Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

sábado, 22 de março de 2014

SAIBA UM POUCO MAIS SOBRE A DIABETES

A diabetes é uma doença metabólica caracterizada por hiperglicemia, também conhecido como açúcar no sangue. Existem três tipos de diabetes: tipo 1, tipo 2 e gestacional. Nos três tipos, o pâncreas não produz insulina suficiente, uma hormona que regula o açúcar no sangue, ou as células do corpo não respondem aos sinais da insulina. Os sintomas incluem sede e micção frequente, cansaço e visão embaçada e dormência nas mãos e nos pés. As complicações da diabetes incluem danos nos tecidos do corpo, incluindo o coração e vasos sanguíneos. Dois terços das pessoas com diabetes morrem de doença cardíaca ou de acidente vascular cerebral. A diabetes também acarreta um risco elevado de problemas de pele que terminam com amputações. O dano no tecido provocado pela diabetes pode levar a doença arterial periférica, que reduz a circulação nas extremidades. A má circulação, por sua vez, aumenta a probabilidade de infecção. Para agravar o problema, danos nos nervos, ou neuropatia diabética, torna difícil às pessoas com diabetes notar lesões, bolhas ou úlceras, particularmente nos pés. Assim, as pessoas com diabetes devem ter o cuidado adequado com os seus pés e prestar muita atenção a possíveis problemas. TIPOS DE DIABETES Existem 3 tipos de diabetes: O primeiro, diabetes tipo 1, antes era conhecido como "diabetes juvenil" ou "diabetes mellitus insulino-dependente". A diabetes tipo 1 é uma doença auto-imune. O sistema imunológico do corpo ataca as células das ilhotas do pâncreas, que produzem a insulina. Como resultado, o pâncreas para de produzir a insulina, ou não a produz em níveis suficiente para as necessidades do corpo. Cerca de 5 por cento dos casos de diabetes são de diabetes tipo 1, que geralmente é diagnosticada na infância. A diabetes tipo 2 é o tipo mais comum de diabetes. Na diabetes tipo 2, o pâncreas produz insulina em níveis suficientes, mas as células do corpo não respondem à hormona. Esta falta de resposta é chamado de resistência à insulina. [Diabetes tipo 2: Sintomas, causas e tratamento] Os pesquisadores ainda têm de identificar a razão pela qual algumas pessoas desenvolvem resistência à insulina e outras não. A obesidade e o sedentarismo são fatores que contribuem. Um gene passado herdado dos neandertais pode conferir um risco adicional diabetes tipo 2, de acordo com uma pesquisa. O terceiro tipo de diabetes é a diabetes gestacional. Como a diabetes tipo 2, esta forma da doença ocorre quando as células do corpo não respondem à insulina. A diabetes gestacional começa durante a gravidez. Às vezes ele desaparece após a gravidez, outras vezes, a condição é crônica. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Existem três testes para a diabetes. O primeiro é o teste de sangue A1C, que mede a glicemia média dos últimos três meses. O teste mede a glicose ligada à hemoglobina, a proteína que transporta o oxigênio no sangue. As células vermelhas do sangue que transportam esta proteína vivem cerca de três meses, de modo que a sua medição num único ponto de tempo dá uma história da quantidade de glicose no sangue. Um teste de A1C anormal mostrará níveis acima de 5,7 por cento. Um segundo teste, o teste de glicemia de jejum, requer que o paciente jejue durante oito horas antes de fazer um teste de glicemia. Este teste revela quão efetivamente o corpo metaboliza a glicose. Mais de 126 miligramas por decilitro de glucose (mg/dl) indicam diabetes. O teste final, o teste de tolerância à glucose oral, é frequentemente utilizado para o rastreio de diabetes gestacional. Este teste requer que o paciente beba uma bebida extra-açucarada. Duas horas mais tarde, a pessoa que faz um teste de sangue. Mais do que 200 mg/dl de glicose no sangue é um sinal de alerta para a diabetes. Relativamente ao tratamento, a diabetes tipo 1 implica injeções de insulina regulares, enquanto a diabetes tipo 2 pode ser tratável com dieta, exercício e uso de fármacos como a metformina, apesar de que em alguns casos pode também necessitar de injecções de insulina. FONTE: Livescience

Nenhum comentário: