Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Mistério da História






Pergunta a um professor de história se ele ou ela consegue explicar isto...

mas eu penso que não vão conseguir.




Abraham Lincoln foi eleito para o Congresso em 1846.
John F. Kennedy foi eleito para o Congresso em 1946.

Abraham Lincoln foi eleito Presidente em 1860.
John F. Kennedy foi eleito Presidente em 1960.

Ambos se preocupavam muito com, sobretudo, os direitos civis.
Ambas as suas esposas perderam crianças enquanto habitavam a casa branca.


Ambos os Presidentes foram assassinados numa sexta-feira.
Ambos os Presidentes levaram um tiro na cabeça.

E agora é que se torna mais estranho:

O secretário de Lincoln chamava-se Kennedy,

O secretário de Kennedy chamava-se Lincoln .


Ambos foram assassinados por alguém dos estados do sul.

Ambos os Presidentes foram sucedidos por um homem do sul chamado Johnson.

Andrew Johnson, que sucedeu a Lincoln, nasceu em 1808.

Lyndon Johnson, que sucedeu a Kennedy, nasceu em 1908.




John Wilkes Booth, que assassinou Lincoln, nasceu em 1839...

Lee Harvey Oswald, que assassinou Kennedy, nasceu em 1939...



Ambos os assassinos eram conhecidos pelos seus 3 nomes.

Ambos os seus nomes eram formados por 15 letras.

E agora, segura-te:
Lincoln foi assassinado num teatro chamado "Ford"

Kennedy foi assassinado num carro da marca Lincoln, feito pela "Ford"


Lincoln foi assassinado num teatro e o seu assassino correu para um armazém para se esconder.
Kennedy foi assassinado a partir dum armazém e o seu assassino fugiu para um teatro e escondeu-se lá.


Booth e Oswald foram assassinados antes do seu processo.

E aqui vai a cereja no topo do bolo....


1 semana antes de Lincoln ser assassinado, ele esteve em Monroe, no estado de Maryland
1 semana antes de Kennedy ser assassinado, ele esteve com Marilyn Monroe.










Quem é que pesquisou tudo isto?

Incrível:
1) Dobra uma nota de $20
nova em duas partes...

2) Torna a dobrar e cuida de a dobrar exactamente como na imagem abaixo




3) Dobra a outra parte tal e qual como aqui




4) Agora vira-a...


Que coincidência! um simples dobrar geométrico duma nota de $20 dollar revela uma catástrofe, visível em todas as notas de 20 dólares!!!


Coincidência?

Tu é que decides

Se isto ainda não fosse suficiente, isto é o que viste:

Primeiro: o Pentágono a arder...

Depois, as Twin Towers



E olha aqui... !!




Três incidentais desastres numa nota de $20 dollar?

Desastre 1 (Pentágono)
Desastre 2 ( Twin Towers )
Desastre 3 (Osama)???


E ainda se torna melhor: 11 + 9 = $ 20 !!

(11/9 = onze de Setembro, o dia dos ataques às Twin Towers e ao Pentágono)

Estranho, hein?


Isto é uma lição de história, sobre a qual as pessoas não se importam de ler!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Não deixe que um torcicolo faça você perder a cabeça. Aprenda como se prevenir essas dores no pescoço

Confesse: você anda maltratando seu pescoço. Senta errado na cadeira, fica curvado em frente ao computador, dorme com um travesseiro muito alto, força-o demais quando faz exercícios abdominais na academia. Se até uma girafa, ao beber água, abre as pernas para baixar seus quase 3 metros de cangote e não entortá-lo, você também deveria se preocupar em proteger o seu. Afinal, tem as mesmas sete vértebras cervicais que o do bicho, mas certamente um QI maior do que o dele.Segundo estimativas dos especialistas da Escola Médica de Harvard (EUA), sete em cada dez pessoas vão ter em algum momento da vida um distúrbio nessa região, desde incômodos passageiros até dores crônicas insuportáveis. "São problemas geralmente causados por erros de postura, excesso de tensão muscular ou estresse e, de forma indireta, por exercícios inadequados ou acidentes (como fraturas, hérnia de disco, entre outros)", diz a fisioterapeuta postural Cinthia Ito, do Instituto Vita, em São Paulo.

A verdade é que seu pescoço, um sofisticado complexo que envolve músculos, articulações, ligamentos, nervos e ossos, é extremamente sensível e precisa de cuidados - não estamos falando de esconder uma possível marca delatora do chupão - para preservar sua flexibilidade. Lembre-se de que ela garante que você possa entortar a cabeça de maneira estratégica para espiar o decote da gata sentada na mesa ao lado no bar. Já imaginou ter um torcicolo nesse exato momento?
A porção cervical é mais flexível do que o resto da coluna para permitir os movimentos da cabeça. "Mas abusamos dessa maleabilidade", diz o médico João Augusto Figueiró, do Centro de Dor do Hospital das Clínicas de São Paulo.
O incômodo campeão de ocorrências é o torcicolo. "Ele costuma acontecer de repente e geralmente está associado a traumas banais ou movimentos abruptos da cabeça", conta Marcelo Poderoso, ortopedista do Instituto Vita. A articulação trava, provocando contração súbita e involuntária do músculo. O pescoço então fica duro. O travamento dolorido tem uma função protetora: evita que a lesão na articulação se transforme em algo mais grave.
No dia-a-dia, muita gente deixa o problema para lá, mas, segundo os especialistas, o ideal seria usar um colar cervical (aquela estrutura horrível que imobiliza seu pescoço, fazendo você parecer um andróide) e tomar analgésicos e relaxantes musculares. Nada de fazer automassagem ou estalar o pescoço para destravar. "O sistema nervoso é como a fiação elétrica de uma casa. Se você mexer nos fios - que no corpo são as raízes nervosas que saem da medula - de maneira inadequada, pode provocar um curto-circuito. Ou seja, manipular essa região incorretamente pode irradiar a dor para outra área do corpo", explica a fisioterapeuta Cinthia Ito. "O que pode aliviar o desconforto é a aplicação de compressa de bolsa de água quente no local", ensina o ortopedista Eduardo Barros Puertas, chefe do Grupo de Coluna do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).


Com o mundo nas costas
Não são apenas maus-tratos que podem fazer seu pescoço dar o alerta. Perceba como ele fica rígido toda vez que você se estressa ou se sente contrariado. "Em mais de 90% dos casos, os desconfortos no pescoço são provocados por estresse", afirma Puertas. Trata-se de um movimento inconsciente: a tensão é transferida para o trapézio, músculo das costas, e o indivíduo acaba curvando os ombros. "O músculo fica em estado de alerta, como se preparasse para uma sobrecarga", diz Cinthia Ito. Segundo o ortopedista Lafayette Lage, da Clínica Lage Ortopedia de Ponta, de São Paulo, os músculos da parte de trás do pescoço têm de estar naturalmente rijos para suportar os 5 quilos da cabeça. "A dor surge quando eles trabalham além da conta, sofrendo contrações de fundo nervoso", completa Lage.

A psicóloga Célia Regina de Mello, de São Paulo, vai mais longe e explica que, além de funcionar como um canal de ligação física entre a cabeça e o corpo, o pescoço faz a comunicação do mental com o emocional. "Tensão e contratura nessa região estão associadas a emoções contidas e ao peso de responsabilidades", diz. Ou seja, quando você se sente sob pressão no trabalho, seu pescoço dá o alerta. Respiração e alongamento costumam ser eficazes para aliviar a tensão (veja o quadro).


O estresse emocional quase levou a nocaute o contador carioca Sandoval Gomes de Sena Neto, de 38 anos. Ao sentir rigidez na cervical, não deu importância ao incômodo, que evoluiu para uma dor aguda que irradiava para os ombros e a cabeça. Assessor da presidência de uma companhia estatal, trabalhava 14 horas por dia e enfrentava uma separação conjugal litigiosa. Mas não relacionou a tensão no pescoço à turbulência psíquica e emocional. "Apelava para remédios, mas as dores voltavam com freqüência", conta.


Conviveu com o problema por dois anos, achando que podia agüentar. Chegou a procurar alívio na acupuntura, terapia chinesa das agulhas, de eficácia comprovada no combate às dores musculares, mas por falta de tempo voltou aos comprimidos. De relaxantes musculares, passou aos ansiolíticos (remédios que controlam a ansiedade). Até que, sob efeito dos medicamentos, desmaiou ao volante e bateu o carro. Teve várias fraturas que o obrigaram a ficar três meses em repouso. Só assim repensou a vida. "Parei de trabalhar além do expediente, voltei a praticar ioga e não abro mão do meu tempo de descanso. As dores no pescoço acabaram", festeja.



Tudo é uma questão de postura
Excesso ou prática inadequada de exercícios também estão por trás da dor. Já viu aquele cara que, nos abdominais, flexiona o pescoço e direciona a força mais para a cervical do que para o abdome? É um erro comum, além da sobrecarga no treino com pesos. Segundo Ivan do Espírito Santo, coordenador de musculação da academia Reebok Sports Club, em São Paulo, exercícios de ombros, como elevação lateral com halteres, remada alta e encolhimento, feitos de maneira incorreta, detonam o pescoço. "É fundamental executá-los sob a supervisão do instrutor", recomenda.

Dormir de barriga para baixo também coloca seu pescoço a prêmio: ele fica horas torto, sob tensão. Travesseiro alto agrava o problema, por manter o pescoço muito flexionado. A Associação Americana de Terapia Física considera os modelos de pena melhores do que os de espuma, por se moldarem ao pescoço. O travesseiro tem de servir de apoio para a curvatura natural da nuca, e não para o alto da cabeça.


Não espere a dor ficar crônica para procurar ajuda. "Quando o problema já está instalado, é mais difícil de ser solucionado", diz Márcio De Luna, fisioterapeuta e presidente da Associação Brasileira de Acupuntura Seção Rio. Além dos tratamentos convencionais, as terapias complementares costumam dar resultado no alívio à dor. Além da acupuntura, há a quiropraxia, massagem com manipulação das vértebras, e os exercícios de alongamento e respiração da reeducação postural global (RPG).


Em tempos de tanto estresse e acúmulo de funções, é grande o risco das dores no pescoço, mas dá para se prevenir. "Especialmente no trabalho, onde se passa a maior parte do tempo, deve-se investir em medidas de ergonomia, como manter a postura correta ao sentar e ao falar ao telefone e adequar a posição da cadeira e do computador", aconselha a fisioterapeuta Cinthia Ito.



Relaxe no chuveiro
A água quente ajuda a descontrair a musculatura da cervical. Aproveite a hora do banho para uma destravada geral. Embaixo do chuveiro, lentamente olhe para cima e para baixo, mexa a cabeça para os lados e faça movimentos de rotação suaves, alongando sem forçar. Se sentir dor, pare.


EVITE ESTES ERROS
APRENDA A NÃO COLOCAR SEU PESCOÇO EM RISCO NO DIA-A-DIA

Na cama
Evite dormir de bruços com o pescoço torto para o lado. Prefira a posição de barriga para cima, usando apenas um travesseiro para apoiar a cabeça na curvatura natural da cervical, ou de lado, colocando um travesseiro entre as pernas para não forçar a coluna. Nada de ler deitado com a cabeça apoiada na cabeceira da cama ou em vários travesseiros. Sente-se com as pernas e a coluna retas, apoiando o livro numa almofada no colo.

No computador

Respeite as curvas fisiológicas da coluna. Sente-se reto na cadeira sem dobrar o pescoço (curvado para baixo, a pressão nos músculos da nuca chega a aumentar 50%). Mantenha o topo da tela do monitor alinhado ao nível de seus olhos. E se você trabalha o dia inteiro em frente à máquina, lembre-se de fazer de vez em quando movimentos de rotação com a cabeça para aliviar a tensão no pescoço.

Ao telefone

Não prenda o fone entre a cabeça e o ombro. Se você usa o aparelho com muita freqüência ou tiver de ficar com as mãos livres durante conversas de longa duração, opte por um headset (aquele fone de ouvido com microfone acoplado) ou o viva-voz. Ficar com o pescoço torto é meio caminho andado para um torcicolo.

Ao volante

Mantenha o encosto de cabeça do banco de forma que a curvatura acolchoada se encaixe na curvatura da sua cervical. O efeito chicote, que ocorre quando a cabeça é projetada para a frente durante uma colisão e retorna violentamente para trás, é a principal causa de lesões graves na coluna cervical nos acidentes de trânsito.

Com a mochila nas costas

Não carregue peso demais na mochila, o que obriga você a ficar com o pescoço tenso e curvado para baixo. Preste atenção na postura ao andar - é necessário manter a cervical reta, não deixe a mochila causar um desequilíbrio. Evite também carregar uma bolsa muito pesada em um dos lados do corpo. Você força os músculos dos ombros e do pescoço, que trabalham em conjunto.


PRESTE ATENÇÃO NESTE COMPLEXO MECANISMO
VEJA QUANTAS PEÇAS SÃO NECESSÁRIAS PARA DAR JOGO AO SEU PESCOÇO

>> 7 vértebras cervicais. Entre elas, os discos funcionam como amortecedores de impacto
>> 32 músculos e uma rede de ligamentos mantêm as vértebras no lugar
>> 8 nervos e 4 artérias conduzem os impulsos nervosos e o sangue
>> Em seu interior estão a laringe e a traquéia. Na parte frontal, as glândulas tireóide e paratireóides. Toda essa estrutura fica protegida pelo osso hióide e pelas cartilagens tireóide (o pomo-de-adão dos homens) e cricóide


ALIVIE A PRESSÃO NO PESCOÇO
Diminua a tensão na região cervical com alongamentos. "Eles também destravam os ombros", diz a fisioterapeuta Adeline Moraschi Enriquez, de São Paulo, que ensina os exercícios passo a passo.

PRIMEIRO RESPIRE

Avalie sua respiração: inspire em frente ao espelho e repare se suas narinas se abrem e a musculatura do pescoço parece saltar. Se for essa a imagem que vê, sua respiração é superficial e sobrecarrega o pescoço ao mandar o ar para dentro - o que é errado. O certo é respirar profundamente, levando o ar até o diafragma, músculo que separa o tórax do abdome.

1. Em pé ou deitado, coluna reta, coloque uma mão sobre o tórax e a outra sobre o abdome.


2. Inspire fundo, percebendo a mão que está no abdome subir. Solte o ar lentamente, sentindo o abdome murchar. "A cada vez que você expira, a musculatura se alonga", explica a fisioterapeuta.


3. Repita até sentir a respiração tranqüila e ritmada.


PARA FAZER SENTADO
EXERCÍCIO 1: sente-se com a coluna ereta, quadril encaixado, sentindo o cóccix (o osso da parte inferior da coluna) apoiado na cadeira.

1. Inspire lentamente, sentindo o ar chegar ao abdome.


2. Expire virando o pescoço para o lado direito, como se fosse olhar por trás do ombro.


3. Segure a posição de 10 a 15 segundos. Inspire novamente e, ao expirar, avance a cabeça um pouco mais. Sinta a musculatura se alongando. Volte à posição inicial. Repita o exercício do lado esquerdo. Faça três vezes de cada lado.


EXERCÍCIO 2: sente-se com os braços esticados e segure a cadeira por baixo do assento.
1. Inspire levando o ar até o abdome e, expirando devagar, incline o pescoço lateralmente para a direita, como se fosse encostar a orelha no ombro.
2. Alongue-se até onde conseguir, mantendo a posição de 10 a 15 segundos. Volte a cabeça à posição inicial. Faça três vezes de cada lado.

PARA FAZER EM PÉ
Fique ereto com os braços relaxados ao longo do corpo e os pés juntos.
1. Inspire profundamente e, ao expirar, leve o queixo em direção ao peito, empurrando os ombros para trás e para baixo. Se quiser, coloque as mãos na cabeça fazendo uma leve pressão para baixo. Suba a cabeça bem devagar. Repita três vezes.
2. Em seguida, expire erguendo o queixo para o alto. Faça três vezes bem devagar.
3. Termine com um movimento de rotação da cabeça de 360 graus, três vezes para cada lado.

PARA FAZER DEITADO
De costas na cama, sem o travesseiro, estenda braços e pernas e inspire fundo. Solte o ar virando o pescoço para o lado direito, olhando para o ombro. Mantenha-se assim por alguns segundos e volte à posição inicial. Repita três vezes de cada lado. "Esse alongamento é ótimo para relaxar antes de dormir", diz a fisioterapeuta Adeline Enriquez.

Fontes:
Escola Médica de Harvard (EUA) e Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).



Pare de maltratar seus joelhos


Desde que você resolveu deixar de engatinhar e se pôs de pé, para a graça da mamãe, seus joelhos dividem a conta desse salto evolutivo com sua coluna. Daí para a frente, suportam os trancos de cada pulo, corrida ou chute nas peladas de fim de semana, além de agüentarem todo o peso que você carrega no corpo. Na maioria das vezes, eles apanham calados, mas, como todo ser dedicado ¿ da mesma forma que sua parceira ¿, chega uma hora em que exigem cuidado e atenção. Seja qual for o esporte, do futebol e da corrida ao tênis, se um dos joelhos dói a cada vez que você resolve avançar um pouco mais no exercício, talvez seja porque você não esteja fazendo sua parte do acordo com eles (sim, eles têm um acordo assinado com você desde seus primeiros passos). Para ajudar a deixá-los fortes e flexíveis, ouvimos especialistas e fomos atrás de um treino de campeão para prevenir
lesões e melhorar o rendimento da sua atividade física.

Responsáveis pela absorção de impactos, realização e controle de movimentos, suporte do peso corporal e dissipação da força da gravidade, os joelhos são também uma das regiões mais vulneráveis a traumas, não só pela suas funções mas pela localização anatômica ¿ se você já acertou, e xingou, a mesa de centro da sala ou a cama, deve ter descoberto isso. Segundo a Escola Médica de Harvard (EUA), entre os 25 e 75 anos, sua probabilidade de ter uma lesão ou problemas nos joelhos é de 50%. Além das doenças degenerativas, que avançam com a idade, como a artrose ou a osteoartrite, as quais algumas pessoas são mais predispostas geneticamente a desenvolver, há outros fatores de risco que são bem mais fáceis de você prevenir.



SOBRECARGA EXCESSIVA
É comum que uma dor generalizada nos joelhos ocorra após uma atividade mais intensa, principalmente de impacto, como sinal de adaptação ¿ indica que o sujeito está se exercitando acima da sua capacidade atual. Basta que você dê um tempo su# ciente de repouso entre um estímulo e outro para a recuperação e aplique gelo nos momentos mais doloridos, em sessões de no máximo 20 minutos.

¿Se a dor persistir por mais de uma semana ou houver outros sintomas, é preciso uma avaliação médica. Pode ser que a sobrecarga tenha sido muito além do condicionamento do esportista, algo que se tornou muito comum¿, explica o chefe do Setor de Traumatologia do Esporte e Medicina Esportiva da Faculdade de Medicina do ABC, Paulo Barone. Por isso, ele desaconselha o uso imediato de analgésicos. ¿Você desliga o termostato do corpo e prejudica a própria avaliação.¿ Treinos freqüentes sem o devido período de descanso (regenerativo) ou o excesso de carga nos movimentos de repetição sem o condicionamento mais indicado provocam microtraumas. Eles se acumulam com o tempo, muitas vezes de forma silenciosa, até ocasionarem uma lesão mais grave, geralmente após os 40 anos e que podem exigir cirurgia quando você chegar aos 65 ¿ principalmente os casos de desgaste da cartilagem do joelho, irreversível. Portanto, procure fazer uma evolução gradual no treinamento. ¿É muito comum, na ânsia de buscar resultados, que as pessoas avancem no treino ou pulem para cargas mais altas repentinamente. Isso é uma das causas
mais freqüentes de lesões¿, alerta Barone.

¿ PROBLEMAS ASSOCIADOS: tendinite, bursite, condromalácia (degeneração da cartilagem), osteoartrite.

¿ ESPORTES DE MAIOR RISCO: atividades de repetição, como corrida, ginástica, musculação, ciclismo e triatlo.

¿ TEMPO DE TRATAMENTO: de 6 a 12 semanas, na maioria dos casos sem a necessidade de intervenção cirúrgica.



TRAUMAS
Além da flexão e extensão, os joelhos permitem movimentos de rotação e laterais limitados por ligamentos que podem ser esgarçados ou até rompidos em casos de arranque, freada forte ou movimento brusco e inadequado durante a atividade. Sem falar nas quedas ou pancadas diretas, comuns em esportes de contato físico. O rompimento de ligamentos como o cruzado anterior, além de forte dor, causa falseio do joelho, tirando a estabilidade do atleta.

Atinge mais jovens e atletas de fim de semana sem fortalecimento muscular. ¿A musculatura fraca e a falta de alongamento causam boa parte dos problemas¿, afirma o ortopedista Rogério Teixeira, diretor do Comitê de Traumatologia Esportiva da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Segundo ele, em pesquisa feita com 425 tenistas homens, 13% já se submeteram a cirurgia. Desses, 37% foram por problemas de joelho.

¿ PROBLEMAS ASSOCIADOS: ruptura de ligamento, tendão e menisco, fraturas e torções.

¿ ESPORTES DE MAIOR RISCO: futebol, vôlei, basquete e tênis.

¿ TEMPO DE TRATAMENTO: de cinco a seis meses, com indicação cirúrgica em casos de ruptura.



DESVIO POSTURAL
Pernas em ¿X¿, encurtamento de músculos, desalinhamento de quadril, pés chatos ou tornozelos ¿para dentro¿. Basta que um elemento se altere para comprometer sua postura e biomecânica, aumentando o desgaste dos joelhos principalmente nos esportes de repetição, como corrida e ciclismo.

Isso também favorece o aparecimento de artrose ou osteoartrite. ¿É como um carro com a roda desalinhada. O desgaste dos pneus é muito maior¿, compara Barone. Por isso, avalie sua postura e corrija o que for possível.Fazer musculção corretamente é essencial para os joelhos, principalmente em aparelho como leg press, cadeira extensora e agachamento.



Em casa
Se não tiver aparelhos como um minitrampolim, inicie a propriocepção com uma prática ¿caseira¿: pegue uma almofada e procure se equilibrar sobre ela em uma perna só.

Além dos joelhos, você trabalha o equilíbrio com os pés e os tornozelos. Faça mais difícil: feche os olhos e desloque o corpo em várias direções.


AVALIE SUA DOR
Diagnosticar um problema de joelho nem sempre é fácil ou se resolve com uma avaliação física. Muitas vezes exige exames como raio X e ressonância magnética. Segundo o ortopedista Rogério Teixeira, de São Paulo, dores localizadas, inchaço e falseio indicam situações mais graves, que devem ser tratadas por especialistas.

Para ajudar a determinar de forma mais precisa a causa do problema, ache as respostas para as seguintes perguntas e passe-as para seu médico:

ONDE DÓI? Apontar o local preciso da dor pode ser uma tarefa difícil. Em alguns casos, ela irradia para outras regiões ou parece vir de um músculo próximo.

COMO É A DOR? Ela é aguda e forte como uma espetada, é intensa ou promove queimação? É similar em outras articulações?

QUANDO A DOR COMEÇOU? Foi após uma queda, lesão, febre ou mudança de atividade? Houve alguma lesão anterior ou inchaço, mesmo sem incômodo, ou que melhorou?

QUANDO A DOR OCORRE? Ela começa quando você se levanta e caminha de manhã cedo, quando percorre uma grande distância ou após alguma atividade física?

O QUE ALIVIA? Quando você senta e descansa, quando está deitado
ou quando fica em pé?

HÁ OUTROS SINTOMAS? O joelho trava ou você sente di: culdade em estendê-lo ou O exioná-lo?


Fortalecimento preventivo
Como muitos esportes criam desequilíbrio entre as pernas, Cassiano Costa desaconselha os aparelhos monoarticulares, aqueles que trabalham os dois lados do corpo simultaneamente, para o trabalho de fortalecimento muscular. Buscando uma evolução gradual, cada exercício deve seguir a seguinte recomendação:

Primeira e segunda semana: três séries de 12 repetições;

Terceira e quarta semana: três séries de dez repetições;

Quinta e sexta semana: quatro séries de oito repetições;

Oitava e sétima semana: quatro séries de seis repetições.
Quem se recupera de lesões ou cirurgias deve fazer os mesmos exercícios de forma mais suave, com menor amplitude dos movimentos e menos carga, indicados por orientação profissional. Costa recomenda apenas evitar exercícios de cadeia isocinética aberta, ou seja, aqueles que deslocam o eixo de carga quando são executados, como a cadeira extensora e a mesa " exora. ¿Esses exercícios causam a anteriorização da patela, um movimento que é controlado pelos ligamentos.
Em processo de reabilitação, eles ficam mais fracos e devem ser poupados.¿
1 - LEVANTAMENTO TERRA

Com os joelhos flexionados, o abdome contraído e o tronco reto, pegue a barra no chão com uma distância entre as mãos similar à largura dos seus ombros.
Levante devagar, estendendo os joelhos, e leve a barra até a altura do quadril, esticando os braços ao mesmo tempo que os joelhos.

2 - AGACHAMENTO
Com a barra bem apoiada no ombro e o abdome contraído, jogue o quadril um
pouco para trás e desça flexionando os joelhos até eles formarem um ângulo de 90 graus (pernas paralelas ao chão), sem que eles ultrapassem a linha dos pés. Fique nessa posição por dois segundos e volte devagar à posição
inicial. As cargas acompanham o desenvolvimento do atleta.

3 - ELEVAÇÃO UNILATERAL DO JOELHO NO STEP


Diante de um degrau ou step (ou plataforma de instabilidade), segure uma medicine ball com os braços esticados à frente. Suba no step com uma perna e flexione a outra até a altura do quadril.
Desça do step e repita o com a outra perna.

4 - LEG PRESS UNILATERAL
Semelhante ao exercício normal de leg press. Estique as duas pernas, mas, na volta, tire uma delas da plataforma e flexione a outra. Alterne as pernas durante o exercício. Isso tenta reproduzir o controle dos movimentos explosivos, em que o arranque é feito com as pernas, mas a frenagem ou a estabilização se dão sobre apenas uma delas.
5 - CADEIRA FLEXORA COM FASE EXCÊNTRICA UNILATERAL

Seguindo o mesmo princípio do leg press unilateral, sentado na máquina, dobre os dois joelhos até formar um ângulo de 90 graus e volte apenas com uma perna, revezando durante as séries. Este exercício também pode ser feito na mesa flexora.

Fonte: Sociedade Brasileira de Ortopedia


Fique ligado: dor, alteração na urina, pressão alta e inchaços no corpo podem indicar problema nos RINS

No Brasil, pelo menos um milhão de pessoas tem alguma disfunção renal, de acordo com dados do Ministério da Saúde. E a grande maioria nem sabe disso, pois algumas dessas doenças são assintomáticas e quando um sintoma aparece, o problema já pode estar instalado. Os homens são três vezes mais acometidos de cálculos renais do que as mulheres, talvez por fatores hormonais e maior consumo de proteína animal. Siga os conselhos da nefrologista Anna Rita Aguirre para reconhecer alguns sinais e fique atento à saúde de seus rins.

>> O órgão: é o filtro do corpo. O rim é responsável por controlar o volume de líquidos e a concentração de sais no nosso corpo, eliminando excessos juntamente com resíduos tóxicos do metabolismo, como a uréia e o ácido úrico. Estimula a produção de glóbulos vermelhos e regula a pressão arterial.

>>Causas e prevenção: beba bastante líquido. Doenças renais têm causas diversas e podem progredir para a perda completa das funções dos rins, se não forem descobertas ou tratadas a tempo. "Pessoas com diabetes, pressão alta ou que têm parentes com doenças nos rins são as mais acometidas e devem ser avaliadas pelo nefrologista", afirma a dra. Anna Rita.

>>Sintomas: de olho na urina. Observe o volume, cheiro, jato e cor, que não pode estar turva, esbranquiçada ou com sangue. Dor, ardência, urgência ou inúmeras micções em pequenas quantidades também indicam algum problema. Outros sinais são: pele pálida e seca, inchaço nas pernas e ao redor dos olhos, dor na lombar, anemia, pressão sangüínea elevada e história de pedras nos rins.

>>Diagnóstico: procure um nefrologista. O especialista em rins pedirá exames de urina e de sangue. "É preciso ficar atento aos exames periódicos de sangue que já indicam alteração na creatinina, que avalia a saúde do rim", enfatiza a médica. Ecografia ou radiologia pode indicar presença de cálculos, obstrução das vias urinárias e alterações nos aspectos do rim.

CADA DOR UMA SENTENÇA

>>Cálculo renal: sangue na urina e possível eliminação de pedras. Cólica renal, com forte dor nas costas e vômitos.

>>Infecção urinária: ardência e urgência em urinar. Urina turva e mal-cheirosa podendo ter sangue. Febre, dor lombar e calafrios, se o rim foi atingido.

>>Obstrução urinária: ausência ou pequeno volume de urina devido a cálculos, aumento da próstata, tumores e estenoses (estreitamentos) de ureter e uretra.

>>Insuficiência renal aguda: perda da função do rim de instalação rápida que, dependendo da causa, pode ou não ser reversível. Infecções graves, medicamentos como antiinflamatórios e alguns antibióticos e doenças próprias do rim e do trato urinário podem originá-la.

>>Insuficiência renal crônica: retenção de uréia, anemia e hipertensão arterial em decorrência de doença que deteriora irreversivelmente a função renal.

>>Tumores renais: massas palpáveis no abdome, dor, sangue na urina e obstrução urinária.

>>Glomerulonefrite: perda de proteína e/ou sangue na urina, que pode evoluir com perda de função renal dependendo da sua causa e gravidade.

Fontes: Ministério da Saúde e nefrologista Anna Rita Aguirre

As pistas dadas por seus dedos e pelo espelho podem indicar riscos à sua saúde.


Pista: dedo indicador
Problema: AGRESSIVIDADE.
Motivo: quanto menor for seu dedo indicador em relação ao anelar, mais esquentadinho você é, segundo um estudo canadense. Os pesquisadores examinaram as mãos de jogadores de hóquei e perceberam que aqueles que tinham tendência à ferocidade apresentavam maior diferença entre esses dedos. "Quanto maior a exposição do feto à testosterona no útero, maior a diferença entre o indicador e o anelar e maior a tendência de o indivíduo ser agressivo", diz o médico Peter Hued, autor do estudo. Segundo o psicólogo Renato Sabatini, professor de medicina da Universidade de Campinas (Unicamp), a quantidade de testosterona está comprovadamente relacionada à agressividade de uma pessoa. "Até mulheres que tomam hormônio masculino em algum tratamento se tornam mais ásperas", diz ele.
Conserto: a velha contagem de 1 a 10. "Uma velha e boa técnica de autocontrole é pensar antes de explodir por meio de palavras, gestos ou e-mails rudes", explica Sabatini. "Procurar tratamento em casos incontroláveis e extremos também é uma saída para não criar problemas com amigos e familiares."


Pista:
perna arqueada
Problema: ARTRITE.
Motivo: a falta de alinhamento das pernas (arco) faz com que o peso do corpo recaia sobre os joelhos. O problema mais comumé a osteoartrite, inflamação que atinge a extremidade do osso devido ao desgaste da articulação e é mais freqüente em pessoas acima de 65 anos. Mas casos de perna arqueada podem acentuar a probabilidade desse desgaste. De acordo com o professor de educação física Ricardo Lima, o que vai definir ou não esse problema será o excesso de peso e a condição física de cada um.
Conserto: corte a gordura. Atividade física e alimentação equilibrada são responsáveis pela manutenção do peso. "Fazer atividades aeróbicas, musculação e alongamento ajudarão em muito na estabilidade articular e na manutenção da força muscular aliviando a sobrecarga de peso nos joelhos", diz o professor.


Pista:
rosto
Problema: DOENÇAS DO CORAÇÃO.
Motivo: pesquisadores britânicos descobriram recentemente que homens que sofreram com espinhas na adolescência correm 33% menos risco de morrer de doença do coração do que aqueles que tinham rosto de bundinha de nenê. Os autores da pesquisa acreditam que o alto nível de testosterona, que provoca acne, também pode prevenir que placas se rompam dentro das artérias.
Conserto: transe!! Sexo estimula a produção de testosterona.


Pista:
altura
Problema: CÂNCER DE PRÓSTATA.
Motivo: durante a infância, é possível que meninos com altura superior a 1,80 metro produzam quantidade extra de um hormônio relacionado ao câncer de próstata. É o que sugere o urologista americano Sthefen Freedland. Segundo ele, os grandalhões geralmente comiam bastante quando moleques, o que, mais uma vez, está relacionado a um maior risco de desenvolvimento de tumor. Segundo o dr. Ubirajara Ferreira, o professor da área de tumores urológicos da Unicamp, o câncer de próstata é alimentado por hormônio. "Para impedir que esse tipo de tumor cresça, retira-se toda a testosterona produzida pelo indivíduo durante o tratamento", diz ele. Por isso, de acordo com o urologista brasileiro, eoricamente, a produção exagerada de testosterona durante a adolescência pode ter relação com maior risco de câncer de próstata no futuro. "Mas isso não deve ser encarado como um motivo de alarde, pois não há nada comprovado", diz ele.
Conserto: Sementes secas de girassol. Elas têm muita vitamina E e selênio. De acordo com estudo publicado pelo The Journal of Nutrition (EUA), esses nutrientes podem reduzir em muito o risco de um câncer de próstata.
Fontes:Journal of Nutrition (EUA) e Universidade de Campinas (Unicamp)

Exercícios para ajudar você a evitar a temida DOR NAS COSTAS


Se você não tem dor nas costas e quer manter-se assim, siga um desses planos preventivos traçados por Michael A. Clark, presidente da National Academy of Sports Medicine. Ambos melhoram força, estabilidade e flexibilidade dos músculos mais importantes para a prevenção da dor - abdominais, glúteos e músculos da parte de baixo das costas, posterior da coxa e quadril. Realize cada rotina no início e no final dos exercícios físicos ou em dias que estiver descansando. Faça uma seqüência - com 12 a 15 repetições - de cada movimento se você está começando a praticar o levantamento de peso; 2 seqüências se já tiver experiência de um ano; e três caso já esteja fazendo tais exercícios por um longo tempo.
Alongamentos estáticos:
Panturrilhas: Fique de frente para uma parede com seus pés alternados e as mãos na parede. Mantendo seus pés fixos, incline-se para frente até sentir uma leve tensão na panturrilha. Segure por 30 segundos e então troque a posição dos pés e repita.
Parte interna da coxa: Fique com suas pernas bem esticadas de modo que seu pé esquerdo fique na frente do direito. Dobre seu joelho esquerdo e coloque suas mãos na parte esquerda do quadril. Puxe o quadril para baixo até sentir um alongamento na parte interna da coxa direita. Segure por 30 segundos e depois faça o mesmo movimento com a perna esquerda.
Parte posterior da coxa: Deite-se de costas com as pernas retas. Puxe o seu joelho direito em direção ao peito até que ele fique alinhado com seu umbigo. Depois, segure a parte de fora de sua perna com as duas mãos, deixando a perna o mais reta que puder. Quando atingir o ponto máximo, coloque o dedão do pé para baixo. Segure por 2 segundos, traga o joelho novamente para perto do peito e repita por 5 a 10 vezes.
Flexores de quadril: Ajoelhe-se sobre a perna direita, contraindo as nádegas, e suavemente mova a pélvis para frente por 30 segundos enquanto mantém o corpo ereto. Ajoelhe-se sobre a perna esquerda e repita.
Glúteos: Deite-se de costas com as pernas esticadas. Coloque a mão sobre um dos joelhos e puxe-o até o ombro do lado oposto até que você sinta um alongamento na parte dos glúteos. Mantenha-se nesta posição por 30 minutos e depois repita com a outra perna.
Latíssimo do dorso: Ajoelhe-se em frente de uma Bola Suíça. Coloque o braço direito sobre a bola e o outro no chão. Lentamente mova o braço direito para a frente até sentir uma leve tensão. Segure por 30 segundos e depois repita com o outro braço.
O aquecimento deve durar entre 5 e 7 minutos

Exercício 1
Caminhada lateral com elásticos
Amarre um tornozelo ao outro usando elásticos nos tornozelos. Fique com os joelhos um pouco dobrados e com as mãos próximas ao quadril. Contraia o abdômen e dê entre 12 e 15 passos para a direita e depois para a esquerda
Agachamento com Bola Suíça
Coloque uma Bola Suíça atrás das suas costas e contra uma parede. Com seu peso sobre a bola, abaixe o corpo devagar até que suas coxas estejam paralelas ao chão. Pare e volte para a posição inicial.
Flexões abdominais sobre a Bola Suíça
Deite-se sobre a bola com os pés no chão e os braços dobrados sobre o peito. Cabeça, ombros e costas devem estar em contato com a bola. Mova os ombros para fora da bola. Pare e mova-se para baixo lentamente.
Ponte com a Bola Suíça
Deite-se virado para cima sobre a bola com os pés no chão e a cabeça e a parte de cima das costas sobre a bola. Encolha o abdômen e erga o quadril de modo que seu corpo forme uma linha reta desde os joelhos até os ombros.
Extensão de coluna com a Bola Suíça
Coloque a bola perto de uma parede. Apóie o estômago sobre a bola; os pés contra a parede; e os dedos sobre a nuca. Mantendo o abdômen rígido, levante a parte de cima do corpo até formar uma linha reta dos calcanhares até os ombros. Pare, e lentamente retorne à posição inicial.

Exercício 2
Caminhada lateral com elásticos
Amarre um tornozelo ao outro usando elásticos nos tornozelos. Fique com os joelhos um pouco dobrados e com as mãos próximas ao quadril. Contraia o abdômen e dê entre 12 e 15 passos para a direita e depois para a esquerda
Levantamento de cabo
Coloque uma barra numa polia de nível baixa e fique com a parte de fora do seu pé esquerdo voltada para a pilha de pesos. Flexione os joelhos até ficar agachado. Fique de joelhos. Com o abdômen contraído, levante e gire o dorso, trazendo a barra para o ombro contrário. Retorne lentamente para a posição inicial. Repita com o outro lado.
Cruzando o cabo
Coloque uma barra numa polia de nível alto e fique com a parte de fora do pé esquerdo voltada para a pilha de pesos. Com os pés separados e os joelhos um pouco dobrados, estique o braço para pegar a barra. Mantendo o abdômen contraído, puxe a barra sobre puxe o cabo até o lado direito do quadril ao mesmo tempo em que gira o pé para a direita. Repita com o outro lado
Rodando o Cabo
Coloque uma barra numa polia de nível médio. Fique com a parte de fora do pé esquerdo voltada para a pilha de pesos. Estique o braço para pegar a barra. Com o abdômen e braços retos, gire o corpo para longe da pilha de pesos, movimentando também os braços. Seu pé esquerdo deve virar para a direita. Pare, e devagar retorne à posição inicial.
Fonte: Sociedade Brasileira de Ortopedia

O cigarro não está com nada. E você com certeza sabe disso. Então fumar para quê? Peça o divórcio dele de uma vez por todas. Nós temos o plano para você cortar o vício pela raiz

Parei de fumar há seis meses, depois de oito anos consumindo no mínimo um maço de cigarros por dia. A batalha contra o tabagismo foi dura, mas consegui me manter firme em meu propósito. Realizei a façanha usando apenas a força de vontade - como fazem 85% dos fumantes que decidem abandonar o vício -, sem ter de recorrer à ajuda médica nem aos remédios. E também não compensei com comida a falta do cigarro. Por isso, afirmo: se ganhei essa parada, você também consegue. Fácil não foi (quase nunca é). Durante as primeiras semanas experimentei todos os sintomas ruins de abstinência. E você acha que abandonei o vício assim na raça porque era um cara controlado? Que nada. Eu era completamente viciado. Não importava se estava doente, gripado: quando batia a vontade, acendia um cigarro e pronto. Mesmo que fosse para depois ficar tossindo absurdamente durante horas. Um pouco antes de parar, aos 22 anos, costumava dizer que o relacionamento com o cigarro tinha sido o mais duradouro da minha vida.

"Cerca de 90% dos fumantes iniciam a escalada rumo à dependência ainda na adolescência", diz o pneumologista Ciro Kirchenchtejn, chefe do Ambulatório Antitabagismo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. Comigo não foi diferente. Comecei aos 14 anos, sem saber tragar direito, mas insisti. Achava que nunca ficaria viciado, que conseguiria parar no momento em que quisesse. Quando me dei conta, já era tarde: tinha alcançado a média dos 20 cigarros por dia e meu cérebro já estava afetado pela nicotina. Isso mesmo: ninguém fica viciado logo nas primeiras tragadas. É preciso insistir para que a droga crie a dependência no cérebro.


PORQUE VOCÊ FUMA
Identifique o motivo que o leva a depender do cigarro
PRAZER O cigarro amplia suas sensações de bem-estar, por isso você sente mais vontade quando está relaxado, depois de comer e fazer sexo e quando curte a cervejinha ou o uísque.

Solução: procure desvincular o tabaco da satisfação dos sentidos. Seu olfato e seu paladar, aliás, vão ficar mais apurados.

MANIPULAÇÃO Segurar o cigarro dá segurança a você quando não sabe o que fazer com as mãos. O ritual de abrir o maço, acender o cigarro e observar a fumaça é importante para você.

Solução: brinque com um objeto, como uma bolinha de borracha, toda vez que bater a vontade de fumar.

HÁBITO Você acende o cigarro sem pensar e nem sempre o fuma até o final, porque de fato não está com vontade.

Solução: saia do automático e, a cada vez que for acender um cigarro, analise se está querendo mesmo fumá-lo.

ESTIMULAÇÃO O cigarro dá a você estímulo para iniciar uma tarefa e é seu companheiro quando se sente desanimado, desmotivado ou sobrecarregado.
Solução: você é sensível aos efeitos psíquicos da nicotina, como a sensação de bem-estar. Remédios e repositores dessa substância podem ajudá-lo a superar a dependência.

TENSÃO O cigarro é um anteparo que ajuda a amenizar a sensação de desconforto quando você está nervoso, preocupado, tenso, ansioso ou triste.
Solução: você precisa apelar para sua força interior para superar sozinho os sentimentos negativos. Recorrer aos medicamentos e à psicoterapia pode valer a pena, assim como praticar esportes e exercícios físicos, que ajudam a aliviar a ansiedade e o estresse.

Fonte: Deixar de Fumar Ficou Mais Fácil, de Jaqueline Scholz Issa (MG Editores)


Nunca me faltou informação sobre os inúmeros malefícios do hábito. E nesse ponto minha geração teve vantagem em relação às anteriores. Na época de meus pais e avós, há 20, 30 anos, dizia-se que "cigarro faz mal para o pulmão", mas nada muito além. O tabagismo ainda não era considerado doença, nem haviam sido estabelecidas as ligações diretas do fumo com mais de 50 problemas de saúde, a maior parte deles muito grave, como câncer de pulmão e de bexiga, aneurisma cerebral e infarto. Sabe-se também hoje que ele causa impotência, úlcera, trombose e envelhecimento precoce da pele. Só no 0 m dos anos 1980 houve a constatação de que o cigarro vicia mais do que cocaína ou heroína e foi descoberta a existência dos receptores que a nicotina cria no cérebro.

"Quando ativados pelo cigarro, esses receptores liberam substâncias que proporcionam sensação de bem-estar, como a dopamina e a serotonina", explica Kirchenchtejn. O condicionamento, que ocorre em pouco tempo, leva ao vício. "Quando o nível de nicotina no cérebro cai, provoca no corpo reação parecida com o estresse", explica o psiquiatra André Malbergier, do Grupo Interdisciplinar de Estudo de Álcool e Drogas da Universidade de São Paulo (USP). Só um novo cigarro devolve ao usuário a sensação de prazer. "Quem fuma 20 vezes ao dia passa por 20 crises de
estresse", diz o médico. Todo fumante tem a clara noção de que o cigarro mata, mas isso não é o suficiente para afastá-lo do vício. Eu sabia que minha pele estava com aparência envelhecida, sentia meu fôlego minguando, minhas mãos e roupas cheirando a nicotina. Via as fotos chocantes estampadas nos maços e já havia ouvido falar de várias das 70 mil pesquisas feitas nos últimos 50 anos que estabelecem a relação do vício com doenças.

VENENOS DO TABACO

Quando acende um cigarro, você manda para o pulmão mais de 4 700 substâncias tóxicas, como carbono, amônia, formaldeído, arsênico, níquel, chumbo, cádmio e agrotóxicos, segundo o Ministério da Saúde.

QUEM PÁRA ENGORDA?
Boa parte dos exfumantes ganha peso por vários motivos. "Sem a nicotina, o corpo gasta menos energia, o paladar melhora e costumase
compensar a ansiedade comendo mais ou consumindo balas e chicletes", diz a cardiologista Jaqueline Scholz Issa no livro Deixar de Fumar Ficou Mais Fácil. Veja como evitar os quilos extras.

Beba muita água: ela ajuda a eliminar a nicotina e a comer menos.

Perto da hora de deitar, tome uma xícara de chá ou um copo de leite para evitar a insônia e os assaltos à geladeira.

Troque os doces preparados com açúcar pelos dietéticos.

Substitua o leite integral pelo desnatado.

Quando sentir vontade de doce, coma uma fruta.

Não coma lendo ou assistindo TV. Seu cérebro sente dificuldade em passar a mensagem de que você está saciado.

Mantenha uma dieta balanceada, rica em frutas, verduras e legumes.

SEU ARSENAL ANTIFUMO

Convoque estes aliadospara superar o vício
REPOSITORES DE NICOTINA
Em forma de goma de mascar, adesivos e spray nasal, esses produtos liberam baixas doses de nicotina. Podem ser comprados sem receita e não precisam de acompanhamento médico.

MEDICAMENTOS
Aumentam até três vezes as chances de sucesso. Seguros e eficazes, só devem ser usados com orientação médica.

Bupropiona e nortriptilina: são antidepressivos que aliviam sintomas como ansiedade e irritabilidade e inibem a ação da nicotina no cérebro.

Vareniclina: ao mesmo tempo que reduz os sintomas da abstinência, diminui o prazer associado a cada tragada.

PSICOTERAPIA
Não se acanhe em procurar um médico ou grupo de apoio. Uma boa conversa com o terapeuta pode ajudá-lo a descobrir e a combater os motivos que o levam a fumar.

ACUPUNTURA
Os estudos sobre os benefícios da técnica chinesa das agulhas ainda não são conclusivos, mas quem testou garante que funciona. A técnica auricular (os pontos na orelha) alivia os sintomas da abstinência. Em geral, são necessárias uma ou duas sessões por semana.


10 PASSOS PARA PARAR DE FUMAR
Siga este guia nas primeiras semanas sem o cigarro. Seu caminho para a felicidade vai 4 car bem mais fácil.

1) Escolha a data. Espere uma fase em que esteja mais relaxado. Evite épocas de correria, como semana de provas na escola, entrega de orçamentos ou de relatórios no trabalho.

2) Tire da vista tudo que lembre cigarro. Esconda isqueiros, cinzeiros, fotos, enfim tudo que você associe com o hábito de fumar.

3) Conte para todo mundo que parou. Você assume um compromisso com seus amigos e familiares. Daí fica feio voltar atrás.

4) Tome dois copos de água sempre que bater a fissura de acender um cigarro. Além de ajudar a enganar a vontade, a água ajuda seu corpo a se desintoxicar. No máximo você vai ter de ir diversas vezes ao banheiro.

5) Resista à vontade. Lembre que o desejo de fumar costuma durar apenas um ou dois minutos. Agüente 4 rme que depois passa.

6) Evite bebidas alcoólicas. O álcool estimula a vontade de fumar em 75% dos fumantes, além de enfraquecer sua guarda.

7) Se a vontade se tornar insuportável, masque um chiclete de nicotina.

8) Peça a seus amigos para não fumarem na sua frente.

9) Faça uma lista das razões que você tem para não fumar e leve esse papel com você. Sempre que a barra pesar, dê uma lida nele.

E NÃO SE ESQUEÇA:

10) Os sintomas da abstinência tendem a desaparecer após quatro semanas, em média. Agüentou um mês? Então já ganhou a parada.

Mas de alguma forma os riscos pareciam estar num futuro tão distante quan- to improvável. "O ser humano tem a tendência de não se preocupar muito com o que pode acontecer a longo prazo. O fumante tem que perceber o quanto está arriscando a saúde naquele momento", diz o psiquiatra André Malbergier. Ansiedade, tontura, dor de cabeça, irritação, insônia, desânimo e dificuldade de concentração são os inimigos que você pode ter de enfrentar quando parar. Mas nem todo mundo experimenta esses sintomas: tudo depende de quão dependente seu cérebro está. Eu passei por quase todos. "A pior parte são os primeiros dias, depois o corpo começa a se curar, e a partir daí você só precisa se manter longe do cigarro", a0 rma o pneumologista Ciro Kirchenchtejn. Eu me orgulho também de ter superado o vício sem me empanturrar de comida ou chocolate. A maioria das pessoas que param de fumar engorda (em média, 5 quilos). Eu, ainda bem, consegui resistir às tentações e quase não ganhei peso extra.

Seis meses depois do fim do meu relacionamento com o cigarro, superei o período de abstinência, mas não o desejo de dar uma tragada. Confesso que ainda hoje sinto vontade de fumar, apesar de em menor grau. Nesses seis meses, algumas vezes sonhei que estava fumando (e isso acontece com muita gente). Fora do mundo dos sonhos, vivo muito bem sem meu antigo companheiro. Tenho a consciência, porém, de que uma única tragada pode pôr todo o esforço a perder. "O ex-fumante continua com os mesmos receptores de nicotina no cérebro. Eles 0 cam adormecidos, mas ao menor estímulo despertam novamente", explica a cardiologista Jaqueline Scholz Issa, coordenadora do Ambulatório Antitabagismo do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da USP, autora do livro Deixar de Fumar Ficou Mais Fácil (MG Editores). Pare agora mesmo. Tenho certeza de que você vai se sentir muito, muito melhor, como eu me sinto. Minhas roupas voltaram a cheirar bem. Minha resistência a doenças melhorou. Tenho feito mais exercícios e me sinto muito mais disposto. E o melhor mesmo é que tenho o maior orgulho de poder dizer: "Não, obrigado, eu não fumo".

RESISTA À TENTAÇÃO
Táticas para você enfrentar os momentos de desespero por um cigarro, segundo a cardiologista Jaqueline Scholz
GATILHO....
...ESCUDO
Ansiedade no trabalho... - Ocupe as mãos, brinque com uma caneta
- Deixe uma garrafa d´água na mesa
e beba durante o dia
Ansiedade em casa... - Beba água
- Coma uma fruta ou um iogurte
- Tome um banho
- Ocupe a mente para passar o tempo
- Procure alguém para conversar, telefone
para um amigo ou saia de casa: a solidão
é amiga do cigarro
- Faça exercícios. A atividade física reduz o estresse
Cafezinho.... - Reduza o consumo a uma ou duas xícaras por dia
- Troque por chá (erva-cidreira, camomila ou melissa)
Festas.... - Não consuma bebida alcoólica
- Saia de perto de quem fuma
- Nos primeiros dias, não vá a bares ou baladas.
Dirigindo.... - Tire o cinzeiro usado do carro
- Coloque um sachê com aroma
- Peça que não fumem no seu carro
Depois do sexo... - Chupe uma bala ou mastigue um chiclete
- Desconecte o prazer pós-orgasmo do cigarro
Depois das refeições... - Levante rápido da mesa
- Escove logo os dentes


PROCURE APOIO

Informe-se sobre grupos antitabagistas na secretaria de saúde da sua cidade ou consulte seu plano de saúde. Hospitais universitários costumam oferecer tratamento gratuito.

Ambulatório Antitabagismo do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da USP. www.deixardefumar.com.br

Ambulatório Antitabagismo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo. www.haoc.com.br

Centro de Tabagismo do Hospital Beneficência Portuguesa, de São Paulo. www.helpfumo.com.br

Instituto Nacional do Câncer. www.inca.gov.br/tabagismo/

Fonte: INCA

COMBINAR ALIMENTOS MULTIPLICA BENEFÍCIOS

Aquilo que surgiu numa conversa banal em uma festinha acabou virando uma revelação - e não foi nada relativo a quem está transando com quem. Tudo começou há seis anos, quando Allan Conney e George C. Wagner, cientistas da Universidade Rutgers (EUA), batiam papo descompromissadamente. Ambos pesquisavam os benefícios da cafeína para a saúde, mas sob diferentes ângulos. "Eu investigava seus efeitos no mal de Parkinson", diz Wagner. "Já Conney estava interessado na possível proteção Dessa conversa, os dois decidiram unir seus conhecimentos. Resultado: a surpreendente descoberta de que a combinação de cafeína e exercícios pode proteger você do câncer de pele. Essa é uma das cinco duplas dinâmicas que você verá a seguir. Cada uma delas - fruto da simples soma de seus nutrientes - pode multiplicar os benefícios para a saúde.
Peixe + brócolis
>> O Benefício:com essa mistura, você pode dar um soco duplo no câncer.
>> A Ciência:truta e atum contêm selênio, mineral que aumenta os níveis de tioredoxina redutase (TR-1), uma enzima que tem forte atuação contra o câncer. Brócolis, por sua vez, são ricos em sulforafane, composto fitoquímico que potencializa a ação da TR-1. Quando pesquisadores britânicos combinaram esses dois nutrientes, eles notaram que essa parceria foi 13 vezes mais efetiva na desaceleração do crescimento das células cancerosas do que cada um deles individualmente. Os cientistas acreditam que, como a concentração de selênio aumenta nas células, a capacidade do sulforafane de elevar a TR-1 também aumenta.
>> Conselho de amigo:coma carne com vegetais regularmente. Não só peixe como carne vermelha, peito de peru, castanha-dopará e cogumelos são excelentes fontes de selênio. E vegetais como brócolis, couve-flor, couve-de-bruxelas e repolho estão carregados de sulforafane.




Consumidos juntos, certos alimentos ficam mais saudáveis.
Um potencializa o efeito do outro


Molho de tomate + Abacate
>> O Benefício:sua idéia de comida saudável está prestes a ficar mais saborosa.

>> A Ciência:vegetais brilhantes e de colorido vivo - como os usados nas saladas, no vinagrete e nos molhos de tomate - são ricos em carotenóides, pigmentos vegetais que reduzem o risco de câncer, doenças cardíacas e catarata. Mas agora um quase segredo: para obter o benefício completo desses combatentes de doenças, você precisa ingeri-los com gordura. De fato, pesquisadores da Universidade do Estado de Ohio (EUA) descobriram que pessoas que comem salada coberta com meio abacate absorvem de cinco a dez vezes mais betacaroteno e luteína - carotenóides encontrados na cenoura e no espinafre respectivamente - do que aquelas que consomem a salada sem a gordura da fruta. Da mesma forma, comer abacate com molho de tomate ou vinagrete potencializa em até cinco vezes a absorção de licopeno, carotenóide do tomate que protege a próstata. "Ácidos graxos são necessários para ajudar os carotenóides a se dissolver no intestino", diz o coordenador do estudo, Steve Schwartz. "Esses lipídios são também essenciais na formação de lipoproteínas, que transportam os carotenóides para a corrente sanguínea."
>> Conselho de amigo:a qualquer hora que saborear um pratão de vegetais coloridos, sejam crus ou cozidos, acrescente um pouco de gordura. Mas não precisa ser só a do abacate. Cerca de 50 gramas de queijo, um pouquinho de manteiga ou um fio de azeite de oliva têm o mesmo efeito, segundo Schwartz.






Amendoim + Cerveja

>> O Benefício:essa dupla que você saboreia em qualquer boteco pode diminuir o risco de um ataque cardíaco.

>> A Ciência:vários estudos têm mostrado que as sementes oleaginosas (como amendoim, nozes e castanha de caju) aumentam o nível de HDL, o bom colesterol, enquanto reduzem o "vilão" LDL. Já o álcool age como excelente "limpador" do sangue, prevenindo a formação de placas que podem bloquear seu : uxo para o coração. Mas pesquisadores suecos descobriram que a gordura e as fibras das nozes diminuem a absorção do álcool pela corrente sangüínea. Isso pode amenizar os efeitos do consumo de bebidas alcoólicas. Para obter melhores resultados, experimente comer oleaginosas cerca de 15 minutos antes do primeiro copo.

>> Conselho de amigo:moderação. Até 75 gramas de castanhas (cheias de calorias) e um ou dois copos de cerveja ou vinho por dia são suficientes para reduzir seu risco de doença cardíaca sem pesar na balança.




Alho + Erva-doce
>> O Benefício:esses alimentos combatem doenças, mas em combinação dispensam a bala de hortelã após a refeição.

>> A Ciência:tanto o alho quanto a erva-doce contêm compostos ativos que ajudam a prevenir o câncer, segundo pesquisadores da Universidade do Texas (EUA). De fato, como atacam o câncer de formas diferentes, se complementam. O componente ativo na ervadoce, o anetol, tem ainda outro benefício: ajuda a neutralizar o bafo de alho. Estudiosos japoneses descobriram que essa substância estimula a produção de saliva. Ela também inibe o crescimento de micróbios e elimina compostos liberados pelo alho que provocam o mau hálito.






Cafeína + Exercícios
>> O Benefício:uma corrida diária até a padaria para um café pode salvar sua pele.
>> A Ciência:pesquisadores da Universidade Rutgers descobriram que, quando ratos queimados de sol bebem muita água cafeinada e sobem para correr na roda giratória, o risco de desenvolverem câncer de pele despenca. Tanto a cafeína como o estímulo cardíaco levam as células danificadas da pele a se autodestruir antes de se tornarem cancerosas. E, quando os dois estão associados, esse efeito não é apenas cumulativo, é exponencial. O ponto em questão: os roedores que beberam e correram tiveram um terço de células danificadas em relação àqueles que só correram ou só beberam.
>> Conselho de amigo:para sentir os mesmos efeitos em você, procure beber uma ou duas xícaras de café após a sessão de exercícios, recomendam os cientistas.


LIGAÇÕES PERIGOSAS
POR OUTRO LADO, ALGUNS NUTRIENTES PERDEM A FORÇA QUANDO ASSOCIADOS
Alguns casais não deveriam . car juntos, pois acabam se anulando, como o cálcio (importante para a resistência de ossos e dentes) e o ferro (fundamental para formar os glóbulos vermelhos do sangue e transportar oxigênio a todas as células do corpo). Cynthia Antonaccio, nutricionista da consultoria Equilibrium, recomenda o divórcio de:


Café com leite
A dupla mais popular do café-da-manhã acaba sendo bem fraquinha. A cafeína prejudica a absorção do cálcio presente no leite. Da mesma forma, o aproveitamento da caseína, uma proteína do leite, também . ca comprometido pela presença dos taninos do café.

Leite e carne vermelha
A religião judaica condena essa combinação. E esse preceito religioso tem sua razão científica na hora em que os dois alimentos chegam até o trato digestivo. O cálcio do leite prejudica a absorção do ferro da carne, e vice-versa.


Espinafre e carne vermelha
Nas folhas escuras, que são ricas em ferro, esse mineral apresenta uma variação (Fe2) de baixa absorção pelo organismo. No caso do espinafre, seu ácido oxálico chega a inibir a absorção do ferro (Fe3) da carne vermelha, de melhor aproveitamento pelo corpo.