulosa com "olho"


A foto da nebulosa Kohoutek 4-55 divulgada nesta segunda-feira foi tirada pela câmera planetária WFPC2
A Nasa divulgou a foto de uma nebulosa com um "olho", uma das últimas imagens capturadas por uma câmera do telescópio Hubble que está sendo desativada em uma missão que começa nesta segunda-feira.

A nova missão da Nasa, que será levada ao espaço em um ônibus espacial Atlantis, tem o objetivo de aumentar a potência do telescópio, colocado em órbita em 1990, e prolongar o seu funcionamento pelo menos até 2014.

A foto da nébula Kohoutek 4-55 divulgada nesta segunda-feira foi tirada pela câmera planetária grande angular número dois (WFPC2) no dia 4 de maio. A câmera será desativada e substituída pela nova câmera grande angular número três (WFC3), que poderá fazer imagens mais nítidas com uma gama maior de cores.

"A WFC2 (...) vai poder tirar (fotos) em um espectro muito amplo de comprimentos de onda, de infravermelho a ultravioleta", disse o astronauta John Grunsfeld. O equipamento permitirá aos astrônomos realizar novos estudos da chamada matéria escura do espaço (matéria que não emite luz e cuja existência é inferida pela sua influência gravitacional na matéria luminosa) e a buscar galáxias mais remotas que estavam fora da visão do Hubble até agora.

Sete astronautas participam da missão de onze dias, que deverá incluir cinco caminhadas pelo espaço. O ônibus espacial, com lançamento marcado nesta segunda-feira em Cabo Canaveral, na Flórida, deverá se aproximar do Hubble, agarrar o telescópio com seu braço robótico e trazê-lo para uma plataforma de onde os astronautas poderão trabalhar.

Os demais reparos incluem a substituição de giroscópios, baterias e uma unidade que armazena e transmite dados para a Terra. "Nossa carga de trabalho será muito grande", disse Grunsfeld. "Não vai haver tempo para dar uma respirada e olhar em volta."

"Depois que o trabalho no Hubble estiver terminado, a Atlantis vai fazer com que o telescópio atinja uma altitude maior para garantir que ele aguente o puxão da gravidade da Terra pelo restante de sua vida útil."

A Nasa planeja lançar por volta de 2014 o telescópio James Webb, para suceder ao Hubble. Seu principal objetivo será buscar as primeiras galáxias e objetos luminosos formados depois do Big Bang e determinar como as galáxias evoluíram de sua formação até agora.

BBC Brasil

ESA lança sondas para estudar origem do universo


Na chegada ao espaço, Planck (esq.) e Herschel irão se separar para ocupar locais diferentes em uma mesma órbita
ESA/Divulgação
Os telescópios europeus Planck e Herschel, os dois mais potentes já construídos, partirão nesta quinta-feira rumo ao espaço a bordo de um foguete Ariane-5 com o ambicioso objetivo de explorar a origem do universo, com um conjunto de originais e potentes instrumentos de observação.

A decolagem da plataforma de lançamento está prevista para ocorrer da base de Kuru, na Guiana francesa, entre 10h12 e 11h07 (Brasília). Logo após a decolagem, os dois satélites se separarão e ocuparão locais diferentes em uma mesma órbita, a 1,5 milhão de quilômetros da Terra, onde a atração desta equilibra a do Sol.

O mais potente dos foguetes Ariane levará dois telescópios que custaram 1,7 bilhão de euros, financiados por diversas agências espaciais e cujos instrumentos são batante sensíveis. O observatório Planck, que será posicionado na cabeça do foguete, analisará as radiações fósseis do Big Bang e fornecerá informação sobre a origem do universo e a respeito de suas características principais.

Entre elas, estudará a geometria geral do espaço e a densidade e a expansão do mesmo, graças a um telescópio integrado que dirige radiações em forma de microondas para instrumentos do satélite, que lhe permitirão receber imagens do espaço em alta e baixa frequência. Tanto o Planck como o Herschel, construídos pela Thales Alenia Sapace e a ESA, descreverão órbitas elípticas e suas missões estão dentro do programa da Agência Espacial Européia.

O satélite Herschel, de 7 m de altura e 4,3 m de largura, receberá radiações infravermelhas de grande amplitude de onda emitidas por alguns dos objetos mais frios e distantes do Universo, onde existem estrelas e galáxias em formação. Os dois satélites deveriam ter sido postos em órbita em 2007, mas o lançamento acabou atrasado por dois anos.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Prepare-se: vídeos em HD no seu celular

A palavra de ordem é convergência, certo? Então, que tal colocar a qualidade de vídeo de uma TV HD dentro do seu celular? O que para muitos parece um absurdo, para a empresa Renesas é diferencial no mercado. O novo chip desenvolvido por eles processa vídeos no formato 1080p (o mesmo da TV em alta definição) e som Dolby Surround 5.1. A notícia foi divulgada pelo site Tech-On.

É claro que o vídeo não será exibido na telinha do seu celular. Nem a mais moderna tecnologia seria capaz de entregar tanta qualidade em um monitor tão pequeno. A idéia é que o equipamento trabalhe como um media center, capaz de arquivar e levar filmes, seriados e programas de TV para todos os lugares. O celular também pode conectar-se a uma rede wireless e transmitir o vídeo para qualquer outro computador.

http://olhardigital.uol.com.br/digital_news/noticia.php?id_conteudo=8089

Será o fim do controle remoto com infra-vermelho?

Você sabia que o primeiro controle remoto, criado em 1950 pela Zenith, tinha um fio que o ligava à televisão? Pois é. Pode nem parecer, mas estes aparelhinhos já evoluíram bastante com o tempo. Agora, com a chegada do Bluetooth 3.0, os tradicionais controles remotos podem estar com seus dias contados. É que a nova tecnologia consome muito menos energia e não apresenta demora na resposta de comandos, já que oferece um sistema de autenticação diferenciado. Estes dois fatores, que antes impediam a utilização da tecnologia nestes dispositivos, agora foram resolvidos. E mais: como o Bluetooth já é padrão em celulares e notebooks, serão possíveis novas formas de integração com a TV, por meio do próprio controle remoto.
http://olhardigital.uol.com.br/digital_news/noticia.php?id_conteudo=8124

quinta-feira, 7 de maio de 2009

A velhice começa aos 27



O cérebro declina muito mais rápido do que você imagina.
Aos 27 anos de idade, você ainda é jovem. Seu coração está zerado, a pele quase perfeita e os músculos não doem. Mas no seu cérebro, a decadência já começou. Cientistas americanos acabam de divulgar os resultados de um estudo gigantesco, que mediu as habilidades cognitivas de 2 000 pessoas e chegou a uma conclusão assustadora. O cérebro humano chega ao auge aos 22 anos, fica estável até os 27 e a partir daí já começa a declinar. E essa queda é incrivelmente rápida - quando as pessoas chegam aos 30 anos de idade, várias funções do cérebro já estão bem mais fracas [veja no quadro ao lado]. Você pode achar que ainda é muito jovem para ficar gagá. Mas a natureza não. “Do ponto de vista evolutivo, por volta dessa idade você já deveria ter se reproduzido. E, por isso, já estaria chegando a hora de se aposentar”, explica o neurologista Paulo Henrique Bertolucci, da Universidade Federal do Estado de São Paulo. Afinal, o homem das cavernas não vivia muito mais que 30 anos. E, anatomicamente, o seu cérebro é idêntico ao dele. Mas não precisa se desesperar se você já passou dos 27, ou está chegando a essa idade. O estudo, realizado pela Universidade de Virgínia, também descobriu que algumas habilidades, como a verbal, continuam crescendo até os 60 anos. E aprender coisas novas, aumentando o número de informações no cérebro, compensa parcialmente as perdas cognitivas. A velhice mental existe. Mas ela é só uma coisa da sua cabeça.
http://super.abril.com.br/revista/265/materia_revista_467966.shtml?pagina=1

Há três hipóteses que podem explicar a presença alienígena na Terra

Tirando o véu sobre a realidade alienígena: uma análise das ações de nossos visitantes
Durante os últimos 60 anos a Ufologia vem buscando, além de documentar as manifestações de UFOs, analisar a origem e as intenções de seus tripulantes. A hipótese da origem extraterrestre (HET) sempre foi predominante desde então, e continua sendo a mais coerente para explicar a maioria dos casos conhecidos em que seres de outras paragens são vistos e contactados em nosso planeta. Com o passar dos anos, porém, foi ficando claro que o fenômeno é muito mais amplo do que se supunha, envolvendo criaturas que não são simplesmente procedentes civilizações de carne e osso, surgidas em planetas rochosos. As especulações sobre os objetivos dos nossos visitantes, até então, ficavam restritas a três hipóteses: invasão do nosso planeta, curiosidade ou pesquisa e visitas para conscientização ou futuro intercâmbio. Mas a questão ufológica é bem mais complexa e está íntima e inseparavelmente ligada a uma realidade maior que envolve nossa galáxia. As civilizações físicas ou encarnadas, como a nossa, refletem apenas parte do que existe no universo em que estamos imersos. Há outros níveis de existência mais amplos, que precisam ser sondados e conhecidos, visto que alguns seres que deles se originam já estão em contato com nossa espécie. Provavelmente a vida fervilha em todo o cosmos, nas formas mais diversas e algumas até impensáveis, mas a humanidade ainda não acordou para isso. É preciso que haja a conscientização de que outras formas de vida inteligente existem, que somos visitados por várias delas e que muitas têm interesses bem diferentes entre si ao se aproximarem de nós, havendo até lutas entre as partes.Em UFO 95 publicamos um artigo sob o título original de O Bem e o Mal na Ufologia, um texto despretensioso e de poucas páginas, posto entre outros artigos maiores e mais importantes, naquela edição. Vários meses depois, o Portal UFO [www.ufo.com.br] promoveu uma consulta aos leitores da publicação para eleger os 10 melhores artigos veiculados nos 20 anos de existência que a revista celebrava na época. Para nosso assombro, o referido artigo figurou na lista final, entre dezenas de outros já publicados nestas duas décadas. Constatou-se que havia uma demanda por parte do público para o tipo de análise desenvolvida por este autor naquela oportunidade: o posicionamento do fenômeno ufológico numa realidade mais ampla, ligada à situação da nossa e de outras humanidades e a existência de civilizações extraterrestres antagônicas – umas negativas e outras, digamos, benevolentes. Alguns estudiosos acreditam que boa parte daqueles seres que conhecemos como extraterrestres sejam, na verdade, entidades demoníacas e assemelhados. O ponto de vista defendido neste artigo é de que tais entidades efetivamente existem e que há uma estreita relação entre elas e aqueles alienígenas que chamamos de negativos. Uma análise ainda mais contundente desta questão é apresentada neste mês na edição UFO Especial 45, que tem como editor convidado o ufólogo paulista Carlos Alberto Millan e, como tema, Alienígenas Dimensionais – Anjos, Demônios ou Extraterrestres? Entendemos como sendo extraterrestres negativos os que são inimigos da estrutura hierárquica divina do universo, e conseqüentemente da humanidade, por ser esta um projeto daquilo que chama-remos de “Mente Criadora”. Tais civilizações parecem ser orientadas ou até controladas pelas entidades que participam do processo conhecido como a “grande rebelião”, descrito na Bíblia e em outras escrituras sagradas. Essa rebelião ocorreu há éons, provocada por entidades espirituais que pretenderam ser independentes e ter suas próprias criações físicas, que tornaram-se seres sem a imagem divina. Segundo estudiosos, eles atuam como um braço físico dos ditos anjos caídos, que voltaram-se contra Deus e provocaram uma grande guerra que atinge a galáxia – um conflito entre o bem e o mal, falando sem meias-palavras. Essa visão da realidade cósmica que apresentamos certamente parecerá filosoficamente ingênua ou simplória para alguns, mas é bom nos perguntarmos até onde o próprio desenvolvimento de nossa mentalidade foi influenciado por entidades espirituais caídas, justamente para que nos ocultassem a verdade e fazerem-na parecer absurda.Experimentação genética — Assim, os extraterrestres negativos são aqueles que atuam contra o desenvolvimento da humanidade, como parte da guerra dos anjos caídos contra a hierarquia divina, sabotando o projeto de criação e desenvolvimento espiritual do qual fazemos parte, causando inclusive a queda do homem, descrita simbolicamente na Bíblia. Os negativos são também aqueles que, justamente por serem criações espiritualmente imperfeitas, buscam restaurar capacidades físicas e psíquicas através da experimentação genética com outras espécies, como a nossa. Essa parece ser a origem das abduções que atentam contra o livre-arbítrio humano, constituindo verdadeiros crimes, os quais a ordenação maior do universo não permitirá ficarem impunes por muito mais tempo. A manipulação e a sabotagem sistemática contra a humanidade são operadas também e principalmente por uma legião de entidades espirituais caídas, conhecidas como arcontes, conforme são chamadas no Pistis Sophia, um livro gnóstico escrito no início do Cristianismo, que transcreve os ensinamentos de Jesus aos apóstolos após sua ressurreição. Os arcontes seriam altamente especializados em suas atividades contra a evolução do ser humano, induzindo as pessoas ao erro, à corrupção, ao desamor, à violência, ao materialismo – tudo o que possa de alguma forma desviá-las do propósito para o qual foram criadas, a evolução até a perfeição e o retorno à fonte – o Pai –, para tornarem-se criadores também. Segundo o astrônomo e filósofo James Hurtak, em seu O Livro do Conhecimento: As Chaves de Enoch [Academia para Ciência Futura, 1988], as constelações da Ursa Maior e Ursa Menor, onde está Alfa Draconis ou Tuban, seriam origens já conhecidas de seres negativos. A associação simbólica do dragão com um grande poder desprovido de compaixão não é uma coincidência, a verdade extraída através do inconsciente coletivo, trazendo à tona informações multimilenares. Na grande pirâmide de Quéops, no Egito, os dois estreitos corredores ascendentes a partir da Câmara do Rei apontam para dois pontos: o do sul para Órion, que seria o local da origem espiritual da humanidade, e o do norte para Alfa Draconis, a Estrela Polar como estava visível à época. Isso representaria os dois caminhos antagônicos que a alma poderia seguir, um para a luz, o outro para as trevas. Não é à toa que povos tão diversos ao redor do mundo têm, em sua mitologia, a noção de que são originários de Órion.
A Constelação de Órion, que tem ao centro as chamadas Três Marias, sendo assim um conjunto estelar dos mais visíveis no céu, seria a origem de muitos mistérios que cercam a humanidade e suas origens cósmicas
A tipologia de seres extraterrestres que podem ser considerados negativos inclui principalmente espécies teratóides, ou não adâmicas, como os reptilianos, os alfa-cinzentos ou simplesmente cinzas [Grays], além dos insetóides – seres com aparência bizarra descritos pelo xamã sul-africano Credo Mutwa e outros mais conhecidos por tribos africanas e no folclore de vários povos. Há relatos também de contatos face a face com entidades intraterrestres de aparência réptil, inclusive no Brasil, que alegam ser autóctones e civilizadas há milhões de anos. Há até teorias e relatos que colocam os cinzas como sendo corpos artificiais criados para proporcionar a encarnação de seres negativos, para poderem atuar na materialidade. Tais raças têm em comum o desrespeito pelo ser humano, a oposição a Deus ou a descrença em sua Criação, a imposição pelo medo ou pelo controle psíquico e a aparência repugnante – há também alguns com imagem humana, o que complica sua identificação. Muitos cristãos, sobretudo evangélicos, não negam a fenomenologia ufológica, mas crêem que se trata de uma completa ilusão e engodo criado por entidades demoníacas para desviar o ser humano do caminho da retidão. Não é uma visão realista, mas é irônico perceber que não deixa de ser parcialmente correta esta afirmação em relação aos extraterrestres negativos e seus líderes. Talvez isso até venha a ser útil como contraponto a um possível frenesi que possa ocorrer quando houver a esperada manifestação pública mundial de seres alienígenas. De forma contrária, talvez muitas pessoas que se entusiasmem com o posterior surgimento de inteligências positivas venham a ser perseguidas por poderes políticos, se esses entrarem em pânico e acreditarem que estão sendo invadidos por alienígenas, tendo uma reação militar.Xenofobia contra todo visitante — É muito importante, porém, que tenhamos consciência de que a grande maioria das civilizações extraterrestres é de natureza benevolente. Isso não pode ser perdido de vista, mesmo com tantas evidências na casuística ufológica de abduções e contatos com entidades nocivas à nossa espécie. A prudência contra estes últimos não pode degenerar para uma xenofobia contra todo tipo de visitantes extraterrestres. Não deve haver uma generalização de conceitos, especialmente quanto à intenção de nossos observadores, pois isso nos impediria de ter grandioso processo de intercâmbio e aprendizagem com povos que podemos considerar irmãos das estrelas. Além disso, não há apenas extraterrestres físicos positivos, mas toda uma gama de seres altamente desenvolvidos, que podemos chamar de ultraterrestres, por não serem originários de planetas, mas sim terem uma estrutura totalmente espiritual. São entidades como essas que zelam pelo desenvolvimento da humanidade terrestre, a serviço da Mente Criadora. Interações com seres de tal nível também são descritos na Bíblia, mas costumam ser rotulados pelos ufólogos como simples contatos com ETs. A identificação de entidades como sendo nocivas ao ser humano pode não ser tão simples. Houve muitos casos de abduções e de contatos diretos em que seres extraterrestres aparentemente fizeram uso de manipulação mental ou da simples mentira para se passarem por amigos dos abduzidos ou contatados, ou mesmo para se apresentarem como uma espécie de salvadores da humanidade. Essas versões distorcidas são mais divulgadas através de contatos como as canalizações . Grande parte delas têm a autoria assumida por seres que se identificam como mestres ascencionados, mas uma parcela significativa supostamente vêm de extraterrestres, inclusive de alegados e comandantes de supostas frotas interplanetárias [Veja edição UFO Documento 02, sob o tema Ashtar Sheran, neste mês nas bancas].Religião alienígena? — Em outras ocasiões já abordamos nossa opinião de que os seres extraterrestres benevolentes ou positivos não se manifestam explicitamente em nosso planeta por uma questão de ética ou devido a algum princípio de não-interferência. Certamente, devem saber que uma atitude dessas teria necessariamente algumas conseqüências indesejáveis para a humanidade – e talvez para eles próprios. Se surgissem repentinamente sobre um estádio lotado, por exemplo, provavelmente alguns espectadores desmaiariam ou teriam enfartos. Tais seres devem estar à espera de mudanças fundamentais de paradigmas em nossa mentalidade, que proporcionem uma aceitação mais suave e proveitosa dessa nova realidade que se apresenta, da qual eles e nós fazemos parte. Talvez eles não surjam abruptamente para mudar nossa psiquê, para que aceitemos sua existência de forma não natural e traumática. Ao contrário, acredita-se que deverão primeiro esperar que estejamos preparados, mas permitindo serem observados vez por outra, para catalisar o processo que levará à sua manifestação aberta e global. Talvez até esteja ocorrendo um tipo de “guerra fria” entre as duas facções antagônicas referidas, com os negativos esperando o momento de darem o “bote”, surgindo publicamente e apresentando-se primeiro como nossos amigos, sabendo que haverá reação por parte dos visitantes positivos – e estes últimos aguardando, sem quererem aparecer primeiro e ferirem sua ética. Por outro lado, as entidades negativas e suas parcelas extraterrestres têm seus motivos para manterem-se no anonimato, mas isso deve mudar, segundo pode-se interpretar com o estudo de algumas profecias, inclusive bíblicas. É possível que queiram apresentar-se não só como amigos, mas até como salvadores ou mesmo criadores da humanidade. Será que poderá surgir disso algum tipo de religião mundial alienígena? Um culto ou um sistema de crenças que coloque tais entidades no topo de um novo panteão de deuses, a exemplo da antiga mitologia greco-romana? Já estaria havendo algum tipo de preparação para um engodo dessa magnitude?Jesus advertiu que surgiriam falsos cristos. E se nos vier algum extraterrestre afirmando ser o Cristo? Quantos o seguiriam? Qual o poder que ele alcançaria? Certamente, tal ser ou seres teriam fartas condições tecnológicas para fazer prodígios e nos chamar a atenção, como os que são citados nas escrituras como uma advertência. E se a “abominação de desolação” prevista pelo profeta Daniel vier a ser justamente uma falsa divindade trazida de fora do planeta, com grande poder sobre as massas, simulando uma fraudulenta parúsia, a segunda vinda do Cristo? Mas com qual objetivo isso se daria? Provavelmente, a intenção estaria ligada à grande guerra que assola a galáxia, a guerra entre as hostes fiéis a Deus e as que se rebelaram, aquelas que têm como uma de suas metas a destruição da criação adâmica. É importante que se diga que essas questões não estão sendo colocadas aqui aleatoriamente. Há motivos sutis para que levantemos essas possibilidades e as apresentemos ao leitor. As próprias comunicações através da chamada canalização deixam-nos entrever esse cenário, na medida em que muitas parecem fazer parte de um esforço de verdadeira propaganda alienígena para subverter os ensinamentos sagrados. Se ocorrer mesmo o estabelecimento de uma falsa religião planetária que cultue extraterrestres ou uma entidade que venha com elas, certamente será algo de magnitude extraordinária e de risco descomunal à humanidade. Será algo como uma última “grande tentação”, um esforço derradeiro das hostes caídas para desviarem o ser humano de seu caminho evolutivo. Salto evolutivo — Um ato planejado há muito tempo, mas que não deixará de ser um esforço desesperado contra uma verdadeira operação de limpeza que será feita em nossa região da galáxia por seres de luz de grande poder. Estamos destinados à perfeição, mas nosso livre-arbítrio é ao mesmo tempo nossa maior ferramenta de evolução e nosso calcanhar de Aquiles. Para que não sejamos enganados, temos que tomar consciência da realidade em que estamos inseridos. Vivemos num universo múltiplo e uno, habitando um planeta com grandes oportunidades de desenvolvimento – mas também com muitas tentações e riscos. Há uma pluralidade de seres viventes no cosmos, físicos e espirituais, benévolos, maléficos e até neutros. E há intensas interações entre todos eles – nada é dissociado, nada é deixado ao acaso. O que nos foi prometido nas escrituras pode ser tomado como norte em nossa forma de analisar a questão: o que nos é garantido pela aliança feita desde Abraão e pela vinda do verdadeiro Cristo é a vitória de nossa espécie, a salvação e a ascensão da humanidade. É com a consciência disso que devemos ter a fé, a sabedoria e o comportamento para superarmos os grandes obstáculos que virão, inclusive na questão extraterrestre, antes de nosso próximo grande salto evolutivo.
Fonte: http://www.ufo.com.br/index.php?arquivo=notComp.php&id=4286

O que é o Triângulo das Bermudas?

Os constantes desaparecimentos supostamente ocorridos nessa área, situada no Oceano Atlântico, podem ter uma explicação bem mais simples do que a intervenção de malignos extraterrestres ou de portais para dimensões desconhecidas.
O Triângulo dos Bermudas (também conhecido como Triângulo do Diabo) está localizado entre o Estado americano da Flórida e as ilhas de Bermudas e Porto Rico, apesar de não ser apontado em nenhum mapa. Segundo o professor Claudio Terezo, autor do Novo Dicionário de Geografia e professor da Escola São Paulo da Cruz, em Osasco, "a terminologia começou a ser usada a partir da década de 60, para designar um local na qual ocorriam, desde o século XIX, desaparecimentos sem explicação. Primeiro, eram barcos e navios; posteriormente, também aviões que sobrevoavam a localidade".
Embora existam listas que apontem inúmeros casos de desaparecimento no Triângulo das Bermudas, nunca houve confirmação oficial. Algumas teorias remetem a seres de outros planetas e explicações místicas, mas é provável que a causa desses eventos não tenha nada de sobrenatural. "Vale lembrar que esta região tem intensa atividade climática, sendo área formadora de grandes tempestades tropicais", informa o professor Claudio Terezo.
Outra possível explicação é que, naquela área, existem diversas zonas de hidrato de metano (gás metano) sobre as placas continentais. Ao entrarem em erupção, essas zonas produziriam regiões de água espumosa, que não dariam sustentação aos barcos devido à perda de densidade da água. A queda de aviões também aconteceria devido à perda de densidade do ar, igualmente influenciada pelo hidrato de metano.
Na era das Grandes Navegações, nos séculos XV e XVI, quando não havia máquinas a vapor e barcos com motor, as embarcações vindas da Europa procuravam passar por aquela área, justamente para tirar proveito dos ventos da Corrente do Golfo, instável e conhecida por seus furacões. O número de incidentes ocorridos na área nos últimos cinco séculos é incerto, variando de duzentos até mil, conforme especulações.
Fonte: Revista UFO online

'Rios de estrelas' ajudam a tornar galáxias homogêneas, dizem astrônomos

A galáxia espiral NGC 2841 (Foto: Nasa)

Astros 'bebês' fluem de berçários quentes para regiões mais calmas.Dados vêm de observação de área a 46 milhões de anos-luz daqui.

A imagem abaixo, feita pelo Telescópio Espacial Spitzer e divulgada pela Nasa, está ajudando os cientistas a decifrar porque as galáxias são tão homogêneas, com estrelas espalhadas de forma mais ou menos regular por toda a sua extensão. Analisando a galáxia espiral NGC 2841, que está a 46 milhões de anos-luz da Terra, os pesquisadores descobriram que "rios" de estrelas jovens tendem a se dispersar a partir de seus berçários estelares quentes e densos, formando distribuições suaves de amplas de estrelas mais maduras.


Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1107817-5603,00-RIOS+DE+ESTRELAS+AJUDAM+A+TORNAR+GALAXIAS+HOMOGENEAS+DIZEM+ASTRONOMOS.html

Alienígenas realizam a manipulação genética em seres humanos






O que a aparência física dos homens tem em comum com dos ETs?
Pelo que sabemos, os extraterrestres têm sido observados pelo homem desde as mais remotas épocas de nossa existência. Há fartas evidências de que sempre interagiram com nossos antepassados, muitas vezes chegando a influenciar suas religiões, tradições e hábitos. Também já documentamos exaustivamente que acompanham de perto todos os nossos avanços nos mais diversos campos. Quando há guerras ou conflitos, lá estão eles. Quando fizemos nossas descobertas – desde a chegada de Cabral à Bahia e da ida do homem à Lua – lá estavam. Quando há eleições, copas do mundo, olimpíadas e movimentos sociais, lá aparecem os ETs para observar-nos. Por outro lado, quando temos terremotos, maremotos e outras tragédias, eles também surgem para conferir. Tais visitas, no entanto, aumentaram significativamente somente após 1942, quando foram feitas as primeiras experiências com bombas atômicas, nos desertos dos Estados Unidos. Ou seja, se já nos observavam desde nossos primórdios, esses seres devem ter se surpreendido com nossas novas capacidades bélicas, usando energia nuclear. Passaram a perceber que atingimos estágio suficiente para a autodestruição e, assim, extinguir a raça humana na Terra. De lá para cá, segundo estimativas, foram registradas mais de 8 milhões de ocorrências ufológicas pelas forças armadas de cerca de 180 países. Mas muito mais assombroso deve ser o número das manifestações não documentadas... Com o agravamento da situação, as abduções passaram a chamar a atenção cada vez mais de ufólogos de todo o mundo. Especialistas no assunto crêem que pelo menos 1% da humanidade já tenha sido seqüestrada por ETs. Esse número espantoso resulta cerca de 60 milhões de seres humanos – 99% dos quais não têm a menor idéia de que viveram tais experiências. A pesquisa das abduções, cada vez mais avançada, também já comprovou que cerca de 80% dos que passam por tal experiência o faz inúmeras vezes. Ou seja, 8 a cada 10 abduzidos são seqüestrados de forma reincidente. Muitas vezes, filhos, pais, irmãos e cônjuges enfrentam o mesmo drama. Mas o que pretendem os ETs com suas abduções?

Manipulação genética — Achar a resposta a esta pergunta fica mais fácil quando se leva em consideração que, em 90% dos casos de seqüestros de mulheres e cerca de 60% das abduções de homens, os alienígenas realizam um procedimento peculiaríssimo – a manipulação genética dos abduzidos. Como num exame médico delicado, das mulheres são extraídos ou manipulados óvulos, às vezes de forma dolorosa, e dos homens esperma, muitas vezes com auxílio de tubos e instrumentos. Em alguns casos já registrados, homens copulam com extraterrestres fêmeas ou híbridas dentro de UFOs. Unindo um ponto ao outro fica cada vez mais evidente o que querem os seres que nos visitam com tamanha persistência. Ora, se o Fenômeno UFO é mundial e se manifesta desde a Antigüidade, quase sempre em silêncio e com intensa interação por parte dos ETs, se seu ponto central são as abduções de humanos, que têm majoritariamente o objetivo de coleta e uso do nosso material genético, se o acervo genético humano serve para produzir bebês, então não é tão difícil assim termos uma idéia do que desejam os alienígenas! Junte-se a todos esses fatos assombrosos um detalhe cuja importância muitos ufólogos ainda não conseguiram ver – os ETs têm formato humano, o que é extremamente significativo. Podem ser baixos ou altos, gordos ou magros, cinzas ou pálidos, calvos ou cabeludos, com olhos penetrantes ou não etc. Nada disso importa, mas sim o fato de que nossos visitantes têm exatamente a morfologia humana – cabeça sobre um pescoço preso ao tronco, no qual também estão ligados dois membros inferiores e dois superiores, articulados de forma exatamente igual a de nossos corpos. Ora, não seria muita coincidência constatar que seres iguais a nós nos visitam com tanto interesse e buscam algo primordial à vida e que temos em abundância?

Fonte: Revista UFO

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Sorrisos predizem sucesso no amor

Se você quer saber se seu casamento será feliz é só dar uma olhada nos álbuns de seu marido ou esposa.
Cientistas descobriram que, quanto mais as pessoas sorriem em seus velhos álbuns, maiores são as chances de terem um casamento feliz.
Em um dos testes, pesquisadores olharam os álbuns escolares de pessoas e analisaram seus sorrisos, atribuindo notas de 1 a 10 de acordo com a “intensidade”. Nenhuma das pessoas que tiveram as notas mais altas atribuídas ao seu sorriso se divorciou ou teve más experiências no casamento. O score era baseado na força que o músculo que “puxa” os lábios exercia e nas pequenas rugas que se formam ao redor dos olhos.
A pesquisa mostra que as pessoas que ficam sérias nas fotos tem cinco vezes mais de chance de se divorciar futuramente do que aquelas que sorriem para a câmera. Mesmo com as provas sendo inquestionáveis, os cientistas ainda não conseguem descobrir a relação entre o sorriso para as câmeras e o sucesso no casamento.
“Talvez o sorriso mostre uma atitude otimista em relação à vida” explica Matthew Heinestein, um psicólogo da Universidade DePauwn, no Indiana. “Ou talvez sorrir para as pessoas atraia outras pessoas felizes e, daí, surja uma união boa”.
De acordo com Hernestein, as descobertas mostram que a teoria de que nossos hábitos anteriores possam dizer algo sobre o futuro está certa – pelo menos nesse caso.
Fonte: Live Science

DOEU?



O brasileiro é ruim da cabeça e doente do pé. Ele também vai mal da garganta, os dentes incomodam um bocado, sente umas fisgadas nas costas e reclama de dor na barriga. Um estudo inédito desenhou o mapa de como a população se comporta diante de um desconforto físico. Resultado: fazemos tudo errado.

O brasileiro não anda bem. Seu joelho dói. A cabeça, os dentes e as costas também. E sabe o que ele faz diante de tudo isso? Não faz. O brasileiro aguenta mais do que pode - ou deveria. Uma pesquisa inédita encomendado pelo laboratório Pfizer e realizada pelo Ibope com 1.400 pessoas em nove capitais brasileiras traçou o mapa da dor no País.
O diagnóstico é péssimo: nós empurramos o sofrimento físico com a barriga. E, quando resolvemos agir, o primeiro impulso é tomar remédio sem aconselhamento médico. Aliás, se o caso for pedir conselho, a coisa só piora. Os primeiros da lista serão alguém da família, um amigo, o vizinho, o farmacêutico. Esgotada a solução caseira, vamos ao especialista.
"Às vezes tarde demais", afirma a fisiatra Lin Tchia Yeng, coordenadora do Centro da Dor do Hospital das Clínicas de São Paulo. A médica se debruçou nos dados do levantamento e pinçou alguns alertas. O primeiro: há muita gente convivendo com dores crônicas sem tratamento adequado. O segundo: adiar o acompanhamento médico e enganar a dor por meio de remédios, o que abre a porta para doenças mais graves, como o câncer.
"O brasileiro não é muito diferente das pessoas de outros países. O ponto é que agora temos dados que quantificam como ele gosta da automedicação", diz. Segundo o estudo, 64% da população não procura ajuda quando sente um desconforto reincidente. "Essas pessoas camuflam o problema. Eliminar sozinho a dor não é tratar da causa. Dor é um sinal de alerta. Muita gente esquece de que ela faz parte da vida."
MULHERES PENAM MAIS Nascemos chorando. Crescemos sofrendo. Acontece com todo mundo. Quem não sentiu uma pontada nas costas ou uma enxaqueca fortíssima, já reclamou de uma chateação no estômago ou da garganta arranhada. A delicadeza da questão é enxergar o quanto desse desconforto atrapalha a nossa rotina. Com os dados da pesquisa, é possível ver o estrago.
Acompanhe um raciocínio: 56% das mulheres já sentiram cólica menstrual. Dentro desse grupo, 70% dizem que sua dor é crônica, frequente. E, quando ela começa a incomodar, 39% dizem que o transtorno dura o dia inteiro. O resultado disso se traduz em uma porção de coisas.
No saldo, esse convívio com a dor é traduzido em distúrbios: 54% das brasileiras dizem que sua disposição e humor são afetados; 35% têm o sono atrapalhado; e 23% afirmam que o trabalho termina prejudicado.
"As mulheres fisiologicamente sofrem mais", afirma o neurologista Carlos Maurício de Castro Costa, presidente da SBED (Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor). "Nem sempre elas procuram ajuda de forma correta ou encontram médicos preparados para entender a diferença de sensibilidade em relação ao homem. Não bastasse isso, fatores como a dupla jornada em casa e no trabalho só aumenta o desgaste físico."
O estudo aponta outro problema grave: a dor crônica. Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), ela afeta 30% da população do planeta. E golpeia a economia. Não há dados nacionais, mas um levantamento feito nos Estados Unidos mostrou que as empresas americanas têm um prejuízo anual de cerca de US$ 550 milhões devido aos dias de trabalho perdidos de seus funcionários.
"E não é só o trabalho. Conviver com dor causa estresse e depressão. Muda os hábitos alimentares", diz Lin Tchia Yeng. Nascemos chorando, crescemos chorando. Não há motivo para vivermos chorando. "E o remédio mais simples é aquela conversa de, ao surgirem os primeiros sintomas, consulte o médico de confiança."
PEQUENO MANUAL DA DOR
É normal sentir dor?Sim. Ela é um mal necessário e o caminho que o sistema nervoso encontra para chamar nossa atenção para um problema.
Quais são os tipos mais comuns?A aguda e a crônica. A dor aguda é aquela com começo, meio e fim. Tem uma causa conhecida e segue um mecanismo. Quando damos uma topada num cano, cortamos o dedo, comemos algo estragado ou nos recuperamos de uma operação, sabemos que vai incomodar por algum tempo.
E a dor crônica?É aquela que começa lentamente e não tem prazo para terminar. Qualquer dor que persista por mais de três meses é considerada crônica. Sua causa é controversa no meio científico. Estudos recentes tentam identificar o motivo genético de algumas pessoas terem mais dor do que outras.
Quando devo procurar o médico? Escute o bom senso. Se você tem conhecimento da origem da dor e ela se mantém em um nível de intensidade controlável, siga os conselhos médicos prévios (você já sabe o que fazer durante uma febre, certo?). Dores desconhecidas, que persistam por mais de três dias, ou muito fortes requerem opinião profissional urgente.
Quais são as dores mais perigosas?Na cabeça e no tórax. O abdome requer atenção por dificultar a localização da origem.
O que não fazer quando sentir dor?Não aceite "diagnósticos" de parentes, amigos e vizinhos. Não utilize o farmacêutico como substituto ao médico. Não pratique automedicação.
Quais os riscos da automedicação?O analgésico camufla o problema, mas não o resolve. Ele pode adiar o diagnóstico de uma doença grave. O uso sem controle de anti-inflamatórios e analgésicos tem efeitos colaterais que podem afetar o coração, o estômago e os rins.
Estamos sofrendo mais do que precisamos?Sim. A condição precária de alguns hospitais, dificuldades de acesso a medicamentos, a formação inadequada de médicos e a falta de informação do doente são as principais causas.
Fontes: Pequeno Manual da Dor, dr. Carlos Maurício de Castro Costa - presidente da SBED (Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor) e neurologista e professor da Universidade Federal do Ceará - e dra. Lin Tchia Yeng, fisiatra coordenadora do Centro de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

JOVENS QUE SE EMBRIAGAM SOFREM ALTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO CÉLEBRO

Estudo foi feito pela Universidade da Califórnia em San Diego.Dano nessa fase pode até ser definitivo, dizem médicos.
Infelizmente, cada vez mais vemos jovens bebendo e bebendo demais, até cair. Em festas de adolescentes nas grandes cidades é comum a necessidade de suporte médico para tratar a intoxicação alcoólica -- festas onde, por questões legais, não deveria nem ao menos ser permitido servir bebidas alcoólicas, pela presença de menores.
Em nossa sociedade a utilização de álcool pelos jovens é aceita e até mesmo estimulada.
Pesquisas científicas vêm mostrando que o efeito da bebedeira sobre o cérebro das crianças não se limita ao dia seguinte. Uma nova pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia em San Diego, mostra que o desenvolvimento do tecido cerebral pode ser alterado nos jovens que passam da conta.
Os cientistas descobriram que a substância branca, apresenta modificações com a exposição a toxinas, especialmente o álcool, em altas doses. A substância branca é responsável pela transmissão de informações entre as regiões de substância cinzenta do cérebro.
Com essa dificuldade de transmissão da informação ficam comprometidas as capacidades de coordenar várias informações na tomada de decisões e no controle das emoções. Essas alterações, que afetam várias regiões diferentes do sistema nervoso central, já haviam sido detectadas em cérebros de alcoólatras.
O que não se conhece ainda é o padrão temporal de modificação, porém acreditava-se que isso acontecesse no decorrer de anos.
O tecido nervoso central ainda está em desenvolvimento nos adolescentes. Essa evidência aponta para o fato de o dano causado pelo excesso de álcool poder ser definitivo e trazer conseqüências no desempenho social e intelectual desses jovens.
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1095946-5603,00.html

Sedentários são menos saudáveis

Quanto maior a capacidade cardiovascular, proporcionada pelos exercícios aeróbicos, menor a chance de sofrer um ataque cardíaco. Um novo estudo explica o porque.
O estudo utilizou dois grupos de ratos: um com alta capacidade física e outro com baixa capacidade aeróbica. O primeiro grupo mostrou que resistia três vezes mais ao esforço e os ‘fracotes’ exibiram diversos riscos para doença cardiovascular (nível de gordura elevado no sangue, mais gordura abdominal e mostraram ser resistentes à insulina).
A causa da conexão entre os dois grupos pode estar nas mitocôndrias que são as usinas energéticas das células. Os ratos fisicamente mais capazes exibiram mitocôndrias produzindo mais energia devido a certas enzimas e proteínas.
Mas nem tudo está perdido. Os ratinhos mais fracos puderam diminuir seus fatores de risco depois de serem submetidos a um programa de treinamento físico.
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL590398-5603,00-USINAS+DE+ENERGIA+DAS+CELULAS+EXPLICAM+SAUDE+DE+QUEM+MALHA+AFIRMA+PESQUISA.html