Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

domingo, 31 de outubro de 2010

Identifique os problemas que não deixam seus pulmões trabalharem bem e veja como tratá-los

Esses órgãos provavelmente não ocupam o primeiro lugar em sua lista de preocupações. Mas deveriam. Se eles não estão funcionando direito, pode ter certeza de que o resto do seu corpo sente essa deficiência. Aqui, as doenças que podem afetar seus pulmões e como combatê-las.

Pneumonia
O QUE É: infecção causada pela inalação de bactérias, fungos ou vírus que irritam os alvéolos e deixam um ou os dois pulmões com pus e líquido.
SINAIS: tosse com escarro (podendo conter sangue escuro), dores reumáticas e torácicas, febre, calafrios, dor de ouvido e de garganta, aceleração do pulso e respiração ofegante.
CONTRA-ATAQUE: a vacinação adequada reduz o risco de desenvolver a pneumonia.

Bronquite
O QUE É: infecção por bactéria ou vírus em ductos brônquicos que desencadeia
inflamação, produção excessiva de muco e dor ao tossir. Refluxo gastroesofágico, fumo e poluição aumentam o risco de bronquite.
SINAIS: expectoração mucosa e dificuldade para respirar.
CONTRA-ATAQUE: de acordo com estudo publicado no American Journal of Medicine, a vaporização ajuda a limpar o muco dos pulmões. Durante um banho quente, inspire o vapor da água.

Câncer de pulmão
O QUE É: tipo comum de câncer que geralmente é causado pelo tabagismo.
SINAIS: tosse persistente, respiração curta, escarro com sangue, rouquidão, dor torácica ao respirar, entre outros.
CONTRA-ATAQUE: beba vinho. Um copo por dia reduz em 13% o risco de desenvolver a doença. Mas cuidado:álcool piora a crise asmática e a bronquite.

Hipertensão pulmonar
O QUE É: ocorre quando há pressão sangüínea alta nas artérias.
SINAIS: os mais comuns são fadiga e respiração curta. O diagnóstico complexo exige exames adicionais.
CONTRA-ATAQUE: o teste de BNP relaciona altos níveis desse hormônio específico a um maior risco da doença. Se você tem histórico familiar, faça esse exame.

Asma
O QUE É: receptores hipersensíveis dos brônquios são ativados por alergias,
exercícios ou estresse, causando inflamação, broncoconstrição (estreitamento da passagem interna de ar para os pulmões) e produção excessiva de muco.
SINAIS: freqüentes crises de falta de ar, chiado no peito, tosse forte durante a noite e respiração curta pela manhã são alguns avisos. Os homens são de duas a quatro vezes mais propensos a ter asma do que as mulheres.
CONTRA-ATAQUE: "O consumo regular de café ou chá é benéfico, pois essas bebidas contêm cafeína e teofilina, que atuam como broncodilatadores", ensina o dr. José Ernesto Succi, professor adjunto da Unifesp, especialista em tórax.

Fonte:menshealth

Não seja surpreendido por cãibras, alergias e outras ciladas na hora H. Saiba como se prevenir

Quem transa já passou por alguns dos inconvenientes que listamos aqui.
No auge da excitação, uma investida mais brusca ou uma pegada de mau jeito podem de' agrar desconfortos sem maior importância, como uma cãibra, ou até problemas mais sérios que obrigam você a ficar de repouso. "Um bom condicionamento físico ajuda a prevenir a encrenca, mas imprevistos acontecem com qualquer um", explica a sexóloga pernambucana Valéria Walfrido. Logo, fique esperto para minimizar os riscos. Se mesmo assim a sorte falhar, siga nossas dicas para garantir uma recuperação rápida e ficar pronto para outros momentos tão prazerosos.


1. MARCAS DE UNHA
O que são: aquelas "discretas" feridas que sua mulher carimba em todo o seu corpo quando você capricha na performance e ela se empolga.

Conseqüências: dependendo do afinco com que ela crava suas garras, "a lesão pode sangrar, inflamar e até infeccionar", avisa a dermatologista paulistana Luciane Scattone, consultora da Men's Health. Em alguns casos, há formação de pus e de uma crosta durante o processo de cicatrização. "Sem contar que a marca pode permanecer para sempre", alerta a médica.

Como prevenir: peça gentilmente que sua parceira corte um pouco as unhas. Assim o estrago será menor. "Também é importante que as mãos estejam bem lavadas para eliminar bactérias", recomenda Luciane.

Como tratar: "Nos dois primeiros dias, lave a região traumatizada com água e sabonete e aplique uma pomada antibiótica", aconselha a dermatologista. "Nos cinco dias subseqüentes, repita a higienização, mas troque a pomada por uma solução anti-séptica", ensina. Assim que a casca do ferimento cair, passe protetor solar no local até que a mancha desapareça.


2. ALERGIA AO LÁTEX OU AO LUBRIFICANTE
O que é: reação alérgica aos materiais de que são feitas as camisinhas.

Conseqüências: vermelhidão, coceira e/ou pequenas feridas semelhantes às provocadas pelo herpes. Se você já tem histórico de alergia a alimentos, ácaro ou outras substâncias, fique de olho, pois o risco é maior.

Como prevenir: se a causa for o lubrificante, basta excluir a marca que provocou o problema e testar outra na próxima vez. Mas se você tem alergia ao próprio látex, o jeito é programar a noite e se precaver. "Tome um antialérgico no dia anterior e, antes de colocar o preservativo, espalhe um creme de corticóide ou um à base de silicone no pênis", recomenda Luciane Scattone. "Retire a proteção logo depois do ato", completa a dermatologista. "Em geral, a alergia costuma ser branda."

Como tratar: também com cremes de corticóide e remédios antialérgicos.

3. DOR NAS COSTAS
O que é: dor provocada por trauma decorrente de movimentos muito intensos, posição desconfortável para a coluna, colchão muito mole ou uma combinação desses fatores.

Conseqüências: "Os trancos na hora de transar podem tanto causar nova lesão nas costas como despertar um problema preexistente", avisa o quiropraxista Jason Gilbert, do Instituto Internacional de Quiropraxia, em São Paulo. Por isso, a intensidade da dor varia.

Como prevenir: segundo Gilbert, você deve prestar atenção nos sinais do seu corpo. "Se determinada posição incomodar sua coluna, não insista e mude", aconselha. Se você já tem um problema conhecido, escolha uma que exija menos movimentos (a mulher por cima, por exemplo). E opte por um colchão mais firme.

Como tratar: "Logo que a dor aparecer, envolva gelo em uma toalha e aplique na região por 20 minutos", ensina o quiropraxista. Se os sintomas permanecerem ou se intensificarem nos dias subseqüentes, procure orientação médica.

4. CÃIBRA
O que é: "É uma reação do organismo à sobrecarga no músculo", resume o clínico-geral Flávio Dantas, da Universidade Federal de São Paulo. Segundo ele, isso acontece quando você fica muito tempo em uma posição que contraia o tecido muscular. Então a reserva de oxigênio que fornece energia para essas células passa a ser insuficiente, e o corpo reclama.

Conseqüências: dor e rigidez. Esses sintomas indicam que você abusou de seu músculo. Como prevenir: "É importante consumir alimentos com sódio, cálcio e potássio, como água-de-coco, leite e banana. Esses minerais regulam a contração muscular", diz Dantas. Valéria Walfrido explica que a posição que favorece cãibras é aquela em que o homem fica em pé forçando a panturrilha para cima e para baixo enquanto segura a parceira. Por isso, se o problema aparece com freqüência, escolha outra posição ou aumente a ingestão desses nutrientes.

Como tratar: relaxe, saia da posição de contração e espere o desconforto passar. "E alongue o músculo comprometido", recomenda Valéria. De qualquer forma, a cãibra costuma desaparecer depois de alguns segundos.


5. ATAQUE CARDÍACO
O que é: durante qualquer exercício físico (e o sexo está incluído nesse grupo), o coração trabalha mais para distribuir sangue aos músculos. "Com o ritmo acelerado, se houver uma obstrução nas artérias, o fluxo fica comprometido e há risco de ataque cardíaco", explica Flávio Dantas. Segundo o médico, isso não é comum durante uma transa. "O ataque decorrente do ato sexual e de qualquer atividade física representa apenas 0,6% dos casos de morte súbita."
Conseqüências: você sabe que o assunto é sério e pode levar a pessoa à morte. "Os principais sintomas são dor no peito, com ou sem irradiação para o braço esquerdo, falta de ar, sudorese e dor na região do estômago", detalha o urologista Celso Gromatsky, consultor da Men's Health.

Como prevenir: se você tem algum fator de risco como obesidade, sedentarismo, colesterol alto, diabetes, hipertensão ou histórico familiar de doença cardíaca, é fundamental um acompanhamento médico periódico. "Condicionamento físico e alimentação balanceada ajudam muito a prevenir o problema", conclui Dantas.

Como tratar: ao notar os primeiros sintomas, vá imediatamente ao hospital mais próximo. O tratamento varia de acordo com o caso. Pode ser cirúrgico ou com medicamentos. Em alguns casos o paciente pode ser submetido a uma angioplastia - procedimento em que se utiliza um aparelho para desentupir a artéria comprometida.


6. FRATURA PENIANA
O que é: "O pênis possui três cilindros, chamados corpos cavernosos, que são compostos de músculos e revestidos por uma membrana resistente. Quando ocorre uma ereção, essas estruturas se enchem de sangue, conferindo rigidez ao membro. Uma ' exão abrupta pode fazer com que a membrana se rompa, desencadeando o problema", explica Gromatsky.

Conseqüências: a dor costuma ser muito intensa, o pênis incha e, devido ao extravasamento de sangue, forma-se um hematoma. "O membro fica com aspecto de berinjela", compara o urologista.
Como prevenir: "Muito cuidado na posição em que a mulher fica por cima", alerta Valéria Walfrido. O acidente, de acordo com a sexóloga, acontece principalmente quando o pênis é totalmente retirado da vagina. "No momento da reintrodução pode haver uma ' exão brusca caso o membro não atinja corretamente o alvo."

Como tratar: se acontecer a fratura, corra para o hospital. "Geralmente o tratamento é cirúrgico e, quanto mais rápido for o atendimento, maior a chance de o paciente se recuperar completamente", diz Gromatsky. Normalmente a fratura não deixa nenhuma seqüela. Menos mal. O único inconveniente é que seu amigão terá que ficar um tempo sem comparecer.


7. CHUPÃO
O que é: aquela mancha nada discreta, vermelha ou roxa, que aparece no seu pescoço ou em outras partes sensíveis do corpo depois de momentos picantes de "sucção".

Conseqüências: um chupão bem dado rompe microvasos sangüíneos da região, deixando-a dolorida, com aquela mancha que você conhece bem. Ela demora cerca de sete dias para desaparecer completamente. E o pior: fica vermelha, roxa, amarelada, enfim, uma variação de cores para ninguém botar defeito e para você pagar bastante mico nas reuniões de trabalho.

Como prevenir: impossível, só pedindo para sua parceira maneirar na empolgação. Como tratar: você pode optar entre a arnica, que é um produto natural, e outras pomadas que você passa sobre as pancadas de uma partida de futebol (como Reparil e Hirudoid). "Aplique o produto cinco vezes ao dia", afirma Luciane Scattone. "Essas fórmulas contêm substâncias
que ajudam na cicatrização dos vasos e fazem a mancha sumir mais rapidamente."


MALHE SEM PREOCUPAÇÃO MÚSCULOS FORTES PARA UM DESEMPENHO MELHOR A atividade física ajuda a prevenir metade desses problemas que estragam sua noite. "O alongamento e o fortalecimento das musculaturas abdominal e paravertebral protegem sua coluna e evitam que você tenha dor nas costas", diz o 4 siologista Paulo Zogaib, da Universidade Federal de São Paulo. Sem contar que alongar os músculos também evita cãibras, pois os torna mais preparados para o processo de contração. Siga os exercícios:

FORTALECIMENTO (3 séries/10 repetições)

Abdominal simples: Deite de costas, flexione as pernas e contraia o abdome. Levante os ombros em direção ao joelho devagar. Retorne à posição inicial.

Hiperextensão da coluna paravertebral: De bruços, num plano mais alto que o solo, apoie pernas e cintura. Solte cabeça e peito para baixo e force para cima. Volte ao início

Agachamento: Com as pernas paralelas e abertas, agache flexionando os joelhos. Concentre a força para subir no calcanhar.
ALONGAMENTO
(10 segundos na posição/
4 repetições)

Alongamento de posteriores: Fique em pé com as pernas esticadas e tente alcançar os pés com a ponta das mãos.

Alongamento da virilha: Afaste bem as pernas. Dobre uma delas mantendo a outra esticada. Volte ao início e repita do outro lado.

Alongamento de pernas e virilha: Afaste bem as pernas e dobre os dois joelhos. Sinta alongar a parte interna das coxas (músculo adutor) e a virilha.

Fonte:menshealth

Nasa divulga o maior e mais completo mapa de Marte já feito


O mapa foi construído a parir de 21.000 fotografias obtidas pela sonda Mars Odissey
Imagem do atlas de Marte com zoom no Olympus Mons, o maior vulcão do Sistema Solar. Nasa
mapa foi construído a parir de 21.000 fotografias obtidas pelo Sistema de Imagem por Emissão Térmica ("Themis"), uma câmera de infravermelho a bordo da sonda Mars Odissey, da Nasa. A câmera começou a fotografar Marte há oito anos.
As imagens foram suavizadas, combinadas, misturadas e controladas cartograficamente, para produzir um mosaico gigantesco. Usuários podem "deslizar" sobre as fotos, ampliá-las ou reduzi-las.

Relevo da superfície marciana, com as altitudes codificadas em cores, do azul ao vermelho. Nasa
Em zoom total, os menores detalhes da superfície têm diâmetro de 100 metros. Algumas regiões específicas de Marte já foram fotografadas em resolução maior, mas esta é a melhor disponível para o planeta como um todo.
Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,nasa-divulga-o-maior-e-mais-completo-mapa-de-marte-ja-feito,585203,0.htm

Descobertos pares de planetas gigantes ligados entre si

Descobertos pares de planetas gigantes ligados entre si
Planetas maiores que Júpiter orbitam separados por uma distância menor que a entre a Terra e Marte

Centenas de planetas extrassolares já foram descobertos nos últimos 15 anos, a maioria deles mundos solitários orbitando suas estrelas em aparente isolamento. Novas observações, no entanto, mostraram que um terço dos sistemas contém dois ou mais planetas, mas distantes entre si. Agora, pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) descobriram dois ssitemas com pares de planetas gigantes presos num abraço orbital.

Em um dos sistemas, o par planetário gira em torno da estrela moribunda HD 200964, localizada a cerca de 223 anos-luz da Terra, a dança gravitacional dos planetas é mais apertada que em qualquer outro par já visto. "Este par veio num pacote surpresa", disse o líder do estudo, John A. Johnson, em nota.
"Um sistema planetário com gigantes tão próximos seria destruído rapidamente se os planetas não estivessem fazendo uma dança nem sincronizada. É um enigma como os planetas acharam o ritmo", acrescenta Eric Ford, da Universidade da Flórida.

Artigo assinado por Johnson, Ford e colegas sobre a intrigante mecânica orbital dos planetas será publicado no periódico Astronomical Journal.
Todos os quatro exoplanetas recém-descobertos são gigantes gasosos com mais massa que Júpiter, e como a maioria dos planetas já descobertos fora do Sistema Solar, foram encontrados medindo-se o deslocamento que causam na estrela central de seus sistemas.

A distância entre os planetas orbitando HD 200964 pode chegar a 0,35 Unidade Astronômica, comparável à distância que separa a Terra de Marte.
Os planetas em órbita da segunda estrela estudada, 24 Sextanis, a 244 anos-luz da Terra, estão a 0,75 Unidade Astronômica, ou cerca de 100 milhões de quilômetros. Em comparação, Júpiter e saturno nunca estão a menos de 500 milhões de quilômetros um do outro.

Por causa de suas grandes massas e pequena distância, cada um dos planetas exerce uma profunda influência gravitacional em seu parceiro. A atração entre os planetas de HD 200964, por exemplo, é 700 vezes maior que o que existe entre a Terra e a Lua.

Os pares se mantém estáveis porque suas órbitas se encontram em ressonância. Quando planetas entram em ressonância, seus períodos orbitais se relacionam em uma razão de pequenos números inteiros. Numa ressonância 2:1, por exemplo, o planeta mais externo do par completa uma volta em torno da estrela no mesmo tempo em que o interior completa duas.

Os planetas de 24 Sextanis estão presos numa ressonância 2:1, que é o padrão mais comum e estável. Já os de HD 200964 estão num padrão 4:3.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,descobertos-pares-de-planetas-gigantes-ligados-entre-si,587225,0.htm

Pesquisadores italianos "acordaram" microorganismos adormecidos num meteorito de 4,5 bilhões de anos

Bactérias ETs são ressuscitadas
Pesquisadores italianos "acordaram" microorganismos adormecidos num meteorito de 4,5 bilhões de anos .Mil vezes menor que um milímetro, microorganismo extraído de meteorito volta à vida.
Sente-se numa cadeira e preste muita atenção. Pode ser verdade, pode ser loucura, mas o fato é que cientistas italianos da Universidade Federico II em Nápoles anunciaram ao jornal Corriere della Sera haver ressuscitado bactérias extraterrestres que estavam dormentes há 4,5 bilhões de anos. Seu berço era um meteorito encontrado em 1882 na Transilvânia, atual Romênia, e conservado no Museu Mineralógico de Nápoles. "Ao analisá-lo, nós o colocamos em contato com uma solução fisiológica. E nos demos conta que microorganismos tornaram-se visíveis e começaram a se mover", revela o professor de geologia Bruno Dargenio, de 65 anos. "São bactérias que caíram do espaço", acredita o cientista.
Achado na Transilvânia em 1882, esse meteorito é o berço das bactérias ETs. Batizadas de cristalomicróbios (ou cryms), as bactérias são de sete ou oito tipos. Mil vezes menores que o milímetro, assemelham-se às arqueobactérias, as mais antigas formas de vida que habitam nosso planeta e que sobrevivem nas chaminés termais fincadas no solo oceânico - aonde a luz do sol nunca chega e a escuridão é eterna. A descoberta, se comprovada, tem o potencial de provar que a origem da vida é extraterrestre. Nem mais nem menos.
Giuseppe Geraci exibe uma foto das bactérias escondidas na rocha de 4,5 bilhões de anos
Desde o anúncio feito em 1996 pela Nasa da descoberta de supostas bactérias fósseis num meteorito marciano achado na Antártida, a comunidade científica mundial começou a devassar todas as hipóteses possíveis para comprovar a existência de vida fora da terra. É aí que se insere o trabalho de Dargenio em colaboração com o biólogo molecular Giuseppe Geraci, também professor na Universidade Federico II. Além do meteorito romeno, eles encontraram bactérias similares em mais de 50 rochas sedimentares (como calcário) e ígneas (como granito) com idades entre 1 milhão e 2,3 bilhões de anos e provenientes de regiões como a Itália, a Europa Central e o Canadá.
O DNA das bactérias ETs é de um gênero novo, diferente dos 18 mil já conhecidos
"A probabilidade das rochas terem sido contaminadas por micróbios terrestres é muito baixa", garante Giovanni Bignami, diretor científico da Agência Espacial Italiana. "As amostras foram esterilizadas a 950 ºC mas as bactérias sempre voltavam a ressuscitar". No momento em que começaram a se multiplicar, as bactérias ETs foram colocadas em soluções de cultura dentro de tubos de ensaio. O passo seguinte foi analisar seu DNA, que é parecido com o das arqueobactérias, porém de um gênero diferente do 18 mil gêneros de bactérias terrestres.
Os micróbios do espaço são parecidos com as arqueobactérias, as formas mais antigas de vida da Terra e que vivem no solo oceânico .Segundo Bignami, a descoberta dos biólogos napolitanos é a mais forte evidência para sustentar a tese da origem extraterrestre para a vida na Terra. Agora só falta fazer a comunidade científica aprovar os resultados. Ou desqualificá-los. De qualquer modo, dada a tremenda importância da pesquisa, essa história fantástica ainda vai dar muito pano pra manga. A hipótese de que a vida tem origem extraterrestre é antiga e ganha novo impulso a partir de agora .
Fonte: Revista UFO

sábado, 21 de agosto de 2010

ÍNDICE IDEAL:12 POR 8

A pressão arterial é a força exercida pelo sangue nas paredes das artérias.Quando medida, dois números são registrados. O maior, chamado pressão arterial sistólica, é a pressão do sangue nos vasos, quando o coração se contrai para impulsionar o sangue para o resto do corpo. O menor, chamado pressão arterial diastólica, é a pressão do sangue nos vasos quando o coração se encontra na fase de relaxamento (diástole). A hipertensão é a elevação da pressão arterial para os números acima dos valores considerados normais. Se ela iguala ou ultrapassa 14 por 9 (ou 140 por 90 mmHg) já está acima dos índices normais. Para ter esse diagnóstico, os dados devem ser medidos várias vezes, de forma correta e em repouso.
A pressão se eleva por diversos motivos,mas principalmente porque os vasos nos quais o sangue circula se contraem. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, a pressão alta não tratada pode ocasionar derrame cerebral, enfarte, insuficiência cardíaca (aumento do coração), angina (dor no peito), insuficiência renal e alterações na visão que podem levar à cegueira.


PRESSÃO NORMAL
100 por 60
120 por 80

PRESSÃO LIMÍTROFE
129 por 84
130 por 85

PRESSÃO PERIGOSA (procure um médico)
139 por 89
140 ou + por 90 ou +

Fonte:Sociedade Brasileira de Cardiologia

CURIOSIDADES

*Aposte nos peixes (salmão,atum e sardinha), no óleo e na semente de linhaça, nas nozes e castanhas, no azeite de oliva extravirgem e no abacate.Todos eles contêm o ácido ômega-3 – rico em gorduras monoinsaturadas – que combatem a síndrome do olho seco, distúrbio que reduz a fabricação de lágrimas e pode acometer pessoas de todas as faixas etárias.Um estudo australiano revelou que o consumo de 2 a 3 porções por dia diminui as chances de desenvolver catarata, doença caracterizada pela perda da transparência do cristalino.

*Segundo pesquisas do National Eye Institute (EUA), as vitaminas C e E, e o betacaroteno ajudam a proteger a mácula – ponto central da visão que nos permite enxergar com clareza detalhes pequenos.Quando ela não funciona corretamente, o centro de visão fica prejudicado.O American Journal of Ophthalmology publicou estudos relatando que minerais como zinco e o cobre trazem efeitos benéfico para a retina.

*Pesquisas desmentem a posição do ovo como vilão causador do mau colesterol e o defendem como um dos alimentos mais nutritivos.E ainda com potencial emagrecedor!Rico em vitaminas B12 e D (na clara) e A e E,zinco, ferro e selênio (na gema), o ovo está sendo incluído em dietas de controle de calorias – cozido,tem apenas 80. Estudos mostram que ao enriquecer o café da manhã com um ovo, a tendência é que se sinta menos fome nas refeições seguintes.Com isso, consomem-se menos calorias durante o dia.Ele também é apontado como diminuidor da ansiedade.

TENSÃO? TIRE ISSO DA CABEÇA!

Quem nunca sentiu uma dor de cabeça na vida. Pesquisas indicam que nos Estados Unidos, por exemplo, 90% da população já sentiu alguma dor de cabeça.No Brasil, os estudos indicaram que cerca de 70% das pessoas se queixam de cefaléia. Mas dor de cabeça é uma só?Não.Os especialistas já catalogaram pelo menos 150 tipos - que vão desde a dor causada por tensão, a chamada cefaléia tensional, e também a mais comum, até a temível enxaqueca,talvez a mais difícil de tratar.
Independentemente do tipo, é fundamental consultar um médico,principalmente se os sintomas forem constantes, pois só ele saberá avaliar e fazer o diagnóstico correto para indicar o melhor tratamento. De qualquer forma, é bom estar alerta e conhecer as principais diferenças entre os 2 tipos mais conhecidos de dor de cabeça.
SINAIS DE ALERTA
CARACTERÍSTICAS CEFALEIA TENSIONAL ENXAQUECA
Tipo de dor Em peso ou aperto Pulsátil, latejante
Localização Bilateral (testa,nuca,topo da cabeça) Unilateral (têmporas)
Intensidade Leve a moderada Moderada a severa
Duração De 1 hora a até 7 dias De 4 a 72 horas
Causas mais comum Tensão muscular,estresse Esporádica
Com atividade física habitual Pode melhorar Piora
Sensibilidade à luz e/ou barulho Normalmente não há Sempre presente
Náuseas e/ou vômitos Ausente Presente
Alterações visuais e auditivas Não há Podem aparecer
Medicamentos Analgésicos e relaxantes musculares Analgésicos e outros específicos como: antieméticos, triptanos e ergotamínicos
Na cefaléia tipo-tensão, por exemplo, a má postura,cansaço ou tensão dos múisculos da cabeça,do pescoço e dos ombros costuma ser a fonte da dor. Já na enxaqueca, os receptores dos vasos meníngeos – artérias e veias do interior do crânio – deflagram a dor que pode até causar visão turva.
No caso da cefaléia tensional, há uma forma de tratamento em que o medicamento indicado, em geral, é um analgésico, relaxante muscular ou antiinflamatório para ser tomado durante a crise de dor. Os especialistas alertam que ,em geral, as dores de cabeça tensionais não são tratadas adequadamente, o que pode levar a dor crônica. No caso da cefaléia tensional crônica é importante diagnosticar o que desencadeia a dor. Por exemplo, se for à postura, é preciso corrigi-la; se for a tensão muscular, a atividade física com alongamento muscular pode ajudar muito. Se for um problema de articulação temporo-mandibular, o dentista também precisará ser consultado para a correção do problema. Já enxaqueca, é tratada com medicamentos específicos.Além disso, exercícios de relaxamento e de respiração assim como incorporar hábitos saudáveis, como dormir mais, fazer exercícios regularmente e, manter uma alimentação equilibrada, também ajuda a diminuir as crises de dor. Uma dica que nunca falha:cuide-se,evite o estresse,divirta-se e viva sem dores de cabeça!
Fontes: Sociedade Brasileira de Cefaléia;
International Headache Society. Classification and diagnostic criteria for headache disorders, cranial neuralgia and facial pain. Cephalalgia1988;8 Suppl 7:1-96;
Cathcart S.et al. Central mechanisms of stress-induced headache. http://ncbi.nlm.nih.gov;

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Sol vai mergulhar em nuvem interestelar super quente


Atualmente o Sol, e todo o Sistema Solar, está viajando através de uma nuvem de gás interestelar - a Nuvem Interestelar Local - medindo cerca de 10 anos-luz de diâmetro, com uma temperatura entre 6.000 e 7.000 Kelvin. Esta nuvem está contida dentro de uma Bolha Local, muito maior, com uma temperatura na faixa dos milhões de graus.[Imagem: SRC/Tentaris,ACh/Maciej Frolow]
No final de 2009, a sonda espacial IBEX, da NASA, descobriu que a fronteira do Sistema Solar possui uma faixa brilhante e misteriosa.
Agora um grupo de cientistas da Polônia e dos Estados Unidos sugere que a "Faixa", resultado da emissão de átomos energéticos neutros, é um sinal de que o Sistema Solar está prestes a entrar em uma nuvem de gás interestelar com temperaturas que podem atingir a casa dos milhões de graus de temperatura.

Nuvens interestelares
Segundo os pesquisadores, a Faixa mostrada no mapeamento da sonda IBEX pode ser explicada por um efeito geométrico gerado conforme o Sol se aproxima da fronteira entre a Nuvem Local de gás interestelar e uma outra nuvem de gás muito quente, a chamada Bolha Local.
Se esta hipótese estiver correta, a IBEX estaria captando a matéria de uma nuvem interestelar muito quente, na qual o Sol poderá entrar daqui a cerca de 100 anos.
Desde a descoberta da "Faixa", apontada pela NASA como um dos achados mais importantes na exploração espacial feita em 2009, pelo menos seis hipóteses foram propostas para explicar o fenômeno, todas elas propondo uma relação da Faixa com os processos em curso na heliosfera ou nas suas vizinhanças.
Mas a equipe do professor Stan Grzedzielski, da Academia Polonesa de Ciências, propõe uma origem bem mais distante.
"Nós vemos a Faixa porque o Sol está se aproximando de uma fronteira entre a nossa Nuvem Local de gás interestelar e uma outra nuvem de gás muito quente e turbulenta," diz Grzedzielski.

Átomos neutros energéticos
Os átomos neutros energéticos (ENA: Energetic Neutral Atoms), registrados pelos sensores da IBEX, originam-se de íons (prótons) sendo acelerados da Bolha Local, que é extremamente quente, quando eles trocam carga com os átomos relativamente frios "evaporando-se" da Nuvem Interestelar Local.
Os recém-criados ENAs não têm carga elétrica e, portanto, podem viajar livremente em linha reta a partir do seu local de nascimento, sem sofrer alterações induzidas pelos campos magnéticos presentes.
Segundo os pesquisadores, alguns deles podem atingir a órbita da Terra, quando então foram detectados pela sonda IBEX.

Bolha quente e turbulenta
A Bolha Local é provavelmente um remanescente de uma série de explosões de supernovas que ocorreram alguns milhões de anos atrás e, portanto, não só é muito quente (pelo menos alguns milhões de graus), mas também turbulenta.
Com isto, os prótons na Bolha Local, que estão próximos à fronteira com a Nuvem Local, arrancam elétrons dos átomos neutros e zarpam em todas as direções, alguns deles chegando à IBEX.
"Se nossa hipótese estiver correta, então nós estamos capturando átomos que se originaram de uma nuvem interestelar que é diferente da nossa," maravilha-se o Dr. Maciej Bzowski, chefe da equipe polonesa da IBEX.

Efeito geométrico
Mas se esses átomos neutros estão sendo criados ao longo de toda a fronteira entre a Nuvem Local e a Bolha Local, por que enxergamos uma Faixa?
"É um efeito puramente geométrico, que observamos porque o Sol está atualmente no lugar exato, a cerca de mil unidades astronômicas da fronteira entre as nuvens," propõe Grzedzielski.
"Se a fronteira entre as nuvens for plana, ou melhor, ligeiramente inclinada em direção ao Sol, então ela aparece mais fina em direção ao centro da Faixa e mais grossa nas laterais, exatamente onde vemos a borda da Faixa. Se estivéssemos mais longe da fronteira, não veríamos nenhuma faixa, porque todos os ENAs seriam reionizados e se dispersariam no gás da Nuvem Local," explica o cientista.
Mergulho interestelar
Isto significaria que o Sistema Solar poderá entrar na nuvem de milhões de graus - a Bolha Local - já no próximo século.
Mas, segundo os pesquisadores, não há razões para preocupações.
"Não há nada de incomum, o Sol frequentemente atravessa várias nuvens de gás interestelar durante sua viagem galáctica," afirma Grzedzielski.
Essas nuvens têm densidade muito baixa, muito menor do que o melhor vácuo obtido nos laboratórios da Terra.
Uma vez lá dentro, a heliosfera se adaptará, podendo encolher um pouco. O nível de radiação cósmica entrando na magnetosfera também poderá subir um pouco, mas nada mais.
"Talvez as gerações futuras tenham também que aprender formas melhores de proteger seus equipamentos contra uma radiação espacial mais forte," conclui Grzedzielski.

Bibliografia:
A Possible Generation Mechanism for the IBEX Ribbon from Outside the Heliosphere
S. Grzedzielski, M. Bzowski, A. Czechowski, H. O. Funsten, D. J. McComas, N. A. Schwadron
Astrophysical Journal Letters
2010 May 5
Vol.: 715 no 2, pp L84, 2010
DOI: 10.1088/2041-8205/715/2/L84

Mistérios geológicos de Marte ganham nova explicação

Um mistério de quase 40 anos em Marte pode agora estar sendo resolvido. Cientistas conseguiram reconstruir a formação de duas características inusitadas no polo norte do planeta: uma série de espirais e um abismo maior do que oGrand Canyon.

Gelo empoeirado
Em dois artigos publicados na edição desta quinta-feira da revista Nature, John Holt e seus colegas da Universidade do Texas descrevem como usaram dados obtidos pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter, da Nasa, a agência espacial norte-americana, para desvendar a composição da camada de gelo no norte marciano.
Na Terra, os mantos são formados principalmente pelo fluxo de gelo, mas em Marte, segundo a nova pesquisa, outras forças têm moldado as calotas. A calota ao norte é uma pilha de gelo e camadas de poeira com até 3 quilômetros de profundidade, que cobre uma área maior do que a do Estado de Minas Gerais.
Ao analisar em computador os dados de radar colhidos pela sonda, os pesquisadores puderam, como se estivessem retirando as camadas de uma cebola, verificar como a cobertura de gelo evoluiu com o tempo.

Grand Canyon de Marte
Uma das partes mais notáveis no polo norte marciano é a Chasma Boreale, uma depressão tão extensa como o Grand Canyon norte-americano, mas mais profundo.
Desde que foi descoberta, em 1972, cientistas estimavam que a depressão teria sido formada a partir do derretimento do fundo do manto de gelo pelo calor vulcânico. Mas o novo estudo indica que tanto a Chasma Boreale como as espirais foram criadas principalmente pela ação de fortes ventos, durante milhões de anos.

Camadas complexas
A nova pesquisa aponta também que a calota de gelo no norte marciano não é composta por muitas camadas relativamente planas, mas que conta com características mais complexas, entre as quais camadas com espessura e orientação diferentes ou camadas que simplesmente desaparecem em alguns pontos.
"Não se sabia da existência de uma estrutura de camadas tão complexa, que registram a história de acúmulo de gelo, erosão e ação do vento. A partir de agora, poderemos recuperar uma história detalhada do clima em Marte", disse Holt.

Redescoberta
Em 1982, Alan Howard, da Universidade da Virgínia, propôs em um artigo que as misteriosas espirais teriam sido formadas pela ação do vento, mas o trabalho foi ignorado pela comunidade científica, que bancava a hipótese da origem vulcânica. O novo estudo mostra que Howard estava certo.
Segundo Holt e colegas, a formação em espiral deriva dos ventos existentes na região, formados por ar denso e relativamente frio que circula a partir dos polos e por sobre as calotas.
A ação do vento é afetada pela força de Coriolis, perpendicular ao sentido do movimento do planeta. Na Terra, isso leva à formação de furacões, que giram em direções opostas nos hemisférios. Em Marte, essa força influencia nos ventos e nas depressões criadas, que assumem a forma de espirais.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=misterios-geologicos-marte&id=010130100527&ebol=sim

O QUE ESTÁ EM JOGO NA DISPUTA PELO CONTROLE DA REDE

COMO É O SISTEMA
A Icann, sigla em inglês para Corporação da Internet para Nomes e Números, é a organização sem fins lucrativos que põe ordem na rede.Administra, por exemplo, os endereços de internet (www.veja.com.br) e, estabelece os domínios (com,org,edu...).Sem essa ordenação,a internet entraria em colapso.

COMO FUNCIONA O CONTROLE
1- Uma pessoa tenta acessar a página de VEJA na internet. Pra isso, digita o “nome de domínio” (domain name) da revista na rede: veja.com. Na web, existem 9 bilhões de “ nomes de domínio” diferentes.
2- O número de IP (Internet Protocol) associado ao site de VEJA é 200.196.241.205
3- A procura do IP é feita por um sistema chamado Domain Name System (DNS),uma imensa base de dados,espécie de lista telefônica gigantesca.
4- A base para a localização de todos os endereços de internet está em 13 grandes servidores – sendo 10 nos EUA( 6 ficam na costa leste e 4 na costa oeste), 1 na Inglaterra, 1 na Finlândia e 1 no Japão – chamados de RAÍZES, gerenciados pela Icann. É isso que garante que não existam endereços repetidos.

O QUE PODE MUDAR
O registro de nomes de domínio passaria a ser de responsabilidade de um organismo “multilateral intergovernamental” subordinado às Nações Unidas.

MOTIVAÇÃO
As mudanças foram propostas por governos ditatórias e por países que policiam o uso da rede, caso de China, Cuba,Síria,Zimbábue e Arábia Saudita.

O RISCO
A internet entrar em colapso.

Fonte: Revista VEJA

MAIS DE TRÊS MESES SEM MENSTRUAR PODE SER SINAL DE PROBLEMA

Da adolescência à menopausa, a menstruação faz parte da vida de toda mulher. É sinal de saúde na fase reprodutiva. Sua ocorrência é resultado de um mecanismo complexo. Mensalmente, o hipotálamo – região cerebral que controla a produção de hormônios do corpo – envia certas mensagens à glândula hipófise, situada na base do cérebro. Entre os veículos de mensagens, está o hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), produzido pelo hipotálamo. O GnRH dá ordem à hipófise para produzir dois outros hormônios: o folículo estimulante (FSH) e o luteinizante (LH).
O FSH estimula os ovários. Começa então a ocorrer o amadurecimento dos folículos ( células germinativas), que passam a produzir maior quantidade de estrógenos. Enquanto isso, o LH aumenta e atinge seu pico em torno do 14° dia do ciclo menstrual, provocando a ovulação.
No momento em que um óvulo maduro é liberado, a trompa o capta e ele inicia sua viagem rumo ao útero. No caminho, se fertilizado por um espermatozóide, transforma-se em célula-ovo, e nessa condição segue seu destino para o útero, onde se desenvolverá. Se o óvulo não for fertilizado, a produção de estrógenos e progesteronas diminuem e, essa queda leva à menstruação.Ou seja, hipotálamo, hipófise,ovários,útero e vagina, além das glândulas supra-renal e tireóide, funcionam de maneira integrada. É preciso que estejam em equilíbrio para a menstruação ocorrer. O mínimo desajuste em um deles é suficiente para o “sangue não descer”.
Às vezes claro, é a opção da mulher, como na gravidez ou durante a utilização de anticoncepcionais de uso contínuo. Outras vezes, uma necessidade para tratar doenças que melhoram com a interrupção do fluxo. Por exemplo, cólicas menstruais muito fortes ou a síndrome da tensão pré-menstrual.
Afora isso, a ausência de menstruação no período reprodutivo é sinal de alguma coisa errada, física ou psíquica. Mas atenção: na mulher que menstrua normalmente, ausência de fluxo só deve preocupar quando for superior a três ciclos consecutivos. Nesse caso, estamos diante do que chamamos de amenorréia.
A síndrome dos ovários policísticos é a causa mais comum. Por desequilíbrio do FSH e do LH, os folículos não amadurecem, e os óvulos ficam retidos nos ovários. Além da amenorréia, pode provocar aumento excessivo de pêlos (hirsutismo),obesidade, queda de cabelos, acne e infertilidade. Na maioria dos casos, seu tratamento exige apenas remédios.
A amenorréia pode ter ainda outras origens: anormalidades anatômicas, disfunções hormonais, deitas rigorosas, tumores, menopausa precoce, estresse, exercícios em excesso, magreza exagerada, obesidade e certos medicamentos, em especial os para vômito, alguns antidepressivos e tranqüilizantes. A propósito: amenorréia é uma queixa cada vez mais comum nos consultórios e os principais culpados são o uso indiscriminado de antidepressivos e tranqüilizantes e o padrão magríssimo de beleza feminina.
Não se assuste. Há tratamento para todas essas causas. Só é preciso descobrir qual a responsável em cada paciente. A investigação diagnóstica, portanto, vai depender da história e da avaliação clínica, que por sua vez, determinarão os exames complementares necessários. Há, porém, uma prescrição que para toda mulher:
1-mantenha o peso próximo do ideal;
2-pratique atividade física com moderação;
3-adote uma dieta equilibrada, com muitas verduras e frutas;
4- só use remédio indicado por médicos.
Esses procedimentos evitam falhas na menstruação e protegem a saúde. Fonte: Revista CARAS

CURIOSIDADES

*Uma alimentação rica em azeite de oliva, castanhas, carnes brancas, frutas, verduras e legumes pode ajudar a prevenir a doença de Alzheimer, segundo um estudo publicado na revista Archives of Neurology.

*Medir os depósitos de cálcio nas artérias pode ajudar a diagnosticar com mais precisão o rico de doenças cardiovasculares, segundo um estudo da Universidade Northwestern (EUA). O coeficiente de acúmulo de cálcio é determinado pelo exame tomodensitometria.

*Um estudo publicado na revista “Archives of Internal Medicine” mostra que pessoas deprimidas consomem 55% mais chocolate do que indivíduos com o humor equilibrado. E quanto pior elas se sentirem, maior será a voracidade.

*Quanto maiores os níveis de vitamina D produzido pelo organismo, melhor é a saúde óssea e muscular.Revela um estudo da Universidade Wake Forest,que acompanhou 2.700 pessoas durante 4 anos.

*Cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) desenvolveram uma ponta de diamante acoplada a um aparelho de ultra-som que dispensa o temido motorzinho. Em vez de rotações, o tecido destruído pela cárie é retirado por vibrações de alta freqüência, sem dor e nem sangramento.

*A asma e a rinite alérgica tendem a piorar no inverno. Em algumas pessoas, o ar frio torna os brônquios e a mucosa nasal mais reativos. Para prevenir, mantenha a casa arejada e ventilada, limpe-a diariamente com pano úmido e lava as roupas guardadas antes de usá-las.

*Cientistas da Universidade de New Jersey (EUA) provaram que é possível reduzir o câncer colorretal já existente, consumindo verduras crucíferas como couve e couve-flor. Outro estudo apontou que o consumo diário dessas verduras reduz em 40% o risco de se ter a doença.

*A exposição à poluição durante a gravidez pode afetar o coeficiente intelectual das crianças, segundo um estudo americano realizado com 249 meninos e meninas que viviam em bairros de Nova Iorque.

*Dormir regularmente após o almoço pode aumentar em 26% o risco de se ter diabetes tipo 2, segundo um estudo da Universidade de Birmingham (Grã-Bretanha) e, do Hospital de Cantão (China). As razões seriam o sono noturno perturbado e a redução da atividade física.

*Aumentar a ingestão de vegetais ricos em carotenóides, com cenoura, couve e outros vegetais de folhas verdes, pode prevenir o câncer de mama em mulheres que ainda não passaram pela menopausa, afirma um estudo da Escola de Saúde Pública de Harvard (EUA).

*Mulheres que consomem em grande quantidade de carboidratos com altos níveis glicêmicos, como pães, pizza, arroz, podem duplicar seu risco de ter doenças cardíacas. A conclusão é de um estudo com mais de 47 mil pessoas realizado na Itália.

*Tomar suplementos de vitamina D na gravidez pode prevenir infecções e trabalho de parto prematuro, segundo um estudo apresentado na reunião anual da Sociedade Acadêmica de Pediatria, no Canadá.

* Pessoas que consomem grande quantidade de açúcar possuem níveis mais baixos de colesterol bom (HDL) e níveis mais altos de triglicerídeos do que as adotam dietas pobres nesse tipo de adoçante, afirma um estudo da Emory University.

* Fumar, estar acima do peso, viver estressado, ser sedentário e ingerir muito sal e álcool podem levar à hipertensão. Ela é perigosa porque faz o coração trabalhar mais, o sobrecarregando.

* A laranja é uma aliada contra a celulite. Além de ser rica em vitamina C, que atua no processo inflamatório, a fruta contém hesperidina, substância que fortalece a parede dos vasos sanguíneos, dificultando o acúmulo de líquidos. O ideal é comer 2 laranjas com bagaço por dia.

*Uma em cada quatro adolescentes sexualmente ativas está contaminada pelo HPV, vírus transmitido na relação sexual que pode causar câncer de colo de útero, segundo dados da FIOCRUZ. Daí a importância do uso da camisinha e dos exames periódicos para detectar e tratar a infecção.

*Amamentar não faz bem apenas ao bebê, mas também às mães. Segundo uma pesquisa da Universidade de Pittsburgh (EUA), mulheres que amamentam seus filhos reduzem seu próprio risco de sofrer doenças cardíacas ou derrames. De acordo com os cientistas americanos, as mulheres que amamentaram por mais de um ano são 10% menos propensas a sofrer desses problemas de saúde.

Fonte: Jornal EXTRA

USO DE ENXAGUATÓRIO BUCAL PODE CAUSAR CÂNCER

O uso diário de enxaguatórios bucais que contêm álcool pode causar câncer na boca, segundo uma revisão científica publicada no fim de 2008, na revista Dental Australian Academy.
Um estudo brasileiro realizado com 309 pacientes e, também publicado na Revista de Saúde Pública, encontrou a mesma associação. “Algumas marcas chegam a ter 26% de álcool, e há pessoas que usam todos os dias. Hoje existem produtos no mercado sem álcool, que devem ser escolhidos”, disse à Folha de S.Paulo o oncologista Luiz Paulo Kowalski – diretor do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital A.C.Camargo e um dos autores do trabalho. Normalmente, os produtos com álcool têm preços mais baixos.
Os especialistas alertam que, ao contrário do que a maioria das propagandas sugere, o uso de enxaguatórios bucais não é necessário para a higiene, na maioria dos casos. A recomendação é que somente seja utilizado em situações específicas, como pós-cirurgia, raspagem de dente ou casos de alta incidência de cáries.

Fonte: Folha de S.Paulo

SÍNDROME DO OLHO SECO. Uma dica: pique muito!

Quem adora ficar pendurado no PC ou hipnotizado pelo videogame se arrisca a sofrer de secura visual. Olhos irritados, vermelhos, coçando ou ardendo, além de visão turva, sensibilidade ao vento e à luz e (ironicamente) lacrimejamento, são sintomas que podem apontar para a Síndrome do Olho Seco, problema que atinge 28 milhões de no país.
A síndrome pode ter outras causas, mas qualquer situação que afete pelo menos umas das 3 camadas de lágrimas – oleosa, aquosa e mucosa – pode originar os mesmos sintomas.
Qualquer atividade que exija muita atenção visual pode causar, precipitar ou agravar a sensação de olho seco, mesmo que temporariamente – explica o oftalmologista Bruno Machado Fontes. O motivo é que as pessoas piscam menos. O normal é piscar de 12 a 15 vezes por minutos. Mas, quando estamos em frente ao PC, pisca-se de 3 a 5 vezes menos.
Quem sofre dessa síndrome tem menor lubrificação na região ocular, que pode ser causada ou por produção fraca de lágrimas ou por uma evaporação excessiva dela. Mulheres após a menopausa, pessoas portadoras de glaucoma, artrites, doenças autoimunes, alergias e diabetes também podem ser afetadas pela síndrome. Além disso, fumantes e pessoas que fazem reposição hormonal e uso de determinados medicamentos e complexos alimentares também estão mais propícios a essa instabilidade no filme lagrimal.
A dica para quem está com sintomas de olho seco é procurar um oftalmologista que analise o quadro e indique um tratamento. Exames simples, que podem ser feitos no consultório médico, identificam o que está causando os sintomas. O desconforto é mínimo. Um dos testes determina a quantidade de lágrimas que é produzida pelo paciente. Isso é feito com o médico colocando uma tirinha de papel especial na pálpebra para checar o quanto ela fica molhada durante certo período de tempo. Outro teste consiste na aplicação de um corante que mostra onde e quando as lágrimas se separam na córnea. O tratamento pode incluir a utilização de lágrimas artificiais. Curioso, não? Pois, saiba que a venda estimada dessas lágrimas prescritas pelos médicos já ultrapassa US$ 540 milhões no mundo inteiro.

Fonte://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2010/03/08/síndrome-do-olho-seco-afeta-28-milhões-de-brasileiros

domingo, 11 de abril de 2010

Oceano da lua de Júpiter pode abrigar vida

Nos oceanos de uma lua a centenas de milhões de quilômetros do sol, algo complexo pode estar vivo - neste momento. Embaixo da crosta gelada da lua Europa, de Júpiter, acredita-se que haja um oceano global de até 160 quilômetros de profundidade, sem terra à vista na superfície. Esse oceano extraterrestre está atualmente sendo alimentando com oxigênio a níveis mais de 100 vezes maiores do que modelos anteriores sugeriam, de acordo com uma nova e instigante pesquisa. Essa quantidade de oxigênio é suficiente para manter mais do que formas de vida microscópicas: pelo menos três milhões de toneladas de criaturas semelhantes a peixes podem teoricamente viver e respirar em Europa, afirma o autor do estudo, Richard Greenberg, da Universidade do Arizona, em Tucson. "Não há nada dizendo que existe vida lá agora", disse Greenberg, que apresentou seu trabalho mês passado em um encontro da Divisão para Ciências Planetárias da Sociedade Astronômica Americana. "Mas sabemos que existem condições físicas para sustentá-la."
“Na verdade, com base no que sabemos sobre a lua jupiteriana, parte do leito marítimo de Europa deve se parecer muito com os ambientes ao redor das chaminés hidrotérmicas do oceano profundo”, afirma o ecologista molecular de oceano profundo Timothy Shank. "Ficaria chocado se não existisse vida em Europa", disse Shank, da Instituição Oceanográfica Woods Hole, que não esteve envolvido no estudo. Apesar das novas e promissoras estimativas, é cedo demais para ir além das especulações sobre como a vida em Europa pode ter evoluído. Um olhar mais próximo - talvez por meio de uma missão da Nasa em desenvolvimento - será necessário para dizer exatamente como as substâncias químicas estão distribuídas em Europa e como a história geológica da lua pode ter contribuído para as chances de vida no local.
A Nova e Brilhante Cobertura de Europa – O astrônomo Galileu Galilei descobriu Europa em 1610. Mas foi apenas quando Galileo, a espaçonave da Nasa, alcançou o sistema de Júpiter em 1995 que os cientistas foram capazes de estudar a lua em detalhes. O que a sonda Galileo descobriu foi tão empolgante que a Nasa deliberadamente fez a espaçonave colidir com Júpiter em 2003 para evitar que ela contaminasse uma de suas próprias descobertas: o oceano salgado sob a superfície de Europa.Embora a sonda não tenha visto diretamente o oceano, cientistas estão certos de que ele está lá, com base na idade, composição e estrutura da superfície gelada da lua. “Por exemplo, imagens da superfície brilhante da lua sugerem uma formação relativamente recente”, afirma Greenberg, que também é autor de "Unmasking Europa: The Search for Life on Jupiter's Ocean Moon". Europa, como os outros planetas e luas do nosso sistema solar, tem mais de quatro bilhões de anos de idade. Mas a relativa falta de crateras de impacto implica que a crosta gelada tem apenas 50 milhões de anos. "Hoje, existe uma superfície completamente diferente da que havia no tempo em que os dinossauros foram extintos da Terra", disse Greenberg.
A "Repavimentação" Envia o Oxigênio Constantemente para Baixo? – A superfície lisa de Europa é maculada apenas por fissuras escuras entrecruzadas que sugerem que a camada de gelo está sendo expandida e comprimida pela força das marés. "Na Terra, estamos acostumados a pensar nas marés como algo observado no litoral", explica Greenberg. Mas em uma escala maior, a gravidade do sol e da luz constantemente contrai e expande a Terra como um todo. Europa, que tem mais ou menos o tamanho da nossa lua, também sofre com marés, porém não do sol, mas da gravidade de Júpiter.
A fricção causada por todo esse estiramento das marés provavelmente aquece Europa o bastante para manter a água líquida, afirma Greenberg, mesmo com a lua jupiteriana estando a 778 milhões de km do sol. O material oceânico mais quente pode verter através das fissuras do gelo e congelar na superfície na mesma velocidade em que o gelo velho afunda e derrete no líquido interior. Esse ciclo de "repavimentação" explicaria a aparência jovem da superfície gelada e abre a porta para que o oxigênio da superfície permeie o oceano escondido. O oxigênio é criado quando partículas carregadas do campo magnético de Júpiter atingem o gelo. Com suas estimativas do ritmo de repavimentação da lua, Greenberg acredita que levaria de um a dois bilhões de anos para o primeiro oxigênio da superfície alcançar o oceano abaixo.
Hora de Crescer – Segundo a hipótese de Greenberg, alguns milhões de anos depois do processo de pavimentação do gelo ter começado, os níveis de oxigênio nos mares de Europa alcançaram seus níveis atuais - que excedem os níveis dos oceanos da Terra. Esse período na verdade aumenta as chances de que a vida como conhecemos tenha lançado raízes em Europa. Para começar, a maioria das formas de vida primitiva precisa da ausência de oxigênio para se formar, explica Greenberg. "O oxigênio tende a causar o rompimento de outras moléculas", disse ele, logo, material genético como DNA não pode se agregar livremente com a presença de oxigênio. "Você precisa desse atraso para que material genético e estruturas possam tomar forma", disse ele. "Assim, quando o oxigênio chegar, os organismos vão pelo menos ter uma chance de sobrevivência."
De forma semelhante, uma abundância repentina de oxigênio pode simplesmente matar formas de vida que não estão acostumadas com o elemento altamente reativo. Mas se o oxigênio for introduzido lentamente, as criaturas podem evoluir para tolerá-lo e mesmo passar a depender dele, em um processo que se acredita ter acontecido nos primórdios da Terra. A Posição Contra Animais em Europa – Para que a generosa estimativa de oxigênio de Greenberg no oceano de Europa - e a hipótese resultante de que criaturas parecidas com peixes podem existir por lá - seja viável é necessário que a repavimentação da superfície tenha acontecido a uma taxa relativamente estável, no caso, uma renovação completa a cada 50 milhões de anos. Mas o cientista planetário Robert Pappalardo afirma que o processo talvez tenha sido mais intermitente, portanto, o nível de oxigênio - e a chance de peixes - seria menor. "Talvez há 50 milhões de anos ela estivesse se revolvendo e, agora, ela tenha desacelerado e se tornado muito mais letárgica", disse Pappalardo, um graduado pesquisador do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em Pasadena, Califórnia.
Como exemplo, Pappalardo cita a prisão gravitacional de Europa à sua lua vizinha Io, que tem uma órbita excêntrica ao redor de Júpiter. Isso significa que Io pode estar atraindo e repelindo Europa em ciclos extremos, resultando em períodos de alta e baixa fricção de maré sobre Europa. Mesmo nesse cenário, o oxigênio pode alcançar o oceano, embora talvez não em quantidades que favoreçam formas de vida complexas. Já que o gelo se comporta como um fluido durante períodos longos de tempo (pense em geleiras), segundo ele, elementos de superfície poderiam alcançar o oceano de Europa por meio do gelo sólido. "Imagine uma lâmpada de lava: aglomerados de material mais quente sobem, e aglomerados mais frios descem. A diferença é que, no gelo, pode levar uma centena de milhares de anos para um aglomerado subir." Enquanto isso, se a atividade das marés sobre Europa ocorrer intermitentemente, haveria uma mudança das taxas nas quais calor e nutrientes do manto rochoso se fazem presentes, diz ele. "Digamos que haja micróbios lá embaixo", acrescentou Pappalardo. "O que significaria para sua evolução se a cada centena de milhares de anos houvesse muito mais calor e elementos químicos? Isso levaria a organismos muito mais resistentes", mas não necessariamente à vida complexa.
Para avaliar as chances de vida em Europa também é preciso saber se o calor da fricção das marés chega até o seu núcleo rochoso. Se o núcleo sólido for mesmo quente, disse ele, "então talvez haja alguma fonte de fumaça preta liberando calor e substâncias químicas". Se não for, os nutrientes dissolvidos necessários para sustentar a vida seriam muito mais limitados. Na verdade, mesmo com vastas quantidades de oxigênio na água, segundo a astrobióloga Cyntia Phillips do Instituto SETI, é improvável que Europa abrigue alguma coisa maior que microorganismos, considerando sua quantidade estimada de nutrientes químicos básicos para a vida. "Embora seja realmente excitante pensar em uma lula gigante em Europa, há poucas chances de haver alguma coisa desse tamanho", disse Phillips.
Procura-se: Espaçonave que Perfure Gelo, Nade e Aspire – Para alguns, entretanto, a idéia de que exista pelo menos vida microscópica em Europa é plausível o bastante para que pesquisadores, inclusive Shank (de Woods Hole), já fiquem de olho nas chaminés hidrotérmicas superaquecidas como analogias possíveis. Alguns microorganismos podem prosperar nos gases criados pelas substâncias químicas expelidas por essas chaminés. Em Europa, tais substâncias podem ser a base de uma cadeia alimentar que, com oxigênio na água, poderia manter vida complexa.Um dia, uma espaçonave pode ser enviada a Europa para penetrar o gelo e explorar o oceano, de forma semelhante aos veículos operados remotamente que aspiram o oceano profundo da Terra, em busca de nutrientes liberados por chaminés hidrotérmicas ocultas, afirma Shank.Mas primeiro, os cientistas precisariam desenvolver sensores que possam detectar DNA, RNA e outras marcas químicas da vida. Um submersível enviado a Europa também precisaria ser menor, mais leve e ter baterias de vida útil maior do que os modelos existentes - sendo ainda capaz de perfurar seu caminho pelo que podem ser quilômetros de gelo. Capacidades robustas de comunicação também seriam essenciais, afirma Shank. "Não há vantagem alguma em descer lá, descobrir vida e não conseguir contar sobre isso para ninguém."
Missão: Europa – O próximo passo na exploração de Europa pela Nasa, porém, será provavelmente orbital - ou seja, nada de missões marítimas -, em uma missão conjunta com a Agência Espacial Européia. Uma missão dessas, apesar de desejada, enfrentaria uma série de dificuldades, observa Phillips, do SETI. Quando próximos, Júpiter e suas luas ficam a aproximadamente 588 milhões de quilômetros da Terra, então chegar lá pode demorar de cinco a seis anos com a atual tecnologia. A essa distância, não há luz solar o bastante para uma sonda abastecida pelo sol, então a nave precisaria levar sua própria fonte de energia nuclear, afirma Phillips. Ainda seria preciso lidar com a radiação constante da magnetosfera de Júpiter. "Se você quiser orbitar Europa, a radiação vai acabar fritando sua espaçonave", disse Phillips. "Depois que finalmente chegar a Europa, você pode esperar manter uma órbita de dois meses, se tiver sorte."
Pappalardo, o cientista do estudo que propôs a missão a Europa, afirma que o satélite planejado pela Nasa deve ser robusto o suficiente para durar quase um ano antes de sucumbir à radiação ou outra pressão ambiental. Uma missão dessas, acrescenta, pode encontrar provas concretas de vida complexa em Europa. Segundo ele, porém, essa é a visão otimista. "Uma visão conservadora seria perguntar: existe energia química o bastante para organismos de qualquer tipo prosperarem?", pergunta Pappalardo. "Isso não está fora de questão, mas primeiro vamos ver o que está lá."

Fonte: Terra Notícias, link: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI4134137-EI238,00-Oceano+de+lua+de+Jupiter+pode+abrigar+vida+dizem+astronomos.h

Telescópio detecta buraco negro gigante engolindo estrela

Instrumento europeu detecta buraco negro à distância recorde de 6 milhões de anos luz.

O telescópio do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), detectou em outra galáxia o buraco negro mais distante já encontrado.
O corpo celeste está acompanhado por uma estrela que, em breve, será engolida pelo próprio buraco negro. Com uma massa 15 vezes maior que a massa do Sol, este buraco negro também é o segundo maior buraco negro de massa estelar já encontrado.
Este buraco negro foi encontrado em uma galáxia em formato de espiral, chamada NGC 300, a seis milhões de anos luz da Terra. "Esta é o buraco negro de massa estelar mais distante já pesado, e é o primeiro que vemos fora de nossa vizinhança galáctica, o Grupo Local (grupo de galáxias que inclui a Via-Láctea)", afirmou Paul Crowther, professor de astrofísica na Universidade de Sheffield, Grã-Bretanha, e um dos autores do estudo.
O parceiro do buraco negro é uma estrela do tipo Wolf-Rayet, que também tem uma massa cerca 20 vezes a massa do Sol. As Wolf-Rayet são estrelas que já estão perto do fim de suas vidas e expulsam a maior parte de suas camadas superiores para a região que as cerca antes de explodirem como supernovas, com seus núcleos implodindo para formar buracos negros.
Os buracos negros de massa estelar são extremamente densos, os restos do colapso de estrelas muito grandes. Estes buracos negros têm massas que chegam até a 20 vezes a massa do Sol. Até o momento, 20 destes buracos negros de massa estelar já foram encontrados.
Por outro lado, buracos negros maiores são encontrados no centro da maioria das galáxias e podem pesar entre milhões e bilhões de vezes a massa do Sol.

Dança
As informações coletadas pelo telescópio do ESO mostram que o buraco negro e a estrela Wolf-Rayet dançam um em volta do outro em períodos de 32 horas. Os astrônomos também descobriram que, enquanto eles orbitam em volta um do outro, o buraco negro está arrancando matéria da estrela. "Este é, sem dúvida, um 'casal íntimo'. Como um sistema com uma ligação tão forte foi formado ainda é um mistério", afirmou um dos colaboradores da pesquisa Robin Barnard.
Outros sistemas com um buraco negro e uma estrela como companheira não são desconhecidos dos astrônomos. Baseados nestes sistemas, os astrônomos conseguem ver uma conexão entre a massa do buraco negro e a química das galáxias.
"Notamos que os maiores buracos negros tendem a ser encontrados em galáxias menores que contem menos elementos químicos pesados", afirmou Paul Crowther.
"Galáxias maiores, que são mais ricas em elementos pesados, como a Via Láctea, apenas produzem buracos negros de massas menores."
Os astrônomos acreditam que uma maior concentração de elementos químicos pesados influencia como uma grande estrela evolui, aumentando a quantidade de matéria que perde, o que resulta em um buraco negro menor quando os restos da estrela finalmente entram em colapso.
Em menos de um milhão de anos será a vez da estrela Wolf-Rayet se transformar em uma supernova e, então, se transformar em um buraco negro. "Se o sistema sobreviver a esta segunda explosão, os dois buracos negros vão se fundir, emitindo grandes quantidades de energia na forma de ondas gravitacionais", conclui Crowther.
No entanto, de acordo com os astrônomos, serão necessários alguns bilhões de anos até que os dois cheguem a se fundir.

BBC Brasil
Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,telescopio-detecta-buraco-negro-gigante-engolindo-estrela,502807,0.htm

DESLOCAMENTO DO CAMPO MAGNÉTICO DA TERRA

Como está sendo divulgado pela mídia e isso é real o pólo norte magnético da terra está se deslocando a uma velocidade de 64 km por ano no sentido Alaska – Rússia.
Para entender que isso é um acontecimento natural - aí vai uma explicação simplificada e de fácil entendimento:
O Sistema solar, é por analogia um átomo gigante, possui em seu núcleo central o Sol e os seus elementos atômicos os planetas, seus satélites e tudo mais que existe dentro do seu campo gravitacional.
Assim como os elementos atômicos giram ao redor do seu núcleo, formando um campo de energia unificado, a terra (e os demais planetas) também se desloca ao redor do sol – chamamos a este movimento que os planetas fazem ao redor do seu Sol de translação. Acima você vê uma imagem mostrando a proporcionalidade - somos muito pequenos em relação ao Sol.
Os elementos atômicos giram sobre si mesmo, assim também faz a nossa terra, a velocidade é reduzida graças ao nosso satélite que atua através da força gravitacional freando tal deslocamento.
Esses deslocamentos já são por nós velhos conhecidos e aprendemos isso na nossa infância.
Agora é preciso entender que o nosso sistema solar também se desloca a uma grande velocidade ao redor do seu núcleo central, ou seja, é também por similitude como um pequeno elemento atômico que gira ao redor do seu Sol central. O sistema solar leva mais de 26 mil anos para fazer tal percurso.
Essa informação já é do conhecimento de muitas pessoas e os cientistas estudam esse fato.
Para entender o que atualmente está ocorrendo com o planeta, a gente volta ao movimento de translação da terra. Quando ela se desloca ao redor do Sol ela altera a sua posição exposta as influências dos raios solares e temos alterações diferenciais de clima na terra devido a essas alternâncias de alinhamento com o Sol.
Assim também o nosso sistema solar, no seu deslocamento, sofre alterações, dependendo da sua posição no cosmo em relação ao grande centro Galáctico.
Então, de acordo com uma determinada posição da terra em relação ao sol, provocada pelo movimento de translação, nós temos um ambiente diferente no planeta aonde vivemos – as quatro estações do ano.
Já com relação ao deslocamento do sistema solar ao redor do núcleo galáctico temos as eras – que duram mais ou menos 2.160 anos e que são observados através da nossa posição (terra) e a posição dos outros sistemas (estrelas) no espaço cósmico.
Voltando a nossa similitude temos as estações do ano que são diferentes uma da outra, e temos também as eras que se diferenciam. A primeira é fácil a gente notar, pois numa só vida vivemos muitas primaveras, já as eras temos que recorrer ao passado para entender melhor como funcionam.
As eras se diferenciam uma das outras pelas alterações que vem causando no relevo terrestre, já no movimento de translação da terra ao redor do sol, o planeta sofre alterações climáticas.
As grandes alterações físicas ocorrem quando o sistema solar passa mais perto do grande Sol Central, pois ali é bombardeado por forças energéticas muito fortes, chamados de cinturão de fótons (já detectado pelos cientistas) que vão alterando os átomos (limpando), tornando suas vibrações mais rápidas. Nesta área existe mais atividade atômica.
O realinhamento do sistema solar com o Sol Central é que provoca o deslocamento do campo magnético da terra, ou seja, o Sistema Solar possui um cordão umbilical invisível que está ligado com o Sol Central da Galáxia.
Como o nosso sistema solar tem alguns bilhões de anos ele já fez muitas voltas galácticas e sofreu inúmeras alterações físicas – isso se comprova através de estudo das diversas camadas de solo que compõem a crosta terrestre.
Devido a esses diversos deslocamentos temos muitas forças gravitacionais atuando de forma diferenciada no nosso sistema solar e por tabela na astronave terra. Como também a nossa galáxia está se deslocando ao redor de um núcleo maior esses acontecimentos nunca se repetem por inteiro, ou seja, sempre temos um dia diferente do outro, mesmo parecendo igual - a nossa posição nunca se repete no espaço sideral.
Os antigos sabiam destes movimentos e criaram diversos locais para o acompanhamento das eras, daí surgiram muitas profecias baseadas nestes estudos de observação do cosmos.
Visto isto, agora você já sabe que tanto o nosso sistema solar como a nossa nave terra está sempre se deslocando, no espaço cósmico, numa incrível velocidade e sempre estará numa posição diferente dentro do universo.
Como essas situações são sempre novas elas provocam também alterações diferenciadas no nosso planeta. O causador destas alterações são os campos gravitacionais que atuam entre si – ou seja, influenciamos e somos influenciados o tempo todo pelas forças gravitacionais que atuam no universo.
Observe que a Terra não é redonda e sim achatada, pois, a força gravitacional que atua na linha do equador é maior que aquela que atua nos pólos.
A Terra não possui outro movimento de rotação sobre si mesmo de adaptabilidade para atender tais influencias externo-cósmica (alinhamento com o sol) e como o sistema solar está passando de uma era para outra neste nosso período de tempo passa a sofrer uma forte atuação gravitacional para se ajustar ao novo alinhamento cósmico, ou seja, um campo gravitacional está perdendo sua força de atuação no sistema solar e outro passa a atuar com mais intensidade.
O Sol se alinha com esta nova situação cósmica e por tabela leva o seu conteúdo, que são os planetas a uma nova posição em relação ao seu núcleo central (Sol).
A nossa vantagem é que a terra não é totalmente sólida e se torna maleável para tais movimentos graças ao seu núcleo, que é liquido permitindo que as placas tectônicas se desloquem por forças dos campos gravitacionais, que atuam com mais facilidade neste campo líquido, assim como a lua atua nas águas do mar.
Repetindo - O campo magnético do planeta está sempre se alinhando com o Sol este, por sua vez, também, sempre está se alinhando com o centro galáctico, como a agulha de uma bússola, não importa à rota, mudando o campo magnético a forma física vai se adaptar a essas novas condições gravitacionais. O manto líquido do interior da terra permite tais mudanças – ainda bem.
Agora você já sabe que as mudanças visíveis que estão ocorrendo no planeta, são causadas mais pelo deslocamento do sistema solar ao redor do núcleo galáctico e não necessariamente pelo ser humano.
Neste processo natural o relevo do nosso planeta está em constante alteração.
Visto isso, agora podemos especular sobre possíveis alterações físicas no planeta e suas conseqüências.

Linha do Equador:
É onde as forças gravitacionais atuam com maior intensidade. A força gravitacional que atuava na linha do equador está se deslocando para outro local acompanhando o novo alinhamento solar, ou seja, a terra está dando meia volta sobre si mesma.
Devido a isso - as áreas que ficam na linha do equador poderão sofrer mudanças visíveis e é a área de maior risco. Áreas que já eram de risco devido as separações das placas tectônicas poderão se tornar ainda muitos instáveis e outros vão se estabilizar totalmente.

Pólos - Norte e Sul
Vão sofrer derretimento, ou melhor, vão aos poucos se deslocando para outra região, as atuais áreas poderão se tornar habitáveis, com climas temperados e solos férteis. O Clima fica aparentemente sem controle, pois está se readaptando a essas novas condições e regiões que antes nem chovia poderá receber grandes quantidade de chuvas e regiões ricas em diversidades poderão ficar desérticas com o decorrer do tempo.

Placas Tectônicas
Como já foi explicado, a terra está em constante movimento e as placas tectônicas também, já que elas são porções diversificas de matéria sólida, que flutuam sobre o magma incandescente existente no núcleo da terra. Esses movimentos das placas são imprevisíveis, como as nuvens do céu. As forças mais potentes que atuam sobre elas vem do núcleo incandesceste da terra. Em outras eras já houve o afundamento de grandes placas (Atlântida, Lemuria) e o surgimento de outras.
Esses grandes acontecimentos físicos são muitos difíceis de ocorrerem. São grandes ajustes planetários. Acredito e tomara que assim seja que não vamos sofrer tais inconvenientes, pois ainda não alcançamos o nosso apogeu espiritual e se tal fato ocorrer (Tsunami Universal pelo afundamento de uma placa tectônica ) não vai ter ascensão e sim um retorno à era das trevas devido à destruição das infra-estruturas mundiais.
As grandes alterações estão ocorrendo no interior da terra com o alinhamento do campo magnético, depois vem à manifestação externa, então não é possível ter certeza de nada – tudo gira em torno de possibilidades ou palpites, o monitoramento desses acontecimentos é ainda a melhor saída para a raça humana.

Terremotos
É um acontecimento natural no nosso planeta, devido a sua formação. As placas tectônicas estão boiando em cima de uma camada líquida com milhares de graus que se movimenta o tempo todo – se tocando, causando terremotos.
Os terremotos vão continuar nos encontros entre as placas e também nos mares, pois é ai que as placas são mais frágeis e poderão surgir novas rachaduras.
Influência no Ser Humano
Assim como os pássaros e os outros animais a nossa coluna (a maioria) está alinhada com o campo magnético da terra.
Observe que já temos muitos pássaros “fora” do seu local natural antigo, temos também muitos animais perdidos aparecendo até mesmo em áreas urbanas, baleias encalhadas etc.
No ser humano esse campo magnético também atua de forma espetacular e basta observar que temos muitas pessoas perdendo, assim como os animais e pássaros, o controle de seus atos.
Esse é o nosso maior risco – atos impensados poderão levar qualquer um a cometer os maiores absurdos de sua vida. O campo magnético provoca uma série de efeitos na nossa mente.
Pessoas que estavam bem alinhadas com o antigo campo magnético da terra eram as que mandavam no mundo, devido a esse alinhamento perfeito que lhe dava maior poder. Com o deslocamento deste campo energético, novas pessoas irão ocupar esses lugares, a vantagem é que essas pessoas estarão com novas idéias e possuem uns corpos mais refinados, portanto, são mais maleáveis e sujeitos às mudanças que estarão ocorrendo.
Temos muitos trabalhadores da Luz já alinhados com o novo campo magnético, principalmente os mais jovens e os velhos que tem problemas de coluna (estavam desalinhados com o antigo campo magnético), que terão a grande oportunidade de recriar o mundo nestas novas condições.

Decadência dos Sistemas
Já é visível e vão se agravar mais ainda, na medida em que o campo magnético se desloca. Portanto, tudo o que estava de bem com o antigo campo/alinhamento de energias vai se modificar gradativamente.

O Novo
O novo não existe ainda, vamos ter que criar.
Temos aí uma grande oportunidade para recriar o que é bom e mudar transformar, ou liquidar o que a gente não gosta ou não presta.
Não espere mudanças rápidas, assim como o deslocamento é lento (foi opção da maioria), o velho mundo vai morrendo e o novo vai surgindo de forma natural e quase imperceptível.
Deixar Ir
Pelo que você leu acima já percebeu que tudo está em constante transformação, que é uma lei natural e que tem período que tais mudanças ocorrem com maior intensidade.
Estamos vivendo, no momento, este período fantástico deixar ir o velho (e isso inclui uma séria de coisas) é muito apropriado, pois, caso contrário, é o mesmo que remar rio acima.
Fonte:Revista ufo