Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

segunda-feira, 7 de abril de 2014

OS 10 CONCEITOS BIZARROS DA FICÇÃO CIENTÍFICA

Se a ficção científica governasse o mundo, a viagem no tempo e o teletransporte seria comum, e máquinas inteligentes humanóides e ciborgues estariam andando entre nós. Mas, qual será a probabilidade de estas e outras ideias virem a acontecer? Aqui exploramos a plausibilidade de 10 populares conceitos da ficção científica. 10. Extraterrestres que se parecem conosco
Desde os Klingons em "Star Trek" até às criaturas de olhos ovais dos contos de abduções alienígenas clássicos, muitas representações da cultura pop de extraterrestres são decididamente humanóides. Mas qual é a probabilidade da vida extraterrestre inteligente ser semelhante à humanidade? Os cientistas propuseram sólidos argumentos a favor e contra os ETs desenvolverem um plano de corpo semelhante ao nosso. À primeira vista, parece improvável que organismos de um outro mundo, que passaram por séculos de história evolutiva única possam caber confortavelmente nas nossas roupas. Mas as circunstâncias evolutivas semelhantes àqueles que nos levaram a desenvolver pernas e dedos para manipular ferramentas talvez tenham surgido em planetas alienígenas. Talvez seres bípedes com simetria bilateral seja um pré-requisito para a construção de sociedades socialmente e tecnologicamente avançadas. A este respeito, alguns pesquisadores dizem que possuímos um "design bastante ideal para um ser inteligente", disse Seth Shostak, astrónomo sénior do Instituto SETI. Pode ser que não haja outra escolha senão parecerem-se com os seres humanos, mesmo que nasçam a milhares de milhões de quilómetros de distância. 9. Viajar mais rápido que a velocidade da luz
Nada, até onde sabemos, pode viajar mais rápido que a luz, de acordo com um dos pilares da física moderna, a teoria geral da relatividade de Einstein. Considerando que, a relatividade geral diz que os objetos não podem viajar mais rápido que a velocidade da luz medida no espaço circundante local, ele não coloca limites nas velocidades em que o próprio espaço se expande ou contrai. É nesta "brecha" que alguns físicos estão pendurados na sua ideia de viajar mais rápido que a luz. A "bolha de dobra" em torno de uma nave, por exemplo, pode contrair o espaço-tempo na frente e expandir por trás. "A bolha de dobra é um volume de espaço que pode ser capaz de se mover a uma velocidade mais rápida do que a luz medida pelo espaço ao redor da bolha", disse Gerald Cleaver, professor de física na Universidade de Baylor. "Objectos dentro da bolha de dobra estariam em repouso em relação à bolha de dobra, mas também se moveria mais rápido do que a velocidade da luz no que diz respeito ao espaço em torno do lado de fora da bolha", acrescentou. 8. Super-armas capazes de destruir planetas
Na ficção científica, as super-armas com capacidade de rebentar planetas são comuns. No entanto, ainda mais aterrorizante é a capacidade de destruir uma estrela inteira. Tal ato é teoricamente possível e até mesmo em escalas de tempo não se estende a milhões de anos. "Há um esquema para mim que não parece muito plausível, mas está perto", disse Mike Zarnstorff, físico experimental de plasma e vice-diretor de pesquisa do Princeton Plasma Physics Laboratory. Um buraco negro lança-se ao sol "alimenta-se e crescer exponencialmente", disse Zarnstorff, portanto, iria "auto- impulsionar" a estrela para a sua condenação. "Um buraco negro pode sugar toda a massa do sol", concluiu. 7. Teletransporte
Cientificamente falando o teletransporte enfrenta alguns obstáculos extremos, aqueles que até mesmo o temível Montgomery Scott iria encontrar dificuldade em trabalhar. "Com o teletransporte de um objeto grande, você corre contra um conceptual 'não'", disse Sidney Perkowitz , um físico da Universidade de Emory. Até ao momento, os cientistas transportaram informação quântica, num caso entre fotões a quase 10 milhas (16 quilômetros) um do outro. Mesmo assim, como o teletransporte quântico está muito longe do teletransporte de material real ou mesmo de uma pessoa. Idéias para fazê-lo - como buracos de minhoca - permanecem totalmente especulativos e cheios de desafios. Mesmo assim, estes resultados poderiam levar a menos fantasiosas, embora ainda impressionantes tecnologias, tais como os computadores quânticos. 6. Capas de invisibilidade
No universo "Star Trek", dispositivos de camuflagem sobre romulanos e naves Klingon criam todos os tipos de pesadelos táticos aos seus inimigos humanos. Escondendo-se à vista é certamente um truque útil para uma pessoa. A ciência nos deu vislumbres, por assim dizer, de como essas tecnologias anti-detecção podem ser possíveis. Mas as capas de invisibilidade em pleno direito, como as da ficção científica e fantasia permanecem completamente afastadas da ciência. "Eu não vou chamá-lo impossível, mas é improvável que você veja algo semelhante ao encontrado em 'Harry Potter'", disse David Smith, professor de engenharia elétrica e computação da Universidade de Duke. " Isso é perfeita invisibilidade de filme - muito perfeita". No entanto, a investigação sobre renderização de objetos invisíveis tem feito evoluido nos últimos anos. Capas parciais que funcionam como camuflagem sofisticada - muito parecida com a distorção cintilante do Predator no filme de 1987 de mesmo nome - podem ser mais exequíveis, disse Smith. 5. Planetas conscientes
Até certo ponto, a Terra é um planeta vivo, com seres biológicos a nadar, rastejar e voar através de camadas superiores do nosso mundo no mar, na terra e no céu. Mas tudo isso ainda está muito longe dos planetas, literalmente vivos, conscientes, que fazem aparições em muitas histórias de ficção científica e fantasia. Considere a lua Pandora do filme "Avatar", onde a flora e a fauna evoluíram órgãos que lhes permitam interligar-se neuralmente uns aos outros. A consciênciag global de abrangência existe, com triliões de árvores interconectadas de Pandora que atuam como células de um cérebro colossal, superando os 100 mil milhões de neurônios da nossa mente. Na realidade, o desenvolvimento de um "ser" à escala planetária parece ser um tiro no escuro extremo. Com base nas químicas e comportamentos de vida e não-vida, não se deve apostar em Pandora, dizem os cientistas. "Da forma como a evolução funciona, eu não consigo ver isso a acontecer", disse Peter Ward, professor de paleontologia da Universidade de Washington. 4. Máquinas inteligentes humanóides
Em muitos contos futuristas, os nossos heróicos protagonistas são muitas vezes ajudados - e às vezes prejudicados - por máquinas inteligentes, muito mais inteligente do que um iPhone. No entanto, a pesquisa de inteligência artificial tem muito caminho a percorrer, antes que tais visões sejam realizadas. Robôs e computadores já provaram ser muito mais confiáveis e eficientes do que os seres humanos em tarefas específicas, como o trabalho de linha de montagem ou números de trituração. No entanto, as máquinas não podem lidar com uma série de atividades que nos parecem básicas, como amarrar um sapato, mantendo uma conversa. "O que aprendemos até agora de 50 a 60 anos de pesquisa IA é que superando a inteligência humana numa área muito estreita ou talvez até de uma forma orientada a tarefas - como jogar um jogo particular - tão sofisticado que seja, é muito mais fácil do que criar máquinas que possuem o que chamamos de "senso comum" de uma criança de 3 anos de idade" , disse Shlomo Zilberstein, professor de ciência da computação na Universidade de Massachusetts. Dado o ritmo de progresso, no entanto, muitos cientistas acreditam que máquinas altamente inteligentes estarão disponíveis nas próximas décadas. Mas é menos claro quando (ou se) os computadores vão conseguir "consciência" semelhante à humana em termos de auto-interesse e vontade - uma premissa muito no coração de muitas histórias de ficção científica. 3. Raios de tração
Esta ferramenta tem um papel preponderante básico na ficção científica, ao lado de lasers e viagens mais rápidas que a luz. Um raio de tração é muitas vezes visto como consistir em partículas exóticas de sonoridade e energia. Atualmente, fazer uso da luz e som para segurar e manipular objetos ao estilo de feixe de tração já é uma realidade, embora em escalas muito pequenas. Os engenheiros da NASA acham que um raio tractor como tecnologia, podem mudar para tarefas maiores, como a coleta de grandes partículas de poeira em Marte ou da cauda de um cometa. Em teoria, a melhoria contínua poderia um dia levar a raios tractores semelhantes aos que se vêm nos filmes de ficção científica. 2. Robopocalipse
Filmes de ficção científica como "O Exterminador do Futuro" e "Matrix", apontam para uma guerra da humanidade contra as máquinas que um dia irão destruir a civilização. Dado o ritmo atual de desenvolvimento tecnológico, o cenário de "Robopocalipse" parece mais rebuscado ou profético? O destino do mundo poderia inclinar em qualquer direção, dependendo de quem você perguntar. Enquanto os pesquisadores no campo da informática discordam sobre a estrada à frente das máquinas, eles dizem que a relação dos seres humanos com máquinas provavelmente será harmoniosa, não assassina. No entanto, há uma série de situações que possam conduzir a seres não-biológicos com o objetivo de exterminar a humanidade. "A tecnologia já existe para construir um sistema que vai destruir o mundo inteiro, intencionalmente ou não, se ele apenas detecta as condições adequadas", disse Shlomo Zilberstein, professor de ciência da computação na Universidade de Massachusetts. 1. Aprender como no Matrix
Falando sobre o "Matrix", poderia o conhecimento, tal como a forma de praticar kung fu, ser enviado para o cérebro em poucos segundos através de um computador futurista dentro do crânio, como acontece com a personagem de Keanu Reeves? Algumas pesquisas emergentes sugerem que o ritmo de aprendizagem de uma habilidade pode ser tecnologicamente impulsionado. Por exemplo, com o chamado neurofeedback descodificado, os cientistas usaram a ressonância magnética funcional para acionar padrões de atividade cerebral no córtex visual que correspondem aos de um estado mental conhecido anteriormente, melhorando assim o desempenho de tais tarefas visuais. Talvez algum dia, com grandes avanços em várias áreas, a aquisição de conhecimentos e habilidades possa acontecer a velocidades de banda larga, com todo o hardware implantado cirurgicamente e externo. "O conceito não é totalmente implausível", disse Bruce McNaughton, neurocientista da Universidade de Lethbridge, no Canadá. " Eu sugiro que você volte em algumas centenas de anos". FONTE:ciencia-online

Nenhum comentário: