Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

domingo, 2 de julho de 2017

QUAL É O MISTÉRIO POR TRÁS DE STONEHENGE?

A uma distância de 13 quilômetros ao norte de Salisbury, uma pequena cidade da Inglaterra, no Reino Unido, encontramos o que é chamado de Stonehenge, um grande círculo de pedras que poucos sabem o que significa. Esse é um monumento antigo que foi de grande importância para as pessoas que o ergueram. Infelizmente, não sabemos qual é o seu significado, tampouco informações sobre o povo que o construiu. O mistério de Stonehenge tem nos deixado intrigados durante séculos, mas até o século XX nós nem sequer sabíamos quantos anos toda aquela estrutura tinha. Mas cada visitante – e nós também – sabemos o óbvio: a sociedade responsável por erguer aquelas pedras tiveram um monte de problemas para colocá-las naquele lugar. Claramente foi necessário muito planejamento, organização, cooperação e mão de obra. Os arqueólogos estimam que uma sociedade antiga tenha transportado as pedras por uma grande distância e ergueu as pedras maiores entre 2620 e 2480 a.C. Ainda é um mistério como estes “pré-britânicos” transportaram essas pedras gigantescas, especialmente antes da invenção da roda. Os especialistas supõem várias teorias sobre a forma como os seres humanos poderiam ter levado essas estruturas tão longe, incluindo o uso de rolos de madeira, esferas de pedra ou pequenas rochas em formato circular.

A origem do Stonehenge

Além de todos esses mistérios, ainda nem sabemos ao menos se estas pedras são apenas uma peça de um quebra-cabeça. O Stonehenge fica no meio de um sítio arqueológico bem antigo que consiste basicamente de uma vala e banco de terra. Naquele lugar, os arqueólogos encontraram restos cremados de mais de 60 homens, além de alguns ossos humanos não queimados e muitos restos de animais. Será que foram usados para o sacrifício? Além disso, este local é apenas um dos muitos achados antigos importantes em toda a paisagem ao redor, que foi encontrada com outros monumentos séculos atrás. Para colocar a história no contexto, tenha em mente que os egípcios ergueram suas famosas pirâmides durante os mesmos séculos em que os britânicos levantaram o Stonehenge. Civilizações floresceram no Oriente Médio, mas os britânicos permaneceram na Idade da Pedra (especificamente, o Neolítico, ou seja, Nova Idade da Pedra) com a tecnologia da metalurgia lentamente se arrastando mais para dentro Europa. Embora estes britânicos não fossem primitivos caçadores-coletores – eles eram agricultores que viviam da cevada e do trigo –, eles provavelmente valorizavam o vale aberto onde Stonehenge permaneceu como um terreno de caça conveniente e seguro.

O que é o Stonehenge?

A quantidade de novas pesquisas ao longo dos últimos 15 anos tem desvendado novos segredos sobre o Stonehenge e seu lugar entre os outros monumentos há muito tempo desaparecidos. Primeiro, vamos examinar o próprio monumento em si. A parte mais notável de Stonehenge são as suas maiores pedras verticais, chamadas de “sarsens”. Sarsen é um tipo particular de arenito e a fonte mais próxima de tal pedra é Marlborough Downs, a cerca de 32 quilômetros de distância de onde está o Stonehenge. Os “lintéis” são as rochas sarsen longas que se encontram horizontalmente no topo de dois sarsens verticais. Quando estão todas em pé, as sarsens do interior teriam um formato de ferradura formada com cinco outras estruturas, que consistem de duas sarsens verticais coberto com uma sarsen lintel (horizontal). A maior pedra (com 9 metros de altura) teria ficado no fundo do desenho de ferradura, mas agora está parcialmente em colapso. O peso médio de uma dessas sarsens é mais do que 22.600 toneladas, o que intriga ainda mais os pesquisadores. Os antigos bretões tiveram um cuidado excepcional com essas pedras duras. Eles esculpiram furos de encaixe para o lado de baixo dos lintéis que encaixam confortavelmente nos pontos de encaixes entalhados na parte superior das sarsens verticais. Furos de encaixe são tipicamente usados apenas em madeira, o que sugere uma característica simbólica para toda a obra.

Estruturas anexas

As pedras ao longo do círculo exterior, do mesmo modo, se encaixem com uma ligação semelhante entre si. Este círculo exterior está longe de estar completo, mas muitas pedras podem mostram o que o planejamento pretendia: um círculo completo cerca com cerca de 33 metros de largura, constituído por 30 sarsens verticais e 30 pedras horizontais (lintéis). Mais quatro pedras sarsen, conhecidas como Slaughter Stone, a enorme Pedra do Calcanhar e duas pedras chamadas Station, encontram-se fora do círculo Sarsen exterior. As pedras menores que ficam dentro do círculo Sarsen são chamados de pedras azuis, porque elas ficam azuis quando molhado ou são recém-cortadas, e cada um pesa de 2 a 5 toneladas. As pedras azuis não são apenas um tipo de rocha: 30 são dolerito basáltica, 5 consistem em rhyolite ígnea, 5 são outros tipos de rocha vulcânica e 3 são de arenito. Como o restante da estrutura, elas também vieram de diferentes fontes. Análises geológicas sugerem que pelo menos 11 vieram do Preseli Hills no oeste do País de Gales (225 quilômetros de distância), mas outros possivelmente tenham vindo de mais fontes locais próximas. Muitos dessas pedras formam um círculo entre a ferradura principal e o círculo exterior, enquanto um outro conjunto está disposto em uma forma oval no interior da ferradura. O “Altar de Pedra”, feitos de arenito Welsh (um composto diferente dos sarsens), pesa mais de 8 toneladas e encontra-se debaixo das Sarsen.

As teorias do Stonehenge

Especialistas acreditam que os antigos bretões valorizavam a Salisbury Plain como um terreno de caça conveniente e seguro. Além disso, uma ponte natural criada pelo descongelamento formaram uma “avenida” com ranhuras que coincidiriam com a ascensão do solstício de verão do sol, pois levava até o local atual Stonehenge. Embora hoje nós entendamos isso como uma coincidência natural, esses povos antigos poderiam ter considerado o lugar como sagrado e divinamente projetado. Durante a primeira fase da construção de Stonehenge, em cerca de 3000 a.C., os antigos britânicos utilizavam chifres de veado para escavar uma vala ao longo do perímetro de um buraco circular com aproximadamente 100 metros de diâmetro, com um banco alto no interior do círculo e um baixo do lado de fora. O “henge” em Stonehenge se refere a este buraco de barro que era único na antiga Bretanha. Sabemos que cerca de 50 henges existiram na terra. No entanto, o fosso que circunda Stonehenge não é um verdadeiro henge. Muito pelo contrário; um verdadeiro henge tem uma vala no interior de um banco.

Construção complexa

Os designers do Stonehenge deixaram uma entrada mais larga na extremidade nordeste do círculo, levando para a avenida, e uma entrada estreita no lado sul. No século XVII, o antiquário John Aubrey identificou 56 buracos ao longo do perímetro interior do círculo. Estes buracos poderiam ter sido criados para hospedar postes de madeira ou talvez aquelas pedras azuis menores. Outros arqueólogos descobriram restos humanos cremados em torno desses buracos – provavelmente colocados lá ao longo dos vários séculos seguintes após depois que a vala foi escavada. Arqueólogos também descobriram outros buracos no interior da vala, sugerindo talvez que outras estruturas de madeira estivessem ali ou que as fossem próprias mensagens mapeadas pelos movimentos astronômicos. Os arqueólogos acreditam que os britânicos poderiam ter erguido a Pedra do Calcanhar durante esta primeira fase ou talvez ainda mais cedo. A próxima etapa do desenvolvimento do Stonehenge ocorreu entre 2620 e 2480 a.C., quando os antigos britânicos ergueram a ferradura e o círculo exterior. Eles montaram meticulosamente em forma as pedras sarsen para se ajustar ao desenho desejado do monumento, com sarsens verticais cônicas e uma superfície de nível notavelmente ao longo do topo dos lintéis no círculo sarsen exterior. Perto de 2300 a.C., os britânicos antigos também cavaram valas e bancos altos ao longo das fronteiras da avenida que leva ao Stonehenge. A via possuía cerca de 12 metros de largura e 2,8 km de comprimento, e seguiam uma via indireta para o rio Avon próximo ao local. Ao longo dos séculos seguintes, as pedras azuis foram reposicionadas para onde estão agora, provavelmente para proporcionar novos efeitos de uma sociedade em mudança. Apesar do próprio Stonehenge ser a relíquia mais conhecido do Neolítico, a Grã-Bretanha – e especialmente a paisagem que rodeia imediatamente o local – é rica em descobertas arqueológicas.

Outras descobertas arqueológicas da região

Em preparação para a colocação de estacionamento para os visitantes do Stonehenge, na década de 1960, os arqueólogos descobriram 3 outras estruturas – possivelmente totens – construídos no oitavo milênio a.C., a cerca de 200 metros a partir do local do Stonehenge. Especialistas se maravilharam com a ideia de o Mesolítico proporcionar a sobrevida para caçadores e sociedades que erguiam monumentos. Durante o quarto milênio a.C. em Salisbury Plain, antigos bretões construíram 17 longos “carrinhos de mão”, uma espécie de caixa de barro de madeira ou pedra, para abrigar os mortos. Milhares de anos mais tarde, entre 2200 e 1700 a.C., a área permaneceu importante, pois os antigos bretões construíram mais de 1.000 túmulos redondos adicionais para enterrar os mortos. Também no quarto milênio a.C., as pessoas estavam construindo caixas de 4 quilômetros a noroeste do que se tornaria o local de Stonehenge. Esses recintos consistem em uma vala de barro e banco com entradas, o que provavelmente marcou pontos de encontro para cerimônias da sociedade da época. No século 18, o Antiquarian William Stukeley descobriu o que ele pensava ser uma pista do povo Romano, então ele chamou de Cursus. A Cursus é um vale longo (2,8 km) consistindo de um banco e vala exterior (como Stonehenge). Outra cursus muito menor, chamada Lesser Cursus, encontra-se por perto no nordeste da Grande Cursus. Os arqueólogos também datam estes locais para o quarto milênio a.C., mas ainda não têm certeza de sua finalidade. Durrington Walls é uma estrutura antiga que abrange 0,17 quilômetros quadrados a apenas 3,2 quilômetros a nordeste de Stonehenge. O banco e vala possuem em torno de 3 metros de altura e 5,5 metros de profundidade. Ele continha 2 círculos de madeira com mais ou menos o tamanho de Stonehenge que os arqueólogos acreditam ter sido assentamentos temporários para os construtores da Stonehenge. Logo ao sul de Durrington Walls estava outro círculo de madeira chamado Woodhenge, pouco conhecido pelos turistas. Cerca de 30 quilômetros ao norte é Avebury, uma enorme estrutura contendo um círculo de pedras sarsen construído por volta de 2850-2200 a.C. também foi localizado. Em 2008, arqueólogos escavaram o final da estrada que leva a Stonehenge antes do rio. O que eles descobriram foi Bluestonehenge, uma pedra de 10 metros de largura com buracos que provavelmente eram as casas originais para os construtores da Stonehenge. Muitas perguntas ainda cercam o Stonehenge, inclusive se ele nunca foi acabado e que fim teve ao longo do tempo. Mas os arqueólogos foram capazes de desmascarar muitas das antigas teorias populares que circundavam essa estrutura misteriosa.

Mais teorias antigas do Stonehenge

Uma das histórias mais antigas de origem que conhecemos vem do século XII quando o clérigo Geoffrey de Monmouth, em seu livro “Historia de Regum Britanniae” (“História dos Reis da Grã-Bretanha”). Ele escreve que os gigantes originalmente trouxeram as pedras da África e as ergueram na Irlanda, lugar que era conhecido como “Dança do Gigante”, com poderes especiais de cura. Para comemorar a morte de 460 britânicos que morreram na batalha contra os saxões, o assistente lendário Merlin sugeriu roubar a “Dança do Gigante”. Merlin trouxe 15.000 homens na missão, mas depois de terem derrotado a defesa irlandesa, os homens não podiam mover as pedras. Naturalmente, Merlin empregou mágica para carregá-las nos barcos. Alguns estudiosos acreditam que Geoffrey de Monmouth não inventou essa história, mas simplesmente contou o conhecido conto folclórico enquanto muitos outros especialistas duvidam da lenda, que poderia ter sobrevivido desde o Neolítico. Independentemente disso, a história se alinha com a teoria de que Stonehenge era para honrar os mortos e que as pedras foram inicialmente erguidas para ter poderes de cura únicos. No início do século XVII, o Rei James I encomendou uma escavação no centro de Stonehenge, mas seus trabalhadores encontrados apenas ossos de animais e carvões queimados. Um arquiteto Inigo Jones examinou o monumento e acreditou que o trabalho era dos romanos. Mais tarde, naquele mesmo século, no entanto, John Aubrey (descobridor mencionado anteriormente) teorizou que a Stonehenge era um templo pagão, e, portanto, atribuiu sua autoria aos druidas. Os druidas eram um culto celta secreto dos sacerdotes pagãos que prosperaram a partir do terceiro século a.C. até os romanos destruí-los décadas depois. No século 18, o antiquário William Stukeley ofereceu algumas dicas que apoairam a teoria Druid de Aubrey. Ele se tornou o primeiro a notar o alinhamento de Stonehenge com o nascer do sol no verão solstício (o dia mais longo do ano), e, portanto, o pôr do sol no solstício de inverno (o dia mais curto do ano). Para muitos, esta revelação lança uma luz sobre o propósito original de Stonehenge, o que poderia ter sido um templo para o sol. Afinal, os druidas tinham estudado astronomia. No entanto, técnicas modernas de datação empregadas no século XX concluíram que a Stonehenge nasceu bem antes dos druidas. Em 1963, Gerald Hawkins publicou um best-seller declarando Stonehenge era para ser um calendário e previsão de eclipses. Especialistas arqueológicos aceitaram a teoria de que a estrutura marca solstícios de forma intencional, mas permanecem céticos de que o monumento tenha sido construído com capacidades astronômicas além das que eles conhecem. fonte: https://ahduvido.com.br/qual-e-o-misterio-por-tras-do-stonehenge/

Nenhum comentário: