Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

sábado, 5 de abril de 2014

A ESTRELA MAIS ANTIGA DESCOBERTA ATÉ AGORA VIVE NA VIA LÁCTEA

Nasceu cerca de 200 milhões de anos após o Big Bang e vive a 6.000 anos-luz de distância da Terra. Os astrônomos australianos anunciaram ter identificado uma estrela nascida há 13,6 bilhões de anos, no alvorecer do Universo, o que faz dela a estrela mais antiga jamais descoberta até hoje. O estudo sobre a origem destas estrela foi publicado na Nature. Se os cálculos daqueles cientistas estiverem correctos, esta estrela formou-se cerca de 200 milhões de anos após o Big Bang. Em termos comparativos, a Terra tem 4,5 bilhões de anos. Há 200 milhões de anos, os dinossauros dominavam o mundo. Até agora, os mais antigos astros identificados tinham 13,2 bilhões de anos. Estes objectos foram descritos em 2007 e 2013 por, respectivamente, equipas europeias e norte-americanas. À escala astronômica, esta antiga estrela está relativamente próxima de nós, sublinha Stefan Keller, do observatório do Monte Stromlo, perto da capital australiana de Canberra. A estrela está situada na Via Láctea, na nossa galáxia, a cerca de 6000 anos-luz da Terra. No catálogo do Universo, a sua identificação é SMSS J0313000.36-670839.3. “O que permite a revelação da idade desta canónica estrela é a ausência total de qualquer nível detectável de ferro no espectro da luz que se liberta dela”, explica Stefan Keller à agência France Press. Após o Big Bang, o Universo estava cheio de hidrogénio, hélio e tinha traços de lítio. Todos os outros elementos que existem hoje foram produzidos nas estrelas durante a reacção nuclear que se dá no seu interior. Depois, novas estrelas com elementos mais complexos foram nascendo a partir de nuvens de gás e pó deixados pelas supernovas – estrelas gigantes que explodem no final das suas vidas. A reciclagem contínua daqueles elementos pode servir aos astrofísicos para avaliar a idade de uma estrela a partir da concentração crescente de ferro. Ou seja, quanto menos ferro tiver uma estrela, mais antiga ela é. “A taxa de ferro no Universo aumenta com o tempo, à medida que se formam e que morrem novas gerações de estrelas”, resume o astrónomo. “Podemos utilizar a quantidade de ferro contido numa estrela como um ‘relógio’ que nos diz quando é que ela se formou.” “No caso da nossa estrela, a quantidade de ferro é menos de um milionésimo do que a do nosso Sol, e 60 vezes menos do que qualquer outra estrela já analisada. O que significa que esta é a estrela mais velha alguma vez descoberta”, afirmou o investigador. A estrela em questão foi descoberta com a ajuda do telescópio SkyMapper da Universidade Nacional da Austrália, que está a conduzir um estudo de cinco anos sobre o céu do Sul. De acordo com o estudo, esta estrela foi produzida a partir dos despojos de uma supernova pouco energética, que teria uma massa 60 vezes a massa do Sol, e foi uma das primeiras estrelas do Universo. Fonte: Publico

Nenhum comentário: