Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

QUANTO MAIS INTELIGENTE E EDUCADA,MAIOR O TEMPO DE VIDA DA PESSOA

Quanto mais inteligente e educada é uma pessoa, muito mais tempo ela será capaz de viver, segundo evidenciam dados estatísticos de diferentes países sobre a expectativa de vida. Como está comprovado que o número de pessoas inteligentes no mundo está aumentando, conclui-se que há na Terra uma tendência de aumento do tempo médio de vida humana. OK, o ser humano não poderá viver sempre, mas é realista admitir a duração média de sua existência até os 120 anos. E há uma boa probabilidade de que isso ocorra ainda no atual século. Em países economicamente mais desenvolvidos, as pessoas já vivem uma média de 85 anos. E, mesmo em crise, todos os dias este número aumenta, notam estudiosos e geriatras. No final do século passado a expectativa de vida havia dobrado em comparação com o início do período – principalmente devido ao fato de que o homem aprendeu a resistir ao meio ambiente externo. Ou seja, um maior número de vidas humanas foram salvas pela tecnologia de cloração da água, pela descoberta de vacinas, antibióticos, e pelo desenvolvimento da medicina em geral. LIMITES BIOLÓGICOS DEFINIDOS Descobriu-se que já nos anos 1960—1980, em países desenvolvidos, o homem aprendeu a conviver confortavelmente com ameaças exteriores. Daí em diante, sua expectativa de vida cresceu a uma taxa média de 3 meses por ano. Mas este aumento no tempo de vida humana não pode ser infinito. Os recursos do corpo têm limites inicialmente definidos pela natureza, de acordo com a Associação Europeia de Gerontologia e Geriatria. A expectativa de vida da espécie humana é a mesma desde o surgimento da vida na Terra. Este número não mudou, do ponto de vista da teoria evolutiva, para cada espécie animal, incluindo o ser humano. Ou seja, pode-se afirmar que a nossa espécie tem um limite biológico bastante definido. E para os seres humanos, esse limite é de 110—120 anos. Alcançar o tempo máximo de vida é possível, mas difícil. Primeiro, para isso é desejável viver num país com economia desenvolvida, medicina em um nível alto e boa oferta de serviços públicos. Em outras palavras, onde prevaleça o conceito de bem-estar social e as pessoas não tenham que se preocupar com ninharias – até porque as neuroses costumam nos roubar muitos anos de vida. E em segundo lugar, é indispensável manter um estilo de vida saudável e tomar precauções especiais quanto à saúde física. JOVENS CENTENÁRIOS Entre outros meios capazes de aumentar a duração da vida, são indispensáveis a restrição calórica da comida, o uso de antioxidantes, de certas vitaminas, de bio-reguladores peptídicos e medicamentos como a metformina (medicamento para baixar a glicose). Ao manter uma abordagem abrangente, isso poderá aumentar a longevidade do organismo em 20 ou 30% – até quase um terço! Todavia, não basta apenas prolongar a vida humana, mas a sua fase ativa, para que o período que se costuma chamar de “velhice” só comece lá pelos 90 ou 100 anos, nunca antes. A introdução de novas tecnologias tornará isso possível, dizem os cientistas, como o desenvolvimento de drogas ativadoras de telomerase – uma enzima que permite às células se multiplicarem rapidamente, bem como medicamentos capazes de ativar as células-tronco da própria pessoa. INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO Mas enquanto as “pílulas contra a velhice” estão sendo testadas, os cientistas já descobriram um meio seguro de garantir uma vida longa com clareza da mente e vigor do corpo. É a educação. Já está provado que quanto mais desenvolvida é a inteligência da pessoa, mais tempo ela vive. É isso mesmo: há um padrão bem definido – pessoas mais inteligentes e mais educadas passam mais tempo entre nós, segundo foi demonstrado em muitos experimentos, em vários pontos do planeta. Exemplos estatísticos em São Petersburgo, na Rússia, mostram que há uma área onde foram alocados apartamentos para os trabalhadores de uma associação científico-industrial. Eles não são mais ricos do que os moradores da cidade na média, mas são mais inteligentes, com formação superior. E sua expectativa de vida está próxima dos habitantes de países europeus mais avançados. Além disso, nas últimas décadas foi descoberta uma tendência: cada nova geração é mais inteligente que a anterior. Em particular, os autores dos testes de medição do QI – o quociente de inteligência – se veem obrigados, a cada 10 anos, a complicar as perguntas e a elevar os padrões para o nível médio. Consequentemente, cada nova geração também irá viver mais tempo. FONTE:materiaincognita

O MISTÉRIO DO CHUPA-CABRAS

Neste espaço pretendemos divulgar e esclarecer controvérsias e dúvidas sobre o caso Chupacabras que aqui denominaremos Intruso Esporádico Agressivo (I.E.A.). Nosso trabalho iniciou-se em 1997 e de lá para cá, procuramos desenvolver pesquisas no intuito de esclarecer o fenômeno em todas as suas facetas. O que você lerá agora é um pequeno resumo de uma obra publicada intitulada “OLHOS DE DRAGÃO – ”, e que estará a disposição dos interessados diretamente com o autor. Vários pesquisadores brasileiros se envolveram na pesquisa e muitos serão citados. Criadores de animais perderam todo o seu rebanho. Como os senhores poderão notar a censura e a omissão (bem como a desinformação e a difamação) sobre o assunto vem se verificando com êxito, até agora.... CHUPACABRAS - BRASIL O polêmico fenômeno Chupacabras vem repercutindo novamente na mídia. Predador fugidio e misterioso e de morfologia incomum, agente de ataques insólitos a animais de criação, caracteriza-se pelo silêncio absurdo de seus violentos ataques, pela intrigante capacidade e habilidade seletivas, e pelas marcas de perfurações precisas e cirúrgicas, sem mastigação, encontradas nos animais vitimados, donde é-lhes extraído sangue ou órgãos internos. Para situar o leitor na fenomenologia a seguir, tentarei reproduzir os eventos ocorridos em regiões do Brasil, nos anos de 1997 a 2000. A INVESTIGAÇÃO Nossa pesquisa iniciou-se a partir de quatro ataques de estranho predador – o qual, neste artigo, denominaremos de I.E.A. (Intruso Esporádico Agressivo) –, ocorridos na chácara Recanto dos Três, localizada na região de Campina Grande do Sul, a aproximadamente 30 quilômetros da cidade de Curitiba. O primeiro ataque ocorreu no final de janeiro de 1997, atingindo várias ovelhas que perderam bizarramente as orelhas e sofreram várias escoriações pelo corpo. Algumas morreram, outras ficaram anêmicas. No mês de fevereiro de 97, ocorreu mais um ataque. Apesar de a chácara estar completamente iluminada e com seguranças dia e noite, à espera do predador, várias ovelhas ainda apareceram inexplicavelmente atacadas. Em março de 97, na mesma chácara, mais ataques e, no mês seguinte, uma ovelha nova teve a cabeça cortada: segundo testemunhas e levantamento da pesquisa, aparentemente, os órgãos internos haviam sido espantosamente extraídos pela traquéia do pescoço e, à semelhança do fenômeno das Mutilações, não existia sequer uma marca de sangue no animal, nem qualquer outro vestígio de corte ou mordida externa. Os casos foram parar na Imprensa, e, como já se especulava sobre ataques parecidos no interior de São Paulo, em Porto Rico e no México (1995), e na Espanha (1996) e em Portugal, repórteres televisivos brasileiros relacionaram os estranhos ataques no Brasil ao famoso Chupacabras. Imediatamente, a Secretaria do Meio Ambiente de Campina Grande do Sul, a Policia Florestal, o IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e a Emater entraram no caso com a intenção de tentar esclarecer o ocorrido. Passados alguns dias, em nossas investigações pessoais, encontramos pêlos num dos sítios de ataque, os quais possivelmente poderiam ser do predador. Técnicos do Zoológico de Curitiba também encontraram, num dos sítios, o que parecia ser um bolo alimentar contendo dezoito orelhas de ovelhas. As orelhas estavam envoltas em um muco gelatinoso, levando-os a diagnosticar, a princípio, provável má ingestão por parte do animal predador. Análises posteriores foram prometidas pelas autoridades, mas nunca foram publicadas. Alguns veterinários chegaram a mencionar que as orelhas eram arrancadas por mordidas provocadas por algum tipo de cão. Tive a felicidade de encontrar uma dessas orelhas em um dos locais de ataque. Nela, percebe-se que não existem marcas de mordida e sim de incomum corte. Rastros de patas apresentando três garras, ou dedos, foram encontrados pelos técnicos do governo local, bem como por nossa equipe de pesquisadores e, devido à repercussão que o caso vinha alcançando, foi prometido um laudo oficial por parte do governo municipal para a imprensa, em um prazo de uma semana. Porém, já adiantando que as únicas hipóteses plausíveis seriam as de ataques de suçuarana (Leopardus pardalis) ou cães-selvagens (Cerdocyon thous).
Moldes em gesso de pegadas descobertas em locais de ataque. Tais pegadas não puderam ser identificadas por especialistas e são semelhantes à pegadas encontradas em locais de ataques ocorridos em outros países. Os ataques nos meses de abril e maio aumentaram em toda a região, e encontramos várias chácaras que perderam ovelhas nas mesmas circunstâncias das anteriores, sem orelhas e sem sangue. Nesta ocasião, entrevistamos o mecânico Carlos Freitas, morador em Pinhais, região metropolitana de Curitiba. Ele dirigia, por volta de 1:30h. da madrugada, seu carro-guincho, próximo ao Trevo do Atuba, a 7 quilômetros de Curitiba. Foi quando avistou uma criatura estranha alimentando-se de um cachorro no acostamento da BR 116, que vai para São Paulo. Era uma criatura de 1,20m., apresentando pêlos pretos, cabeça grande e olhos vermelhos. Possuía braços longos e três garras. Quando a criatura avistou as luzes de seu veículo, fugiu rapidamente em direção à mata próxima ao acostamento. Também encontramos um morador em Campina Grande do Sul que, em uma quinta-feira, no início de maio de 1997, quando colhia caquis em sua plantação, localizada em uma região denominada Olhos d’Água, por volta de 15:00h., avistou uma estranha criatura peluda saindo em disparada, em meio a pequenas árvores. A testemunha, com o susto, conseguiu apenas visualizar seu deslocamento incomum, como se o animal estivesse pulando muito rápido, como um canguru. Correu em sua direção para tentar visualizá-lo melhor, mas nada encontrou. Dois dias após esse incidente, começaram a ocorrer ataques a ovelhas em uma chácara nas imediações. Não menos intrigante que o predador misterioso, foram as suspeitas movimentações paralelas das autoridades envolvidas. Em 13 de maio de 1997, na chácara Vó Laís, do Sr. Carlos Meissner, a súbita visita de dois repórteres interessados nos corpos de duas ovelhas atacadas ¾ cujo singular ferimento em uma delas, na cabeça, conformava um simétrico e cirúrgico quadrado de lesão exposta ¾, foi reveladora. Após adentrarem a propriedade, inesperadamente acabaram revelando suas identidades verdadeiras, como sendo ninguém mais, senão a própria secretária Tosca Zamboni, acompanhada do médico veterinário, o Dr. Luiz Cintra. Curiosamente negando os apelos do proprietário para a realização de uma imediata necropsia (procedimento normal mais do que necessário diante daquelas circunstâncias anômalas), insistiram em adiá-la para o dia seguinte. Entretanto, durante a madrugada, o caseiro da chácara vizinha, o Sr. Reinaldo, avistara o carro da Sra. Secretária do Meio Ambiente, um fusca amarelo, estacionado em frente da Chácara Vó Laís, segundo acreditara erroneamente, então, sob o consentimento do proprietário. Na manhã seguinte, inconvenientemente, os animais foram encontrados dilacerados o suficiente para não se reconhecer mais nem a característica ferida na cabeça em uma delas. Ou muito nos enganamos, ou as pobres ovelhas foram vítimas do que se chama, em criminologia, de “queima de arquivo”... FALSOS REPÓRTERES Em 14 de maio, a Secretária do Meio Ambiente, Tosca Zamboni, promoveu uma reunião fechada, não sendo permitida a entrada da Imprensa e nem de pesquisadores locais. A única exceção foi a presença da Rede Globo local, a qual teve acesso apenas à algumas fotografias selecionadas que não comprometiam a versão oficial do caso. As mesmas foram exibidas, no dia seguinte, no jornal do meio-dia. Segundo foi noticiado, a reunião teria sido feita com os moradores locais que teriam perdido animais em suas chácaras, o que não era verdade, porque a reunião fora seletiva. Alguns moradores convidados afirmam que o intuito da mesma era, claramente, o de as autoridades tentarem convencer os proprietários das chácaras Recanto dos Três e Vó Laís de que os ataques foram realizados por cães. Pretendiam, as autoridades, encerrar o assunto por ali mesmo. O BLECAUTE Em uma terça-feira, 24 de junho de 1997, ocorreu um blecaute em Campina Grande do Sul e regiões vizinhas, exatamente quando iria ao ar uma matéria televisiva sobre o caso Chupacabras. A maioria dos moradores na região estranharam esse fato e relacionaram o blecaute a uma possível censura tentando impedir os moradores locais de assistirem às tais matérias. No dia seguinte, a mesma emissora responsável pela transmissão reprovou no ar, publicamente, o ato de censura das autoridades. Entramos em contato com o repórter Ney Inácio da Central Nacional de Televisão(CNT), o qual nos informou que a imprensa foi realmente censurada, instada a não tocar mais no assunto e encerrá-lo com a hipótese de ataque de cães. Por não concordar com a arbitrariedade da imposição, quase perdeu seu emprego na rede de televisão em que trabalhava. AVISTAMENTOS DE OVNIs Devido a relatos de freqüentes avistamentos de O.V.N.Is. na região de Campina Grande do Sul, resolvemos realizar vigílias para tentar registrar o fenômeno, e, por duas noites seguidas, em 10 e 11 de junho, filmamos um objeto aéreo não identificado em evolução sobre regiões de ataque. Não encontramos possíveis testemunhas que observaram o I.E.A. saindo desses objetos, mas achamos relevante a coincidente presença desses objetos na região e sobre áreas de ocorrência do fenômeno do predador. Uma família ali estava sendo visitada inúmeras vezes pelos O.V.N.Is. e, assustada, procurou-nos, na intenção de tentar elucidar mais esse mistério. Um galo que lhes pertencia surgira também gravemente machucado, com as lesões típicas do predador, incompatíveis com qualquer diagnose convencional. Ainda, outra chácara nas imediações perdera 12 galinhas. Algumas, ainda vivas, encontravam-se igualmente machucadas na região frontal. BLECAUTE Dia 27 de julho, entrevistamos três meninos que teriam avistado um estranho fenômeno no dia 04 de maio, em um campo de futebol da região, quando empinavam uma pipa no meio da tarde. Avistaram uma estranha névoa escura, em forma de árvore, que subia às alturas. Os três ficaram assustados e começaram a correr em direção oposta, dirigindo-se para suas casas. Dois dos meninos mais curiosos pararam um instante e olharam para trás, observando que, no interior da nuvem – mais especificamente na parte que lembrava um tronco de árvore –, havia um vulto marrom escuro, como o de um homem. Não conseguiram ver detalhes e seus olhos ardiam. Observaram ainda que a nuvem em forma de árvore baixou de altitude e voltou ao barranco. Em seguida, ouviram um som de grito desesperado de um homem, e o medo tomou-lhes conta, fazendo-os disparar finalmente em direção à suas casas, a 50 metros do local. Ao checar o caso, notei que, no lugar em que se encontrava a galinha morta descrita, relacionada por eles com algum ritual, restavam apenas algumas penas; mas não encontrei qualquer indício de velas ou de qualquer outro artefato utilizado em rituais desse tipo. É possível deduzir que a ave tenha sido mais uma vítima do predador desconhecido, o I.E.A.. Um outro fato curioso ocorrera no dia 02 de janeiro, meses antes do fato acima, por volta do meio-dia, com a Sra. Maria, avó de um dos meninos. Em entrevista conosco, afirmou que, ao esperar pelo ônibus, ouviu rosnados que lembravam um rugido de leão, deixando-a bastante assustada. Imaginou que um leão havia escapado de uma jaula, apesar de, naquela região – em Campina Grande do Sul – não existir nenhum criador de animais selvagens e nenhum circo naquela época, passando por aquela cidade. Em seguida, ouviu um som de “pisadas na água” e vislumbrou um vulto sobrevoando velozmente a região, não podendo chegar a identificá-lo. Como estava no ponto aguardando o ônibus que se dirigia a Curitiba, achou melhor pegar qualquer ônibus que a dirigisse para fora do local. Confirmando incidências recorrentes em minha pesquisa, mais um caso aponta para uma estreita relação entre o fenômeno Ufo e o I.E.A.. Em matéria da revista UFO número 63, página 19, intitulada: Seres alienígenas são comuns aos moradores da Paraíba, vemos dois casos que nos chamam a atenção. O primeiro trata-se de dois jovens, os estudantes Ramilson Siqueira e Arthur Vasconcelos, que em 20 de junho de 1979, avistaram uma criatura similar ao I.E.A.. O segundo, ocorrido em 24 de junho de 1997, aconteceu com a Sra. Maria do Carmo que presenciou um objeto que lembrava um “casco de tartaruga”. Em outra oportunidade ela confessou à equipe do Centro Paraibano de Ufologia (CPB), que avistara um objeto que “possuía a forma de uma geladeira, de dentro do qual saía uma fumaça branca. Maria do Carmo declarou ter visto um animal parecido com um cachorro surgir do interior do objeto, correndo em direção ao mato.” CAÇADA AO I.E.A. E NECRÓPSIAS No dia 07 de junho, chegando a Campina Grande do Sul, por volta de 17:00h., deparamo-nos com um caminhão de exército vazio retornando à cidade de Curitiba. Na cidade, observamos estranho movimento de veículos que, de faróis apagados, investigavam a região com pessoas portando lanternas de mão. Algumas vezes, alguns homens retiravam-se dos veículos e embrenhavam-se mato adentro, procurando alguma coisa. Perseguimos um dos veículos e encontramos seu motorista em estranha reunião no meio da rua com outros dois motoristas. Todos apresentavam corte de cabelo curto, ao estilo de policiais militares. Devido ao avistamento de uma viatura da Polícia Civil local nesta operação, decidimos procurar, mais tarde, entrevistar o delegado da região. Nos dias que se seguiram, recebemos vários telefonemas de moradores na região, informando-nos que estava ocorrendo alguma estranha operação em Campina Grande do Sul, envolvendo cientistas americanos, Exército e helicópteros. Prosseguindo a investigação, realizamos várias entrevistas com moradores locais que confirmavam movimentação fora do comum de viaturas militares, inclusive, estacionadas em frente à delegacia local. Recebemos a informação de que havia ocorrido uma caça a um animal estranho, e que este teria sido levado para aquela delegacia. Alguns moradores trabalhavam no campo e, em plena luz do dia, avistaram uma estranha criatura. Munidos de foices e de uma rede de pesca conseguiram capturar o animal vivo. Como não sabiam o que fazer, decidiram levá-lo para a delegacia, onde presumiram ser o lugar mais seguro para deixá-lo. O delegado teria mesmo convidado vários moradores para irem à delegacia contemplar a criatura, a qual esvoaçava encarcerada dentro de uma das celas. Em seguida, o delegado teria avisado ao Exército, que imediatamente se locomoveu até o local, levando dali a criatura. Advertiram a população local e o pessoal da delegacia para que não mencionassem o incidente a ninguém. Entrevistamos o ex-delegado, agora aposentado, o qual negou tudo, mas confirmou que uma viatura da Policia Civil teria sido emprestada para a Policia Militar. Seria provavelmente a mesma viatura policial que se encontrava com os faróis apagados e que conduzia homens com lanternas direcionadas para o mato, evidenciando que procuravam alguma coisa , como havíamos presenciado na noite da vigília? Em nossa pesquisa também foi observado que todos os animais atacados e mortos não apresentam odor característico de decomposição, como normalmente acontece com animais recém-mortos. Marcas de ataque, caracterizadas por três garras profundas, foram encontradas em quase todos os ataques analisados por nós. Resolvemos realizar os exames de Hemograma e Bioquímica do sangue em uma clínica veterinária particular, como garantia. Os exames constataram Anemia Aguda e Anemia Crônica nos três casos mandados à análise. Os ataques estenderam-se ao interior do Estado, e resolvemos viajar em direção a Apucarana, Maringá e regiões vizinhas para verificar outros casos. Pesquisamos, em Cambira, vários charrotes atacados, os quais se encontravam também sem as orelhas. Em Mandaguari, encontramos três ovelhas atacadas sem orelhas, e uma não sobrevivera.
INICIAM-SE CAÇADAS AO PREDADOR Trouxemos a Curitiba um dos 4 gansos que encontramos atacados em Apucarana, a fim de realizar uma necropsia e novamente verificamos a existência de pouco sangue e das características marcas de três garras no corpo da ave. Mais uma vez, não havia odor de decomposição; levando-nos à hipótese de o predador injetar, no ataque, alguma espécie de anticoagulante ou outro agente químico que suspenda temporariamente a deterioração natural do corpo da presa. Dia 18 de julho, no bairro do Boqueirão, na cidade de Curitiba, mais de 30 galinhas apareceram mortas. A proprietária achou tratar-se de ataques de cães, mas não conseguiu explicar o “silêncio” do ataque. Um dos veterinários que estava me auxiliando, realizou necropsia em várias galinhas, mas não conseguiu concluir com exatidão o que as atacou. Afirmou, porém, que as marcas encontradas eram similares às encontradas nos gansos e ovelhas observados nos ataques de Campina e Bocaiúva – PR. Em Adrianópolis, cidade localizada ao norte do estado, entramos em contato com outro veterinário que nos informou com maiores detalhes sobre ataques naquela região. Uma cabra, sete gansos e dois cães teriam sido atacados em 17 de julho. Na cabra, além da falta de sangue coagulado, o veterinário constatou que, apesar da existência de um orifício na barriga do animal, o único órgão que faltava, era o coração. No dia seguinte, conhecemos os dois cães que possivelmente foram atacados pelo I.E.A.. O macho apresentava cortes profundos e a fêmea, marcas como a de três garras, idêntica às das ovelhas, éguas, galinhas, gansos e às cabras de Porto Rico. Os dois foram encontrados machucados em uma região de milharal próxima àquela cidade. Observando o corte verifica-se que o animal atacante possui garras muito afiadas.
Depois de ter realizado as necropsias nos animais, o veterinário de Adrianópolis, foi advertido pelo delegado local de que não deveria tê-lo feito; e que deveria ter aconselhado ao proprietário dos animais para que este os enterrasse e encerrasse o assunto, pois o delegado não achava aconselhável vir à tona o assunto do Chupacabras naquela região. O proprietário da chácara que perdera os gansos e a cabra chamou-nos a atenção para o fato de que a cabra estava no curral, mas, ao ser encontrada morta, encontrava-se em um pequeno lago dentro da propriedade. Para chegar aquele local, seria necessário que o animal atacante arrastasse a cabra passando por três cercas. O que intrigava era como o animal atacado teria ido parar naquele lago distante do curral, sem deixar rastros? Outra observação do proprietário foi a de que seu cachorro, que sempre o acompanha a qualquer lugar da propriedade, desde o dia do ataque, não o acompanhava mais a certos lugares. Realizamos um teste e percebemos que seu cão realmente não se aproximava do local do ataque, aparentando visível receio. Notamos também que vários cães de outras propriedades nas cidades pesquisadas, apresentavam o mesmo comportamento. No dia 24 de julho, dirigimo-nos a Bocaiúva do Sul, para verificar um segundo ataque do I.E.A. na chácara do Sr. M., que, desta vez, perdera mais 18 gansos. O Sr. M. guardou em seu freezer o corpo de um dos gansos atacados, para que pudéssemos levá-lo ao veterinário para uma necropsia marcada para o dia seguinte. O ganso apresentava um pequeno orifício de 10 cm. em seu peito. Na parte de trás, notavam-se as marcas de garras do animal atacante e a ausência de sangue no corpo ou nas regiões afetadas. Segundo o Sr. M., todos os 38 gansos atacados em sua chácara apresentavam as mesmas marcas. Ele cria ovelhas, gado e galinhas, mas nenhum deles foi tocado, apenas essas aves. Dos quarenta gansos anteriormente pertencentes ao Sr. M., somente três sobreviveram. No dia seguinte, 25 de julho, na necropsia, percebemos de novo que a ave, do sexo feminino, não apresentava o odor característico de animal em decomposição, apesar de estar morta há quatro dias. Observou-se inicialmente que a ave teria sido atacada por garras em três regiões diferentes do corpo, duas na parte de trás e uma próxima ao pescoço. Existia um orifício de aproximadamente 10 cm. de diâmetro no peito e reparamos que a parte da pele que recobria o corte não fora extraída totalmente. Era como se conformasse uma tampa no local do orifício. Com uma pinça, o veterinário observou que o buraco era profundo, demonstrando não ter sido produzido por uma mordida comum. Abrindo o animal, não reparou qualquer falta de órgãos internos, mas encontrou apenas duas bolinhas de sangue coagulado. Retirou alguns órgãos, como o coração e o fígado, e notou que, no coração, não restava qualquer vestígio de sangue, revelando assim que havia sido retirado praticamente todo o sangue da ave. O fígado apresentava-se ligeiramente amarelado, como o das galinhas encontradas no bairro Boqueirão em Curitiba, demonstrando que, ou a ave consumia muito milho, ou era indício de alguma complicação mais séria. DEPOIMENTO MILITAR No dia 15 de julho, conhecemos um militar, o qual nos confirmou a ocorrência de uma grande operação secreta, envolvendo cientistas americanos e brasileiros, Exército, Polícia Militar, Aeronáutica, Polícia Florestal, Emater, IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e Secretaria do Meio Ambiente, que tinha como objetivo caçar a criatura. Segundo seu depoimento, depois de várias observações, em uma chácara de Campina Grande do Sul, montaram uma armadilha com uma jaula de ferro suspensa em uma árvore, armadilhas terrestres do tipo que prendem urso e, como isca, sangraram uma ovelha ainda viva. Atiradores de elite acertaram o animal, por três vezes, com dardos tranqüilizantes, os quais não surtiram efeito. Em seguida, um atirador disparou um projétil com a intenção de matar a criatura, que caiu desfalecida. Colocaram a criatura em uma caixa especialmente confeccionada para ela a qual fechava-se hermeticamente. Em um caminhão frigorífico, conduziram-na à cidade de Londrina, onde pode ser observada por alguns peritos da Universidade de lá. Dias depois, um avião civil americano desceu no aeroporto de Londrina e levou a criatura para os Estados Unidos. O militar confirmou-nos ainda a descrição do animal como sendo bípede, com 1,70m., olhos vermelhos saltados para fora. Tinha as orelhas protuberantes, voltadas para cima, o nariz chato, a boca pequena apresentando os caninos estendidos para fora; pêlo curto e escuro, lembrando o pêlo de foca. Também, escamas nas costas, com várias barbatanas verde-musgo que iam da parte de trás da cabeça até o cóccix. Possuía ainda três garras para a frente nos pés e uma pequena voltada para trás. Em sua mão, notavam-se três garras que lembravam lâminas muito afiadas, não se assemelhando a unhas. Foi assim testemunhada pelos militares e integrantes dos órgãos governamentais que participaram da operação de caça na ocasião. Com o passar do tempo encontramos outras testemunha que confirmaram a história que o agente de polícia havia-nos contado. SURGEM MAIS OVNIs No dia 03 de agosto, foi noticiado, por rádio, o fato curioso de que estavam sendo organizadas carreatas para a cidade de Adrianópolis, para observação pública de O.V.N.Is. No programa, entrevistou-se inclusive o prefeito de Adrianópolis que, ao contrário do delegado, convidava as pessoas para irem observar O.V.N.Is. na região de Ribeira, cidade vizinha que só dá acesso por balsa. Na entrevista, o prefeito também afirmava que um policial rodoviário teria visto um objeto voador não identificado em uma estrada próxima à cidade de Ribeira, no estado de São Paulo. Afirmou que várias pessoas estavam filmando e fotografando esses objetos. Curiosamente, o prefeito é bastante conhecido do delegado, o qual era o mesmo que, quando soubera do caso dos animais atacados naquela região, havia advertido o veterinário local de que este não deveria ter realizado autópsias nos animais e que o caso deveria ser encerrado o mais rápido possível, pois nem a população local e nem a imprensa deveriam tomar conhecimento do fato. Se ele não tinha interesse em que a mídia ou a população tivessem acesso ao caso, por que agora o prefeito convidava as pessoas a irem ver O.V.N.Is. na região? Poderíamos supor que seu interesse em uma movimentação de veículos de fora poderia servir para encobrir uma operação secreta de caça ao I.E.A.. Pois ele, como autoridade local, teria obrigação de realizar tal tarefa. Adrianópolis é uma pequena cidade com apenas uma rua principal e, numa operação secreta, um número razoável de veículos de fora levantaria muitas suspeitas da população local. Então, seria de grande conveniência atrair pessoas de fora, para irem àquela cidade? Ou melhor, atravessarem a cidade e dirigirem-se a Ribeira, do outro lado do rio, para verem O.V.N.Is.. Assim, a cidade não suspeitaria da movimentação de outros veículos de fora que, na verdade, estariam realizando a tal operação secreta. Uma operação idêntica à que ocorreu aqui em Campina Grande do Sul, próximo a Curitiba, no mês de maio. Como se não bastassem tantos ataques, no dia 05 de agosto daquele ano, 66 ovelhas foram mortas e 17 feridas na cidade de Ortigueira, no interior do estado do Paraná. Todas foram encontradas sem sangue, com orifícios no pescoço e bizarramente “empilhadas” no canto do aprisco. Não se encontrava sangue nem na madeira do chão do aprisco. O médico veterinário José Francisco Roncaretti, que esteve na Fazenda Vale do Sol, examinando os animais, percebeu que os orifícios assemelhavam-se a um buraco de broca. Também notou que, em suas mãos, ficou uma substância pegajosa que, a princípio, não soube identificar. Estarrecido, afirmou que, em seus 23 anos de profissão, nunca havia visto coisa parecida. Ora! Para se amontoarem os animais naquela disposição, seria necessário que o animal possuísse braços e, como cães não têm braços, fica descartada essa hipótese. Mas os veterinários da Universidade de Londrina insistiram que se tratava de ataque de cães. Outro fato curioso é o de que os animais mortos, mais tarde, foram todos queimados e não consumidos. Quem se arriscaria a comer carne de ovelha atacada por sabe-se lá o quê ? Posteriormente, na noite de 07 de agosto, foram avistados vários O.V.N.Is. na região de Bocaiúva do Sul, presenciados por vários moradores que saíam da igreja. Na mesma noite, o Sr. M. perdeu os gansos restantes e outro morador local perdera várias aves de sua propriedade. Também foram encontradas, nos sítios de ataques, várias pegadas idênticas à encontrada em um caso paulista. Em 25 de agosto de 1997, mais 23 ovelhas foram mortas em circunstâncias similares dentro do aprisco e sem sangue na Fazenda Roseira na cidade de Sertanópolis (PR), perfazendo um total de 89 ovelhas em um período de apenas 20 dias! Com a ajuda de Carlos Meissner, morador da região, construímos uma armadilha confeccionada com ferro. Como isca utilizamos dois patos (foto 12). Também conseguimos utilizar uma minicâmera infravermelha que, esperávamos, proporcionar-nos-ia imagens do I.E.A. atacando suas vítimas (foto13). Alguns dias aguardando, recebemos o telefonema do proprietário da chácara onde instalamos a armadilha, informando que esta havia sido disparada, mas que, infelizmente, fosse o que fosse que havia entrado, saiu com certa facilidade. Arrebentou os ferros e fugiu com uma das presas. Pelo menos conseguimos mais uma amostragem de pêlos. Apesar de utilizarmos a câmera que ficava constantemente filmando algumas galinhas, nada conseguimos de conclusivo, a não ser a inquietante desconfiança de que o predador desviara-se, convenientemente, do foco da câmera .
MAIS CAÇADAS Quatro dias antes, em Bocaiúva do Sul, o Sr. Edsom, caseiro de uma chácara, escutou vários tiros e foi verificar o que acontecia. Escondeu-se por detrás de uma árvore, para não levar um tiro, e ,com uma lanterna, apontou o rifle em direção a um vulto na escuridão. Deparou-se com uma estranha criatura que possuía dois enormes olhos vermelhos e uma estranha crista nas costas. Arrepiou-se todo, vacilando e deixando a criatura escapar. Independentemente do que as autoridades estavam afirmando, os moradores de regiões atacadas, assustados, realizaram perseguições e verdadeiras caçadas a um animal que sabiam não ser um cachorro, andar em duas patas com três garras, às vezes, utilizando-se das dianteiras para se apoiar. Sabiam que possuía dois olhos vermelhos que tinham capacidade de atrair suas vítimas e dentes caninos nada convidativos. Em Campina Grande do Sul, conversamos com Viviane Cintra, que nos revelou um ataque a uma galinha de sua propriedade. Segundo Viviane, a ave apresentava toda a cabeça esmigalhado e, o mais estranho, em sua opinião, o ânus parecia-lhe perfurado artificialmente, conformando um orifício cirúrgico e perfeito, anormal. Ela declarou que resolveu, por conta própria fazer uma verificação interna. Quando abriu a ave, assustou-se, pois nada encontrara em seu interior. Todos os órgãos internos haviam desaparecido. - MAIS TESTEMUNHOS DOS ATAQUES Em 1997, o Sr. Gentil Silvestre, acompanhado de mais 7 pessoas, encontrava-se na Fazenda os Coqueiros próximo ao Gerivá, região de São João da Boa Vista (SP). Súbito, avistaram uma vaca que surgiu do mato próximo à estrada. Atrás dela, vinha um “ser” descrito como o I.E.A. que, pulando feito um canguru, derrubou sua vítima e mordeu seu pescoço. As testemunhas atônitas começaram a jogar pedras na intenção de afastá-lo da vítima. Dois cães da raça Doberman atacaram-no mas ele os afastava- com um de seus braços. Um dos cães conseguiu dar-lhe uma mordida, o que aparentemente o espantou, fazendo-o desaparecer mato adentro. As testemunhas verificaram que a vaca caiu por várias vezes e encontraram um orifício em seu pescoço. Aparentemente, muito sangue havia sido drenado. Tais ataques não pertencem a nenhum predador comum. - EXPLICAÇÕES NADA ESCLARECEDORAS Na segunda-feira, dia 25 de agosto, o telejornal Hoje, da Rede Globo, noticiou que a equipe de veterinários da Universidade de Campinas (UNICAMP), chefiados pelo médico Badan Palhares, concluíram, a princípio, que o ataque realizado na cidade de Presidente Prudente (SP), tinha como responsável um cão-selvagem – também conhecido, segundo informação da equipe, pelo nome científico “Canis thous”. Um animal raro que, segundo Badan, viveria nas matas. Especulou-se que o motivo de seu aparecimento repentino teria sido ocasionado pelo desmatamento de nossas áreas florestais. Curiosamente, não foi mostrado filme, foto ou desenho deste misterioso animal. Tampouco, testemunhas oculares deles. Também não foi explicado se esse “Canis thous” que, segundo o telejornal, tratava-se do Chupacabras, seria o mesmo responsável pelos inúmeros casos de ataques que vinham ocorrendo massivamente em nosso país. Não foi explicado, ainda, por que os animais locais não faziam nenhum ruído no momento do ataque, nem por que os mesmos não reagiram em defesa de seu território, como normalmente o fazem. Desnecessário dizer que nem explicaram as características anômalas desses ataques – exaustivamente levantadas nesta pesquisa, até agora. O mais curioso, é que, até aquela data, não se sabia que, em Presidente Prudente, havia ocorrido algum tipo de ataque do gênero I.E.A.. Tão a par da fenomenologia já nos encontrávamos, que obviamente compreendemos ser, uma das intenções do Governo, a de não alarmar a população. Certamente, concluíram – ou sabiam – que os ataques cessariam repentinamente, como em outros países. Diz-nos a experiência, que a escolha da equipe do Dr. Fortunato Badan Palhares é o procedimento-padrão para casos “insolúveis” em nosso país. Aguardamos até a próxima terça-feira, quando foi prometido um laudo oficial sobre o caso. No dia 26, foi divulgado à Imprensa o laudo baseado nas análises de pêlos encontrados, oriundos dos possíveis predadores de Presidente Prudente, que emitia a seguinte conclusão:“As ovelhas foram mortas por cães-selvagens. Os peritos da Unicamp ligam o fenômeno dos ataques a animais no campo, ao desmatamento e à grande quantidade de cães vadios que circulam pelas cidades. Ao fugirem para a zona rural, adaptam-se ao novo meio, tornando-se selvagens e organizando-se em matilhas.( “Mais 23 ovelhas são mortas na região”. Folha do Paraná, p. 3, terça-feira, 26 de agosto de 1997). No dia 27 de agosto, no caderno 1, do jornal “Folha do Paraná”, encontramos a seguinte matéria, denominada “Especialista teme extinção”: “A bióloga Giselda Person, do Núcleo de Monitoração Ambiental da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), considera “precipitada” a hipótese levantada pelo perito Fortunato Badan Palhares, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), de que o animal que ataca as ovelhas seria um cachorro do mato... ela teme que os exemplares de cachorro do mato ainda existentes passem a ser caçados de forma indiscriminada, o que poderia levar à extinção da espécie”(....)“Na opinião da bióloga, a hipótese levantada por Palhares, baseada na análise de pêlos encontrados perto dos animais mortos, é “pouco consistente”. Em sua opinião, o fato desses vestígios terem sido achados nos locais onde ocorreram as mortes, não basta para concluir que as vítimas tenham sido atacadas pelo cachorro do mato. “Esse animal pode até ter sido atraído pelo cheiro dos animais mortos, mas isso não significa que tenha conseguido atacá-los”.(“Especialista teme extinção”. Folha do Paraná. Caderno 1, p. 8, quarta-feira, dia 27 de agosto de 1997). Na mesma página, vemos, em outra manchete, a opinião da bióloga Kátia Cassaro, que endossa a opinião de Giselda: “Embora mais valentes do que o lobo-guará e capazes de enfrentar o homem, os cachorros do mato são muito pequenos para sequer tentar atacar um carneiro, geralmente não pesam mais do que um cachorro “fox-terrier”, e se alimentam de passarinhos, roedores e, no auge da fome, são capazes de atacar um galinheiro”, explica a bióloga. Para ela, o nome em inglês do cachorro do mato já dá uma idéia de suas limitações, “crab-eating fox”, isto é, raposa comedora de caranguejos. Para Kátia, é inocente o “Cerdocyon thous”, nome científico do cachorro do mato, porque os primeiros ataques foram registrados no México e em Porto Rico, onde a espécie não ocorre, pois sua distribuição vai do Uruguai à Venezuela e Colômbia. O que é mais suspeito, de acordo com a bióloga, é a afirmação de que o animal chupa o sangue das vítimas, pois nenhum predador faz isso, nem mesmo o morcego, que simplesmente lambe a ferida por onde escorre o sangue.(“Biólogos do Zôo de São Paulo acham que felino mata ovelhas”. Folha Paraná. Caderno 1, p.8, quarta-feira, 27 de agosto de 1997). De posse de toda informação coletada por nós, e agora passada ao leitor também, é-nos de fácil dedução que o intuito de tal laudo oficial tinha, como objetivo maior, encerrar o assunto perante a imprensa e a curiosidade pública que, àquelas alturas, já se encontrava alarmada. Esse tipo de manobra de acobertamento já foi utilizada por várias vezes, os pesquisadores o sabem. Finalmente, pesquisando em literatura especializada, não encontrei o termo científico “canis thous”, mas apenas referências ao “Cerdocyon thous”, também conhecido como cão-selvagem. Aparentemente, para a ciência, “Canis Thous” não existe. A opinião pública, mais uma vez, “caiu como um patinho” nas garras da desinformação. CASOS MAIS RECENTES Wallacy Albino, na época, pertencente ao GUG (Grupo Ufológico do Guarujá) enviou-me um recorte de um jornal da Bahia, 17 de maio de 1998, quando esteve naquela cidade em férias. Observando que se tratava de casos de ataques similares aos ocorridos em 1997, narrados neste artigo, entrei em contato com o pesquisador Emanuel Paranhos, que preside o SEULF (Sociedade de Estudos Ufológicos de Lauro de Freitas), em Feira de Santana (BA). Em vários contatos telefônicos, tomei conhecimento de inúmeros casos recentes de ataques a animais da região, precedidos de avistamentos de O.V.N.Is., mas que, até o momento, não testemunhavam o predador. Apesar disso, os ataques são similares, em gênero e número, ao que vinha ocorrendo aqui no Sul do país. Na maioria das propriedades onde ocorreram casos de ataques, novamente os cães de guarda não fizeram qualquer ruído. O jornal A Tarde de Feira de Santana (BA) praticamente cobriu todos os casos daquela região. O CHUPACABRAS VOLTA A ATACAR Aparentemente, o I.E.A. retornou. O “Estado de São Paulo” publicou um novo caso envolvendo a morte de 9 porcos, em 24 de maio de 1999, em um sítio de Araçoiaba da Serra, na região de Sorocaba (SP). O caseiro do sítio, Valdelei dos Santos e sua esposa, avistaram, levantando do chão, por volta de 2h. da madrugada, duas luzes no céu. Em seguida, verificaram que um dos porcos estava morto com várias perfurações. No dia seguinte, encontraram o restante dos porcos espalhados pelo terreno até 150 metros do local. Estranharam que não havia rastros de locomoção, marcas de pegadas e que a porteira onde encontravam-se, originalmente, estava trancada a cadeado. O proprietário tomou o cuidado de abrir alguns porcos, mas encontrou sangue em pouca quantidade. Estranhou em demasia, pois esse tipo de animal costuma conter muito sangue. Em 1998, já havia ocorrido um caso semelhante naquela propriedade com uma cachorra que apresentava três perfurações no pescoço. Na ocasião, a caseira também lembra-se de ter avistado luzes no céu.(“‘Chupa-cabra extraterrestre’ ataca 9 porcos”. O Estado de São Paulo. 26 de maio de 1999). Na última semana de maio de 1999, o I.E.A. retornou ao Paraná. Desta feita em uma pequena chácara localizada no bairro da Cidade Industrial em Curitiba (PR). As vítimas foram várias cabras apresentando três orifícios no pescoço. Dia 02 de junho de 1999, a mesma chácara perdeu mais 4 gansos nas mesmas circunstâncias. Aqui, novamente, os cães permaneceram silenciosos à aproximação do I.E.A.. Na madrugada do dia 04 de junho, o Sitio Torú, de propriedade da Sra. Maria Aparecida Mendes, localizado no Bairro Taquaral, em Mairinque, região de Sorocaba (SP), perdeu 40 aves entre patos e gansos. Todos apresentavam dois a três orifícios e falta de sangue. Os dois cães de guarda não latiram e estavam assustados. Sincrônicamente, estamos passando por algumas pequenas Ondas de O.V.N.Is. no Paraná (mais especificamente, em Curitiba), em Santa Catarina (Joinville) e em São Paulo. Agora, no ano de 2000, soubemos pelo grupo ufológico paulista GEONI que mais dois casos recentes ocorreram em cidades do interior paulista. Ovelhas e galinhas, foram vítimas. Antes porém, tomamos conhecimento, que ocorreram vários casos de ataques suspeitos do predador, no Chile e na Argentina, precedidos pelos estados brasileiros de Rio Grande do Sul e Santa Catarina. No dia 07 de setembro em Campina Grande do Sul (PR), mais uma ovelha fora vítima do predador. Desta feita, fora-lhe retirado além do sangue, a língua e o coração. Quando entrevistamos o proprietário, soubemos que ele já perdera em circunstâncias similares, na semana anterior, mais duas ovelhas. Novamente estão sendo acusados pelos novos ataques, animais predadores comuns. OLHAR HIPNÓTICO O silêncio que se apresenta nos ataques e a aparente facilidade com a qual o I.E.A. ataca suas vítimas, atribui-se ao seu olhar hipnótico, descrito por algumas testemunhas. Seus olhos vermelhos, por alguma razão, exercem uma forte influência sobre quem os observa, forçando-lhes uma certa atração desconhecida. Sabemos que para se hipnotizar um ser humano existe certa dificuldade, pois temos força de vontade, cuja resistência impõe obstáculos a uma indução hipnótica sobre nós, mas não sobre os animais, que não a possuem. Em depoimento ao jornal curitibano Tribuna do Paraná, de 04 de julho de 1997, dois motoristas – o Sr. Jaime Flores e o Sr. Lauri Alves de Oliveira, da empresa Pluma – afirmaram que, ao consertarem o ônibus que apresentava problemas na estrada, próximo ao trevo de Irati – aproximadamente 178 km. de Curitiba – avistaram um animal bípede (similar às descrições anteriores) atravessando a estrada. Ao olharem para “ele”, sentiram-se atraídos. E só não foram em sua direção, porque ficaram assustados. A força de vontade deles se sobrepôs a do predador (“Chupa-cabras passeava na estrada” – Tribuna do Paraná – p.08 – Sexta-feira, 04 de Julho de 1997). Não podemos esquecer também que alienígenas já nos demonstraram inúmeras vezes que hipnose e mesmerismo são o seu forte, quando se tratando de abduções. ESTATÍSTICAS O Intruso Esporádico Agressivo, já ganhou vários nomes como “Chupacabras”, “Arranca-Línguas”, e “Chupa-Sangue”, devido ao tipo de animais que ataca e o modo como são mutilados. Aqui, no Brasil, poderia muito bem ser chamado de “Chupa-ovelhas”, já que a maioria dos ataques ocorreram com ovinos, 335 no total. Sem deixar de lado também as cabras, mais de 200, e os gansos, perto de 140. Possivelmente, pesquisamos uma percentagem pequena do número total de ataques ocorridos em nosso país, visto que dependíamos de informações publicadas ou de informações de terceiros para chegarmos aos sítios de ataques. Independente dos já bem conhecidos casos da América Central, o que importa aqui é a pesquisa feita no território brasileiro. Mais especificamente, Paraná e São Paulo. No Brasil, conseguimos levantar o número total de 836 animais em 72 casos, entre os meses de Janeiro e Agosto de 1997. Desse total, a maioria eram espécimens representando o sexo feminino. Em muitos casos, observou-se que os representantes masculinos nem sequer eram tocados. Muitos, inclusive, continuaram soltos, pastando normalmente nos campos, sem serem molestados em nenhum momento. De um modo geral, a maioria dos ataques até agora conhecidos, ocorreu no mês de Julho, à noite, nas luas minguante e crescente. Quase todos perto de lagos, riachos ou rios. Segundo o boletim Espacio Compartido, na Espanha, também foi verificado que o Chupacabras “aumentava seus ataques no período de inverno.” ( Boletim “Espacio Compartido”, n. 15, p.10, Barcelona, Espanha, 1997). Nos meses de setembro, outubro e novembro, continuaram a ocorrer casos de ataques do Chupacabras, mas em proporção menor, finalizando-se no mês de dezembro, quando, no Sul, aparentemente, cessaram os ataques. Sincrônicamente as aparições de O.V.N.Is. são comuns nos locais de ataques. O número de testemunhas do I.E.A., perfazia um total de 50, até o mês de setembro de 97. Sendo que, no estado do Rio de Janeiro, foram avistados, por 3 testemunhas, 2 animais que conferem com a descrição do Chupacabras. Além do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, outros casos de ataque ocorreram também no Espírito Santo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. O cálculo estatístico dos ataques aqui apresentados é baseado nos casos de que se tem notícia. Acreditamos que os números sejam bem maiores, porque, provavelmente, ocorreram muitos outros casos de ataques que não foram divulgados. ALGUMAS CONCLUSÕES Nota-se que a ausência de sangue nos animais sugere que este seja sugado(ou “extraído”?). Procurei, em literatura especializada, animais que sugam sangue. Encontrei somente pulgas, carrapatos, piolhos, mosquitos e sanguessugas como responsáveis por tal proeza. Suçuaranas, cães selvagens, furões, jaguatiricas ou qualquer outra espécie de canino ou felino não têm capacidade de sugar o sangue de suas vítimas. No máximo, conseguem lambê-lo, como o fazem os morcegos-vampiros (Desmodus rotundus), hematófagos por excelência. Estes, por sua vez, quando atacam sua vítimas, perfuram o couro com suas presas, esperam que o sangue escorra para lambê-lo. Ou seja! Todos esses animais responsabilizados e conhecidos da Ciência Biológica nunca são dotados da capacidade de sugar sangue, como alguns veterinários o querem fazer crer. Até o momento, concluímos, hipoteticamente, que o fenômeno relaciona-se à experiências genéticas alienígenas, ou a algum tipo de animal “solto” por seres alienígenas, superiores em tecnologia, no intuito de realizarem algum tipo de experimento que, para nossa compreensão é ainda inexplicável. Devido ao seu comportamento agressivo e à sua provável limitada inteligência técnico-operacional, a qual a experiência ensinou-nos a não menosprezar, provavelmente não teria capacidade de pilotar os O.V.N.Is., mas poderia, possivelmente, ser transportado em seu interior, acompanhado por alienígenas. Em literatura especializada encontramos referências a seres alienígenas ocupando-se das mutilações, enquanto que outros seres, muito assemelhados ao I.E.A., guardam a região, possivelmente espantando curiosos indesejados. O pesquisador Luiz Ribas supõe tratar-se de seres intraterrestres (ou algum tipo de dinossauro pré-histórico remanescente), que estariam vivendo no subterrâneo de nosso Planeta, já que, em várias regiões de nosso país, onde se realizam esses ataques, existem várias cavernas ainda não totalmente conhecidas e exploradas pelo homem. Terremotos foram constatados justamente naquela época em nosso país. Outra hipótese curiosa é a do pesquisador Fernando Grossman, que fez um estudo teórico demonstrando que o I.E.A. pode ser um inseto gigante, mutante, mimético, conseqüência de experiências atômicas realizadas na década de 70, próximo a região de Porto Rico. Aqui cabe ressaltar que pesquisadores conspiracionistas poderiam supor que o I.E.A. poderia ser algo do tipo descrito por Grossman, mas perfeitamente controlado por algum Governo Oculto. (Dissertação de mestrado de Cláudio Tsuyoshi Suenaga, 1998) Curiosamente podemos notar que esse predador tem aparecido constantemente em países de língua latina o que nos deixa a pensar se não o poderia ser. Ainda, Márcia Filpo levanta a hipótese de o predador ser produto híbrido dos infames intercâmbios tecnológicos e genéticos entre sociedades alienígenas e o governo secreto paralelo da Terra. Nada improvável também, diante das inúmeras experiências obscuras nesse campo, desde o III Reich até as inescrupulosas incursões científico-militares de projetos secretos na atualidade, quem sabe, comprometendo, ainda hoje, renomadas autoridades em atividades secretas nos seus laboratórios subterrâneos . Vale ressaltar aqui, as inúmeras denúncias, no decorrer da minha pesquisa, comprometendo ilustre figura, no campo científico nacional, envolvida com experiências genéticas paralelas nesse campo obscuro da ciência secreta. Os três pesquisadores, bem como a pesquisadora Eliana Palma, participam, com suas teorias, de meu livro: “Olhos de Dragão – relatório Chupacabras”, com aproximadamente 250 páginas e que já está no prelo. O I.E.A. pode estar coletando sangue e cartilagem dos animais atacados a serviço de seres alienígenas, como também pode estar se alimentando para garantir sua própria subsistência. Sua curiosa preferência por fêmeas leva a crer que esse animal desconhecido possui um faro apurado, que lhe permite localizar sua presa pelo odor característico das fêmeas (hormônio estrógeno). Depois de análises realizadas pelos veterinários auxiliares em nossa pesquisa, de consultas a imagens e dados recolhidos e do resultado do Hemograma, conclui-se, até o momento, sobre o predador: Não se caracterizaram ataques oriundos de animais caninos ou felinos. Trata-se de vários animais. Os animais predadores em questão são dotados de comportamento e habilidade inteligentes e sobrecomuns. Os animais mutilados, mortos ou vivos, apresentam um padrão de arranhões, em número de três, demonstrando que os animais atacantes possuem três garras. As perfurações simétricas e limpas não apresentam sinais naturais de mastigação, característica de qualquer mordida de predador comum. Pela profundidade das pegadas com três dedos, deduz-se que os predadores sejam animais de médio porte, com força descomunal. Pelas imagens observadas dos animais que sobreviveram, pode-se concluir que, enquanto uma garra segura o focinho, outra corta as orelhas como uma espécie de tesoura, conformando, em alguns casos, um corte reto. Em algumas ovelhas, percebe-se que, em suas orelhas, falta-lhes apenas um pedaço, cirurgicamente extirpado. De acordo com o hemograma, a suspeita de anemia foi confirmada, pois o número de hemáceas apresenta-se abaixo do normal, atestando Anemia Aguda ou Anemia Crônica. Quanto às apreciações finais a respeito do trabalho desenvolvido pelas autoridades oficiais, registram-se aqui lacunas e imprecisões, ignorando ou fazendo-se ignorar os seguintes aspectos: O “bolo alimentar” encontrado pelos zoólogos do Zoológico de Curitiba não foi constatado, oficialmente, como sendo realmente um bolo alimentar. No dia em que foi emitido o laudo oficial do caso, não foi nem tocado nesse assunto. Não se explicou, satisfatoriamente, como os cães arrancavam as orelhas inteiras das ovelhas atacadas, nem como cortavam de maneira tão precisa, sem mastigação, como a constatada por pesquisadores. Não se explicou como os cães atacavam as ovelhas, deixando, em todas elas, marcas de uma pata com três garras em seus chanfros. Não se explicou, inclusive ignorando o fato, como que vários animais atacados não apresentaram sangue em seu corpo. Não se explicou como os animais, depois de mortos, não apresentavam odor característico, mesmo depois de vários dias ao relento. Não foi dada – oficialmente – nenhuma explicação sobre a relação com mortes de gado e que começaram a ocorrer, após as chacinas com as ovelhas. No caso específico do estado do Paraná, não foi feita análise de todos os casos ocorridos na região de Campina Grande do Sul, mas, apenas, dos ocorridos na chácara Recanto dos Três, estratégia esta, utilizada para explicar os casos paulistanos e até mesmo nacionais. Não se explicou por que todos os animais sobreviventes ficaram anêmicos, após os ataques, ocasionando a morte subsequente de grande número deles. Não foram mostradas evidências concretas de nenhum predador responsável pelas mortes, ou testemunha ocular dos ataques às ovelhas e aos outros animais. Ignorou-se qualquer hipótese de o fenômeno indicar a presença de um animal desconhecido aos padrões biológicos da Ciência Oficial. A população local não foi prevenida quanto ao perigo do consumo da carne dos animais atacados ou sobreviventes. Não foram relacionados, sob hipótese alguma, os casos ocorridos em nosso Estado com os casos que estavam ocorrendo no interior de São Paulo e de outros Estados; nem com os que, em anos passados, ocorreram no México, Espanha, Porto Rico e outros países. Ignoraram-se os relatos de testemunhas, intimidando-as quando possível, para que desmentissem ou negassem o que realmente viram. Foram omitidas informações referentes às necropsias realizadas nos animais mortos. Fazendo-se ignorar, inclusive, as fotografias obtidas por ocasião da necropsia dos animais da chácara Recanto dos Três, e testemunhadas por várias pessoas envolvidas no caso. No caso de Campina Grande do Sul, não foi explicado satisfatoriamente, pelas autoridades competentes, nenhuma das circunstâncias bizarras que envolvem os ataques, como por exemplo: o feto de uma ovelha prenhe atacada que desapareceu. Foi desrespeitada e desvalidada a opinião de pesquisadores e profissionais, não permitido acesso e divulgação de seu parecer perante a Imprensa, atestando má-fé e falta de ética profissional, por parte da parte das equipes oficiais. Não foi permitido que a imprensa local continuasse a divulgar o assunto, censurando-a e creditando o caso a ataque de “cães selvagens” ou de suçuarana. Não foi sequer mencionada a inusitada presença do Exército ou da Policia Militar nas regiões de Campina Grande do Sul e Quatro Barras, fora dos locais onde costumam exercer atividades de exercícios militares naquela região, indicando atividades paralelas das autoridades, em questão. Emitiram-se falsos laudos, obliterando provas fotográficas, testemunhais e periciais. Desviaram e doutrinaram a opinião pública – impedindo cidadãos e pesquisadores de livre acesso à verdade – acobertando investigações paralelas oficiais. Promoveram-se – secretamente – caçadas científico-militares, negando ao público ciência das atividades de um predador violento e possivelmente perigoso. Expondo assim, cidadãos a situações (ou ameaças) de risco de vida. Atualmente, estou aguardando o resultado de análises nas três amostras de pêlos que obtive nessa pesquisa. Devido a dificuldades laboratoriais enviei-as para o exterior. Observando a ação do governo, presume-se que os responsáveis pelo caso não tiveram alternativa, a partir do momento em que entraram no caso. Se deixassem o caso em aberto e sem uma solução, deixariam a população local em polvorosa, pois um misterioso predador cercava várias cidades de nosso país. Depois que foi omitido o laudo oficial oral dos representantes do governo, a população acalmou-se, mas não ficou plenamente convencida quanto ao parecer divulgado. Nenhum laudo assinado foi publicado. Muitos suspeitam de que existe mais do que foi mostrado. Alguns o aceitam, na falta de uma hipótese mais adequada, e outros teimam em aceitá-lo. Enfim não explicaram satisfatoriamente, como já foi demonstrado anteriormente, todas as implicações referentes a esses ataques. A verdade, como a conhecemos e buscamos, foi-nos omitida e inadvertidamente encoberta, não satisfazendo a verdadeira pesquisa científica como o deveria ser. Esperamos que nosso árduo trabalho, realizado a duras penas, tenha surtido algum efeito e que traga mais luz à verdadeira pesquisa científica da qual a humanidade tanto se orgulha. Se desistirmos de buscar evidências sólidas quanto aos fenômenos que envolveram Campina Grande do Sul e outras regiões do país, não iremos jamais saber o que realmente aconteceu....
FONTE:http://www.fenomenum.com.br/ufo/casos/parana/chupacabras.htm

AS GRANDES CIDADES ESTÃO MUDANDO O CLIMA DO PLANETA

Os cientistas concluíram que, nas regiões urbanas do hemisfério norte, a temperatura tem aumentado em média 0,1 grau por ano. Os especialistas afirmam que a alteração do microclima pode ser perigoso para os habitantes das cidades. Os cientistas do Scripps Institution of Oceanography estabeleceram que o chamado “efeito das ilhas urbanas de calor” tem influência na ecologia. Nas grandes cidades, o ar é aquecido pelas empresas industriais, pelos carros. Os edifícios de vidro e concreto esfriam lentamente e, como resultado, surgem zonas de concentração de calor provocadas pelo homem. Em um ano, a temperatura média no hemisfério norte aumenta 0,1 grau. Para o sistema ecológico, o perigo não é o calor em si, mas aquilo que, com ele, é levantado para a atmosfera, diz o ecologista Alexei Yablokov. “A questão não reside só no aumento da temperatura. Os grandes edifícios fazem alterar as correntes de ar. Nas cidades, o vento sopra de maneira diferente. Podem surgir fortes redemoinhos, o ar fica contaminado com poeiras. Isto é muito perigoso. Partículas muito pequenas, menores que um mícron, penetram facilmente no organismo, provocando doenças”. O nível de poluição do ar com metais pesados e outras substâncias perigosas depende em muito do planejamento da cidade. Se esta foi construída de forma muito densa e não possui avenidas para a passagem dos ventos, podem surgir zonas muito poluídas. Tal acontece, por exemplo, na capital russa, refere o diretor geral do Instituto de Economia das Cidades, Alexander Puzanov. “Em diversas alturas e em diversos regimes atmosféricos, este calor fica “estagnado” e, então, forma-se não apenas uma “ilha de calor” mas aumenta a concentração de resíduos na atmosfera. O mais perigoso é a alternação de frio e calor nas cidades que se localizam em zonas baixas. Por exemplo, em Moscou, há alguns bairros rodeados por pequenas colinas. Nesses locais, o ar frio pode manter-se parado durante bastante tempo juntamente com todas as partículas nocivas”. As grandes cidades causam, de fato, bastantes danos à ecologia das zonas onde estão localizadas. No entanto, tais danos podem ser minimizados. É suficiente construir instalações de depuração, reduzir as emissões de substâncias nocivas. Muito mais perigoso é o abate indiscriminado de florestas, diz Igor Chkradiuk, do Centro de Proteção da Natureza. Este problema não se verifica só nas cidades. “Nas pequenas aldeias, as pessoas também podem cortar todas as árvores, utilizar os solos até ao seu total esgotamento. Um exemplo é o atual Iraque, onde há 8 mil anos existia uma zona excecionalmente fértil, na qual o homem aprendeu pela primeira vez a trabalhar a terra. Agora é uma região deserta, embora houvesse poucas cidades. O importante não é o tamanho da zona urbana, mas sim fazer com que as pessoas não destruam tudo à volta apenas para o seu próprio conforto”. Tanto os cientistas norte-americanos como os investigadores consultados pela Voz da Rússia afirmam que as cidades estão de fato aquecendo o planeta. Todavia, por enquanto, o valor provocado pelo Homem representa perigo somente para os próprios habitantes das cidades. Agora se as grandes cidades continuarem a crescer e os recursos naturais continuarem a ser utilizados irracionalmente, não conseguiremos evitar uma catástrofe ecológica. Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/

E SE A ÁGUA POTÁVEL ACABAR?

As teorias mais pessimistas dizem que a água potável deve acabar logo, em 2050. Nesse ano, ninguém mais tomará banho todo dia. Chuveiro com água só duas vezes por semana. Se alguém exceder 55 litros de consumo (metade do que a ONU recomenda), seu abastecimento será interrompido. Nos mercados, não haveria carne, pois, se não há água para você, imagine para o gado. Gastam-se 43 mil litros de água para produzir 1 kg de carne. Mas não é só ela que faltará. A Região Centro-Oeste do Brasil, maior produtor de grãos da América Latina em 2012, não conseguiria manter a produção. Afinal, no País, a agricultura e a agropecuária são, hoje, as maiores consumidoras de água, com mais de 70% do uso. Faltariam arroz, feijão, soja, milho e outros grãos. A vida nas metrópoles será mais difícil. Só a Grande São Paulo consome atualmente 80,5 bilhões de litros por mês. A água que abastece a região virá de Santos, uma das grandes cidades do litoral que passarão a investir em dessalinização. O problema é que para obter 1 litro de água dessalinizada são necessários 4 litros de água do mar, a um custo de até US$ 0,90 o m³, segundo a International Desalination Association. Só São Paulo gastaria quase R$ 140 milhões em dessalinização por mês. Como resultado, a água custaria muito mais do que os R$ 3 por m³ de hoje. Mas há quem não concorde com esse cenário caótico. "A água só acaba se você acabar com o ciclo dela", diz Antônio Félix Domingues, da Agência Nacional de Águas. "Tudo é questão de custo. Com dinheiro, você pode tornar até sua urina potável." Mas, se ela acabasse, a água seria um bem disputado, motivo de guerras e de exclusão social. "Poucas pessoas teriam acesso, provavelmente as mais abastadas. A água poderia virar um elemento segregador", diz Glauco Freitas, coordenador do Programa Água para a Vida, da ONG WWF-Brasil. GUERRAS AQUÁTICAS:Em 2050, a falta d'água ditaria a política e o cotidiano Última geleira: Em 2012, a estimativa é que 68,7% da água potável disponível está em calotas polares ou geleiras. Sim, o aquecimento global facilitou o acesso a essa água. O degelo já originou rios na Índia e no Nepal, por exemplo. Mas em 2050 quase toda essa água, possivelmente, já terá virado vapor. As últimas geleiras seriam alvos de cobiça. E, para não ter que extrair água delas, uma das soluções seria... ...Secar o ar: Grandes coletores de ar, que condensam a água na atmosfera, já existem e foram testados em desertos na Índia, por exemplo. No entanto, eles teriam que ser instalados longe dos grandes centros, pois os efeitos colaterais são graves: em grande escala, causam de problemas pulmonares a desertificação. Bebendo urina: Na Estação Espacial Internacional, desde 2008 astronautas bebem água graças a um equipamento que recicla suor e urina. Em 2050, todas as casas teriam água de reúso para cozinhar e beber. A tecnologia de purificar líquidos de esgoto também deverá ser popular. Oásis alienígena: Potências espaciais como Estados Unidos, Rússia, Índia, Paquistão e China, além de empresas privadas, deverão iniciar uma nova corrida espacial. O objetivo seria buscar água em asteroides e nas calotas polares de Marte, onde haveria mais água que no solo da Lua. Potências aquíferas: Quem investir antes em dessalinização largará na frente. Hoje, na Arábia Saudita, por exemplo, 70% da água é dessalinizada. Nações sul-americanas como o Brasil também serão importantes por causa do aquífero Guarani, maior fonte de água subterrânea do mundo, que fica sob nossos pés. Mar morto: Se a dessalinização é o recurso mais viável para obter água doce, ela também gera um grande impacto ambiental. Além do gasto de energia, a dessalinização ameaça a vida marítima nas regiões costeiras, segundo a ONG WWF. O mar vai ficar sem sal - com o perdão do trocadilho. fonte:http://super.abril.com.br/

A PROFECIA DE PEDRA

Para decifrar o enigma da Grande Pirâmide de Queóps tem que dispor da chave, que é simplesmente a medida utilizada. Para os piramidólogos, a "braça sagrada" foi a unidade que presidiu a construção, e consideram que é equivalente à décima milionésima parte do raio polar da terra. Expresso em metros, a "braça sagrada" teria um comprimento de 0,635660, sensivelmente maior que a braça convencional, e por sua vez se dividia em 25 "polegadas piramidais". Temos de ter bem presente que nada teria sentido se não nos servíssemos destas magnitudes. A história do homem se inicia na entrada da siringa; em uma data que se corresponderia com o ano 4.000 antes de Cristo, o ano zero da pirâmide. A partir daqui, polegada a polegada, estão refletidas zelosamente as datas destacáveis do caminho da humanidade. Também a direção e dimensões dos corredores têm sua simbologia; assim, o primeiro tramo descendente está expressando a descida do homem, sua degradação, que encontra seu caminho de elevação no corredor ascendente. É precisamente na intersecção de corredores descendente e ascendente onde está assinalada a primeira data importante, o ano 2.513,555469 da pirâmide, que corresponde com o 4 de abril de 1486 antes de Cristo, data do êxodo de Israel. O Nascimento e a morte de Jesus Cristo A partir desse ponto começa a marcha ascendente da humanidade, como se ve, muito relacionada com os acontecimentos vividos pelo povo judeu. Seguindo o corredor ascendente, símbolo do caminho para a luz espiritual encontra outra data fundamental: está situada um pouco antes que o corredor se abra à grande galeria e corresponde ao ano 3.996 da pirâmide, o dia 15 do mês de Tisri (sábado, 4 de outubro, segundo o ano gregoriano) do ano 4 antes de nossa era; data que, segundo sustentam os piramidólogos, é a autêntica do nascimento de Jesus. A grande galeria ostenta também o nome místico de "A época do Salvador da raça humana" e se inicia no dintel (verga superior de porta ou janela) deste espaçoso corredor com a data chave do cristianismo, 7 de abril do ano 30 do calendário juliano, momento da morte de Cristo. Não deve surpreender o fato de que Jesus Cristo seja um personagem chave nesta terminologia, pois é assegurado que os antigos sacerdotes egípcios conheciam as antigas profecias sobre a vinda do Messias ao mundo e parece que em base a A Primeira Guerra Mundial: A entrada do primeiro corredor baixo corresponde ao 4-5 de agosto de 1914 inicio de turbulências na humanidade, segue-se os sinais e matematicamente encontra-se no final do corredor a data 10-11 de novembro de 1918. Entre 2001-2030 - O fim do Mundo De certo, a mensagem da Grande Pirâmide se traduz em um fim do mundo situado entre os anos 2001 e 2030, bem entendido que esse fim não é total. Provavelmente, o término de uma etapa signifique a luta de duas ideologias, algo que já está acontecendo: o defrontamento entre os que se identificam com o passado e os que situam sua meta no imediato futuro, um enfrentamento sangrento, possivelmente catastrófico, mas não definitivo. Segundo a Grande Pirâmide, após a tempestade virá a calma, a ordem, o que é o mesmo, o nascimento de um homem novo, de uma espiritualidade nova. Assim, seja. É uma profecia muito completa; mas existem outras. Vejamos. Fonte: http://www.espiritualismo.hostmach.com.br/fim_do_mundo.htm

EGÍPCIOS E OS EXTRATERRESTRES: SERIAM ALIENÍGENAS OS DEUSES EGÍPCIOS?

Quem estuda a ufologia, conseqüentemente estuda toda história da humanidade e seus povos. E qual o ufólogo que até hoje não se intrigou com os povos do antigo Egito? Quem não recorda dos feitos desta enigmática civilização? Bem, abordei alguns fatos que apontam evidências para a seguinte questão: será que os egípcios realmente descendiam de extraterrestres? E talvez, podendo-se ir mais longe, poderei eu afirmar que Zekhen (primeiro Faraó com regência no período pré-dinástico tardio), ou Aha, ou Tutankhamon (Nebkheprure), ou Keops, entre outros Reis, poderiam ser "seres vindos de outro mundo"? O Império Egípcio é marcado pelos feitos científicos, que se analisarmos hoje é absurdo para a época. Quem não fica abismado com as operações, incluindo transplantes - até mesmo de coração! – realizados pelos "doutores" locais? Como disse, naquela época esta civilização cometia com sucesso cirurgias que até pouco tempo eram consideradas arriscadas, devido à rejeição do organismo. Mas deveria haver a precariedade de instrumentos cirúrgicos. Como anestésicos deveriam recorrer a ervas e plantas medicinais, já que isso é possível. Mas aonde eram realizadas estas operações? Até hoje nunca li ou ouvi algo que dissesse a respeito. Dentro das pirâmides não acharam um ambiente que fosse propício para realização de tal, e nas próprias casas seria impossível, já que historiadores confirmam que as moradias da época e região, eram desprovidas de móveis ou algo parecido. O conforto do ambiente de dormir era proporcionado por um tipo de cama de capim, podendo-se assim descartar a possibilidade de uma pessoa sofrer uma cirurgia em sua própria morada. Nestas condições indago-me: aonde eram realizadas estas cirurgias, qual a instrumentação utilizada, e da onde vinha a sabedoria dos "doutores" para que soubessem agir da maneira correta em uma operação? (Esta última questão tem o direito de serem elaboradas, já que não dispunham de laboratórios ou locais apropriados de pesquisas). Eles acreditavam na reencarnação do espírito, e achavam que se deixassem o corpo intacto por um longo período, este poderia receber após incontáveis anos, seu espírito de volta. Para isso embalsamavam os corpos (devo destacar que somente os corpos dos Faraós e dos médicos e cientistas – na época os que faziam descobertas notáveis), os enrolando em talas embebidas em substâncias semelhantes ao formol. Para que os órgãos não apodrecessem danificando a estrutura corpórea, estes eram retirados, inclusive o cérebro, mas o crânio tinha que continuar intacto para não danificar a perfeição da face, já que cultuavam a beleza. Então eles retiravam o cérebro pelo nariz da pessoa, por um método de sucção; mas como, se este não era triturado nem liquidificado para passar pelas vias nasais?"". Já que cultuavam a beleza, por que alguns ocultavam o rosto com máscaras motivadas de cabeças de animais como pássaro, cachorro, gato, cavalo, etc.? Temiam que notassem que seus rostos eram completamente diferentes dos demais? No início da civilização egípcia não se era permitido nenhuma forma de escrita, somente depois que foram adotando desenhos para registrar as ocorrências rotineiras. A proibição da escrita vinha por ordem dos Faraós, e quem desobedecesse era castigado cruelmente. Por isso que não se tem dados registrados de como faziam certas coisas. E por que adotaram os desenhos, constituindo estes a linguagem universal? Formularam o calendário, com os meses de 30 dias, e o dia com 24 horas. Mas como poderiam ter descoberto isso apenas pela observação do sol sem o uso de nenhum objeto mecânico? Inventaram o espelho, e este felizmente é produzido até hoje, já que conseguiram "re-descobrir" suas substâncias. Existem muitas outras indagações que posso fazer, como: o que mais de tão importante, além de suas riquezas, era guardado na pirâmide junto com a tumba do Faraó, quando este falecia, que era necessário tirar a vida de todos aqueles que ajudaram de uma forma ou de outra na construção da pirâmide, ou será que realmente foi este povo tão intrigante que descobriu a energia elétrica com a junção apenas da água salobra e o cobre? (Digo isto, pois foi comprovado que os espelhos não ajudaram nas pinturas internas das pirâmides, refletindo a luz solar para que clareasse seu interior, e as pinturas não foram feitas antes da montagem dos enormes blocos de pedras). Creio que não há problema algum se eu formular minha própria teoria, de que os povos do Egito antigo eram descendentes de extraterrestres. Responderei as questões que formulei, tentando provar que minha teoria possa estar correta. Os ETs têm sua medicina avançadíssima e não recorrem a muitos aparelhos cirúrgicos, bem como os Egípcios. O lugar onde poderiam submeter às pessoas às cirurgias e transplantes seria suas naves. Alguns ocultavam suas faces sob as mascaras, para que o povo constituído pelas "pessoas comuns" não notasse a diferença talvez pela tonalidade da pele (a cútis dos Egípcios era morena) ou formatos físicos, como olhos arregalados e esticados, ausência de lábios, e diferença na formação do nariz, já que os Egípcios têm características semelhantes às dos negros, como nariz largo, além dos olhos expressivos. A utilização de desenhos era para que todos pudessem entender suas mensagens, e se formos comparar caracteres alienígenas com caracteres egípcios, poderemos notar semelhanças. O castigo mortal para aqueles que sabiam de suas tumbas dentro das pirâmides, era devido ao fato de que realmente não chegavam a falecer, e sim voltavam a seu planeta de origem; ou se realmente morressem, para ninguém descobrir que não eram "iguais aos outros". A mumificação também é praticada por ETs, só que os corpos são envoltos em uma espécie de gelatina. Já que no planeta deles há contagem de horas, dias, meses e anos, ensinaram isso ao povo que regiam. E para quem possui tecnologia incomparável à nossa, fazer água, sal e cobre, se tornarem energia elétrica é fácil! Outro dado que agora menciono é o culto ao gato. O que este animal tem para ganhar tanta atenção nesta civilização? Alguns dizem que por ser um animal de multi-vidas, no caso sete, mas considero isto pura besteira. Se analisarmos, os olhos do gato são de formato semelhante ao de um ET, e as orelhas pontudas também (É claro que me refiro a uma única e específica espécie de "extraterrestres", os denominados ALFAS cinzentos). Este animal tem uma visão multifocal tridimensional, podendo captar seres em planos que não conseguimos enxergar. Seria o gato, um animal trazido de outro mundo? Em pesquisas já puderam encontrar hieróglifos, com figuras de naves, algumas sendo cultuadas como se fossem "Deuses". Bem, acho que não há necessidade de se falar mais, mas existem inúmeros indícios de que os egípcios e os extraterrestres tinham algo em comum. Será que realmente esta civilização foi agraciada pelos ensinamentos dos "homens do espaço"? Fonte:http://www.cubbrasil.net/index.php?option=com_content&task=view&id=2307&Itemid=88

CARNE FRITA OU ASSADA AUMENTA O RISCO DE DEMÊNCIA,DIZ ESTUDO

O cozimento de carne no forno, na grelha ou em frigideira libera substâncias químicas que podem aumentar o risco de desenvolver demência, sugerem pesquisadores norte-americanos. Os chamados Produtos de Glicação Avançada (os AGE, da sigla inglesa Advanced Glycation Endproducts) têm sido associados a doenças como a diabetes tipo 2. Ratos alimentados com uma dieta rica em AGEs apresentaram acúmulo de proteínas perigosas no cérebro e tiveram a função cognitiva prejudicada. Especialistas afirmaram que os resultados são "convincentes", embora não forneçam "respostas definitivas". AGEs são formadas quando proteínas ou gorduras reagem com açúcar. Isso pode acontecer naturalmente ou durante o processo de cozimento. Pesquisadores da Icahn School of Medicine at Mount Sinai, em Nova York, testaram o efeito da AGEs em camundongos e pessoas. A experiência com animais, divulgada na publicação Proceedings of the National Academy of Sciences, mostrou que uma dieta rica em AGEs afeta a química do cérebro. Isso leva a um acúmulo de proteína defeituosa beta-amilóide - uma característica da doença de Alzheimer. Os ratos que comeram uma dieta baixa em AGEs foram capazes de impedir a produção da proteína. Por outro lado, os ratos realizaram bem menos tarefas físicas e mentais depois de dietas ricas em AGEs. Uma análise de curto prazo de pessoas com mais de 60 anos sugere uma ligação entre altos níveis de AGEs no sangue e o declínio cognitivo. Carne frita ou assada aumenta risco de demência, diz estudo BBC 25/02/201409h23 Comunicar erro Enviar por e-mail BBC De acordo com pesquisadores, qualquer carne cozida poderia aumentar o risco de demência De acordo com pesquisadores, qualquer carne cozida poderia aumentar o risco de demência O cozimento de carne no forno, na grelha ou em frigideira libera substâncias químicas que podem aumentar o risco de desenvolver demência, sugerem pesquisadores norte-americanos. Os chamados Produtos de Glicação Avançada (os AGE, da sigla inglesa Advanced Glycation Endproducts) têm sido associados a doenças como a diabetes tipo 2. Ratos alimentados com uma dieta rica em AGEs apresentaram acúmulo de proteínas perigosas no cérebro e tiveram a função cognitiva prejudicada. Especialistas afirmaram que os resultados são "convincentes", embora não forneçam "respostas definitivas". AGEs são formadas quando proteínas ou gorduras reagem com açúcar. Isso pode acontecer naturalmente ou durante o processo de cozimento. Pesquisadores da Icahn School of Medicine at Mount Sinai, em Nova York, testaram o efeito da AGEs em camundongos e pessoas. A experiência com animais, divulgada na publicação Proceedings of the National Academy of Sciences, mostrou que uma dieta rica em AGEs afeta a química do cérebro. Isso leva a um acúmulo de proteína defeituosa beta-amilóide - uma característica da doença de Alzheimer. Os ratos que comeram uma dieta baixa em AGEs foram capazes de impedir a produção da proteína. Por outro lado, os ratos realizaram bem menos tarefas físicas e mentais depois de dietas ricas em AGEs. Uma análise de curto prazo de pessoas com mais de 60 anos sugere uma ligação entre altos níveis de AGEs no sangue e o declínio cognitivo. 'Tratamento eficaz' O estudo concluiu: "Relatamos que a demência relacionada à idade pode ser causalmente associada a altos níveis de alimentos com Produtos de Glicação Avançada . "O mais importante, a redução da AGEs derivados de alimentos, é viável e pode ser uma estratégia de tratamento eficaz." Derek Hill, professor da University College London, comentou: "Os resultados são convincentes." "Como a cura para a doença de Alzheimer continua a ser uma esperança distante, os esforços para evitá-la são extremamente importantes, mas este estudo deve ser visto como incentivador à continuidade dos trabalhos de pesquisa, mesmo sem fornecer respostas definitivas." "Mas isso é motivo para otimismo - o estudo acrescenta evidências e sugere que o uso de estratégias de prevenção pode reduzir a incidência da doença de Alzheimer e outros tipos de demência na sociedade, o que poderia ter um impacto muito positivo em todos nós." Simon Ridley, da organização Alzheimer's Research UK, disse: "Diabetes havia sido previamente associada a um risco maior de demência, e este pequeno estudo fornece uma nova visão sobre alguns dos possíveis processos moleculares que podem ligar as duas condições." "É importante notar que as pessoas envolvidas neste estudo não sofrem de demência. Como o tema ainda não foi suficientemente estudado, nós ainda não sabemos como a quantidade de AGEs em nossa dieta pode afetar o nosso risco de demência." FONTE:http://noticias.bol.uol.com.br/

OS 4 MISTERIOSOS PONTOS OCEÂNICOS

Você provavelmente já ouviu falar do Triângulo das Bermudas, área oceânica famosa por fazer barcos desaparecem misteriosamente. Infelizmente, esse não é o único lugar com segredos obscuros e atividade (aparentemente) paranormal. Mais regiões das águas já passaram por situações inexplicáveis. Confira: 1 – TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
O Triângulo das Bermudas, uma região da parte ocidental do Atlântico Norte, é definido pelos seus pontos em Bermuda, Flórida e Porto Rico. A área tem uma longa reputação de misteriosamente engolir barcos, navios e até aviões. Algumas pessoas acreditam que a região contém um buraco para outra dimensão, enquanto outros dizem que a área é um local de atividade OVNI e que alienígenas estariam abduzindo os barcos perdidos. A primeira vez que o Triângulo das Bermudas atraiu atenção foi em dezembro de 1945, quando cinco aviões da marinha dos Estados Unidos desapareceram durante um exercício de treinamento. Antes de perder contato com o rádio e desaparecer em algum lugar ao largo da costa do sul da Flórida, o líder do voo teria dito: “Estamos entrando em águas brancas, nada parece familiar”. Nunca mais se ouviu falar dos 14 homens. Mesmo a aeronave de busca e resgate com 13 homens a bordo, enviada para localizar os aviões desaparecidos, também desapareceu inexplicavelmente. Desde então, o desaparecimento de embarcações na área, incluindo um navio-tanque americano transportando uma tripulação de 39 pessoas em 1963, e um navio americano com 309 tripulantes em 1918, ficaram conhecidos e o Triângulo das Bermudas virou tópico de assombração. 2 – MAR DOS SARGAÇOS
Não há costa no Mar dos Sargaços, uma região no meio do oceano Atlântico Norte cercada por correntes oceânicas. As correntes marinhas depositam plantas e lixo no Mar dos Sargaços, fazendo com que seja cheio de sargaço, um gênero de alga marrom denso e invasivo. Devido ao acúmulo de algas e ao isolamento criado pelas correntes, o mar permanece estranhamente quente e calmo, apesar de estar rodeado por águas geladas e agitadas. A estranha calma contribui para o mistério da área, já que vários navios foram encontrados à deriva, sem nenhuma tripulação, nas suas águas pacíficas. Em 1840, o navio mercante francês Rosalie navegou pelo Mar dos Sargaços e foi descoberto mais tarde com suas velas em pé, mas sem tripulantes a bordo. Em um esforço para explicar os desaparecimentos misteriosos, o folclore do século XIX dizia que as algas do mar eram carnívoras, e devoravam os marinheiros, deixando somente os navios. 3 – MAR DO DIABO,JAPÃO
O Mar do Diabo, também conhecido como “Triângulo das Bermudas do Pacífico” ou “Triângulo do Dragão”, por causa de antigas lendas sobre dragões que viviam na costa do Japão, é uma região do Pacífico em torno da ilha Miyake, ao sul de Tóquio. Durante o final de 1980, o autor Charles Berlitz escreveu o livro “O Triângulo do Dragão” sobre fenômenos paranormais que ele acreditava ter ocorrido no Mar do Diabo. Ele escreveu que o Japão perdeu cinco embarcações militares com um total de mais de 700 velejadores durante os anos entre 1952 e 1954, e que a área foi declarada oficialmente uma zona de perigo. Investigações posteriores sobre as alegações de Charles descobriram que os navios eram na verdade de pesca, alguns dos quais haviam desaparecido fora do Mar do Diabo. Além disso, os pesquisadores apontaram que, durante o período de tempo em que os navios desapareceram, centenas de barcos de pesca se perderam ao redor do Japão devido às condições meteorológicas e à pirataria – não por causa de atividade sobrenatural ou dragões míticos. Ainda assim, a reputação do Mar do Diabo como uma área perigosa permanece. 4 – TRIÂNGULO DE MICHIGAN
O Triângulo de Michigan fica no lago Michigan, cujo litoral se estende pelos estados americanos de Illinois, Michigan, Indiana e Wisconsin. Obviamente não é um ponto oceânico como diz o título do artigo. A área tem sido responsabilizada pelo desaparecimento misterioso de navios e aviões e suas tripulações inteiras. Alguns relatam que, enquanto navegavam ao longo do Triângulo, o tempo parecia ter parado, ficado mais lento ou acelerado. Em 1937, o desaparecimento do capitão George Donner criou de vez o status de lugar estranho ao Triângulo de Michigan. Durante uma entrega de carvão de rotina, Donner deu ordens para sua equipe acordá-lo quando o navio fosse chegar ao porto. Três horas depois, os marinheiros foram a sua cabine, mas Donner tinha desaparecido, apesar do fato de que a porta da cabine estava trancada por dentro. Em 1950, o voo 2501 da Northwest Airlines desapareceu enquanto voava de Seattle sobre o Triângulo de Michigan, com destino a Nova York. Com 58 pessoas a bordo, o avião sumiu no ar. Os passageiros e o avião nunca foram encontrados novamente. Fonte: Arquivodoinsolito

O NASCIMENTO DE BURACO NEGRO É TESTEMUNHADO

A quase impossibilidade da astronomia observacional nunca foi tão clara. Com astrônomos tendo registrado tantos eventos em tantos instrumentos diferentes, simplesmente apontar telescópios para as estrelas tem proporcionado retornos decrescentes. Para que continuemos avançando, precisamos nos voltar a eventos mais incomuns e até violentos do universo, a fim de conquistar dados verdadeiramente novos. Não é apenas uma questão de paciência, uma vez que a indústria do espaço não pode configurar telescópios suficientes para olhar para todos os lugares ao mesmo tempo. Com tanta coisa esperando pelo zoom certo, poderia parecer uma causa perdida tentar capturar eventos inesperados de curta duração. E, no entanto, no final do mês passado, um evento importante aconteceu em algum lugar do universo, agora denominado GRB 130427A, e uma “armada de instrumentos” em todo mundo o viu produzir uma explosão de raios gama mais poderosa do que o que muitos pesquisadores acreditavam ser teoricamente possível. Aparentemente, vimos o colapso de uma estrela gigante e o nascimento de um buraco negro, evento descrito como um “momento de pedra de Roseta” para a astronomia – em referência ao fragmento de uma coluna monolítica que permitiu que os hieróglifos egípcios fossem decifrados. Ele enviou informações que os astrônomos ainda estarão estudando por muitos anos, e, por mais que ainda seja cedo para chegar a qualquer conclusão, já existe uma excitação generalizada sobre a absoluta novidade no fenômeno. E, no entanto, o GRB 130427A só durou cerca de 80 segundos com intensidade observável. Com tanto espaço vazio de para monitorar, como é que os astrônomos conseguiram observar o evento, quanto mais documentá-lo tão profundamente? A resposta está no Novo México (EUA), nos Laboratórios Nacionais de Los Alamos, na forma de seis câmeras robóticas referidas coletivamente como RAPTOR ou RAPid Telescópios de Resposta Óptica. Os telescópios RAPTOR são interligados em rede e todos obedecem um cérebro de computador central. Entre seu hardware de computação dedicado e suas estruturas robóticas giratórias, eles podem se virar para ver qualquer ponto no céu em menos de três segundos. Como são os dispositivos mais rápidos do mundo em “resposta óptica”, os telescópios do RAPTOR têm um grande dever: ter certeza de que você não perca as coisas grandes quando elas acontecem, porque em astronomia não há segundas chances. Acredita-se que esta explosão de raios gama seria a mais brilhante das últimas décadas, talvez do século, e se os astrônomos a tivessem perdido, é bem provável que ninguém trabalhando hoje teria tido a chance de capturar uma novamente. Os aparelhos cumpriram seu objetivo. Quando um dos telescópios vê uma sinal de algo interessante, ele e os outros rapidamente se reorientam e dão zoom para capturar os pormenores. Os telescópios têm diferentes especializações – por exemplo o RAPTOR-T, que vê todos os eventos através de quatro lentes alinhadas com quatro filtros de cor diferentes. Ao olhar para as diferenças na distribuição de cor na amostra, o RAPTOR-T pode fornecer informações sobre a distância de um evento ou sobre alguns elementos do seu ambiente. No entanto, o GRB 130427A também foi visto por uma série de outros instrumentos, detectores de raios gama e telescópios de raios-X que são muito mais lentos do que o RAPTOR. Os satélites Fermi, NuSTAR e Swift, da Nasa, conseguiram ver alguma parte do evento durante o seu desenrolar, porém a maioria dos telescópios se juntou para ver o chamado arrebol do evento – uma espécie de persistência luminosa que fica no céu depois de um episódio como este. Este foi um acontecimento extremamente violento e lançou detritos ao longo de um grande raio. Todo este raio brilhou por várias horas e os astrônomos observaram quando ele desapareceu. A intensidade dos raios gama de alta energia naquele arrebol desapareceram junto com suas emissões de luz convencionais. Esse é a primeira destas ligações que os astrônomos encontraram entre raios gama e fenômenos ópticos. E é apenas o começo das descobertas que virão desta Pedra de Roseta da astronomia. Podemos esperar por uma série de atualizações emocionantes ao longo dos próximos meses, à medida que os astrônomos desvendarem as implicações de terem testemunhado o nascimento de uma singularidade sem precedentes. FONTE: HYPESCIENCE

OS 10 MISTÉRIOS INEXPLICADOS SOBRE AS ESTRELAS E PLANETAS

Apesar dos grandes avanços na ciência e tecnologia, o universo está repleto de mistérios e, muitos deles, permanecem sem resposta. Conheça aqui 10 grandes mistérios não solucionados sobre estrelas e planetas. 10. A estrela que não deveria existir
Uma estrela na constelação de Leo, chamada SDSS J102915 172927, foi descoberta por uma equipe de astrônomos europeus, em 2011. A estrela é pequena, com apenas cerca de 80% do tamanho do nosso Sol, e julga-se ter aproximadamente 13 bilhões de anos de idade. Uma vez que o universo é pensado ter aproximadamente 13,7 bilhões de anos, esta é uma das mais antigas estrelas conhecidas. Até aqui, nada particularmente incomum sobre esta estrela… exceto que, segundo todas as teorias, ela não deveria existir. A estrela é composta de 99,99993% de hidrogênio e hélio, elementos que são leves demais para condensar e formar uma estrela por si só. Quando esses números são colocados em qualquer simulação computadorizada, o resultado é sempre o mesmo: a existência da estrela é “impossível”. Os astrônomos estão intrigados sobre como uma estrela poderia ter-se formado sem a ajuda de elementos mais pesados. 9. A estrela rodeada por espirais
Localizada a 400 anos-luz da Terra, na constelação de Lupus, SAO 206462 chamou a atenção dos astrônomos em 2011. O que surpreendeu não foi a própria estrela, mas sim o que a rodeava: ela parecia ter grandes braços espirais girando em torno dela. Espirais não são objetos estranhos para os astrônomos, sendo formações comuns em galáxias como a nossa Via Láctea. No entanto, nunca foram observadas espirais em órbita de uma estrela. A causa? Ainda é um mistério – apesar de a teoria mais aceita ser a gravidade de planetas formando espirais de poeira. 8. A estrela eternamente jovem
Messier 4 é um aglomerado globular localizado a cerca de 7.200 anos-luz de distância da Terra, com uma idade calculada em 12,2 bilhões de anos. Atualmente, acredita-se que todas as galáxias eventualmente se tornam aglomerados globulares, uma vez que todo o gás e poeira utilizados para a formação de estrelas se esgota. Isso significa que todas as estrelas nesse aglomerado são esperadas serem muito antigas – nos estágios finais da sua vida útil. Ao olhar para as estrelas nesta galáxia em particular, em 2012, uma equipe de pesquisadores chilenos encontrou uma estrela rica em lítio. Embora o lítio não seja um elemento raro em estrelas, é um elemento que queima normalmente nos primeiros bilhões de anos do ciclo de vida. Como a maioria das estrelas sobreviventes neste aglomerado tem pelo menos 10 bilhões de anos, encontrar uma estrela com este elemento foi impressionante. Os cientistas pensam que a estrela pode ter encontrado uma maneira de reabastecer os seus suprimentos de lítio, que de certa forma mantém a estrela jovem. Como ela reabastece as suas fontes de lítio, no entanto, é um grande mistério. 7. As estrelas que escaparam de um buraco negro
No canto direito superior, imagem ampliada do centro da galáxia de Andrômeda mostra o que parece ser um disco de estrelas azuis próximo a um buraco negro. No canto inferior direito, uma simulação do disco junto ao buraco negro. Este mistério envolve provavelmente alguns milhões de estrelas, ao invés de apenas uma. Localizada a “apenas” 2,5 milhões de anos-luz de distância, a galáxia de Andrômeda é a galáxia espiral mais próxima da nossa. No centro desta galáxia está um buraco negro supermassivo, que funciona como um enorme aspirador de pó – tão forte que nem a luz consegue escapar dele. Em 2005, o telescópio espacial Hubble deu um zoom no núcleo da galáxia e descobriu um disco azul em forma de panqueca rodando perigosamente ao redor do buraco negro. Outras análises mostraram que aquilo não era apenas poeira quente: o brilho vinha de milhões de jovens estrelas azuis. Essas estrelas estão girando em torno do buraco negro a mais de 2,3 milhões de quilômetros por hora. Isso é rápido o suficiente para circundar a Terra no equador em apenas 40 segundos. O mistério sobre este disco de estrelas é que ele não deveria existir, dadas as forças que existem em torno de buracos negros. O gás do disco e as próprias estrelas deveriam ter sido dilacerados pela imensa gravidade do buraco negro. Como eles foram capazes de permanecer intactos numa órbita tão próxima permanece um mistério. 6. A estrela ambígua
Swift J1822.3-1606 é um tipo especial de estrela – conhecido como estrela de nêutrons – localizada a cerca de 20.000 anos-luz de distância, na constelação de Ophiuchus. Em geral, há três maneiras para uma estrela acabar a sua vida: como uma anã branca (quando ela é pequena como o nosso Sol), como uma estrela de nêutrons (quando ela é pelo menos 8 vezes mais massiva que o Sol) ou como um buraco negro (quando ela é ainda maior). Os dois últimos são formados após as maiores explosões conhecidas no universo – as supernovas. Existem dois tipos diferentes de estrelas de nêutrons: um magnetar (que tem os campos magnéticos mais fortes do universo), e um pulsar, que dispara feixes de radiação eletromagnética dos seus pólos (como um farol). Durante anos, tudo o que sabíamos sobre essas estrelas nos dizia que elas só poderiam ser de um tipo ou de outro – nunca ambos. Porém, em 2011, cientistas descobriram que a Swift tinha propriedades de ambos tipos. E eles não têm ideia de como uma estrela de nêutrons pode apresentar esses dois comportamentos. 5. O planeta que deveria ter sido engolido
Wasp 18 está a 330 anos-luz de distância, na constelação de Phoenix, e é cerca de 25% mais massiva do que o nosso Sol. Este mistério também não envolve exatamente a estrela, mas sim o que a orbita. Em 2009, cientistas descobriram que Wasb 18 tinha um planeta. Apelidado de Wasp-18b, o planeta é ligeiramente maior do que Júpiter, mas tem cerca de 10 vezes a sua massa. Ele tem apenas um pouco menos a massa necessária para ser considerado uma anã marrom – que é uma proto-estrela que não tem massa suficiente para iniciar a fusão nuclear e queimar combustível como as outras estrelas fazem. O quebra-cabeça dos astrofísicos é que o planeta orbita a estrela a menos de 2 milhões de quilómetros. Em comparação, Mercúrio (o planeta mais próximo do Sol) está a quase 36 milhões de quilômetros do Sol. Wasp 18b está tão perto de sua estrela que ele completa a sua órbita em menos de 23 horas, e a sua temperatura superficial é de cerca de 2.200º C. Estando tão perto, o planeta deveria, eventualmente, cair no seu sol. Ele já sobreviveu por cerca de 680 milhões de anos, e dada a massa da estrela que orbita, este planeta deveria ter sido consumido há muito tempo. Como um planeta foi capaz de se formar e se manter num local onde os planetas eram considerados incapazes de existir? Essa é uma questão que continua deixando os astrônomos perplexos. 4. Os planetas que sobreviveram a uma supernova
Comparação entre a distância dos planetas do nosso sistema solar em relação ao Sol e a distância dos planetas que orbitam o Pulsar, em relação à ele. O pulsar PSR B1257+12 é um remanescente de uma explosão de supernova, portanto, os cientistas nunca esperavam encontrar planetas perto dele. Mas eles descobriram um sistema solar inteiro – três planetas e um planeta-anão orbitando o pulsar. Pensando que mundos assim devem ser comuns, os cientistas começaram a procurar por outros planetas em pulsares. No entanto, apenas um outro pulsar foi confirmado ter um único planeta que o orbita, mostrando que eles são de fato extremamente raros. Como a explosão da supernova não arremessou os planetas a bilhões de quilômetros de distância (ou os destruiu)? 3. A estrela variante
Sequência de imagens da variação da estrela. V838 Monocerotis está localizada na constelação de Monoceros, a cerca de 20.000 anos-luz da Terra, e já foi considerada uma das maiores estrelas do universo. Em 2002, o brilho da estrela subiu de repente. Acreditava-se que ela era uma simples nova, que é o que acontece quando o núcleo remanescente de uma estrela morta (conhecida como anã branca) suga muito gás hidrogênio de uma estrela vizinha, causando uma explosão fantástica. A estrela apagou após algumas semanas, como o esperado. Mas menos de um mês depois, a estrela explodiu numa intensa luz novamente. Uma vez que o período de tempo entre as explosões era muito curto para ter sido causado por duas novas distintas, os astrônomos ficaram intrigados e tomaram um olhar mais atento. Foi então que eles descobriram o problema: não havia nenhuma anã branca. A estrela tinha simplesmente explodido, por si só – e repetiu este processo de intensa variação de luminosidade várias vezes ao longo dos meses seguintes. Durante a sua erupção mais intensa, a estrela tornou-se um milhão de vezes mais brilhante que o Sol, e uma das luzes mais brilhantes do céu noturno. Normalmente, as estrelas brilham intensamente um pouco antes de sua morte, mas as medições indicaram que a estrela tinha apenas alguns milhões de anos, uma simples criança em termos cósmicos. Quando o Telescópio Hubble capturou uma imagem da estrela após as erupções, uma grande nuvem de gás e detritos foi vista acelerando para longe da estrela. Uma teoria é que a estrela havia colidido com algo não visto, como uma outra estrela ou planeta, mas os cientistas ainda estão intrigados com isso, mesmo após 12 anos. 2. O planeta errante
CFBDSIR 2149–0403 é classificado como uma anã marrom. Esses corpos não conseguiram iniciar a fusão nuclear nos seus núcleos e, portanto, não conseguiram tornar-se estrelas reais. Embora caracterizada como uma estrela AB Doradus, devido ao seu tamanho e massa, muitos outros o caracterizam como um gigante de gás. Isso o tornaria um planeta sem uma estrela-mãe, algo que foi teorizado, mas nunca observado. Apenas quatro possíveis candidatos ao título de “planetas errantes” são conhecidos, o CFBDSIR 2149–0403 é o mais próximo da Terra, a cerca de 130 anos-luz. Sem uma grande estrela em órbita, o seu movimento é influenciado por outras estrelas do grupo AB Doradus. Isso não quer dizer que ele viaje através do espaço sem destino, um equívoco comum sobre planetas errantes. Contudo, esse astros ainda são um grande enigma para os astrônomos. 1. O caso da poeira desaparecida
Anel de poeira, de uma formação planetária, semelhante à que existia ao redor da TYC 8241 2652 TYC 8241 2652 está localizada a 450 anos-luz de distância, na constelação de Centauros. Acredita-se que ela tenha o mesmo tamanho do nosso Sol, mas é apenas uma criança, com 10 milhões de anos de idade. Como comparação, o Sol possui cerca de 4,5 bilhões anos de idade. De 1983 a 2008, os astrônomos analisaram um anel brilhante de poeira ao redor da estrela, visando observar o início de uma possível formação planetária, revelando novas ideias sobre a origem do nosso sistema solar. Mas quando a estrela foi submetida a uma nova observação no início de 2009, os astrônomos ficaram surpresos: quando olharam através dos seus telescópios, eles não viram nada, a não ser a própria estrela. O disco brilhante de poeira desapareceu sem deixar rastro. Ele não deixou para trás nenhum planeta, tampouco quaisquer sinais que indicassem para onde teria ido – ele simplesmente desapareceu. Os cientistas ficaram perplexos. Quando perguntado sobre isso, o astrônomo Carl Melis simplesmente declarou: “Nós não temos uma explicação realmente satisfatória para tratar o que aconteceu em torno desta estrela.” FONTE:Caixa de Pandora