Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

sábado, 13 de agosto de 2016

EXPLOSÃO CÓSMICA DEIXOU PRECIPITAÇÃO RADIOATIVA NO FUNDO DO OCEANO

Há milhões de anos atrás, uma série de explosões de supernovas próximas iluminou o céu, chovendo partículas radioativas em nosso planeta, e isso pode ter impulsionado uma grande mudança climática. Essas são conclusões de estudos publicados na Nature, que ligam detritos radioativos espalhados por todo o fundo do mar a explosões cósmicas a centenas de anos-luz de distância. Os astrônomos há muito vêm especulando se explosões de supernovas impactaram nosso planeta ao longo da história geológica. Na verdade, nós já temos determinada uma “distância mortal”, em que as partículas de alta energia dispersas pela tal explosão seriam catastróficas para a vida na Terra (caso você esteja curioso, é 26 anos-luz). Agora, em uma das análises mais detalhadas, até à data, uma equipe internacional de pesquisadores demonstrou que as supernovas não muito distantes afetaram a Terra num passado não muito distante. Os primeiros sinais vieram há mais de uma década, quando uma equipe de pesquisa da TU Munique descobriu evidências de ferro-60 em amostras geológicas recolhidas no fundo do mar do Pacífico. Um isótopo radioativo que decai com uma meia-vida de 2,6 milhões de anos, o ferro-60 é produzido em abundância nas explosões estelares. Intrigado com a descoberta, Anton Wallner, da Universidade Nacional Australiana, montou uma equipe internacional para vasculhar o fundo do mar atrás de evidências adicionais de ‘vísceras estelares’. Através de 120 amostras coletadas dos fundos do Pacífico, do Atlântico e do Oceano Índico, a equipe descobriu que a precipitação radioativa é distribuída globalmente. Além disso, pode ser atribuída a dois períodos distintos de tempo: 6.5-8.7 milhões de anos atrás, e 3.2-1.7 milhões de anos atrás. “Este é de longe o maior estudo desse tipo que já foi feito”, disse o astrônomo Adrian Mellott, da Universidade de Kansas, que não esteve envolvido no estudo. “Isso nos diz definitivamente que isso aconteceu, e dificilmente poderia ser qualquer coisa, além de supernovas”. O mais recente dos dois eventos sobrepõe-se com o aparecimento de um episódio de arrefecimento global – o Pleistoceno. Mellott e outros astrônomos suspeitam que supernovas nas proximidades possam afetar o clima da Terra de várias maneiras, a mais importante pela queima da nossa camada de ozônio. Se os estertores de uma estrela ajudaram a alavancar o Pleistoceno, isso não está claro, mas é certamente uma possibilidade intrigante. “Nós não temos nenhuma evidência concreta de que qualquer evento está vinculado a um supernova”, disse Mellott. “Mas as probabilidades existem, uma ou mais existem”. Quanto a onde exatamente as erupções cósmicas se originaram? Um segundo estudo na Nature tentou responder a essa pergunta exata, modelando ferro-60 transportado através do espaço interestelar. O estudo constatou que a mais próxima das explosões, provavelmente, ocorreu em um conjunto de estrelas antigas há alguns 326 anos luz de distância. Enquanto isso não é exatamente nosso quintal cósmico, é perto o suficiente para ter deixado uma boa impressão. Se você estava vivo na Terra alguns milhões de anos atrás, um objeto azul profundo, pequeno como estrelas, mas brilhante como a Lua, teria feito uma adição do brilho a seu céu noturno. FONTE: curioso.blog.br/post/explosao-cosmica-deixou-precipitacao-radioativa-fundo-oceano/

Nenhum comentário: