Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

AS 10 ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO DA MÍDIA

O linguista estadunidense Noam Chomsky elaborou a lista das “10 estratégias de manipulação” através da mídia: 1- A ESTRATÉGIA DA DISTRAÇÃO. O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir ao público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais (citação do texto 'Armas silenciosas para guerras tranquilas')”. 2- CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES. Este método também é chamado “problema-reação-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que este seja o mandante das medidas que se deseja fazer aceitar. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o mandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos. 3- A ESTRATÉGIA DA GRADAÇÃO. Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradativamente, a conta-gotas, por anos consecutivos. É dessa maneira que condições socioeconômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990: Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que haveriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez. 4- A ESTRATÉGIA DO DEFERIDO. Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Em seguida, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se com a ideia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegar o momento. 5- DIRIGIR-SE AO PÚBLICO COMO CRIANÇAS DE BAIXA IDADE. A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse um menino de baixa idade ou um deficiente mental. Quanto mais se intente buscar enganar ao espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante. Por quê? “Se você se dirige a uma pessoa como se ela tivesse a idade de 12 anos ou menos, então, em razão da sugestão, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos de idade (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”)”. 6- UTILIZAR O ASPECTO EMOCIONAL MUITO MAIS DO QUE A REFLEXÃO. Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional, e por fim ao sentido critico dos indivíduos. Além do mais, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar idéias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos… 7- MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE. Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira entre as classes inferiores às classes sociais superiores seja e permaneça impossível para o alcance das classes inferiores (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranquilas’)”. 8- ESTIMULAR O PÚBLICO A SER COMPLACENTE NA MEDIOCRIDADE. Promover ao público a achar que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto… 9- REFORÇAR A REVOLTA PELA AUTOCULPABILIDADE. Fazer o indivíduo acreditar que é somente ele o culpado pela sua própria desgraça, por causa da insuficiência de sua inteligência, de suas capacidades, ou de seus esforços. Assim, ao invés de rebelar-se contra o sistema econômico, o individuo se auto-desvalida e culpa-se, o que gera um estado depressivo do qual um dos seus efeitos é a inibição da sua ação. E, sem ação, não há revolução! 10- CONHECER MELHOR OS INDIVÍDUOS DO QUE ELES MESMOS SE CONHECEM. No transcorrer dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência têm gerado crescente brecha entre os conhecimentos do público e aquelas possuídas e utilizadas pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto de forma física como psicologicamente. O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo comum do que ele mesmo conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos do que os indivíduos a si mesmos. Fonte: Facebook

CLIMAGATE -MANIPULAÇÃO: INFLUÊNCIA HUMANA É CLARA NO AQUECIMENTO "INEQUÍVOCO" DO PLANETA, DIZ IPCC

Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas divulga primeira parte de estudo sobre aumento da temperatura no globo e afirma que últimas três décadas foram sucessivamente mais quentes que qualquer outra desde 1850. O aquecimento do planeta é "inequívoco", a influência humana no aumento da temperatura global é "clara", e limitar os efeitos das mudanças climáticas vai requerer reduções "substanciais e sustentadas" das emissões de gases de efeito estufa. A conclusão é do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), que divulgou nesta quinta-feira (30/01), em Genebra, a primeira parte do quinto relatório sobre o tema. Os cientistas do IPCC – que já foram premiados com o Nobel da Paz em 2007 – fizeram um apelo enfático para a redução de gases poluentes. "A continuidade das emissões vai continuar causando mudanças e aquecimento em todos os componentes do sistema climático", afirmou Thomas Stocker, coordenador e principal autor da Parte 1 do quinto Relatório sobre Mudanças Climáticas, cuja versão preliminar já foi apresentada em setembro de 2013. O documento serviu de base durante a Conferência das Partes (COP) das Nações Unidas sobre o Clima em Varsóvia, na Polônia, no final do ano passado. Em 1500 páginas, cientistas de todo o mundo se debruçaram sobre as bases físicas das mudanças climáticas, apoiados em mais de 9 mil publicações científicas. "O relatório apresenta informações sobre o que muda no clima, os motivos para as mudanças e como ele vai mudar no futuro", disse Stocker.
Correções A versão final divulgada nesta quinta é um texto revisado e editado e não tem muitas mudanças em relação ao documento apresentado em setembro do ano passado, que elevou o alerta pelo aquecimento global e destacou a influência da ação humana no processo. "A influência humana no clima é clara", afirma o texto. "Ela foi detectada no aquecimento da atmosfera e dos oceanos, nas mudanças nos ciclos globais de precipitação, e nas mudanças de alguns extremos no clima." Segundo o IPCC, desde a década de 1950, muitas das mudanças observadas no clima não tiveram precedentes nas décadas de milênios anteriores. "A atmosfera e os oceanos estão mais quentes, o volume de neve e de gelo diminuíram, os níveis dos oceanos subiram e a concentração de gases poluentes aumentou", diz um resumo do documento. "Cada uma das últimas três décadas foi sucessivamente mais quente na superfície terrestre que qualquer década desde 1850. No hemisfério norte, o período entre 1983 e 2012 provavelmente foi o intervalo de 30 anos mais quente dos últimos 800 anos", prossegue. Aquecimento dos oceanos O grupo de cientistas também lembra que o aquecimento dos oceanos domina o aumento de energia acumulada no sistema climático, e que os mares são responsáveis por mais de 90% da energia acumulada entre 1971 e 2010. "É praticamente certo que o oceano superior (até 700m de profundidade) aqueceu neste período, enquanto é apenas provável que tenha acontecido o mesmo entre 1870 e 1970", diz o relatório. O nível dos mares também aumentou mais desde meados do século 20 que durante os dois milênios anteriores, segundo estima o IPCC. Entre 1901 e 2010, o nível médio dos oceanos teria aumentado cerca de 20 centímetros, diz o documento. As concentrações atmosféricas de dióxido de carbono, metano e protóxido de nitrogênio (conhecido como gás hilariante) aumentaram, principalmente por causa da ação humana. Tais aumentos se devem especialmente às emissões oriundas de combustíveis fósseis. Os oceanos, por exemplo, sofrem acidificação por absorver uma parte do CO2 emitido. Futuro sombrio A temperatura global deverá ultrapassar 1,5ºC até o final deste século em comparação com níveis estimados entre 1850 e 1900. O aquecimento global também deverá continuar além de 2100, mas não será uniforme, dizem os cientistas do clima. As mudanças nos ciclos da água no mundo também não serão homogêneos neste século, e o contraste entre regiões secas e úmidas e regiões de seca e de chuvas deverá aumentar. O resumo do texto ainda constata que a acumulação de emissões de CO2 deverá ser determinante para o aquecimento global no final do século 21 e adiante. "A maioria dos efeitos das mudanças climáticas deverão perdurar por vários séculos, mesmo com o fim das emissões." Até outubro, o IPCC ainda vai publicar mais duas partes do relatório e também um documento final. A segunda parte será divulgada em março, no Japão, e detalhará os impactos, a adaptação e a vulnerabilidade a mudanças climáticas. Em abril, Berlim será palco das conclusões do IPCC sobre mitigação. FONTE:Deutsche Welle

2014 - COMEÇA OS SINAIS DO FIM DOS TEMPOS (CRIADO PELO PRÓPRIO HOMEM)

Catástrofes, desastres que estão chegando ao planeta Terra, onde a mídia nacional e internacional, não mencionam não falam sobre isso. Enxames de meteoros estão atingindo nosso planeta e ninguém fala sobre isso. Inundações, temperaturas extremas, altas temperaturas na Austrália e os vórtices polares nos Estados Unidos e na Europa, que nunca foram gravados antes.
O Mundo no Limiar da Era do Gelo
Cientistas russos prognosticam que em 2014 terá início a Pequena Era Glacial. Eles desmentem a tese do aquecimento global, classificando-a como uma jogada publicitária. O clima da Terra está tornando-se mais quente, é uma realidade. A temperatura média começou a aumentar a partir da segunda metade do século XVIII, ou seja, coincidindo com o início da revolução industrial. É por isso que se acredita que o fenômeno de aquecimento está relacionado com o impacto antropogênico. A humanidade aumenta as emissões de CO2 (dióxido de carbono) que causam o efeito estufa. O cientista russo Vladimir Bashkin discorda completamente deste conceito, argumentando que as mudanças climáticas são cíclicas e não têm nada a ver com a ação humana. Junto com seu colega Rauf Galiulin do Instituto de Problemas de Biologia Fundamental pertencente à Academia das Ciências da Rússia, ele alega que o atual aquecimento é uma reminiscência da saída de nosso planeta da "Pequena Idade do Gelo" e que em breve – em termos geológicos – irá entrar num novo período glacial: "A pequena idade do gelo acontece com uma periodicidade de 500 anos. A anterior foi em meados do milênio passado, quando o Tâmisa gelou na Inglaterra, os holandeses patinaram nos canais, e na Rússia os estrangeiros levaram susto ao verem árvores rebentando por causa do frio. Os ciclos de esfriamento e de aquecimento se alternam, ocorrendo em intervalos regulares de aproximadamente, 30 ou 40 anos. Na Rússia, por exemplo, um aquecimento foi registrado na década de 1930, quando a Rota do Mar do Norte foi navegável; depois, foi um esfriamento da época de Segunda Guerra Mundial; logo a seguir, na década de 1970, hove outra vez um aquecimento, e daí por adiante. O último ciclo de aquecimento terminou na virada do milênio." O início de um novo ciclo, o de esfriamento, está ligado a mudanças da atividade solar. A intensidade da radiação emitida pelo Sol vem diminuindo, o que afeta o clima. Estudos paleoclimáticos, aliás, dos climas de eras geológicas passadas, lançam dúvida sobre a validade do Protocolo de Kyoto, comenta Vladimir Bashkin. O protocolo limita as emissões de gases do efeito estufa e permite a negociação das quotas de emissões. Emissão de dióxido de carbono é um processo normal e natural, não se trata de uma consequência exclusiva da ação humana, continua o cientista: "O efeito estufa de origem antropogênica constitui apenas 4 a 5% das emissões naturais. A erupção de um só vulcão produz muito mais. Um verdadeiro fator do efeito estufa é o vapor de água vulgar. Graças a Deus, ninguém imagina em que também deve ser regulamentado." O Oceano Mundial contém 60 vezes mais dióxido de carbono do que o ar. Com o aumento da temperatura global, o gás começa a libertar-se mais ativamente. De forma que o aumento do teor de CO2 na atmosfera não antecede o aquecimento, mas, pelo contrário, segue após este. O aquecimento global, um tema de que se está falando tanto, é mais bem uma jogada publicitária do que problema científico. Se chega o ciclo de aquecimento, a necessidade de combustíveis tradicionais (carvão, petróleo e gás) diminui, e o preço dos recursos energéticos deve cair. Isso não é ciência, mas pura política, explica o âmago do problema Vladimir Bashkin. O cientista russo afirma que em vez do aquecimento global nos espera um esfriamento global. Mas não há motivos de nos preocuparmos: o esfriamento será gradual e será perceptível só em meados do século XXI.
Aumento dos deslizamentos de terra, assim como o sumidouros, eles estão abatendo a metade do nosso planeta. O que está acontecendo, é claro para todos. Sabemos que a história humana está profundamente marcada por tragédias terríveis que estão diante de nossos olhos e os meios de comunicação, a TV o rádio a notícia, eles simplesmente ignoram este tipo de notícias, para não alarmar as pessoas sobre o que está realmente acontecendo . Nesse meio tempo, que discute os problemas da política e não problemas reais, os desastres acontecer grandes áreas inesperadas e devastadoras do planeta, passando pelos recentes acontecimentos nas Filipinas e na Sardenha. fenômenos naturais Como não bastasse, o homem, por ela, ele encontrou uma maneira de fazer com que mais desastres, para que haja a "terra do fogo", a questão do amianto, os desastres ecológicos que prossiga e intensifique o voracidade de dinheiro, assim como aqueles que cometem esses crimes contra populações indefesas. Capitais Brasileiras Enfrentam Verão de Altas Temperaturas
Desde início da semana, termômetros de Porto Alegre beiram os 40°C. Em São Paulo, este verão já é o mais quente em mais de 50 anos. Tem feito muito calor em quase todo o país. Até o Sul está com recorde de temperatura. Em Porto Alegre, desde o início da semana, os termômetros estão beirando os 40°C. Ao longo do dia, a temperatura deve chegar aos 37°C. Choveu na quarta-feira (22) em algumas partes do estado, mas o tempo ainda está muito abafado. Em Campo Bom, a 60 quilômetros de Porto Alegre, a máxima deve ser de 39°C. Desde segunda-feira (20), os termômetros estão acima dos 35°C. É tanto calor que algumas pessoas usam até guarda-chuva para se proteger do sol. E fazer exercício ao ar livre só se for de manhã cedo ou no final do dia. Enquanto isso, em Teresina, uma das capitais mais quentes do país, a temperatura está bem mais amena. Por volta das 7h30, a temperatura estava 24°C. Em janeiro, vêm as chuvas e o tempo fica mais agradável. A média da temperatura máxima ao longo deste mês é de 33°C, previsão também para esta quinta-feira (23). Um alívio, em pleno verão, para quem costuma enfrentar um calor acima dos 40°C. O calorão em Teresina é no período conhecido como B-R-O-bró, que são os meses de setembro, outubro, novembro e dezembro. Já no Rio de Janeiro está tão quente que a sensação térmica é de mais de 40°C. Cariocas e turistas estão enfrentando dias de muito sol e calor. Já são vários dias sem refresco. A temperatura máxima prevista para esta quinta-feira (23) é de 38°C. Mas, como no verão, a umidade do ar é muito elevada – ficando em torno de 60% – a sensação térmica deve chegar a 45°C. A dica, para quem puder é dar um mergulho: na piscina, no mar, no tanque. Em São Paulo, este verão já é o mais quente em mais de 50 anos. Desde a década de 1960 não fazia tanto calor na capital paulista. Na quarta-feira (22), os termômetros registraram máxima de 32,4°C – uma das mais altas do ano. Em 3 de janeiro, a máxima ultrapassou os 35°C.
TEERÃ - Um forte terremoto atingiu o sul do Irã, matando pelo menos uma pessoa e deixando 30 feridos, informou a televisão estatal iraniana. O terremoto, de magnitude 5,5 na escala Richter, danificou muitos edifícios e linhas de energia no sul da província de Hormozgan. Fogo em florestas faz Chile decretar alerta por poluição em Santiago
Os 23 incêndios florestais que atingem cinco regiões do Chile nos últimos dias fizeram com que o presidente Sebastián Piñera decretasse alerta sanitário em quatro regiões, incluindo a Metropolitana, onde fica Santiago. Nesta quinta, a capital chilena amanheceu com altos índices de poluição provocados pela fumaça. O maior incêndio na área de Santiago acontece em Melipilla, na área rural da Região Metropolitana, afetando a qualidade do ar em todos os bairros da cidade. Os mais afetados são Cerrillos e Puente Alto, na zona sul de Santiago, que chegaram ao nível de alerta.
Grande nuvem de fumaça provocada por incêndios florestais cobre Santiago, no Chile; presidente decreta alerta sanitário O fogo já destruiu cerca de 15 mil hectares de mata nativa, pastagens e eucaliptos, segundo a Corporação Nacional Florestal (Conaf), que monitora os parques chilenos. A fumaça provocada pelo incêndio formou uma densa nuvem na cidade, dificultando a vista da Cordilheira dos Andes. O alerta também vale para as regiões de Valparaíso, Maule e Araucanía, onde fica a cidade turística de Pucón. A Conaf afirma que, dos 23 incêndios, 18 estão controlados. O maior deles acontece em uma área próxima à cidade de Constitución, na região do Maule, no sul do país, que ainda se alastra. Desde o início do verão, o Chile se vê afetado por 66% a mais de incêndios que no ano passado, e já foram queimados mais de 40 mil hectares em nível nacional, sem registro de vítimas. O verão na região central do país é quente e seco, chegando em alguns casos a ter períodos de mais de três meses sem chuva. Vulcão Sinabung obriga retirada de mais de 25 mil em ilha na Indonésia
Homem empurra moto em rua eslameada após erupção do vulcão Sinabung, na Ilha de Sumatra. Mais de 25 mil pessoas tiveram que ser evacuadas na ilha de Sumatra, no oeste da Indonésia, por causa do vulcão Sinabung, que voltou a entrar em erupção, informaram neste domingo (12) fontes oficiais. O vulcão expeliu lava, rochas e colunas de cinza de cinco quilômetros de altura em várias erupções, informou em comunicado o porta-voz do Conselho Nacional para Gestão de Desastres, Sutopo Purwo Nugroho. A erupção elevou para 25.516 o número de pessoas hospedadas em 38 centros de evacuação após fugirem dos arredores do monte Sinabung, onde várias casas sofreram danos por causa de deslizamentos de terra provocados pelos tremores e pelas chuvas. As autoridades ampliaram na semana passada de 5 para 7 quilômetros a área de emergência em torno ao vulcão, que se encontra desde o dia 24 de novembro no nível de alerta 4, o mais elevado. O vulcão Sinabung, que entrou em erupção em agosto de 2010 pela primeira vez em 400 anos, se mostra ativo desde o mês de setembro do ano passado. A Indonésia fica sobre o chamado "Anel de Fogo do Pacífico", uma área de grande atividade sísmica e vulcânica, e abriga mais de 400 vulcões, dos quais pelo menos 129 continuam ativos e 65 estão qualificados como perigosos.
O vulcão Sinabung é visto expelindo uma enorme nuvem de cinzas, em Sumatra do Norte, Indonésia. O monte está em atividade vulcânica desde setembro do ano passado. Cientistas não excluem hipótese de uma nova epidemia de peste
A Humanidade não está protegida contra uma nova epidemia de peste. Os cientistas, depois de decifrarem o genoma do bacilo de peste que, no século VI, matou metade da população da Terra e no período medieval – metade da população da Europa, chegaram à conclusão que a doença pode retornar a qualquer hora. A peste foi mais de uma vez um autêntico flagelo que ceifou uma grande quantidade de vidas humanas. A epidemia mais horrível aconteceu no período de governo do imperador Justiniano, em 541 depois de Cristo, tendo aniquilado, segundo estimativas, cerca de 100 milhões dos habitantes do Império Bizantino e do Mediterrâneo. Em meados do século XIV, a epidemia de peste assolou a Europa. Devido à sua gravidade, a doença foi designada de “morte negra”. Os dois surtos de peste levaram a vida de 35 milhões de pessoas. Em finais do século XIX, a terceira pandemia se iniciou na China, se alastrando rapidamente por Hong Kong e Bombaim. No período entre estas epidemias ocorreram outros de menor proporção quando se conseguiu localizar a doença numa aérea determinada. Deste modo, em meados do século XVII, a peste bubônica matou um quinto da população de Londres. Durante muito tempo, os cientistas não conseguiam descobrir a origem dessa infeção mortífera. Mas as tecnologias modernas ajudaram a descodificar o seu ADN (ácido desoxirribonucleico). Os especialistas examinaram esqueletos de uma sepultura na Baviera, no século VI, e de uma vala comum em Londres, datada dos meados do século XIV. Assim, se tornou claro que a peste do período do imperador Justiniano se propagou ainda mais do que fora constatado antes. Mas depois esse tipo da doença desapareceu sem reincidências. Todavia, a sua congênere, a “morte negra”, voltava a aparecer repetidas vezes. Mais ainda, hoje em dia, em vários pontos do Globo, se encontram matilhas de roedores que são portadores dessa infeção perigosa. Isto significa que cada pessoa que entra em contato com eles pode apanhar a doença, provocando uma nova propagação da peste na Terra. Para já, não é possível prevenir a doença ou eliminar a bactéria mortífera, constata o epidemólogo Alexander Platonov: “Até hoje se conseguiu eliminar por completo apenas a varíola, por ser transmitida de homem para homem. Quando vacinamos as pessoas, podemos suspender a cadeia epidemiológica, sem deixar uma margem de ação para o agente mórbido, que acaba por desaparecer. A varíola existe apenas em dois laboratórios especiais. Por outro lado, muitas outras infeções perigosas, por exemplo, a encefalite nipônica ou a peste, se consideram infeções zoonoses, que podem existir na ausência do homem. Os seus portadores são aves, ratos, morcegos, ou seja, uma enorme quantidade de seres vivos. Uma vez que nós não estamos em condições de tratar todos os mamíferos roedores, eles estarão sempre ao nosso lado, fazendo parte do habitat. O mais importante é fazer com que eles não contaminem as pessoas.” Existem vacinas contra a peste. O bacilo pode ser tratado com antibióticos. Nesse processo é importante identificar os sintomas. Infelizmente, isso acontece, como regra, depois de a infeção matar umas pessoas. Nos últimos três anos, foram registados casos letais na Mongólia e no Quirguistão, o que pôs de sobreaviso a Rússia e os seus vizinhos. Vale notar que na Rússia existe uma sólida base científica e prática para não admitir a propagação da doença e a sua evolução até aos níveis epidemiológicos, afirma a biofísica Nelli Sosedova: “A Rússia conta com um serviço anti-peste sem análogos e outras instituições do género que, na sua atividade, se norteiam por metodologias modernas eficientes, sendo apoiadas pelo Estado. Dispõem de equipamentos móveis e de serviços de pronto-socorro. Periodicamente, se têm realizado treinos e exercícios de especialistas. Alem disso, na Rússia se desenvolve o ramo industrial médico-biológico que abrange os Institutos Anti-Peste Mechnikov, Mikrogen e Mikrob, de Saratov. Por isso, em caso de necessidade, a Rússia poderá lidar com esse problema e acabar com a doença dentro de prazos curtos.” Os especialistas realçam que o bacilo da peste não tem sido tão patogênico como nos séculos anteriores. Tal incute otimismo. Ao mesmo tempo, não se pode excluir que o agente mórbido esteja morrendo no processo de evolução, como foi no caso da peste Justiniana. Mas em seu lugar poderá surgir uma nova infeção para a qual os médicos tentarão encontrar novos remédios. ‘Fukushima não deixará de ser um perigo por vários anos’
Luis Echávarri, diretor da Agência Nuclear da OCDE, afirma que não houve um controle efetivo das emissões radioativas. Tepco detecta grande aumento de radiação nos limites de Fukushima Tóquio, 11 jan (EFE).- Os níveis de radiação nos limites da central de Fukushima estão oito vezes maiores, segundo medições feitas em agosto do ano passado, por causa do armazenamento de água contaminada, informou neste sábado o jornal "Mainichi".
Segundo as medições da Tepco, a empresa responsável pela usina, a radiação acumulada nessa área pela exposição com a água contaminada, escombros e outros resíduos era de 1 millisievert por ano em março de 2013, dentro do limite recomendado, mas aumentou para 7,8 em agosto. Este aumento se atribuiu à radiação emitida pela água contaminada armazenada que é utilizada no processo de resfriamento dos reatores danificados pelo tsunami de 2011. No mês de abril do ano passado, a operadora detectou que alguns dos contêineres subterrâneos estavam com vazamentos e, por isso, a água contaminada escorreu para os tanques situados em um descampado próximo dos limites da central. Desde então, os níveis de radiação nessa área ao sul da usina foram aumentando. A água armazenada nos tanques contém principalmente estrôncio-90 e outros materiais radioativos emissores de radiação beta. Esse tipo de radiação pode ser facilmente bloqueado por uma fina lâmina de metal, mas quando bate nas paredes interiores dos tanques são gerados raios X, com uma maior capacidade de penetração nos materiais, o que está contribuindo para o aumento do nível de radiação na região. O regulador nuclear do Japão exigiu que a Tepco especificasse claramente quando vai conseguir reduzir a radiação nos limites da central para um 1 millisievert por ano, o nível recomendado pela Comissão Internacional de Proteção Radiológica. Durante uma reunião ontem, o regulador japonês reiterou a necessidade de se fazer revisões anuais para determinar se a situação apresenta uma melhora, informou a agência "Kyodo". O acidente provocado pelo terremoto e tsunami de 11 de março de 2011 na central de Fukushima causou o pior desastre nuclear desde o de Chernobyl (Ucrânia) em 1986. Cerca de 52 mil pessoas que viviam perto da usina tiveram que deixar seus lares por causa dos perigos da radiação, que também afetaram gravemente a agricultura, a pecuária e a pesca local. Geoengenharia pretende controlar clima na Terra.
As alterações climáticas no planeta, que se fazem sentir cada vez mais, levam a refletir sobre a necessidade de tentar controlar o clima em geral. Os cientistas propõem métodos diversos para moderar o tempo meteorológico com uma facilidade idêntica à de regular um ar condicionado. Os ecologistas receiam, contudo, que tal intervenção humana possa vir a acarretar graves consequências. O termo científico moderno “geoengenharia” pressupõe uma intervenção radical do homem nos processos naturais. Os seus adeptos sugerem colocar em órbita circunterrestre os espelhos que reflitam raios solares, plantar eucaliptos no deserto de Saara para poderem atrair a humidade, injetar o gás carbônico em depósitos subterrâneos e, por meio de navios especiais, fazer evaporizar a água dos mares, criando, desse jeito, as nuvens brancas. Pode afirmar-se que tais métodos são ditados pela própria natureza. Há já muito que os cientistas notaram que, após uma erupção vulcânica, em que para a atmosfera se injeta uma enorme quantidade de substâncias de pequena dimensão, se forma uma cortina específica. Ela vem impedindo a penetração de raios solares para a Terra. Em resultado disso, a temperatura vai diminuindo. O diretor do Instituto de Clima Global e Ecologia, Yuri Israel, assegura que se, mediante aviões, na estratosfera forem pulverizadas cerca de 600 mil toneladas de partículas aerossóis, contendo dióxido de enxofre, será possível diminuir a temperatura em 1-2 graus. Em termos físicos gerais, o clima realmente pode ficar sujeito a mudanças forçadas. Mas o perigo de imiscuir em processos naturais consiste em eventuais efeitos catastróficos disso, reputa Alexei Kokorin, dirigente do programa Clima e Energia sob os auspícios do Fundo de Natureza Selvagem (WWW): “Tentativas de fazer refletir a radiação solar, inclusive a criação de uma tela feita de partículas de água mesquinhas, ou seja, uma tela de sulfatos, ou uns espelhos protetores contra o Sol, levarão à redistribuição da radiação solar entre os polos e o equador, o que, por sua vez, provocará o lançamento de uma nova Era de Gelo. Por isso, se deve evitar experiências de larga escala como essas.” Entretanto, tem vindo a crescer apoio aos projetos na área de geoengenharia. Um dos seus atrativos é a simplicidade da solução do problema. Muitos economistas qualificam tais tecnologias como “eficientes”, pelo que resultados poderão ser alcançados não dentro de dezenas ou centenas de anos, como prevê o Protocolo de Kyoto, mas sim daqui a uns dois ou três anos. O professor catedrático da Universidade Politécnica de São Petersburgo, Serguei Avakyan, considera existirem outros “meios de intervenção” mais racionais e inofensivos, por exemplo, proceder à florestação: “Tal medida se afigura indispensável. Para a acumulação de gás carbônico através de fotossíntese, se pode aproveitar florestas boreais de taiga. Tais existem somente no hemisfério norte na Rússia e no Canadá. A florestação em vez de desmatamento poderá desempenhar assim um papel importante no processo de sua influência sobre o clima. Os respectivos cálculos já foram concluídos.” Ao mesmo tempo, os críticos da geoengenharia apontam para mais um “ponto fraco”: a Humanidade ainda não está preparada para a ingerência radical nos processos climáticos. Hoje em dia, não há tratados internacionais que possam regular tais projetos ambiciosos. Entretanto, como teoria cientifica, o ramo de geoengenharia tem direito à vida. Seria incorreto proibir a realização de pesquisas nessa vertente, ressalvam peritos. Para avaliar os prós e os contras dessa nova ciência será necessário prosseguir uma discussão aberta. fonte: http://ufosonline.blogspot.com.br/

ESTUDO COMPROVA QUE EXTRATO DE MAÇÃ MATA CÉLULAS DE CÂNCER DE CÓLON MELHOR DO QUE DROGAS QUIMIOTERÁPICAS

Oligossacarídeos de maçãs matou até 46 % das células cancerígenas do cólon humano em vitro, e superou o medicamento de quimioterapia mais usado por uma larga margem a cada dose testada. E ao contrário das drogas de quimioterapia tóxicos, oligossacarídeos são naturais, e promove a saúde são compostos amplamente presentes em frutas e vegetais. A solução natural para a principal causa de morte por câncer? O câncer de cólon é atualmente a segunda maior causa de morte relacionada ao câncer em mulheres em todo o mundo, e a terceira principal causa para os homens. A droga de quimioterapia padrão de cuidado que utilizada para o cancro do cólon tem visto um sucesso limitado, e pode ter efeitos secundários graves, tais como o espasmo coronário, a neurotoxicidade, anemia e imunossupressão. Pesquisadores concentraram- se em maçãs como um meio natural para o tratamento e prevenção do câncer de cólon, porque eles são o fruto mais consumido em muitos países, e já demonstrou atividade contra o câncer de mama, câncer de ovário, câncer de pulmão, câncer de fígado e câncer de cólon. Oligossacarídeos da Maçã foram utilizados neste estudo porque as suas propriedades anti-cancerígenas foram estabelecidas em estudos anteriores, e eles podem ser mais barato, o bagaço derivado da maçã é um produto amplamente disponível de resíduos que sobraram da indústria de processamento de suco de maçã. Oligossacarídeos da Maçã são mais eficazes do que drogas de quimioterapia para matar células de câncer de cólon. Pesquisadores universitários em Xi'an, China polissacarídeos isolados (fibras de pectina e outras) a partir de bagaço de maçã e tratou-os com pectinase natural para quebrar suas moléculas em oligossacarídeos menores (que têm apenas três a dez unidades de açúcar por molécula). Os oligossacáridos foram então adicionados à cultura de cólon humano HT29 células cancerosas a várias concentrações, e em comparação com o fármaco de quimioterapia mais usado para o cancro do cólon. Para cada concentração testada, os oligossacáridos superou o fármaco quimio na indução de morte celular programada (apoptose). Por exemplo, com apenas 0,9 microgramas por mL (cerca de 0,9 ppm), oligossacarídeos matou 17,6 % do cólon câncer células após 36 horas, ao passo que o fármaco químico matou apenas 10,9 % (em uma concentração mais elevada de 1,3 microgramas por mL). Mais importante, porque os oligossacáridos de maçã não são tóxicos para as células saudáveis, podem ser utilizados em concentrações mais elevadas do que seria possível com a droga de quimioterapia. De 9,0 ppm, os oligossacarídeos matou 46 % das células do cancro do cólon (a droga quimio não foi testado a este nível). Alimento funcional com benefícios para a saúde - oligossacarídeos Oligossacarídeos vêm ganhando cada vez mais atenção recentemente por promover a saúde geral dos alimentos funcionais, e são, provavelmente, usados para enriquecer diversos alimentos que você já come (ou seja, como fruto-oligossacarídeos). Eles têm sido encontrados em estudos a fim de promover uma flora intestinal saudável, o açúcar no sangue de controle, e modulam o sistema imunitário. Oligossacarídeos ocorrem naturalmente em muitas plantas (frutas, vegetais e algas), bem como no mel e leite. Eles podem também ser formados por quebrar os hidratos de carbono mais complexos da fruta (por exemplo, pectina) por enzimas pectolíticas, como foi feito pelos investigadores neste estudo. Até certo ponto, esta reação também pode ocorrer quando se come a fruta em bruto, uma vez que as maçãs naturalmente contêm cerca de 1,5 % de pectina, bem como o enzima pectinase. No entanto, deve notar-se que a maioria dos processados ​​comercialmente sumo de maçã contém praticamente nenhuma enzima pectina ou ativo, e também contém apenas cerca de 10 % dos polifenóis dando a saúde em comparação com maçãs primas. Como de costume, comer fresco é muito mais saudável do que consumir a versão processada. Este novo estudo acrescenta mais evidências para os efeitos de promover a saúde anti-câncer e os efeitos oligossacarídeos, mesmo em baixas concentrações. O fato de estes oligossacáridos podem ser derivados a partir de um produto residual amplamente disponível da indústria de sumo de maçã (cerca de quatro milhões de toneladas de bagaço de maçã são produzidas anualmente) oferece a promessa de um medicamento de baixo custo, natural, no futuro. FONTE: http://olharparaofim.blogspot.com.br

CÉLULAS DO CÂNCER APROVEITAM 'CAOS' PARA SE REPRODUZIR

Células de câncer no intestino sofreram o 'estresse de replicação de DNA' Uma pesquisa britânica explicou a forma como as células de câncer se aproveitam do 'caos' de seu código genético para se espalhar pelo corpo. Segundo os cientistas responsáveis pelo estudo, as células de câncer que formam um tumor são muito diferentes entre si e, assim, tornam-se mais resistentes aos medicamentos, facilitando sua proliferação. A pesquisa, publicada na revista especializada Nature, constatou que as células de câncer que usavam sua matéria-prima ficavam "estressadas" e cometiam erros ao fazer cópias de seus códigos genéticos. A maioria das células normais no corpo humano tem 46 cromossomos. No entanto, algumas células cancerosas podem ter mais de 100 cromossomos. Além disso, tal padrão é inconsistente: células cancerosas podem ter números diferentes de cromossomos entre si. Para os cientistas, essa diversidade ajuda os tumores a não serem afetados pelos tratamentos e a 'colonizarem' novas partes do corpo. CAOS E ORDEM Os cientistas da organização Cancer Research UK e do Instituto do Câncer do University College de Londres tentam descobrir como o câncer se transforma em algo tão diverso, com células tão diferentes entre si. Anteriormente se acreditava que, quando uma célula cancerosa se separava para criar duas novas células, os cromossomos não eram divididos de forma igual entre as duas. No entanto, Charles Swanton, que liderou a pesquisa, realizou exames células de um câncer no intestino e concluiu que "há pouca prova" de que isso ocorre. Cânceres são levados a fazer cópias deles mesmos. No entanto, se as células cancerosas não têm mais os tijolos de construção de seu DNA, elas desenvolvem o chamado "estresse de replicação de DNA". De acordo com a pesquisa, é a partir desse "estresse" que surgem os erros e os tumores diversos. "É como construir uma ponte sem todos os tijolos e cimento o bastante para as fundações. Contudo, se você pode fornecer os blocos de DNA, você pode reduzir o estresse de replicação e limitar a diversidade nos tumores, o que pode ser terapêutico", afirmou Swanton. O professor admitiu que "parece errada" a ideia de que pode ser terapêutico fornecer o combustível para o crescimento de um câncer. Mas o pesquisador afirmou que o estudo prova que o estresse de replicação era a raiz do problema e que novas ferramentas podem ser desenvolvidas para lidar com isso. Os pesquisadores identificaram três genes perdidos com frequência em células de câncer de intestino diferentes, que foram muito importantes para o câncer que está passando pelo processo de estresse de replicação de DNA. Todos estavam localizados em uma região do cromossomo 18. "Esta região do cromossomo 18 é perdida em muitos tipos de câncer, sugerindo que este processo não é visto somente no câncer de intestino", afirmou o professor Nic Jones, cientista-chefe da organização Cancer Research UK. "Cientistas agora podem começar a procurar formas de evitar que isto ocorra ou usar esta instabilidade contra o câncer", acrescentou. Os próximos estudos vão investigar se esse mesmo estresse causa a diversidade em outros tipos de tumores. FONTE:BBC

AÇÚCAR REFINADO: O COMBUSTÍVEL DO CÂNCER

Se você ou alguém que você conhece está sofrendo de câncer, uma das melhores coisas que podem fazer é tirar a comida favorita da doença - o açúcar. Enquanto que todas as nossas células precisam de glicose (um tipo de açúcar que é transformada em energia), o câncer se desenvolve em um corpo cheio de carboidratos simples (que se tornam açúcar no corpo) e açúcares refinados que vêm de alimentos processados e guloseimas excessivamente doces. O processo normal de respiração de oxigênio no corpo é alterado para a fermentação do açúcar. Se você remover o açúcar, o corpo não deve desenvolver câncer. A conexão entre o açúcar e o desenvolvimento de câncer certamente não é nova. A maioria das pessoas pode facilmente remover os culpados óbvios que estão cheios de açúcar refinado - bolos, doces, biscoitos, etc. O problema é que muitos alimentos que são embalados e vendidos nos EUA e em outros países estão cheios de açúcar refinado, mas muito sorrateiramente escondidos nos rótulos das embalagens. Coisas como iogurte "saudável", cereais, trigo integral ou pães integrais, e até mesmo itens "de baixa caloria" podem estar cheios de açúcar. A maneira mais fácil de eliminar os açúcares refinados indesejados é parar de comprar alimentos de "conveniência" ou pré-embalados e, pelo menos temporariamente, não comer em restaurantes - muitos deles provém sua comida de grandes empresas que "temperam" sua comida com grande quantidade de açúcar e sal para torná-la mais palatável depois de ser congelada e transportada em caminhões. Mesmo os molhos para saladas podem estar carregados com o açúcar. Para lidar com o desejos de alimentos açucarados, aumente a quantidade de proteínas à base de plantas e coma alimentos mais nutritivos. Fonte: Natural Society

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: INTENSIDADE DOS TEMPORAIS NO BRASIL AUMENTOU

Intensidade dos temporais no Brasil aumentou nos últimos 50 anos. Tendência é que nas próximas décadas chova até 20% mais nas regiões Sul e Sudeste do país, as mais afetadas por enchentes. Sistema de previsão melhorou, mas a desordenada ocupação urbana é a maior causa de tragédias. ”E as previsões e modelos para o futuro mostram que a tendência é seguir aumentando o volume de chuvas”, aponta José Antônio Marengo Orsini, chefe do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Mozar de Araújo Salvador, meteorologista da Coordenadoria Geral de Desenvolvimento e Pesquisa do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), observou o mesmo fenômeno a partir de medições feitas na região metropolitana de São Paulo. Segundo ele, o número de dias chuvosos continua o mesmo, mas as chuvas caem com mais força.
Cientistas que pesquisam as mudanças climáticas preveem ainda um leve aumento nas temperaturas das regiões Sul e Sudeste, e calculam que, entre 2041 e 2070, deva chover de 15% a 20% mais nessa área. Até o fim do século, o clima deve estar cerca de três graus mais quente e de 25% a 30% mais chuvoso, apontou em 2013 o primeiro Relatório de Avaliação Nacional do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). DIMENSÕES DO DESASTRE Com o início da temporada de chuvas na região Sudeste, o risco de enchentes é iminente. No estado do Espírito Santo, 24 pessoas morreram, duas seguem desaparecidas, e os moradores ainda tentam voltar às suas casas depois que as chuvas bateram recordes históricos. No pico da enchente, 50 mil pessoas tiveram que deixar suas residências. Na capital Vitória choveu 746 milímetros em dezembro – 720 milímetros a mais do que no último mês de 2012. Dados do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) apontam que foi o mês mais chuvoso desde que começaram a ser feitas medições pluviométricas, em 1924. No interior, as anomalias registradas pelo sistema de Defesa Civil do Estado foram ainda maiores: em Baixo Guandu, por exemplo, uma das cidades mais afetadas, a média histórica de chuvas para dezembro é 194 milímetros, conforme dados registrados ente 1931 e 2008. A enchente foi provocada pelo acumulo de 760 milímetros de chuva em dezembro de 2013. CHUVA FORTE NÃO É O PROBLEMA Mas o volume de água não é o maior problema, segundo Marengo Orsini. “A chuva não mata ninguém. O clima é apenas um deflagrador dos desastres naturais”, enfatiza. Ele explica que é o fator humano que transforma condições meteorológicas extremas em desastres naturais. Se a mesma condição – como chuvas fortes e alagamentos – ocorresse em uma área não habitada, isso não representaria necessariamente uma catástrofe, lembra. Essa constatação aponta diretamente para planejamentos urbanos equivocados – ou a total falta dele. “Algumas cidades nem têm plano diretor”, pondera Marengo Orsini. No entanto, ele explica que a ocupação desordenada não está restrita a áreas pobres ou invadidas. A ocupação de encostas onde no passado havia florestas também pode representar um risco. Zonas ribeirinhas também são um problema: “Há casas que foram feitas onde há 20 anos era um leito de rio, e agora o rio volta para reclamar seus direitos”. Obras mal-feitas, ocupações desordenadas e pessoas morando em áreas de risco transformam as cidades em cenários propensos a catástrofes naturais. Para o especialista do Inmet, a forte urbanização ocorrida especialmente a partir da década de 1970 teve influência direta no clima da própria região. “Áreas com cobertura vegetal emitem menos radiação, que é o que aquece o ar”, lembra Mozar de Araújo Salvador. Nas cidades, concreto, asfalto ou mesmo o vidro usado em prédios inteiros podem contribuir para o aquecimento do ar. O especialista prefere não relacionar as enchentes do Espírito Santo com o aquecimento global, mas assegura que, embora tenha sido uma ocorrência extrema e não sequencial, existe uma conexão lógica. Segundo ele, em um planeta mais quente deve ocorrer mais evaporação e, consequentemente, mais chuvas intensas. No entanto, apesar de o Inmet já ter completado um século de atividades, são poucas as cidades do país que mantêm registros meteorológicos tão antigos. Dessa forma, os cientistas têm dificuldades em fazer comparações ou identificar a ocorrência das mudanças. MORTES POR DESLIZAMENTOS O deslizamento de terra é a principal causa de morte em desastres naturais. Chuvas constantes saturam o solo e fazem com que a terra deslize de morros e encostas. E, por conta da formação geológica e da ocupação territorial, o litoral brasileiro é especialmente suscetível aos deslizamentos.
O Brasil também é o pais com a maior incidência de queda de raios em todo o planeta. De acordo com o diretor de Respostas aos Desastres da Defesa Civil de Santa Catarina, tenente coronel Aldo Baptista Neto, aparelhos de medição telemétrica – que verificam automaticamente o nível dos rios e enviam a informação digital direto a uma central de processamento – ajudam os centros de Defesa Civil a emitir os alertas de enchente. Os dados da telemetria são cruzados com as medições pluviométricas (do volume de chuvas) e aplicados a um modelo matemático da região. Essa modelagem digital, baseada em mapeamentos de solo, relevo, ocupação e históricos de enchente, assegura a precisão do sistema. As previsões meteorológicas, que podem ter uma precisão de até 90% em 48 horas, completam a base de dados para a geração de alertas. MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO Neto avalia de forma positiva as ações brasileiras em Defesa Civil. Ele vê uma mudança de comportamento da população depois da tragédia de 2008 em Santa Catarina e de 2011 na Região Serrana do Rio de Janeiro, com deslizamentos e centenas de vitimas. “Em regiões onde as enchentes são comuns, as pessoas já saem de casa antes de começar a chover”, exemplifica. Planos de Defesa Civil também são importantes para isso. Se os fenômenos naturais são incontroláveis, a resposta imediata antes que a situação se agrave e o resgate se torne difícil pode salvar vidas. O bombeiro sugere que cada família tenha seu próprio esquema: com documentos importantes, remédios de uso contínuo e mantimentos para 24 horas organizados de forma que possam ser rapidamente localizados caso precisem deixar suas casas. “As pessoas não podem esperar para sair de casa quando a água estiver na cintura. Elas precisam acreditar e atender ao pedido das autoridades para que deixem suas casas imediatamente e sigam para os abrigos indicados em caso de risco”, alerta Aldo Baptista Neto. Fonte: http://www.dw.de/

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

APOCALIPSE: ESTAMOS MAIS PERTO DELE DO QUE PODEMOS IMAGINAR

Boletim de Cientistas Atômicos afirma que nós ainda estamos perigosamente perto do juízo final e apresenta as evidências.
A posse de armamento nuclear por parte de alguns países está causando uma elevação no risco mundial para o nosso fim. Isso mesmo, a cada ano, desde 1945, o Boletim de Cientistas Atômicos (da Universidade de Chicago) envia uma carta ao Conselho de Segurança da ONU em que informa o quão perto estamos do apocalipse nuclear usando o simbólico “Relógio do Juízo Final”. Esse relógio utiliza uma analogia em que a raça humana está a certos "minutos para a meia-noite", onde esse horário representa a destruição por uma guerra nuclear.
Em 1953, por exemplo, estávamos à apenas dois minutos para meia-noite, quando os Estados Unidos e a União Soviética testaram dispositivos termonucleares no intervalo de nove meses entre um e outro. Essa foi a época em que o relógio marcou a sua mais perigosa e curta aproximação da meia-noite. O novo relatório diz que em 2014 ainda estamos a cinco minutos do Apocalipse. "Cinco minutos é muito perto", dizem eles. Confira abaixo algumas evidências apresentadas pelos cientistas do Boletim que elaboraram o relatório e as suas considerações: RÚSSIA E ESTADOS UNIDOS
Segundo o Boletim, em meados de junho, durante uma visita à Berlin (na Alemanha), o presidente Obama propôs uma redução de um terço no arsenal nuclear da Rússia. A proposta deixaria Estados Unidos e Rússia com mil a 1,1 mil ogivas cada. O tratado New START, de 2010, limita em 1.550. O discurso de Obama veio poucos dias depois de o Irã eleger um novo presidente, Hassan Rouhani, que rapidamente mudou o tom da política externa do país, abrindo caminho para as primeiras negociações diretas entre os Estados Unidos e o Irã em 35 anos. No entanto, o Boletim afirma que, em todo o mundo, muito material nuclear permanece inseguro. Ironicamente, logo após o discurso de Obama, a Rússia ofereceu asilo político a Edward Snowden — o ex-funcionário da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos, que vazou informações sigilosas — e, com isso, a coisa “azedou” e o presidente norte-americano cancelou uma reunião planejada com o líder russo, Vladimir Putin. CHINA.COREIA DO NORTE E OUTRA AMEAÇAS
De acordo com os cientistas, a China é descrita como um país que tende a modernizar e aumentar seu arsenal nuclear, embora a um ritmo lento. Já a Índia e o Paquistão continuam a expandir seus arsenais e estoques de materiais desse tipo. Ambos os países estão desenvolvendo e testando novos mísseis, sendo muitos com capacidade nuclear. Além disso, a Índia planeja construir uma frota de submarinos nucleares e desenvolver um sistema de defesa de mísseis balísticos. Israel continua uma política de ambiguidade nuclear enquanto tenta sabotar as negociações sobre os esforços nucleares iranianos. Porém, algo mais preocupante ainda acontece na Coreia do Norte. Em fevereiro de 2013, o país realizou mais um teste de arma nuclear, o primeiro sob o seu novo líder, o polêmico Kim Jong-un, e emitiu uma série de ameaças militares, algumas delas envolvendo o uso de armas nucleares. E TEM MAIS...
Como se a questão nuclear já não fosse ruim o suficiente, os cientistas afirmam que muitos outros perigos ameaçam a nossa sobrevivência. O aquecimento global e as mudanças climáticas que têm acontecido em decorrência desse motivo é um deles. Porém, os especialistas também apontam os desenvolvimentos tecnológicos recentes como uma ameaça. Os avanços de 2013 apenas insinuaram a velocidade e o alcance das mudanças — da tecnologia de biologia sintética para a impressão tridimensional à robótica e além. Os aspectos positivos deste avanço tecnológico rápido mascaram um problema central: o que acontece quando os cientistas criam uma tecnologia com a melhor das intenções, mas a sociedade não pode controlá-la corretamente? A Bioengenharia, por exemplo, pode erradicar algumas doenças, mas também pode colocar armas infecciosas nas mãos de terroristas. Os robôs sofisticados podem ajudar os governos a colaborar em caso de desastres ou serem programados para caçar e matar seres humanos com eficiência impiedosa. PODEMOS EVITAR O FIM?
De acordo com os cientistas do Boletim, essa é uma perspectiva difícil, mas não impossível, porém é inviável sanar todos os problemas atuais. Segundo eles, seria necessário a exigência de que os líderes dos EUA e da Rússia retornem às discussões e acordos. Uma vez proposta a negociação, eles devem tomar as medidas para reduzir ainda mais os seus arsenais nucleares, para desfazer a sua implantação de defesas antimísseis desestabilizadoras e reduzir os níveis de alerta de suas armas nucleares. Além disso, devem ser feitos eventos sérios para alertar os líderes, como já aconteceu na Conferência de Oslo, em março de 2013, que levou as nações em desenvolvimento a debater (e assim ter um maior conhecimento) sobre o perigo representado por qualquer troca nuclear entre países ao redor do mundo. Os cientistas também afirmam que os líderes mundiais devem coibir as práticas de emissão de carbono e apoiar tecnologias de geração de energia “limpa” e eficiente — incluindo a energia eólica, solar e geotérmica —, que podem reduzir ainda mais desastrosa alteração do clima. “Não é mais possível evitar toda a mudança climática, mas você pode limitar ainda mais o sofrimento, se você agir agora”, afirmaram os cientistas. FonteS :ploid The Bulletin, Wikipedia, Estadão, O Globo

O BURACO DA CAMADA DE OZÔNIO SÓ SE RECUPERÁ EM 2070, DIZ A NASA

O buraco está se estabilizando no Polo Sul, porém somente com os permanentes esforços das autoridades ele se tornará igual ao que foi décadas atrás.
De acordo com pesquisas feitas por cientistas da NASA, o buraco na camada de ozônio (que protege o planeta dos raios ultravioletas emitidos pelo Sol) está se estabilizando gradualmente no Polo Sul, porém só deverá voltar ao seu formato original em 2070 – e isso se as atitudes sustentáveis forem mantidas para permitir tal avanço. Duas décadas após o Protocolo de Montreal, o tratado internacional que proibiu o uso de clorofluorcarbonos (os CFCs) e outros componentes que destroem a camada de ozônio, um avanço significativo pôde ser percebido. Os cientistas do Centro de Voos Espaciais Goddard apresentaram os dados nos últimos dias em um encontro de geofísicos em São Francisco. Segundo eles, o grau de cloro está diminuindo na atmosfera graças ao acordo de 1987, porém não o suficiente para gerar o efeito desejável de encolhimento no gigantesco buraco que está localizado na Antártida. Felizmente, isso não quer dizer que o buraco está aumentando; ele se encontra somente estável.
Contudo, não há o que se celebrar no momento (eles dizem que é muito cedo para qualquer tipo de comemoração). Por enquanto, as variações anuais dos ventos e dos climas ainda são responsáveis por levar o ozônio dos trópicos aos polos. Em 2006, o buraco cresceu muito mais do que o esperado, alarmando especialistas do mundo todo. Entretanto, ele encolheu levemente nos anos seguintes, porém ainda se demonstrou muito instável. Só hoje que ele realmente parece estar mais estabilizado. Mesmo assim, nas próximas duas décadas, o tamanho do buraco ainda pode variar bastante. Somente de 2015 a 2030 é que a tentativa de eliminação das substâncias que destroem o ozônio deve ser mais perceptível – e se tudo ocorrer como o planejado, só em 2070 que a camada estará inteiramente recuperada. Fonte:Los Angeles Times

TELESCÓPIO HUBBLE ENCONTRA SINAIS DE ÁGUA EM 5 PLANETAS DISTANTES

Cientistas da NASA explicam como foram feitas as medições que ajudaram a identificar a presença de água nos exoplanetas.
Há alguns dias, a NASA declarou que “sinais discretos de água” foram encontrados na atmosfera de cinco planetas que estão fora do sistema solar, indicando o próximo passo no desenvolvimento de buscas por planetas que sejam capazes de sustentar vida alienígena. A presença de água na atmosfera dos exoplanetas já havia sido registrada anteriormente, mas a NASA acredita que esse estudo é o primeiro a “medir e comparar conclusivamente” os sinais de luz que denotam a existência da água. “Estamos bastante confiantes de que encontramos sinais de água em diversos planetas. Esse trabalho realmente abre as portas para compararmos quanta água está presente nas atmosferas de diferentes tipos de exoplanetas, como quentes versus frios, por exemplo”, afirma Avi Mandell, cientista planetário da NASA e autor do trabalho que foi publicado no início do mês no periódico Astrophysical Journal.
A PRESENÇA DA ÁGUA Os cinco planetas em questão – WASP-17b, HD209458b, WASP-12b, WASP-19b e XO-1b – são conhecidos como “Júpiter quente”: uma classe de planetas extrassolares que orbitam muito próximo a uma estrela e, consequentemente, têm temperaturas muito altas na superfície. Os cinco planetas analisados pelos cientistas apresentaram sinais claros da presença de água, embora os indícios mais fortes estivessem na superfície do WASP-17b e do HD209458b. “Detectar com precisão a atmosfera de um exoplaneta é extraordinariamente difícil. Mas pudemos encontrar um sinal bem claro, e é água”, ressalta Drake Deming, pesquisador da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos. A EXPLICAÇÃO CIENTÍFICA Para explicar como se deu a pesquisa que resultou nessa descoberta, a NASA divulgou um vídeo (em inglês) bastante didático. Nele, a agência espacial lembra que é difícil conseguir informações sobre esses planetas. Por esse motivo, menos de 5% dos exoplanetas foram observados diretamente, sendo que boa parte do que sabemos vem da observação das mudanças que ocorrem na luz das estrelas durante a passagem do planeta. Quando um exoplaneta está em trânsito, ele bloqueia uma pequena quantidade da luz emitida pela estrela que ele orbita. Ao medir cuidadosamente a quantidade de luz bloqueada, os cientistas conseguem determinar o tamanho do planeta. Seguindo o mesmo raciocínio, é possível notar que o exoplaneta bloqueia diferentes partes do espectro de cores dependendo da sua composição. E como sabemos que diferentes moléculas absorvem diferentes comprimentos de ondas, as alterações no espectro ajudam a identificar a composição do astro. Para encontrar os traços de vapor de água nas atmosferas, Deming e sua equipe utilizaram a visão de campo da câmera 3 do Hubble, que é capaz de medir próximo aos raios infravermelhos. Os cientistas esperaram até que cada um dos planetas passasse em frente à sua estrela e então apontaram o Hubble para eles. Como as moléculas de água absorvem determinados comprimentos de ondas de luz, os pesquisadores puderam detectar a presença de vapor de água durante o trânsito do planeta ao medir através do Hubble os comprimentos de onda que não foram absorvidos. Fontes:NASA, The Independent Los Angeles Times

CONHEÇA OS VERMES-ZUMBI QUE DEVORAM OSSOS COM USO DE ÁCIDO

Pesquisadores desvendam o mecanismo de alimentação dos pequenos devoradores de ossos.
De acordo com a BBC, existe uma espécie de verme marinho que se alimenta de ossos e usa uma secreção ácida para perfurar essa estrutura. Conhecido como Osedax — ou devorador de ossos, em latim —, o zumbi dos mares vive no fundo dos oceanos e ataca os esqueletos de baleias e outros peixes mortos. Os vermes-zumbi foram descobertos apenas em 2002, mas só agora os cientistas conseguiram desvendar como funciona o seu mecanismo de alimentação. Os Osedax não possuem boca ou dentes, e ninguém sabia ao certo como é que eles faziam para perfurar os ossos dos animais. Devoradores de ossos Os pesquisadores já haviam observado que essas minúsculas criaturas contam com bactérias simbióticas em seus organismos capazes de digerir os elementos que eles absorvem dos ossos, e um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriu que os pequenos vermes contam com enzimas que produzem uma secreção ácida capaz de corroer o “alimento”. Os vermes-zumbi foram descobertos acidentalmente por pesquisadores do MBARI (Monterey Bay Aquarium Research Institute), causando fascínio desde então. Em um primeiro momento, os cientistas apenas encontraram espécimes fêmeas, observando, mais tarde, que os machos, na verdade, vivem no interior delas. Fonte: BBC

FORÇANDO A NATUREZA PARA CAUSAREM DESASTRES

As elites poderosas que se parecem estar a fazer um esforço contínuo para dirigir uma estaca direto no coração da América (terra). Os desastres naturais estão em alta, e uma quantidade crescente de evidências está levando à conclusão de que esses desastres naturais não podem ser completamente natural.
Alguns já têm especulado que estamos entrando em um período de guerras do tempo e as guerras terremotos , como a incidência de mega desastres que aumenta em todo o mundo. É a experimentação do governo que simplesmente vai mal, ou ele está sendo orquestrado de propósito? Eles estão se escondendo atrás ou até mesmo ampliando atuais mudanças naturais da terra, como o forte ciclo solar e a contínua mudança de pólo magnético para realizar alguma ação furtiva? A mão oculta sempre envolta em si usando uma grande variedade de técnicas para ocultar a sua divisão e conquista da agenda. Por possuir a arma definitiva - o clima é muito sobre a qual todos nós dependemos - regiões inteiras podem agora ser colocadas sob um espectro completo de controle remoto já serviu-se através da mudança climática, a instabilidade econômica, e o complexo de vigilância militar trazido sob a falsa ameaça do terrorismo. O Buraco da Louisiana - Será que esse gatilho é um Big One Como você examina os pontos abaixo e as ilustrações explicativas, você verá um muito claro, alguém tentando .Se seriamente perigosa ou fraca queria dar um golpe desastroso para esta nação, onde você iria? desencadear um "desastre natural" se pudesse? Os desenvolvimentos recentes com a espeleologia crescente do sumidouro da Louisiana em um repositório de gás potencialmente explosivo maciçamente também usado para armazenamento de resíduos nucleares é algo para manter um olhar atento e levar muito a sério. Será que um terremoto de Nova Madrid será natural, manipulado, ou ambos? Os fatos nos levam até agora Vamos primeiro olhar para a evidência para a manipulação de desastres naturais e as soluções propostas pelo governo, em seguida, passar para a preparação massiva realizada pelo FEMA indicando que algo grande está no caminho para a área da falha de New Madrid. A EVIDÊNCIA DE UM PLANO Programação preditiva - Este é o lugar onde o terreno é colocado para orientar as pessoas em direção a um futuro imaginado . Através de livros, jogos de vídeo , filmes, colocação de propaganda e educação, o recebimento passivo de informação orquestrada pode literalmente mudar o futuro. Elites sempre foram obcecadas com o controle da mente. . . . . e a melhor forma é a que é menos evidente. O inconsciente é manipulado e controlado sem um único tiro seja disparado, ou uma única peça de legislação escrita. No entanto, uma vez que se torna sintonizado com os seus métodos , torna-se incrivelmente óbvio. Além do bombardeio constante de mega desastres e fim do mundo, incluindo o Mega terremoto de Nova Madrid, um excelente exemplo atual é a geo-engenharia (chemtrails).Esta pulverização química já vermifugados em filmes e lugares públicos como um exemplo para as crianças a abraçar o novo normal de aviões, que estabelecem uma melancolia tic-tac-toe escura em nossos céus.Aceitar a nova realidade manipulada e o resto se seguirá.
HAARP- O Programa de Pesquisa de Alta Freqüência de Aurora Ativa baseada em Gakona Alasca está sob escrutínio constante, como pesquisadores a rastrear sua relação com a modificação do tempo e atividade sísmica. Esta facilidade e suas subestações espalhadas por todo os EUA têm sido rastreado por intrépido Dutchsinse pesquisador do tempo que fez algumas previsões surpreendentemente precisas baseadas nas chamas do avisador de radar dessas instalações, já ligadas a terremotos na área da zona de Madrid Nova sísmica. Subsequente inundação é tão grave e sem precedentes que os moradores estão até dizendo que parece que toda a área está afundando.E continua a receber mais bizarro.Tecnologia tempo manipulando aparentemente está sendo testado e aperfeiçoado para uso em todo o mundo, como outros sistemas de antenas esses estão localizados na Noruega (EISCAT), Austrália (Exmouth), e vários outros países, bem como através de grandes plataformas flutuantes e de radar espaciais instalações. O terremoto no Japão e tsunami, bem como muitas outras grandes catástrofes têm essa assinatura de manipulação externa. Vídeo mostrando diferentes padrões de vibração, bem como supostas "furos" foram citados como prova no caso do terremoto no Japão. HAARP atividade aumentada parece corresponder e, curiosamente, o site HAARP foi retirado após o incidente. Enquanto a evidência que existe é um pouco tangencial, recursos declarados HAARP são realmente de penetração no solo.Geoengenharia - Esta pode ser a parte mais óbvia do plano de elite para o controle global. Livros como Ecoscience por czar Obama ciência, John Holdren, os planos militares para possuir o tempo em 2025, e as proclamações da Royal Society todos apontam para um grupo relativamente pequeno de sociopatas selecionados que gostariam de brincar de Deus com o nosso clima, apoiado por ultra- elite organizações de fachada, como a Bill & Melinda Gates Foundation. Como descrito acima, lá já foi um programa de condicionamento para que as pessoas aceitam ver aviões de pulverização através dos céus. Agora, a evidência é: é um coquetel químico que contém níveis perigosos de partículas tóxicas, tais como bário e alumínio. Certamente, o USDA parece ter aceite esta realidade, uma vez que possui uma patente para a resistência de alumínio. Monsanto parece ter preparado também com 3.981 patentes de "tolerância ao estresse" através de modificação genética de plantas, frutas, grãos e vegetais . Os recorrentes fora de época-mega-twister surtos, um dos cientistas que levaram 2 anos para realizar uma autópsia desastre, pode também apontam para evidências de experimentos modificação do tempo que são facilitadas pela presença de metais pesados ​​em chemtrails que intensificam o efeito CEM de manipulação. Por fim, o debate em torno do aquecimento global complicada permitiu geo-engenharia para ser escondido à vista de todos e está levando a uma cascata de não intencionais (ou pretendido) conseqüências, tais como mudanças de correntes oceânicas que estão levando à liberação de metano a partir de hidratar e depósitos de clatratos. Isso está levando a uma mudança na biosfera e da acidificação, que pode ser catastrófico para o bem estar de todo o planeta (Source).
A GRANDE REDE EM ONDA DE EMERGÊNCIA Controle eletromagnética - Sabe-se a sopa tóxica de electo-ondas magnéticas já em vigor através de linhas de energia, torres de celular, Wi-Fi, rádio, televisão e uma série de dispositivos de transmissão outros tem um efeito sério deletério sobre a saúde humana e bem estar mental. HAARP e seus vários postos avançados localizados e torres GWEN (Ground Rede de Emergência Wave) tem a capacidade de afetar conhecido pensamento humano.Este eletrosmog não é acidente. O sumo eletromagnético da atmosfera aumenta ainda mais a capacidade de manipular toda uma série de techo-armas que estão aparentemente sendo usados ​​para "orientar" os padrões climáticos e poderia ser usado para agravar ainda mais a qualquer calamidade, incluindo uma conflagração de New Madrid. Diretor tempo para locais desejados, apesar de terem a capacidade de provocar terremotos, parece um ajuste fácil para os globalistas que querem controlar tudo possível. Mapa mostrando onde fracking é mais concentrada
Mapa mostra onde o fracking de Gás está mais concentrado .Big Oil e Gas fracking - Desde setembro de 2010, mais de 800 terremotos sacudiu Arkansas e da linha de falha em New Madrid. O estado inteiro só sofreu 38 terremotos em 2009. O New Madrid Zona acredita-se ser uma parte de um complexo de falhas que se estende até o Vale do Mississipi para o Golfo do México. Na verdade, o vulcão óleo que foi desencadeada pelo desastre da BP é pensado para estar na ponta sul desta região volátil. Não são apenas os de petróleo e gás que estão sendo extraídos por debaixo desta zona a taxas enormes, mas um processo de extração chamado fracking é agravando a atividade sísmica na região e pode até desencadear uma mega-terremoto. Água fraturamento (fracking) bombas hidráulicas e dos produtos químicos para o solo, a uma taxa superior pressurizado que a base possa suportar, resultando numa microquake que produz fraturas da rocha. Um olhar mais atento sobre a história de Arkansas de terremotos e de perfuração revela um aumento chocante perceptível na freqüência terremoto após a perfuração avançada. Fracking é agora uma técnica global para encontrar o gás natural.
GOVERNO E AS PRÉ-PREPARAÇÕES Há claramente elitistas que desejam controlar a população em massa, e eles estão plenamente conscientes de que muito de sua experimentação científica com a natureza poderia ter consequências inesperadas, bem como aqueles destinados. Para a eventualidade de tal caos, eles parecem estar se preparando para restaurar a ordem com uma abordagem bastante dura.Em 2009 Shepard Ambellas trouxe à luz uma vala comum em Phoenix, Arizona, repleto de caixões de plástico e complexos campos da FEMA. Isso já foi confirmado por muitos pesquisadores independentes, achando que por trás de tudo isso há uma continuidade da agenda de governo com 10 regiões da FEMA propostas a serem controlados por governadores selecionados. Todos evidenciado pela polícia do Estado vai em alta velocidade a um ritmo acelerado, tendo nesta aquisição draconiana para novas profundidades e colocando números de expansão da aplicadores do governo prontos.Duvidam e faria bem em lembrar a intervenção da FEMA após o furacão Katrina e como terrivelmente que funcionou por dezenas de milhares escondidos em seu campo de concentração onde as crianças não foram ainda imunes de estupros e espancamentos. Deveria ser óbvio que se o caos é deliberado, acidental ou até mesmo natural, deve-se pensar duas vezes antes de entrar na versão FEMA do Club Med, quando o colapso da sociedade chegar.Exercício da FEMA a Nível anual Nacional se transformam em um curso, programa de dois anos permanente. Os estados anteriormente envolvidos foram os de que os surtos de registro já experientes de furacão, inundações horrendas, e tremores de terra consistentes. Para adicionar insulto à injúria, o Corpo de Engenheiros do Exército detonou 250 toneladas de TNT nesta zona de falha de chamada inundações mitigar. Moradores também relataram que as unidades de descontaminação tinha sido criado como parte dos exercícios passados.FEMA então colocou um pedido urgente de US $ 1 bilhão em alimentos desidratados, enquanto a Segurança Interna ordenou a impressão acelerada de mais de 350.000 manuais nacionais de detentos de emergência. Adicione as compras munições ultrajantes de veículos atrasados ​​e o militarização com drones empurrando e nós temos um potencial bastante de cenários, qualquer grande evento transparecerá.
A Marinha divulgou imagens da geografia futura da Américadividida quase ao meio. Fazendo desastresAo considerarmos os acontecimentos que tiveram lugar na região no passado recente, há claramente algo importante acontecendo. Desde Katrina temos assistido aves mortas e peixes, terremotos aumentou, o desastre da BP, mega-surtos de tornados , e um muito estranho furacão Sandy. Além disso, as tempestades de inverno estranhas, agora nomeados, têm causado problemas, e um novo fenômeno a "pesada neve molhada" foi testemunhado por todo o país.Deve haver um grande evento sísmico na zona da falha de Nova Madrid, estar ciente de que há também 15 reatores nucleares ao longo dessa linha de falha mesmo. Após a catástrofe de Fukushima em curso isto deve dar-nos ainda um outro sentido de devastação em potencial.Independentemente das teorias (e provas) mostrando sinais de uma tentativa de orquestrar um dividir-e-conquistar estratégia para a América, seria bom para nos prepararmos para um número crescente desses desastres, bem como para preparar a resposta oficial.
Como ruim pode um terremoto de Madrid Novo Será?O gráfico acima mostra a localização das usinas nucleares nos EUA. Há muita concentração na área de New Madrid, como você pode ver. Como aprendemos com Fukushima, pode não apenas um terremoto praticamente mudar o curso da história através de reatores destruídos, mas nós já aprendemos que o estado de abandono do envelhecimento reatores nucleares em todo o mundo é completamente alarmante, tornando tudo muito mais suscetíveis.Pronto para mais um desastre à espera de acontecer para complicar ainda mais a situação?Dê uma olhada nas principais gasodutos que atravessam a região diretamente culpa. Diz-se que se estes explodirem serão visíveis da lua.
CONCLUSÃO: Esperamos que o guia acima impressionar os leitores a urgência da nossa situação ea necessidade de se preparar para cataclismo potencial. Engenheiros de crise claramente têm muitas ferramentas à sua disposição para causar uma mudança literal na paisagem dos Estados Unidos. Com um colapso iminente da ameaça econômica, uma constante de eventos de falsa bandeira e a III Guerra Mundial que paira, e uma miríade de vírus sazonais para recorrer para manter a máquina de horas extras de medo em trabalho, que seria imprudente supor que a TPTB vai mostrar moderação interminável. No entanto, se a pessoa está preparada para essas eventualidades, então torna-se menos com medo e mais sobre a auto-capacitação para fazer mudanças pessoais e garantir que possamos sobreviver e prosperar, não importa o que eles façam conosco Em nosso próximo artigo, abordaremos estratégias de como podemos libertar das garras de engenheiros de crise e avançar em direção a auto-suficiência, se e quando este sistema de apoio superficial desaba. Como sempre, congratulamo-nos com o seu contributo sobre como podemos trabalhar juntos para mostrar aos elitistas que eles subestimaram a resistência da humanidade benigna. Por favor, deixe seus comentários abaixo. Fonte: http://www.zengardner.com/

FIDELIDADE FEMININA ESTÁ RELACIONADA COM TAMANHO DOS TESTÍCULOS

Pesquisador encontra indícios de que, entre os animais, a infidelidade está ligada aos órgãos. Mas, será que isso também é válido para os humanos?! O pesquisador Petter Bøckman e seus colegas da Universidade de Oslo, na Noruega, acabam de publicar suas descobertas científicas na última edição da revista Apollon. O especialista também ajudou a preparar a exibição Sexus, que celebra o bicentenário do Museu de História Natural da cidade. Uma das principais descobertas feitas pelos pesquisadores é que a infidelidade feminina está diretamente relacionada com o tamanho dos testículos dos machos. Para chegar a essa conclusão, os especialistas analisaram o comportamento e a anatomia de diferentes primatas e algumas outras espécies de animais. “Podemos determinar o nível de infidelidade de uma fêmea ao olhar o tamanho dos testículos do macho. Quanto mais infiel é a fêmea, maiores são os testículos do macho”, explica Bøckman. UMA QUESTÃO DA SOBREVIVÊNCIA Fica fácil entender essa relação quando pensamos em como a vida funciona na natureza. Se o mais comum em determinada espécie é que um macho tenha uma única fêmea e não precise competir com outros machos, ele só precisa ter certeza de que será capaz de fertilizar essa fêmea. Agora, quando as fêmeas cruzam com outros animais, é necessário garantir a maior quantidade de esperma possível para aumentar as chances de reprodução. Para isso, consequentemente, o macho precisa ter testículos maiores.
“Os bonobos têm testículos especialmente grandes. Eles cruzam com todo mundo. (...) Aqueles que deixam a maior quantidade de esperma têm maiores chances de serem os pais da ninhada. Já em bandos de gorilas existe um único macho. Mesmo que o gorila tenha um pequeno harém, ele não precisa de testículos grandes”, comenta o pesquisador. Além dos primatas, Petter Bøckman explica que o mesmo fenômeno pode ser observado em outras espécies: “Animais que têm uma vida muito curta podem ter testículos enormes. Em uma espécie de gafanhoto, os testículos ocupam metade da massa corporal”. O pesquisador também cita os ouriços-do-mar, que possuem um órgão proporcionalmente grande para o seu tamanho porque precisam liberar seu esperma na água na tentativa de fertilizar os ovos. MAS, E OS HUMANOS? Depois de analisar de perto o comportamento de diferentes espécies de primatas, é natural que o pesquisador busque relacionar suas descobertas com os humanos. Para isso, é importante saber que os testículos dos homens são 1,5 vezes maiores do que os gorilas. Esse número nos mostra que os machos da nossa espécie apresentam órgãos relativamente grandes.
A partir daí, o pesquisador deu a seguinte declaração: “Isso mostra claramente como é a vida no nosso grupo. Podemos jurar fidelidade, mas essa é uma evidência de que nossas fêmeas estão traindo. Não somos como os chimpanzés, em que as fêmeas têm quatro ou cinco parceiros a cada período fértil, mas sempre existe uma probabilidade de que um outro macho tenha passado por ali”. Ao analisar o estudo, Shereen Dindar, do site Shine On, ressalta que os motivos que levam as fêmeas dos primatas a trair certamente são muito diferentes dos possíveis motivos que levariam uma mulher a trair. Além disso, podemos concluir que se os testículos maiores têm como principal finalidade aumentar as chances de reprodução, isso também é um indício de que homens com órgãos grandes têm uma maior tendência à infidelidade. * * * Então, qual é a sua opinião sobre tudo isso? Você acredita que o tamanho dos testículos realmente pode influenciar na fidelidade dos casais? Será que homens e mulheres se comportam como os primatas? Registre sua opinião nos comentários. Fonte:Apollon Shine On

5 CRIATURAS QUE VC NÃO GOSTARIA DE TER PARASITANDO O SEU CORPO

Conheça larvas, insetos, peixes e outros seres que parecem inofensivos, mas podem causar grandes estragos no corpo humano. Não é novidade para ninguém que existem alguns parasitas na natureza e que uma parte deles pode, inclusive, se aproveitar do corpo humano para se hospedar e sobreviver. São larvas, insetos, peixes e outras criaturas que podem entrar no nosso organismo e acabar causando dores, desconfortos e até mesmo morte. O site Discovery News selecionou cinco parasitas e alguns casos estranhos de pessoas que tiveram seus corpos invadidos por essas criaturas. Não deixe de conferir! 1) CARACOL-DO-MAR
Recentemente, Paul Franklin – um pequeno garoto de quatro anos, da Califórnia – estava acampando com a família quando machucou o joelho. O que ninguém esperava é que, semanas depois, eles encontrariam um pequeno caracol-do-mar alojado no corpo do menino. Assim que o garoto se feriu, os pais contam que fizeram um curativo no joelho do garoto, mas não imaginavam que um caracol pudesse ter tido tempo de depositar seus ovos no corte. Algum tempo depois, a mãe notou que o joelho do garoto não melhorava e, mesmo já tendo visitado alguns médicos, decidiu espremer o ferimento – de lá saiu um pequeno molusco. O animal sobreviveu por mais um dia após ter sido retirado do corpo de seu hospedeiro e o menino ficou bem, além de ter guardado a concha do caracol. 2) LARVAS DE MOSCAS
No início do ano, a britânica Rochelle Harris fez uma viagem ao Peru, mas começou a sentir desconfortos assim que voltou para casa. Além de ter dores de cabeça, sentir pontadas agudas em um dos lados do rosto e notar que secreções misteriosas saiam de uma de suas orelhas, a turista também passou a ouvir barulhos inexplicáveis. Pouco tempo depois ela viria a descobrir que haviam larvas parasíticas hospedadas no seu canal auditivo. Tudo indica que uma mosca do tipo Cochliomyia hominivorax teria invadido o organismo de Rochelle durante a sua viagem e depositado ovos em seu ouvido. As larvas chegaram a fazer um pequeno furo no canal auditivo de Rochelle, mas felizmente isso não causou nenhum dano permanente. 3) CANDIRU
Também conhecido como peixe-vampiro, o candiru é um animal nativo da Amazônia que costuma ser encontrado em águas doces. Por ser pequeno – o Discovery News aponta que o peixe não passa de cerca de 8 centímetros – e ter um formato semelhante ao de uma enguia, o animal costuma se alojar nas guelras de outros peixes, mas também pode acabar entrando em alguns orifícios do corpo humano. Atraído pelo nitrogênio, o animal persegue rastros de urina na água e pode entrar na uretra, na vagina ou no ânus. Depois de instalado, o parasita se alimenta de sangue e tecidos. Embora a cirurgia seja a maneira mais eficaz de retirá-lo do corpo humano, nativos utilizam técnicas especiais e algumas plantas para impedir que o animal prejudique o organismo. 4) TÊNIA
A americana Rosemary Alvarez estava se sentindo mal há algum tempo. Desconfiada de que tinha uma gripe, ela chegou a ir ao médico, mas foi mandada novamente para casa como se estivesse bem. Em pouco tempo seu estado piorou bastante e ela foi levada às pressas para o hospital e internada para retirar um suposto tumor que havia sido descoberto em seu cérebro. O que nem Rosemary – nem seu médico – sabiam é que o tumor era, na verdade, uma tênia que havia se alojado em seu cérebro. Tudo indica que a paciente comeu algum alimento contaminado com fezes de uma pessoa infectada pelo parasita e, assim, se tornou também uma hospedeira. A cirurgia foi um sucesso e a tênia foi completamente eliminada. 5) AMEBA COMEDORA DE CÉREBRO
O nariz é o ponto de entrada de um tipo de ameba (Naegleria fowleri) conhecida como “comedora de cérebros” exatamente por atacar essa região do corpo com severidade. Essa é a única espécie de Naegleria que pode infectar seres humanos. Por ser um organismo de vida livre facilmente encontrado em águas termais, a ameba pode ser inalada através da água. Depois de entrar pelo nariz, ela vai até o cérebro e passa a atacar o sistema nervoso central. Os sintomas da doença podem variar bastante – apresentando desde dores de cabeça, vômitos, convulsões até febre – e, embora os casos sejam raros, a taxa de mortalidade é de cerca de 95%. Fonte:Discovery News E Wikipedia